conecte-se conosco


Agro News

Curso atualiza profissionais da indústria da pesca para atender ao mercado europeu

Publicado

A Secretaria de Aquicultura e Pesca promove, a partir da próxima segunda-feira (15), o Workshop Internacional de Capacitação das Indústrias de Aquicultura e Pesca para o Mercado Europeu. O evento é uma ação conjunta entre o ministério, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e o Sindicato dos Armadores e das Indústrias de Pesca de Itajaí e Região (Sinpi).

As aulas ocorrerão até o dia 19 de julho na sede do sindicato, em Itajaí (SC). Serão ministradas por especialistas internacionais da FAO que abordarão aspectos sobre sanidade e inocuidade dos produtos pesqueiros destinados ao mercado europeu.

O objetivo do workshop é atualizar conhecimentos e práticas do parque industrial brasileiro para que atendam a critérios e normas dos importadores europeus. Isso porque, desde janeiro do ano passado, as indústrias brasileiras de pescado estão impedidas de exportar para a Europa,  principalmente, em função de requisitos de ordem sanitária exigidos dos estabelecimentos industriais na produção e industrialização.

Entre os assuntos que serão abordados estão a implementação de programas de pré-requisitos (PRPs), incluindo rastreabilidade do sistema de análise de perigo e pontos críticos de controle (HACCP) e de projetos adequados das áreas de produção, de infraestrutura de estabelecimento de processamento e de barcos congeladores.

O Workshop é oferecido a 60 participantes indicados por entidades representativas da indústria da aquicultura e da pesca, além de órgãos governamentais relacionados à atividade.

A programação completa do curso pode ser conferida aqui. 

Leia Também:  O Boletim do Leite de julho está disponível em nosso site!

Mais informações à Imprensa:

Coordenação-geral de Comunicação Social
[email protected]

Fonte: MAPA GOV
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Agro News

CAFÉ/CEPEA: Boas floradas pressionam com força valores do arábica

Publicado

Cepea, 16/10/2019 – Os preços externos e internos do café arábica registraram forte queda nesta primeira quinzena de outubro, influenciados pela expectativa de oferta elevada depois da abertura da principal florada em importantes regiões produtoras do Brasil. Outro fator que pressionou as cotações foram as chuvas nos últimos dias, que devem auxiliar no pegamento das flores. Assim, de 30 de setembro a 15 de outubro, o Indicador CEPEA/ESALQ do café arábica tipo 6 bebida dura para melhor, posto na capital paulista, registrou queda de 23,55 Reais por saca de 60 kg (ou 5,3%), passando de R$ 438,49/sc para R$ 414,94/sc. Para o robusta, segundo colaboradores do Cepea, as chuvas registradas no final de setembro também favoreceram a abertura de mais uma florada no Espírito Santo e em Rondônia, além de auxiliar no pegamento das flores abertas anteriormente. No entanto, esse cenário pressionou as cotações externas e internas neste início de outubro. Ainda assim, a desvalorização da variedade foi menos expressiva que a do arábica, especialmente devido à oferta restrita no Vietnã – que amenizou a queda dos futuros – e ao maior interesse comprador no Brasil. De 30 de setembro a 15 de outubro, o Indicador CEPEA/ESALQ do tipo 6 peneira 13 apresentou queda de 6,36 Reais por saca de 60 kg (ou 2,1%). Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Leia Também:  Ministra instala Comitê Permanente do Autocontrole: “Está na hora de o Brasil virar adulto nesse jogo”

Fonte: Diárias de Mercado
Continue lendo

Agro News

ALGODÃO/CEPEA: Vendedor firme e baixa oferta de pluma de qualidade elevam Indicador

Publicado

Cepea, 16/10/2019 – As cotações do algodão em pluma subiram nesta primeira quinzena de outubro. Entre 30 de setembro e 15 de outubro, o Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, aumentou 0,7%, fechando a R$ 2,4927/lp nessa terça-feira, 15. Segundo colaboradores do Cepea, vendedores estão mais firmes nos preços pedidos, atentos aos elevados patamares internacionais, aos embarques de lotes já contratados e ao beneficiamento. Além disso, a disponibilidade de pluma de qualidade está baixa, e cotonicultores indicam já ter comercializado a maior parte da produção. Do lado da demanda, indústrias tentam negociar a preços menores, enquanto trabalham com a matéria-prima estocada e/ou proveniente de contratos. Quando há urgência, especialmente por lotes de maior qualidade, compradores acabam pagando valores maiores. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Fonte: Diárias de Mercado
Leia Também:  Tereza Cristina: “Nossa agricultura precisa de mais tranquilidade, de mais segurança para produzir”
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana