conecte-se conosco


Turismo

Conheça o restaurante mexicano que contrata apenas ex-presidiários e imigrantes

Publicado

Localizado em uma rua movimentada na região norte de São Francisco, o restaurante Cala passa despercebido aos olhos menos atentos. Pequeno e com uma fachada discreta, o mexicano acabou virando um dos queridinhos da cidade por conta de seus pratos criativos e, principalmente, de seu método pouco ortodoxo de contratações.

Leia também: Americana de 21 anos se torna a pessoa mais jovem a viajar pelo mundo inteiro

Cala
Divulgação

Restaurante mexicano Cala, em São Francisco, ganhou notoriadade por seu regime de contratação

Liderado pela premiada chef Gabriela Cámara, que já faz sucesso há duas décadas com o Contramar, na cidade da México, o restaurante conta com uma equipe formada apenas por imigrantes e/ou ex-presidiários.

A iniciativa é da própria Cámara, que diz acreditar que “todos merecem uma segunda chance”. A cozinheira, que é bastante ativa politicamente, também adota outras práticas incomuns, como plano de saúde, dental e seguro de vida para funcionários que trabalham 20 horas por semana. “Já passou da hora das pessoas pensarem em como tratam seus funcionários, e não apenas os clientes”, disse o cozinheira em uma entrevista para a revista Food e Wine.

Leia Também:  Expedição guiada por Amyr Klink leva turista à Antártida por R$ 42 mil

A história do Cala chamou tanta atenção da mídia local, que acabou se transformando em um documentário da Netflix. “A Tale of Two Kitchens” explora a cultura de trabalho no restaurante em São Francisco e também do Contramar, no México.

No filme, Gabriela Cámara diz que a cultura mexicana é “desprezada” pelos americanos, mas que a comida do país é parte integral da alimentação dos Estados Unidos. A produção também falou com vários funcionários do local, que elogiam a política. “No Cala, todos são aceitos”, diz uma das garçonetes do local, identificada apenas como Dru.

Na visita da nosso equipe ao local, fomos coincidentemente atendidos pela “personagem” do filmes. Ao invés de olharmos o menu, pedimos por uma recomendação. Nos foi servido o sopes playeros, uma tradicional massa folhada mexicana recheada com feijões pretos, um creme branco leve e salada de ricota. O prato é acompanhado por um delicioso e bastante apimentado molho salsa verde.

Leia também: Filas, calor e mais: como sobreviver nos parques da Disney em julho?

Leia Também:  5 melhores destinos para um bate e volta no Brasil para quem gosta de aventura

Misturando política e gastronomia durante toda sua carreira, Gabriela Cámara deixou São Francisco no início do ano. Ela voltou ao México, onde trabalha como “conselheira” do presidente Andrés Manuel López Obrador, famoso por suas posições de esquerda e seu antogonismo ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Apesar da ausência da chef, o Cala segue funcionando normalmente e atraindo um bom público. A veia política do local também parece ter sido mantida. Ao pedirmos a conta, percebemos um recado em letras garrafais na parte de baixo da nota fiscal. “Imigrantes fazem a América grande. Nós nos orgulhamos de preparar e servir sua comida”, diz a nota, em uma clara resposta às declarações controversas do presidente norte-americano sobre imigração.

Fonte: IG Turismo
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Turismo

Montanha-russa de 146 km/h será atração de parque nos Estados Unidos em 2020

Publicado

source

Os amantes de altura e velocidade terão uma nova atração para chamar de sua no estado de Ohio, nos EUA: a montanha-russa Orion, que chega a 91 m de altura e a 146 km/h e tem mais de 1,6 km de extensão.

Leia também: Canadá ganha a mais alta e mais rápida montanha-russa com queda de 90˚ do mundo

Simulação computadorizada mostrando a montanha-russa em funcionamento arrow-options
Reprodução/Twitter/KingsIslandPR

A montanha-russa Orion será a maior e mais rápida do parque de diversões King Island quando for inaugurada em 2020

A previsão, segundo o site oficial do parque, é que a  montanha-russa  colossal abra para o público durante a primavera americana de 2020 (correspondente ao outono do hemisfério sul), entre os meses de março e junho.

As obras para construir a montanha começarão em setembro e devem custar o mesmo que foi preciso para construir todo o parque de diversão em 1972. Nada mal para uma atração de proporções estratosféricas.

Leia também: Adrenalina pura! Quais são as montanhas-russas de madeira mais rápidas do mundo

E para aqueles que estão se perguntando de onde vem o nome, é preciso entender a temática por trás dela. De acordo com o site do Kings Island , o passeio gira em torno de cientistas que procuram por voluntários para testar veículos de transporte que possam escapar de uma chuva de meteoros e levar a humanidade para a segurança de um planeta na constelação de Orion.

Leia Também:  Quer se hospedar num abacate? Sidney terá o primeiro “Hotel de Abacate” do mundo

Faça um tour virtual pela nova montanha-russa do Kings Island

Para a sorte dos fãs desse tipo de atração, não é preciso esperar até o ano que vem para experimentar a Orion. No tweet abaixo, publicado pelo perfil de relações públicas do Kings Island, você pode fazer um tour virtual pelo brinquedo.

Leia também: Jovem é atingida na cabeça por pássaro em parque de diversão; veja o vídeo

Pode não ser o mesmo que entrar na montanha-russa de verdade, mas serve para sentir um gostinho do que está por vir no parque de Ohio.

Fonte: IG Turismo
Continue lendo

Turismo

Das praias às baladas, descubra o que fazer em Florianópolis

Publicado

source

Florianópolis, ou Floripa, como costuma ser chamada, é um destino singular. A ilha catarinense abriga mais de 490 mil pessoas, e está entre um dos destinos mais quentes dentre os turistas brasileiros no ano de 2019 . E dada a facilidade de se encontrar o que fazer em Florianópolis, fica fácil de entender por que.

Vista aérea da orla de Florianópolis arrow-options
shutterstock

Seja de noite ou de dia, você encontrará o que fazer em Florianópolis a sós, com os amigos ou com a família

Um roteiro pela cidade pode te levar a lugares para todos os bolsos, gostos e idades: desde as dunas no litoral até os bares que agitam Florianópolis durante o dia e durante a noite. E, segundo Gelson Walker, especialista em turismo da agência Tô Indo Viagens, existem sete experiências imperdíveis que não podem faltar no roteiro de qualquer um que procura o que fazer em Florianópolis .

O que fazer em Florianópolis para não perder a viagem

Para não mergulhar de cabeça no texto sem saber o que vai encontrar, o mapa abaixo reúne os principais pontos turísticos em Florianópolis indicados pelo especialista da Tô Indo Viagens.

Agora que você já tem uma noção do que vai fazer, é hora de ver que experiências cada um desses lugares pode te proporcionar para ter uma viagem inesquecível por Floripa.

O que fazer em Florianópolis #1: Sandboard nas dunas da Praia da Joaquina

Pranchas de areia em duna da Praia da Joaquina arrow-options
shutterstock

O que fazer em Florianópolis: surfar nas dunas da Praia da Joaquina é uma experiência que não pode faltar no roteiro

A Praia da Joaquina, na região central do litoral leste da Ilha da Magia , é cercada por dunas, que podem trazer mais diversão do que você imagina. Ao invés de se contentar em observar as colinas de areia ou em andar por elas, você pode praticar o sandboard e “surfar” nelas da mesma forma como poderia surfar nas águas que as cercam.

O que fazer em Florianópolis #2: Ir à Fortaleza de São José da Ponta Grossa

Vista do mar do topo da Fortaleza de São José da Ponta Grossa arrow-options
shutterstock

O que fazer em Florianópolis: a Fortaleza de São José da Ponta Grossa leva os turistas por uma viagem no tempo

Se aventura na areia não é muito seu estilo, uma visita à Fortaleza de São José da Ponta Grossa, no noroeste de Florianópolis pode ser o que você precisa, principalmente se for um entusiasta por história e arqueologia. “Lá é possível ver canhões, passear por todas as estruturas… e a vista é surpreendente”, diz Gelson.

Leia Também:  7 dicas do que não fazer em Campos do Jordão para evitar estresse na viagem

O forte foi construído durante o século XVIII para proteger o litoral Sul do país. Em 1938, ele seria tombado e em 1987, mais de 200 anos depois de sua conclusão, ele seria cadastrado como sítio arqueológico.

Atualmente, o local está aberto para visitação, e os tours pela fortaleza podem ser feitos diariamente das 9h às 12h e das 13h às 17h.

O que fazer em Florianópolis #3: Visitar a Ilha do Campeche

Praia na Ilha do Campeche arrow-options
shutterstock

O que fazer em Florianópolis: a Ilha do Campeche fica a poucos quilômetros de Floripa, e tem atrativos para todos

A Ilha do Campeche é outro destino ideal para quem gosta de curtir a praia, mas ela não oferece só isso. Os turistas que vão para lá, segundo Gelson, também encontrarão piscinas naturais e inscrições rupestres em um dos mais ricos ecossistemas da região Sul do Brasil.

O terceiro dos pontos turísticos em Florianópolis pode ser acessado de barco a partir de três pontos: da Lagoa da Conceição, da Praia do Campeche e da Praia da Armação.

Leia também: De agito noturno à cultura durante o dia, veja o que fazer em Porto Alegre

O que fazer em Florianópolis #4: Trilha para uma praia paradisíaca

Vista aérea da Praia da Lagoinha do Leste arrow-options
shutterstock

O que fazer em Florianópolis: a Praia da Lagoinha do Leste só pode ser acessada por trilhas ou pelo mar

Não são só os fãs do agito que encontram o que fazer em Florianópolis. A cidade também tem seus pontos de reclusão, para aqueles que gostam de um pouco de paz e tranquilidade. E um desses lugares é a Praia da Lagoinha do Leste, acessível apenas por trilha ou pelo mar.

Por esse motivo, ela é menos frequentada pelos turistas da Ilha da Magia, mas compensa com sua atmosfera paradisíaca. “Quem visita esse lugar encontra uma beleza incomparável”, afirma Gelson.

Além dos turistas que procuram por paz e tranquilidade, a Praia da Lagoinha do Leste também recebe surfistas, aventureiros e pessoas a procura da foto perfeita.

Leia Também:  5 suítes de luxo com mordomias e preços de cair o queixo

O que fazer em Florianópolis #5: Andar pelo Caminho de Santiago de Compostela

Placa indicando o Caminho Brasileiro de Santiago de Compostela arrow-options
shutterstock

O que fazer em Florianópolis: o Caminho Brasileiro de Santiago de Compostela, em Florianópolis, tem 21 km de extensão

Para quem se interessa por turismo religioso, Florianópolis oferece o único Caminho de Santiago de Compostela da América Latina oficialmente reconhecido pela Catedral de Compostela, na Espanha.

Inaugurado em 29 de junho de 2017, o trecho de 21 km liga as praias de Canasvieiras e dos Ingleses, contornando o litoral nordeste da ilha. “O trecho pode ser feito como uma forma de treino para o caminho espanhol, e pode ser percorrido por qualquer pessoa gratuitamente e em qualquer data”, avisa o especialista da Tô Indo Viagens.

O que fazer em Florianópolis #6: Curtir a noite nos bares da Ilha da Magia

O fechamento dos pontos turísticos em Florianópolis no final do dia não significa o fim da diversão. A capital catarinense tem diversos bares para agradar a todos os públicos. Alguns deles, segundo Gelson, são o Black Swan, o John Bull Floripa e o Quintal de Casa.

O primeiro, localizado na Lagoa da Conceição, tem um estilo inspirado nos pubs ingleses, com um cardápio de bebida variado regado com muito esporte nas TVs e música nos alto-falantes. 

Já o segundo [John Bull Floripa], que fica na mesma região do primeiro, atrai um público mais ligado a gêneros musicais como o reggae, o rock e o blues, além de contar com uma área gastronômica para quem gosta de um bom aperitivo no bar.

O Quintal de Casa, por sua vez, fica mais próximo do litoral que seus concorrentes. Além de música ao vivo e food trucks para saciar a fome dos clientes, o bar conta também com um espaço para crianças e até mesmo um lugar para exposições artísticas.

O que fazer em Florianópolis #7: Festejar em uma balada

Além de bares, as baladas são outra opção para quem procura o que fazer em Florianópolis à noite. Segundo Gelson, a Pacha Floripa, a Posh Club (ambas realizadas no Jurerê Internacional) e a Fields Floripa são ideais para curtir até altas horas na sua viagem para lá.

A Pacha Floripa é a filial brasileira de uma balada de Ibiza, e atrai nomes mundialmente famosos da música eletrônica como Sander Van Doorn, Keemo e Arno Cost.

Enquanto isso, a Posh Club é uma balada de luxo, realizada somente durante os verões catarinenses. Seus ambientes intimistas e sofisticados, bem como suas áreas externas, mudam de decoração a cada ano.

Por fim, a Fields Floripa faz a festa com os amantes do sertanejo e também do funk no Centro da Ilha da Magia, oferecendo shows com camarote, bar de coquetéis e ambientes incrementados.

Leia também: Passeie por Ribeirão da Ilha, uma região de Florianópolis dominada pelas ostras

Ir a uma dessas baladas pode ser uma maneira inesquecível de encerrar não só a sua noite, mas também a sua busca por o que fazer em Florianópolis .

Fonte: IG Turismo
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana