conecte-se conosco


Sem categoria

Conitec aprova inclusão de primeiro medicamento contra a Covid no SUS

Publicado


source
Ministério da Saúde
Marcelo Casal Jr/ Agência Brasil

Ministério da Saúde

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) deu aval nesta quarta-feira para a incorporação do baricitinibe no Sistema Único de Saúde (SUS) para o tratamento da Covid-19. É o primeiro remédio aprovado pelo órgão contra a doença. Cabe ao Ministério da Saúde tomar a decisão final, já que o comitê tem caráter consultivo.

A análise final veio em reunião extraordinária nesta quarta, após a consulta pública que colheu contribuições da sociedade. A Conitec já havia dado parecer inicial favorável à inclusão do fármaco. Agora, a discussão do tema segue para a Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos (SCTIE).

A indicação do medicamento, fabricado pela eli Lilly, é para pacientes adultos internados que necessitam de oxigênio por máscara ou por cateter nasal ou, ainda, de alto fluxo de oxigênio ou ventilação não invasiva.

Leia Também

A Anvisa aprovou o baricitinibe para a Covid-19 em setembro do ano passado. Para receber o aval para a nova indicação, a empresa Eli Lilly do Brasil Ltda. apresentou dados que sustentaram a eficácia e a segurança do medicamento para essa finalidade.

“Com a incorporação de Olumiant (baricitinibe), a expectativa é de que, em breve, o tratamento possa estar disponível gratuitamente no mercado público para os brasileiros hospitalizados por COVID”, diz a nota da Lilly.

O remédio é um inibidor de determinadas enzimas envolvidas na comunicação de células, na inflamação e na função imunológica do corpo, segundo dados divulgados pela agência sanitária. Antes, já era utilizado em quadros moderado e grave de artrite reumatoide e de dermatite atópica.

Ao todo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já autorizou o uso de oito medicamentos contra a Covid-19, mas dois foram suspensos temporariamente na última segunda e um teve a liberação revogada em fevereiro. Nenhum deles está disponível na rede pública para a doença, como mostrou O GLOBO.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sem categoria

Com dados faltantes, Brasil registra 46 mortes por Covid-19 em 24h

Publicado

source
Brasil registra 46 mortes por Covid-19 neste domingo
Edmar Barros/Reprodução

Brasil registra 46 mortes por Covid-19 neste domingo

O Brasil registrou 46 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) neste domingo (15).

Dez entes federados, porém, não enviaram informações relacionadas a casos e mortes pela doença por conta de problemas técnicos: Acre, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Piauí, Rio de Janeiro, Roraima e Tocantins.

Neste domingo, 6.296 novos casos positivos para infecção pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) foram registrados, totalizando 30.688.390 desde o início da pandemia. Ao todo, 664.918 vidas foram perdidas para a Covid-19 no Brasil.

A média móvel de óbitos dos últimos sete dias ficou em 111, mantendo a tendência de aumento dos últimos dias. Já a média móvel de casos ficou em 17.693, também em alta.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Sem categoria

No Rio, caminhada no Leme dá largada a projeto de incentivo à saúde

Publicado

Para incentivar a atividade física como forma de prevenção a doenças, o Ministério da Saúde lançou hoje (15) o programa Incentivo de Atividade Física (IAF) para a Atenção Primária à Saúde.

O evento ocorreu na orla do Rio de Janeiro, com uma caminhada do Leme ao Copacabana Palace, na zona sul da cidade, além de atendimento à população para orientação sobre alimentação saudável, combate ao tabagismo e prática de atividades físicas.

De acordo com o Ministério, até o fim do ano serão investidos R$ 100 milhões no programa, que chegará, neste primeiro momento, a 7,5 mil unidades básicas de saúde de 5 mil municípios. Os recursos serão usados para incentivar a contratação de profissionais de educação física, readequação de espaços para a prática de exercícios e compra de materiais. Para o próximo ano, a previsão é investir mais R$220 milhões.

O ministro Marcelo Queiroga explicou que o investimento em atividade física tem retorno garantido na prevenção ao desenvolvimento de uma série de doenças crônicas.

“A atividade física é uma forma de promover a saúde, de reduzir mortalidade por doenças cardiovasculares, o câncer, e promover uma diminuição de fraturas. Também fortalece a musculatura e o sistema ósseo articular fica menos vulnerável. É bastante custo efetivo. Não é nenhum tratamento caro, de um medicamento dito inovador, produzido pela indústria, que vai custar milhões de reais. É uma ação simples, com os profissionais de educação física orientando a prática correta de atividade física, que vamos mudar indicadores de saúde de maneira muito custo efetivo.”

Os municípios que queiram aderir ao programa podem credenciar a partir de amanhã (16) as unidades de Atenção Primária à Saúde (APS), pelo portal e-Gestor.

ConecteSUS

O ministério também lançou hoje a funcionalidade Peso Saudável no aplicativo ConecteSUS, o mesmo utilizado para comprovar a vacinação contra a covid-19. Com o objetivo de estimular hábitos saudáveis, a ferramenta conta com o Programa 12 Semanas, que vai passar orientações aos usuários sobre alimentação e atividade física.

“Trata-se de recurso para o autocuidado, onde o usuário será estimulado a ter melhores hábitos de vida. Para isso, a cada uma semana, o participante receberá orientações e desafios relacionados às duas temáticas, sendo possível registrar os desafios já cumpridos e acompanhar o progresso”, disse a pasta.

Dados

De acordo com o Ministério da Saúde, a prática regular de atividade física contribui para a proteção e combate às Doenças Crônicas Não Transmissíveis, como câncer de mama e de cólon, diabetes, cardiopatia e acidente vascular cerebral.

No Brasil, dados do ano passado mostram que 48,2% da população com 18 anos ou mais das capitais não praticavam o mínimo de atividade física semanal recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com maior sedentarismo entre as mulheres (55,7%) e os idosos (73,0%).

A estimativa do ministério é que, no Brasil, 15% do total de internações pelo Sistema Único de Saúde (SUS) seja atribuído à inatividade física.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana