conecte-se conosco


Política Nacional

Debatedores pedem medidas para ampliar a vacinação contra o HPV

Publicado

Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Comissão de Direitos da Mulher debateu medidas para reverter a baixa procura pela vacina

Em audiência pública promovida nesta quarta-feira (30) na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, debatedores defenderam a implementação de medidas para ampliar a vacinação contra o HPV no País.

Cinco anos após ser incluída no Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, em 2014, a vacinação contra o HPV ainda está longe de alcançar a eficácia pretendida.

Seja por pequena disseminação de informações sobre as doenças que a vacina pode evitar, por tabus de pais contra campanhas de vacinação ou contra uma possível relação entre a vacina do HPV e a sexualidade precoce de adolescentes, ou ainda pelo envolvimento insuficiente de entidades estaduais e municipais em uma política nacional de prevenção.

A vacina contra o HPV está disponível gratuitamente em 36 mil postos de saúde do País, para um público de meninas de 9 a 14 anos, e meninos com idades entre 11 e 14 anos, em duas doses aplicadas com intervalo de seis meses. Mas está longe de atingir o público a que se destina para a prevenção de doenças futuras, principalmente o câncer de colo de útero nas mulheres.

A representante do Ministério da Saúde na audiência, Ana Goretti Maranhão, lamentou que ainda haja baixa procura pela vacina. “A segunda dose deixa muito a desejar. Temos 52% de meninas vacinadas, e meninos, não chega a 25%. Tem todo um trabalho a ser feito não só pelo Ministério da Saúde, pelas secretarias estaduais e municipais, mas por toda a sociedade. No sentido de informar sobre o que é o problema de saúde pública e a importância de estar vacinando nossos adolescentes. É uma vacina muito segura”, afirmou.

Leia Também:  Trabalho aprova regulamentação da profissão de instrutor e condutor de voo livre

Campanhas de prevenção Para a deputada Flávia Morais (PDT-GO), que pediu a realização da audiência, é preciso enfrentar tabus e cobrar responsabilidades de familiares e entidades públicas para ampliar a prevenção do HPV.

Já a deputada Erika Kokay (PT-DF) sugeriu que a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher prepare uma publicação para que as pessoas conheçam melhor o que representa a vacina. Ela lembrou de tabus que enfrentou em um trabalho com meninas em escolas do Distrito Federal em gestão governamental do passado.

“Sofremos muita resistência, à época, de segmentos fundamentalistas que achavam que aquilo significava incitar a uma sexualidade precoce. Muitas famílias se organizando para impedir que suas filhas pudessem ser vacinadas. O que se apresentou como um desafio para enfrentar essa discussão”, disse a deputada.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Doenças Sexualmente Transmissíveis, Mauro Romero Passos, as campanhas sobre vacinação contra o HPV devem vir acompanhadas por debates sobre sexualidade.

Incidência Segundo dados da Sociedade Brasileira de Oncologia, o câncer do colo do útero é a terceira causa de câncer da mulher atualmente no País. São 16 mil novos casos por ano. No mundo, são 300 mil mulheres mortas anualmente, um problema de saúde pública mundial.

Leia Também:  Relatório à indicação de Augusto Aras para a PGR deve ficar pronto até terça

A vacina contra o HPV protege contra quatro tipos do vírus HPV, sendo que, no exterior, já existe uma mais sofisticada que protege contra nove tipos. A vacina é a principal forma de prevenção contra o aparecimento do câncer do colo de útero. Nos homens, a vacina protege contra os cânceres de pênis, orofaringe e ânus. Além disso, previne mais de 98% das verrugas genitais, doença que estigmatiza e é de difícil tratamento.

A infecção pelo HPV é contraída principalmente pela via sexual, mas também pelo contato direto com a pele, e o contágio com o HPV pode ocorrer mesmo na ausência de penetração vaginal ou anal.

Não está comprovada a possibilidade de contaminação por meio de objetos, do uso de vaso sanitário e piscina ou pelo compartilhamento de toalhas e roupas íntimas.

Para a representante da Sociedade Brasileira de Oncologia, Angélica Nogueira, o câncer de colo do útero é um problema de saúde pública que não deveria existir mais, dada a eficiência da vacina.

De acordo com Angélica, a incidência de câncer provocado por HPV é estável no País. Mas há variações regionais. Na região Norte do País, ainda é maior na mulher, superando o câncer de mama.

Reportagem – Eduardo Tramarim
Edição – Pierre Triboli

Fonte: Agência Câmara Notícias
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Bolsonaro nega volta do imposto sindical

Publicado

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais para negar a volta do imposto sindical. No Twitter, ele explicou que existe, na Câmara dos Deputados, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC-136), de autoria dos parlamentares, que propõe a criação do imposto na Constituição. “Não procede a notícia de que o nosso governo se prepara para a volta do Imposto Sindical”, ressaltou o presidente nesta segunda-feira (9).

Também pelo Twitter, o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, em resposta à notícia publicada pelo site O Antagonista, disse que o governo não cogita a volta do imposto sindical.

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Política
Leia Também:  Santos Cruz diz que Olavo de Carvalho é "um vigarista profissional"
Continue lendo

Política Nacional

Câmara aprova uso de fundo para ampliar banda larga em escolas

Publicado

O plenário da Câmara aprovou na noite desta segunda-feira (9) o projeto de lei que autoriza o uso de recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) para a ampliação da banda larga em escolas públicas urbanas e rurais. Como foi modificado na Câmara, o texto retorna para o Senado.

O Fust arrecada anualmente cerca de R$ 1 bilhão e já tem acumulado R$ 21,8 bilhões. Como a lei atual permite que os recursos sejam aplicados apenas para a expansão da telefonia fixa, o fundo praticamente não foi utilizado para investimentos no setor de telecomunicações.

O projeto foi aprovado após um acordo feito pela maioria dos partidos, que retirou do substitutivo do relator, deputado Vinicius Poit (Novo-SP), destaque que retirava um dispositivo que extinguia os recolhimentos das empresas de telecomunicações para o Fust após um prazo de dez anos.

Para se chegar ao acordo, também foram incluídas as escolas públicas rurais no uso dos recursos do Fust para ampliação da banda larga e se ampliou o número de participantes no conselho gestor do fundo, que passou a ter mais quatro representantes: dois da sociedade civil, um do Ministério da Educação e um do Ministério da Saúde.

Leia Também:  Comissão pode votar na segunda-feira MP sobre regularização ambiental

O conselho gestor foi inserido no parecer de Poit para decidir em quais projetos podem ser descontados o dinheiro que as empresas devem recolher ao Fust.

Fronteira

O plenário também aprovou nesta segunda-feira um projeto de lei que amplia para 2025  prazo de ratificação de registro de imóveis na fronteira. O texto segue para o Senado.

* Com informações da Agência Câmara

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Política
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana