conecte-se conosco


Economia

Consulta pública abre espaço para opiniões sobre economia digital

Publicado

A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) abriu uma consulta pública para ouvir empresários, trabalhadores, pesquisadores e interessados sobre que políticas são necessárias para estimular a digitalização da economia brasileira. Este processo inclui o emprego de tecnologias da informação e da comunicação nas atividades econômicas, como na automação de processos ou vendas utilizando comércio eletrônico, entre outros.

As contribuições podem ser apresentadas até o dia 24 deste mês. Um formulário foi disponibilizado para que os interessados respondam a perguntas de modo a oferecer respostas a questões propostas pela ABDI. O questionário pode ser acessado na página especial criada para a consulta (veja aqui)

O órgão vem se reunindo com atores diversos para identificar os obstáculos à digitalização da economia brasileira. A partir desse diálogo, realizado em reuniões e eventos, a sondagem foi estruturada abrangendo uma série de temas, como: infraestrutura, capital humano, privacidade e segurança, tributação, regulação e tecnologia.

Em cada um desses tópicos os participantes são instados a indicar que tipo de políticas públicas são mais adequadas. Que tipo de leis, normas ou iniciativas de entes públicos podem facilitar a adoção de tecnologias digitais? Deve haver alguma tributação, e, caso sim, em que tipo de bem ou serviço? Temas como esses perpassam o debate sobre o desafio desse processo.

Leia Também:  Dez estados não cumprem limite de gasto e podem pagar R$ 30 bi à União

Segundo o coordenador de economia digital da ABDI, Rodrigo Rodrigues, o processo de digitalização envolve três movimentos. O primeiro está relacionado à infraestrutura (sejam as redes por cabo, rádio ou satélite). O segundo diz respeito à conectividade, necessária para tecnologias do futuro, como drones, carros autônomos e outros. O terceiro envolve a criação de novos modelos de negócios tanto na indústria quanto nos serviços.

Para Rodrigues, um dos desafios é qualificar a experiência das pessoas, ainda muito centrada no uso de redes sociais ou do consumo de conteúdo audiovisual. “A gente sabe hoje que embora as pessoas sejam muito conectadas existe um problema vinculado a capital humano porque estamos centrados em Whatsapp e no Youtube. Precisamos melhorar as habilidades, como programação, criativdade e pensamento analítico, entre outras”, destaca.

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Economia
Leia Também:  Sabe liderar? Faça o teste e descubra que tipo de tipo líder é você
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Já sacou R$ 500 do FGTS? Saiba quando poderá sacar o restante liberado

Publicado

source

Agência Brasil

caixa fgts arrow-options
Gabriel Guedes/Brasil Econômico

Caixa anunciou nesta sexta-feira (13) a data de liberação do saque complementar do FGTS

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta sexta-feira (13) a data de liberação do saque complementar do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que permitirá a quem já sacou os R$ 500 do saque emergencial retirar mais R$ 498. A liberação ocorrerá a partir da próxima sexta-feira (20).

Leia também: Bolsonaro aprova aumento do limite de saque do FGTS para R$ 998; saiba sacar

Segundo o vice-presidente do Agente Operador da Caixa, Paulo Henrique Angelo Souza, mais de 10 milhões de pessoas serão beneficiadas pela nova liberação do FGTS . Terá direito ao saque extra quem tiver alguma conta do Fundo, ativa (atual emprego) ou inativa (empregos antigos), cujo saldo era de até R$ 998 (atual valor do salário mínimo) em 24 de julho deste ano, quando a Medida Provisória (MP) do FGTS foi assinada.

Quem tinha saldo acima desse valor na conta do FGTS à época só poderá retirar os R$ 500 originalmente previstos. O limite vale para cada conta, separadamente.

Leia Também:  Briga de cachorro grande

O limite do saque imediato subiu com a sanção da lei de conversão de medida provisória nº 13.932/2019, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira.

Dessa forma, um trabalhador que tinha R$ 998 em uma conta do FGTS e R$ 1 mil em outra conta até 24 de julho só poderá sacar R$ 998 da primeira conta e R$ 500 da segunda. Nesse caso, se o trabalhador tiver retirado R$ 500 de cada conta na primeira etapa do saque imediato, poderá sacar os R$ 498 restantes da primeira conta e não poderá retirar mais nada da segunda.

Para saber se tem direito ao saque adicional, o trabalhador deve consultar o extrato do FGTS na página na Caixa na internet. A consulta também pode ser feita no aplicativo FGTS, disponível nos smartphones dos sistemas operacionais Android, iOS e em computadores com o sistema Windows.

Para a consulta, basta o trabalhador digitar o número do CPF e a senha para verificar o extrato. Caso não tenha senha ou tenha se esquecido, o trabalhador deve cadastrar uma nova senha, mas, para isso, deve ter em mãos o Número de Identificação Social (NIS), que pode ser encontrado na carteira de trabalho, no Cartão do Cidadão ou no extrato impresso do FGTS.

Leia Também:  Privatizações não vão precisar de financiamento de banco público, diz BNDES

Ao acessar a conta, o trabalhador deve clicar no botão Extrato Completo, onde aparecem todas as contas do FGTS , ativas e inativas, em seu nome. O correntista deverá clicar nas informações de cada conta. Caso tenha saldo de até R$ 998 em 24 de julho, poderá sacar até esse limite.

Leia também: Caixa reduz juros para financiamento da casa própria e cheque especial

Se o trabalhador não tiver feito o saque imediato nos últimos meses, poderá retirar até R$ 998 da conta com saldo de até um salário mínimo. No entanto, caso já tenha feito a retirada, poderá sacar a diferença entre R$ 500 e o saldo remanescente.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

Dólar recua a R$ 4,08 após acordo inicial entre China e Estados Unidos

Publicado

source
dólar arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Dólar

O dólar comercial, que há pouco menos de um mês chegou a ultrapassar os R$ 4,25, agora recua abaixo do patamar de R$ 4,10. A moeda americana é negociada a R$ 4,083 nesta sexta-feira (13), com variação negativa de 0,26% ante o real.

O que explica este comportamento é o acordo comercial de primeira fase entre China e Estados Unidos, que desde janeiro do ano passado travam uma guerra comercial.

De acordo com a agência Bloomberg, o acordo entre Pequim e Washington adia as tarifas americanas sobre US$ 160 bilhões em produtos chineses que iriam entrar em vigor no próximo domingo, dia 15 de dezembro.

A China também teria concordado em fazer compras de produtos agrícolas americanos no valor de US$ 50 bilhões em 2020.

O acordo inclui, além do adiamento na nova rodada de tarifas de domingo, um cronograma de reversão de algumas das existentes e a promessa dos chineses de comprar mais produtos agrícolas dos EUA, segundo fontes. Os termos foram acordados, mas o texto legal ainda não foi finalizado, disseram as pessoas.

Leia Também:  Cenário econômico pede juros baixos, diz presidente do BC

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana