conecte-se conosco


Saúde

Coronavírus: 80% das pessoas não apresentam sintomas; veja como se prevenir

Publicado

Minha Saúde

Uma pessoa infectada pelo novo coronavírus que está alertando a população mundial pode chegar a nem desenvolver sintomas. Embora ele tenha um padrão de proliferação bastante elevado, 80% das pessoas que entram em contato com ele não apresentam sintomas. E apenas 3% desenvolvem pneumonia viral . Mas é importante dizer que isso pode mudar, como ocorreu com o zika.

coronavírus arrow-options
shutterstock

Casos de coronavírus já foram identificados na Ásia, em países da Europa, e nos Estados Unidos e Canadá

Leia também: China tem dia com maior número de mortos por coronavírus; veja ações emergenciais

Quem faz essa afirmação é a primeiro-tenente pesquisadora, encarregada do Laboratório de Biologia Molecular do Instituto de Pesquisas Biomédicas, do Hospital Naval Marcílio Dias, Shana Barroso, que trabalha na área de vírus desde 2003.

“O que sabemos hoje é que 3% das pessoas que entram em contato com ele desenvolvem pneumonia viral, ou seja, um padrão normal para vírus respiratório”, destaca a pesquisadora.

Em entrevista ao MinhaSaúde , Shana fala sobre os riscos de proliferação da doença no Brasil, o que deve-se ou não evitar em termos de consumo de alimentos e comportamentos e como proceder caso tenha tido contato com alguém que tenha vindo da China e apresente sintomas como febre e dificuldades respiratórias. Leia a entrevista na íntegra:

Recentemente, a Organização Mundial de Saúde elevou de moderado para elevado o risco da contaminação internacional pelo coronavírus, o que representa isso?

Esse é o mesmo tipo de alerta que foi dado para o risco de infecção da H1N1, zika e ebola, por exemplo. Significa que o vírus pode ser espalhado pelo mundo com mais rapidez do que se o risco fosse moderado. Na China, o risco de espalhamento é muito elevado. Mas esse ainda não é o último estágio da OMS, que é o de emergência global, quando há casos confirmados de infecção pelo novo vírus em todos os continentes.

O coronavírus é um vírus novo?

Absolutamente não. Aproximadamente um terço dos problemas respiratórios são causados por coronavírus. As pessoas já o conhecem, mas não estão ligando o nome à pessoa. A diferença desse é que trata-se do que chamamos de vírus de RNA, que tem um nível de mutação muito elevado. Os pesquisadores estimam que a versão que está circulando atualmente é uma mistura de dois tipos de corona, que sofreu uma mutação. Exatamente como foi o caso da gripe suína, na qual três vírus deram origem a um novo.

Mas por que então é preocupante?

Porque ainda não temos sistema imunológico para combater esse novo tipo de coronavírus. Se tudo seguir o fluxo normal, a gente vai ter em breve imunidade contra essa versão atual do vírus. Uma pessoa normal, depois de entrar em contato com o vírus, duas semanas depois terá anticorpos para combatê-lo. Mas ainda não dá para saber como isso vai se dar na população mundial, porque não se conhece ainda a modelagem de proliferação desse vírus.

Aproximadamente um terço dos problemas respiratórios são causados por coronavírus. As pessoas já o conhecem, mas não estão ligando o nome à pessoa.

O coronavírus é menos letal que a SARS (Síndrome respiratória aguda grave, na sigla em inglês), mas mais preocupante do que o H1N1?

Essa nova versão do coronavírus tem um padrão de espalhamento rápido, mas 80% das pessoas que entram em contato com ele não apresentam sintomas. Mas isso pode mudar. O zika, antes de todo o frenesi em cima dele, era considerado um vírus tranquilo. Mas ele sofreu uma mutação e ficou mais perigoso. Então ainda temos que avaliar. O que sabemos hoje é que 3% das pessoas que entram em contato com o novo coronavírus desenvolvem pneumonia viral, ou seja, um padrão normal para vírus respiratórios.

Qual o período de incubação desse coronavírus e o que isso significa em termos de risco?

O período de incubação dele é de um a 14 dias. Ou seja, você teve contato com o vírus e pode levar até 14 dias para apresentar sintomas ou, como dissemos, nunca apresentar. O próprio sistema imunológico conseguir resolver. Acontece o mesmo com outras doenças respiratórias como a gripe.

Leia também: E se chegar no Brasil? O que fazer de fato para se proteger do coronavírus

Qual é o risco real de contágio por esse novo coronavírus no Brasil? É preciso evitar viagens?

Tínhamos até ontem três casos suspeitos no Brasil, dois no Sul e um em Minas Gerais. Ou seja, são pessoas que vieram da China e estão com os sintomas. Mas para saber se se trata desse coronavírus é preciso fazer um teste molecular. As amostras são colhidas e enviadas para o Rio de Janeiro. Não há sentido, por ora, de se falar em evitar viagens de avião mesmo internacionais, para os EUA e Europa.

Além disso, no Brasil, a Anvisa tomou uma série de precauções alertando nos aeroportos e portos sobre sintomas como febre e dificuldades respiratórias. No Brasil, estamos no nível 2 de classificação de risco, que é caracterizado pela existência de casos suspeitos. É um risco intermediário e o Brasil tem que se preparar para a eventual proliferação desse vírus.

Leia também: Brasil tem nove casos suspeitos de coronavírus; três estão em São Paulo

Faz sentido usar máscara?

Por enquanto não. Nós costumamos dizer que esse coronavírus é envelopado, ou seja, consegue-se inativá-lo com álcool, lavando bem as mãos, e evitando ficar em ônibus fechados por exemplo.

coronavírus arrow-options
shutterstock

Segundo especialista, brasileiros não precisam usar máscaras nesse momento

Há risco de infecção por contato com animais infectados pelo vírus?

No Brasil ,definitivamente não. Dois grupos de pesquisadores estão sequenciando o vírus. Um deles acha que a sequência parece com a corona de cobra, e outro com vírus de morcego e outro animal que não sabem a fonte ainda.

O vírus foi detectado primeiramente no mercado de peixes em Wuhan, na China. É preciso evitar o consumo de pescados?

Apesar do nome, nesse mercado são vendidos e expostos diversos tipos de animais vivos. E como eu disse, os pesquisadores não estão associando o vírus a nenhum tipo de peixe. Portanto, pode-se consumir pescados tranquilamente aqui.

Quais os sintomas que devem ser um sinal de alerta para uma possível infecção por coronavírus?

Febre e sintomas respiratórios, como dificuldade para respirar.

Uma vez detectados os sintomas do coronavírus, como se deve proceder?

Deve-se procurar um hospital de referência e avisar, se for o caso, que teve contato com alguém que veio da China ou que esteve lá.

O coronavírus tem cura?

Sim, tem cura, como qualquer outra doença respiratória viral. Mas nesse caso, tratam-se os sintomas. Junto com a atuação do sistema imunológico do organismo e eventuais medicações para infecções bacterianas, que aparecem junto com a infecção viral, a doença é curada na maior parte dos casos. Se a pessoa chegar a ter pneumonia viral, a cura vai depender do status imunológico. Ou seja, crianças pequenas, pessoas mais velhas e com HIV, têm mais chances de ter complicações.

Existe vacina contra esse novo coronavírus?

Ainda não. Não é trivial fazer uma vacina para um vírus que sofre tantas mutações. Por exemplo, todo ano temos que tomar a vacina da gripe, porque o vírus está sempre se modificando e a vacina tem que acompanhar isso.

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Mãe descobre que tem duas vaginas e dois úteros durante gravidez

Publicado

Bethany McMillin%2C 27%2C soube da sua rara condição em 2018%2C durante o ultrassom da sua primeira gestação arrow-options
Foto: Reprodução/Internet

Bethany McMillin, 27, soube da sua rara condição em 2018, durante o ultrassom da sua primeira gestação

Uma professora do ensino fundamental de Michigan, nos Estados Unidos, ficou chocada quando descobriu que tinha duas vaginas e dois úteros. Bethany McMillin, 27, soube da sua rara condição em 2018, durante o ultrassom da sua primeira gestação.

Em entrevista ao Daily Mail, ela contou que, na época, acabou sofrendo um aborto e ficou arrasada ao saber que a condição poderia impedí-la de dar à luz um bebê. Isto porque o risco de um segundo aborto espontâneo ou parto prematuro era muito alto.

“O médico disse que nunca tinha visto um paciente com anatomia como a minha antes, então não havia realmente nada que ele pudesse me dizer sobre isso. Um mês depois, fui fazer um check-up, e o ginecologista de notou que também tenho um septo vaginal completo que divide minha vagina em duas seções; essencialmente, eu também tenho duas vaginas. Fiquei muito confusa. Eu nunca tinha ouvido algo assim antes, nem sabia que era possível. Não entendi como nasci assim e nunca soube”, contou em entrevista ao Daily Mail.

Contra as probabilidades, a professora descobriu que estava grávida cerca de um ano depois e deu à luz uma menina, Maeve, em setembro de 2019.

“Fiquei preocupada porque não sabia se algum médico da minha cidade sabia o suficiente sobre a minha condição para prestar assistência pré-natal adequada”, lembra. “Não me deixei ter esperança até depois das nove semanas, quando ouvi o batimento cardíaco saudável do meu bebê. Foi mais longe do que chegamos da última vez, e as estatísticas dizem que ter um batimento cardíaco saudável depois de apenas seis semanas é um forte indicador de que você não abortará”, afirma.

Agora, Bethany quer ajudar a aumentar a conscientização sobre sua condição, já que lutou para reunir informações sobre como lidar com o problema. E ainda descobriu maneiras de facilitar sua vida, como usar dois absorventes internos para cada vagina durante o período menstrual.

“Conheça seu próprio corpo”, aconselha. “Essa condição é rara e pode variar muito de mulher para mulher. Há muitas coisas que não se sabem ainda e, mesmo o que se sabe a respeito, pode não se aplicar a todas as mulheres”, finalizou.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Saúde

Mais de 100 mil pessoas foram vacinadas no Rio contra o sarampo

Publicado

Agência Brasil

Vacina arrow-options
shutterstock

Número de imunizados bateu a meta prevista para esta sábado (15)

Mais de 103 mil pessoas foram vacinadas neste sábado (15) nas 233 unidades da rede de atenção primária (clínicas da família e centros municipais de saúde) e nos 130 postos extras espalhados pela cidade do Rio de Janeiro durante o Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo .

Segundo a prefeitura, o resultado superou a meta para esse sábado, que era a aplicação de 60 mil doses. De acordo com o balanço, nos primeiros 46 dias deste ano, já são 268.539 pessoas vacinadas no município, número próximo do total de vacinados em todo o ano passado (309.346).

Na última sexta-feira (14) foi confirmada a primeira morte por sarampo no estado do Rio de Janeiro, em 20 anos. A vítima foi o bebê de 8 meses David Gabriel dos Santos, que vivia no abrigo Santa Bárbara, local que recebe crianças acauteladas em situação de vulnerabilidade social. A morte ocorreu em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, região que registra o maior número de casos no estado.

Leia também: Brasil teve 18,2 mil casos de sarampo em 2019; doença ainda causa preocupação

No dia 1º deste mês, as secretarias Estadual e Municipal de Saúde do Rio de Janeiro também promoveram um dia de mobilização contra o sarampo, com vacinações em vários pontos do estado. A Secretaria Estadual de Saúde informou que quer chegar até o fim de março com 3 milhões de pessoas entre seis meses e 59 anos de idade imunizadas contra o sarampo.

A vacina contra o sarampo deve ser dada a todas as crianças a partir dos 6 meses de vida, a chamada dose zero. A recomendação da prefeitura é que todas as pessoas até 59 anos compareçam a um posto de vacinação para checar seu histórico vacinal e verificar se já tomaram as doses necessárias contra o sarampo. Jovens de 15 a 29 anos devem comparecer para se vacinar independentemente da história vacinal anterior.

País livre do sarampo

Em março do ano passado, o Brasil perdeu o status de país livre do sarampo, depois de registrar numerosos casos da doença. O certificado havia sido concedido em 2016 pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Leia também: Secretário alerta: risco de epidemia de sarampo é maior que coronavírus no Rio

Na última sexta-feira (14), o secretário de Vigilância em Saúde (SVS), Wanderson de Oliveira, anunciou que o Ministério da Saúde quer a erradicação do sarampo até julho deste ano. “Nossa meta é eliminar com o sarampo até 1º de julho de 2020. Para isso temos que ter adesão da população e dos gestores estaduais e municipais”.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana