conecte-se conosco


Mato Grosso

Cultivo de banana da terra em sistema adensado pode obter aumento de até 75% na produtividade

Publicado


.

No município de Acorizal (62 km ao Norte de Cuiabá), foi implantada uma Unidade de Referência Tecnológica (URT) para avaliar o desenvolvimento da cultura da banana da terra. A cultivar analisada foi a Farta Velhaco, no sistema irrigado e plantio adensado. O experimento foi montado na Comunidade Guanandi, no Sítio Cantinho do Céu, do produtor rural Ernesto Teobaldo de Assis Filho (56), em uma área de meio hectare (cinco mil metros quadrados). A previsão é colher 7 mil quilos de banana da terra, que serão comercializados na região, podendo gerar uma renda de até R$ 22.750.

A Unidade é mantida pelo agricultor Pedro Paulo Teobaldo Ribeiro, de 17 anos, que trabalha com seu pai, Ernesto. Pedro explica que em uma área de 14 hectares eles possuem plantio de limão, quiabo, melancia, milho e criação de gado de corte. Em abril de 2019 implantaram a URT com o auxílio técnico da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e apoio financeiro da Cooperativa de Crédito Sicredi.

Conforme Pedro, o custo de implantação da Unidade foi de R$ 2.500, com aquisição de mudas, adubo e calcário. A mão-de-obra é realizada pelos agricultores, que esperam ter um lucro líquido de R$ 17.500 com a venda da banana da terra. A colheita já começou, e foram comercializadas 50 caixas de 20 quilos por R$ 65,00 a caixa, dando um retorno de R$ 3.250. A previsão é comercializar 350 caixas até o mês de julho.

A previsão é comercializar 350 caixas de banana da terra até o mês de julho.

O técnico agropecuário da Empaer, Carlos Reis, explica que o agricultor Pedro buscou informações sobre o plantio adensado no site da Empaer e consultou os técnicos da empresa sobre a viabilidade da implantação do sistema em sua propriedade. A diferença do sistema convencional é o espaçamento entre as plantas. Enquanto o convencional utiliza o cultivo com três metros de espaçamento e 1.111 plantas por hectare, o adensado usa o espaçamento de dois metros e 2.400 plantas por hectare. “O cultivo possibilita a mesma quantidade de planta na metade de uma área. Em um hectare seria usado 1.100 mudas”, explica.

Carlos comenta que se fosse optado pelo sistema convencional, o plantio seria de até 550 mudas de banana numa área de meio hectare, alcançando uma produção de no máximo quatro mil quilos. Na mesma área foi plantado o dobro de mudas e a previsão é colher sete mil quilos. Os dados são parciais, a colheita está sendo realizada e a expectativa de ganho com esse sistema de plantio adensado prevê um aumento de R$ 9.750, ou seja, de 75% em comparação com o convencional.

No sistema de plantio adensado são retirados os perfilhos (filha e neta) da bananeira, ou seja, após o fim do ciclo produtivo se faz o corte das plantas e um replantio. Todo o plantio é irrigado por gravidade e gotejamento, sendo utilizados cerca de 10 mil litros de água por dia. “Uma das nossas missões também é auxiliar os agricultores no uso de defensivos agrícolas. Nesse plantio de banana não foi utilizado nenhum tipo de defensivo químico, só usaremos em último caso”, destaca.

O sistema de plantio adensado usa o espaçamento de dois metros e 2.400 plantas por hectare.

O pesquisador da Empaer, Humberto Marcílio, fala que a recomendação do plantio adensado para a agricultura familiar é uma estratégia para aumentar a produtividade, além de melhorar o aproveitamento da mão-de-obra e de insumos, e reduzir custos com controle de plantas invasoras.

Segundo Marcílio, para a utilização do plantio adensado é necessário que as condições do solo sejam favoráveis (textura mista, profundo, bom teor de matéria orgânica e bem drenado) e que sejam aplicadas práticas culturais de correção do solo e adubação. Ele destaca que é importante seguir as recomendações para a cultura e viabilizar a instalação de sistema de irrigação. “O adensamento promove maior competição entre as plantas por fatores de crescimento, como água, luz e nutrientes”, adverte.

Fonte: GOV MT

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mato Grosso

Bombeiros alertam para riscos do uso indevido de técnicas de combate aos incêndios florestais

Publicado


.

O Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBMMT) alerta para o perigo do uso indevido de técnicas de combate aos incêndios florestais, tendo em vista que são ações complexas que necessitam de cuidados específicos, equipamentos e capacitação profissional para serem realizadas.

No sábado (12.09), no início da manhã, a unidade de Primavera do Leste (6° CIBM) foi acionada para atender a um incêndio de grandes proporções na comunidade Água Emendada, que faz divisa com a comunidade João de Barro.

Segundo relatos dos solicitantes, o fogo avançou um aceiro após o uso inadequado da técnica de “contrafogo” por parte da população local e atingiu uma área onde havia cerca de 30 bovinos e uma caminhonete modelo Ford Ranger.

Na tentativa de impedir o avanço das chamas, os moradores da comunidade Água Emendada fizeram um aceiro por todo o entorno do fogo e utilizaram a técnica de contrafogo, mas o vento acabou mudando de direção e, com o tempo muito seco e a grande quantidade de materiais combustíveis, o fogo pulou o aceiro e avançou para a comunidade vizinha, João de Barro.

Os bovinos morreram com as chamas e o veículo queimou completamente. A guarnição solicitou o acionamento do plano de chamada para que fosse realizado o controle do fogo, que avançava muito rápido pela região. Chegaram ao local mais duas equipes da 6° CIBM e uma do 3° BBM (Batalhão Bombeiro Militar de Rondonópolis). Foi realizado o combate em cerca de 5 km de linha de fogo, no lado leste do rio Poxoréu. 

Contrafogo

A técnica do contrafogo é defensiva e atua por meio do uso controlado do fogo para impedir que um incêndio avance, mas se utilizada de maneira indevida, pode colocar em risco a segurança humana, dos animais e do meio ambiente.

É necessário levar em conta que as condições climáticas, como o vento, podem se tornar um agravante, e por isso é indispensável uma análise completa da situação para decidir qual a melhor técnica de combate.

Em caso de ocorrências de incêndios e queimadas, não é recomendado que a população intervenha, mas sim que acione imediatamente o CBMMT pelo número 193 para realizar o combate seguro às chamas.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Contrafogo: bombeiros militares alertam para os riscos do uso indevido de técnicas de combate a incêndios florestais

Publicado


.

O Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBMMT) alerta para o perigo do uso indevido de técnicas de combate aos incêndios florestais, tendo em vista que são ações complexas que necessitam de cuidados específicos, equipamentos e capacitação profissional para serem realizadas.

No sábado (12.09), no início da manhã, a unidade de Primavera do Leste (6° CIBM) foi acionada para atender a um incêndio de grandes proporções na comunidade Água Emendada, que faz divisa com a comunidade João de Barro.

Segundo relatos dos solicitantes, o fogo avançou um aceiro após o uso inadequado da técnica de “contrafogo” por parte da população local e atingiu uma área onde havia cerca de 30 bovinos e uma caminhonete modelo Ford Ranger.

Na tentativa de impedir o avanço das chamas, os moradores da comunidade Água Emendada fizeram um aceiro por todo o entorno do fogo e utilizaram a técnica de contrafogo, mas o vento acabou mudando de direção e, com o tempo muito seco e a grande quantidade de materiais combustíveis, o fogo pulou o aceiro e avançou para a comunidade vizinha, João de Barro.

Os bovinos morreram com as chamas e o veículo queimou completamente. A guarnição solicitou o acionamento do plano de chamada para que fosse realizado o controle do fogo, que avançava muito rápido pela região. Chegaram ao local mais duas equipes da 6° CIBM e uma do 3° BBM (Batalhão Bombeiro Militar de Rondonópolis). Foi realizado o combate em cerca de 5 km de linha de fogo, no lado leste do rio Poxoréu. 

Contrafogo

A técnica do contrafogo é defensiva e atua por meio do uso controlado do fogo para impedir que um incêndio avance, mas se utilizada de maneira indevida, pode colocar em risco a segurança humana, dos animais e do meio ambiente.

É necessário levar em conta que as condições climáticas, como o vento, podem se tornar um agravante, e por isso é indispensável uma análise completa da situação para decidir qual a melhor técnica de combate.

Em caso de ocorrências de incêndios e queimadas, não é recomendado que a população intervenha, mas sim que acione imediatamente o CBMMT pelo número 193 para realizar o combate seguro às chamas.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana