conecte-se conosco


Justiça

Covid-19: Justiça decreta bloqueio de bens de prefeito de Caxias (RJ)

Publicado


A Justiça do Rio de Janeiro decretou a indisponibilidade de bens do prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, no valor de R$ 2,45 milhões, em ação que investiga irregularidades na vacinação contra covid-19 no município da Baixada Fluminense. O pedido foi feito pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

Segundo o Ministério Público, a ação de improbidade administrativa foi ajuizada devido à recusa do prefeito em obedecer o Plano Nacional de Vacinação (PNI), em atender às decisões judiciais que determinaram respeito aos grupos prioritários e em reservar vacinas para aplicação da segunda dose da CoronaVac.

O MPRJ também justificou a ação pelas constantes aglomerações constatadas durante a vacinação em Duque de Caxias.

Também foi decretada indisponibilidade de bens dos outros réus na ação: o secretário municipal de Saúde, Antônio Manoel de Oliveira Neto (no valor de até R$ 1,59 milhão), a subsecretária municipal de Saúde, Célia Serrano (até R$ 1,08 milhão) e o ex-secretário municipal de Saúde José Carlos Oliveira (até R$ 478 mil).

A prefeitura de Duque de Caxias informou que, até o momento, nem o prefeito nem o município foram intimados. “Ao tempo da válida intimação, serão interpostos os recursos competentes”, destacou nota divulgada pela prefeitura.

Edição: Claudia Felczak

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Justiça

Semob: Emanuel se diz surpreendido com afastamento de secretário, mas que confia nas instituições

Publicado

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), falou sobre o afastamento de mais um secretário da sua gestão, o de Mobilidade Urbana, Antenor Figueiredo, acusado de irregularidades na compra se semáforos inteligentes, para que a Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor), tenha isenção no caso.

“Se a gente não confiar que uma Delegacia da Corrupção vai agir com Cuiabá com a mesma isenção, imparcialidade e firmeza que age com o Estado, com Várzea Grande, com qualquer outro lugar, aí é o fim do mundo. Aí estamos gritando no deserto. Nós temos que confiar nas nossas instituições. Por mais que as vezes a gente fica naquela insegurança, mas devemos confiar nas nossas instituições. Se a gente não confiar, daí é o fim do mundo”, disse.

O prefeito disse que foi surpreendido com a operação Sinal Vermelho, deflagrada pela Delegacia Especializada. “Eu prefiro, ainda, confiar nas instituições, mas me estranhou porque não houve uma busca e apreensão, não houve nenhuma outra medida cautelar assessória ao afastamento do secretário. Não tem nada comigo, tanto que está aqui no juiz singular”.

“Mas é com a minha gestão, uma gestão que a gente trabalha dia e noite, com responsabilidade, com toda transparência, preocupado com Cuiabá. Aí a gente vê, quando acontece fatos como esse, já crucificam o secretário, tentam puxar o prefeito para uma ilação, uma possível denúncia, daí começa a politicagem, a baixaria sendo fomentada”, declarou.

Emanuel Pinheiro disse que é ousado. “Sou ousado, eu não quero qualquer coisa para Cuiabá, quero o melhor para Cuiabá. Eu podia agir como muito dos meus antecessores agiram, de forma pequena, de forma micro, achando que aquele sistema semafórico estava tudo bem, aquilo era um lixo, uma vergonha, Cuiabá, uma capital em pleno século XXI com aquele parque semafórico”.

Continue lendo

Justiça

Aras pede esclarecimentos sobre operação que deixou 25 mortos no Rio

Publicado


O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro, informações sobre a operação policial que deixou 25 mortos na favela do Jacarezinho. Aras também pediu esclarecimentos ao Ministério Público do Rio. O prazo para o envio da manifestações é de cinco dias úteis. 

Ao receber as informações, o procurador-geral deverá avaliar se houve descumprimento da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que estabeleceu balizas para as operações e tomará as medidas cabíveis. Conforme decisão proferida pelo STF no ano passado, as operações poderão ser deflagradas somente em casos excepcionais. A polícia ainda deverá justificar as medidas por escrito e comunicá-las ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, órgão responsável pelo controle externo da atividade policial.

A operação é questionada por diversas entidades que atuam em defesa dos direitos humanos, pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pela Defensoria Pública do estado. 

Ontem (6), a Polícia Civil negou que tenha havido casos de execução de suspeitos durante a operação na favela do Jacarezinho. O delegado Fabrício Oliveira, chefe da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), unidade especial da Polícia Civil, contou que os confrontos se estenderam por toda a comunidade e que os criminosos invadiram as casas dos moradores, o que forçou os policiais a entrar nas residências. Oliveira negou, porém, que tenha havido execução de suspeitos.

O objetivo da operação era combater grupos armados de traficantes de drogas vinculados à facção Comando Vermelho que estariam aliciando crianças para o crime.

Edição: Nádia Franco

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana