conecte-se conosco


Saúde

Como está Xangai após o fim de um lockdown que durou 65 dias

Publicado

source

BBC News Brasil

Como está Xangai após o fim de um lockdown que durou 65 dias
Robin Brant – Da BBC News em Xangai

Como está Xangai após o fim de um lockdown que durou 65 dias

Robin Brant – Da BBC News em Xangai

Deveria durar apenas nove dias: um lockdown com duras restrições contra o coronavírus para mitigar o impacto na economia de Xangai — ao menos era o que dizia a mídia estatal chinesa. Mas o confinamento durou 65 dias.

E agora, depois de mais de dois meses, as restrições estão chegando ao fim.

O alívio é imenso para as 25 milhões de pessoas que vivem em Xangai.

Durante dois meses, muitas famílias viveram juntas a portas fechadas, trabalhadores moraram em tendas dentro de fábricas sem parar de trabalhar, donos de lojas e restaurantes viram seus meios de subsistência serem interrompidos, milhares de pessoas foram forçadas a deixar suas casas e ficar em centros de quarentena.

Tudo isso mesmo com a população vacinada contra covid-19.

Agora Xangai reabre a toda velocidade: negócios, transporte, produção e consumo. Mas as restrições não serão totalmente suspensas.

Loja aberta com pessoas usando máscaras

Getty Images
Lojas podem abrir em Xangai com o fim das restrições

Está havendo uma diminuição significativa das restrições, o que permitirá a liberdade de circulação pela cidade, mas pelos menos 650 mil moradores continuam confinados em suas casas, localizadas em áreas que permanecem classificadas como “fechadas”.

No entanto, os serviços básicos de transporte foram restabelecidos. As lojas reabriram, embora a maior parte opere com 75% da capacidade.

Os restaurantes também podem voltar a servir comida, mas não é permitido comer em espaços fechados.

Cinemas, museus e academia permanecem fechados. Muitas crianças não voltarão às aulas presenciais.

As liberdades concedidas após mais de dois meses de confinamento vêm com algumas condições.. Essas condições são projetadas para que o governo possa monitorar constantemente quem vai aonde, quando e quão saudável eles estão.

Agora, todos os moradores serão obrigados a exibir um código verde de saúde em seus telefones antes de sair de seus condomínios ou prédios e antes de entrar na maioria dos estabelecimentos.

Profissional de saúde fazendo uma coleta de amostra para teste

Getty Images
Ainda é preciso fazer exames para circular por Xangai

Quem pretende circular pela cidade de transportes públicos ou ir ao banco, restaurante ou mercado deve apresentar um teste PCR negativo de até 72 horas.

Sair da cidade ainda é problemático. Embora a maioria das restrições à movimentação dentro de Xangai tenham sido suspensas, as de deixar a cidade permanecem.

Qualquer residente que viaje para outra cidade na China enfrenta uma quarentena de 7 a 14 dias ao retornar.

Por enquanto, é mais fácil voar de Xangai para o exterior do que viajar uma hora pelos trilhos em um trem de alta velocidade para Hangzhou.

Sem abandonar a estratégia ‘covid zero’

Para alguns, são medidas duras, mas necessárias, para conter a covid-19 e respeitar a estratégia “covid zero” do presidente Xi Jinping, que, por enquanto, impediu que o vírus que foi detectado no país voltasse com força.

Para outros, esta estratégia tem sido um constrangimento nacional e internacional, alimentado por um entusiasmo político que teve um impacto incalculável nas pessoas que aqui vivem e trabalham.

Cada novo caso confirmado de covid-19 em Xangai significa que os pacientes são levados para um hospital ou centro de quarentena.

Os contatos próximos também enfrentam a possibilidade de ficarem em quarentena e de que a zona onde vivem seja, mais uma vez, confinada.


Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal .

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Saúde

Dia Nacional do Diabetes: pacientes buscam qualidade de vida

Publicado

O Dia Nacional do Diabetes, celebrado neste domingo (26), reforça a importância de hábitos saudáveis para evitar a doença, que acomete mais de 537 milhões de adultos com idade entre 20 e 79 anos, representando 10,5% da população mundial nessa faixa etária. Os dados são do Atlas do Diabetes 2021, divulgado pela Federação Internacional de Diabetes (IDF).

O Brasil é o sexto país em incidência de diabetes no mundo e o primeiro na América Latina — são 15,7 milhões de pessoas adultas com esta condição, e a estimativa é que, até 2045, a doença alcance 23,2 milhões de adultos brasileiros.

A aposentada Walquiria Lopes, de 64 anos, teve o primeiro sinal de que poderia estar com a doença em um teste de rotina no escritório em que trabalhava. Após um mês de acompanhamento médico e aferição diária da glicemia capilar, ela recebeu o diagnóstico: diabetes tipo 2.

“Fiquei muito assustada pois já queriam até me aplicar insulina, porque já [o índice] estava muito alto. Aí comecei o tratamento com um endocrinologista. A descoberta é muito importante, porque eu não tinha sintomas, o diabetes é uma doença silenciosa. Eu não tinha sede, pois eu já tomava água por causa de cálculos renais. Já não comia muito doce, mas comia muito carboidrato, e não sabia que este também podia causar a doença”, lembra Walquiria. A aposentada destaca a importância dos exames e diz que foi com a picadinha no dedo que teve o alerta. A confirmação da doença veio depois, com exames de sangue.

Walquiria aprendeu a conviver com o diabetes, controlando a doença de forma adequada. “Continuo não tendo sintoma nenhum, mas convivo com a doença fazendo exames periódicos, tomo a medicação e vou ao médico regularmente.” Ela reforça que o exame é importante porque, se o diabetes for descoberto precocemente, a pessoa já pode iniciar o tratamento. Com o tratamento adequado, a vida é perfeitamente normal, afirma.

Tipos

Existem quatro tipos de diabetes, explica o endocrinologista e presidente da Associação de Diabetes do ABC, Marcio Krakauer. “O do tipo 1 acontece por uma doença autoimune, em que o corpo para de produzir insulina naquele momento (ou poucas horas e dias antes), e os sintomas são excessivos, como fome, sede intensa, perda de peso, visão embaçada, infecções urinárias e genitais, dores no corpo”.

Nesse tipo, quando se repõe a insulina, o indivíduo fica bom rapidamente. O diabetes do tipo 2 é uma doença que mistura o hereditário com o ganho de peso e vai surgindo de forma muito lenta na vida. Em geral, quando se faz um diagnóstico por causa de tais sintomas, estes já existem há cerca de cinco anos ou mais, acrescenta o médico. Segundo Krakauer, o diabetes do tipo 2 é completamente assintomático ou pouco sintomático.

Já o pré-diabetes é uma condição bem inicial. “Nós damos esse nome, mas, na verdade, a glicose já não está normal. O diagnóstico é feito por números de glicose na ponta do dedo, ou do exame hemoglobina glicada ou do exame de curva glicêmica. É o início da história do diabetes”, e aí as pessoas precisam ser tratadas para evitar que fiquem com diabetes, ressalta o médico. 

O diabetes gestacional é aquele que aparece por causa da gravidez. “Em geral, são mulheres obesas, que têm história de pais com diabetes tipo 2 e que, quando estão entre a 26ª e 28ª semanas de gestação, por conta dos hormônios da gravidez, podem apresentar a glicose elevada, o diabetes. Essas mulheres devem tratar-se porque pode haver muitas complicações para mãe e para o bebê”, observa Krakauer.

Conviver com a doença

Os riscos do diabetes são vários, mas há formas adequadas de controlar a doença. “Todos [os tipos de diabetes] precisam de mudança de estilo de vida: primeiro plano, alimentar-se de forma saudável, nutricionalmente adequada. Aqueles que estão acima do peso devem perder peso, os que estão abaixo do peso, ganhar ou manter o peso”, destaca o médico.

Ele acrescenta que é importante reduzir os carboidratos simples e dar preferência aos carboidratos integrais, ingerindo-os em pequena quantidade, e ter a alimentação fracionada ao longo do dia. O prato precisa ser composto de forma saudável: metade de legumes, verduras, saladas, um quarto de carboidratos integrais e um quarto de proteína, que pode ser vegetal ou animal.

Quem tem diabetes tipo 1 precisa fazer a reposição de insulina, já que não produz o hormônio, e manter hábitos de vida saudáveis. A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por levar a glicose que está no sangue para o interior das células.
Já o diabetes gestacional, dependendo da situação, pode ser tratado só com alimentação saudável. “Se necessário, o diabetes gestacional pode ser tratado com insulina. Por enquanto, não se utiliza medicamento oral. Apesar de alguns estudos liberarem a metformina, por enquanto só se libera a insulina durante a gestação. E atividade física também. Aliás, a atividade física é importante para todos os tipos de diabetes e para todas as pessoas.”

De acordo com o médico, para conviver com a doença, é preciso monitoramento e educação. “É preciso fazer teste na ponta do dedo ou usar a medição da glicose continuamente para tomada de decisão, tanto para enxergar o efeito da alimentação, o efeito da parte emocional, da glicose no sangue, o efeito do exercício, dos remédios, da insulina. A monitorização é muito importante.”

Krakauer explica que, quando o diabetes está bem compensado, com parâmetros perto da normalidade, a chance de complicações crônicas é mínima. “Mas aqueles que estão [com o diabetes] mal controlado e por muito tempo, podem ter complicações nos olhos — a doença é a maior causa de cegueira no mundo –, no coração e doenças arteriais periféricas.”

Podem advir ainda problemas neurológicos, alerta o médico. “Chamamos de neuropatia do diabetes, que aumenta muito a chance de perder a sensibilidade nos pés. Esses indivíduos podem ter infecções e sofrer amputações, além de doença renal do diabetes que leva à hemodiálise ou ao transplante de rim. E várias outras questões, como gordura no fígado, doenças pulmonares, pior resposta às infecções, como, por exemplo, a covid-19.”

O médico explica que quem tem diabetes responde mal à doença porque a glicose alta diminui a imunidade às infecções. “Quando a doença está controlada e bem compensada por muito tempo, isso não ocorre”.

Prevenção

Por saúde e economia, brasilienses têm trocado o carro pela bicicleta Por saúde e economia, brasilienses têm trocado o carro pela bicicleta

Fórmula para evitar e controlar o diabetes combina exercícios físicos e alimentação saudável – Arquivo/Agência Brasil

A fórmula alimentação saudável e exercícios físicos é o meio mais efetivo de prevenir a doença, orienta o especialista. “A mistura é: alimentação saudável, perda de peso para quem está acima do peso, muito exercício físico, tomar muita água, dormir direito e reduzir o estresse,  quando possível.”

Krakauer enfatiza que alimentos ultraprocessados também aceleram a incidência da doença. “Ultraprocessados são alimentos com alto teor de farinha branca, açúcares e gorduras, que fazem mal ao organismo. O indivíduo que tem tendência ao diabetes tipo 2, pode, com o excesso de ultraprocessados, ganhar peso muito rapidamente na região da barriga e apresentar excesso de gordura no fígado e no pâncreas [esteatose hepática ou pancreática], o que é um fator de risco gigantesco para o aparecimento da doença.”

Ficar longe do cigarro e das bebidas alcoólicas é outra maneira de diminuir o risco de ter a doença, diz o médico. “Não fumar em hipótese alguma, reduzir as bebidas alcoólicas, para quem as toma em excesso, levar a vida de forma saudável, o máximo que conseguir. Algumas vezes, podem ser indicadas medicações capazes de reduzir o risco do diabetes em torno de 30%.”

Portal

Iniciativas que forneçam informações de qualidade contribuem para o gerenciamento adequado da condição é uma forma de ajudar quem busca conhecimento. Uma delas é o portal Tipo Você, que reúne conteúdos informativos e educacionais para que pacientes e familiares aprendam e aperfeiçoem o gerenciamento do diabetes.

Lançado na última semana pela Roche Diabetes Care, o portal visa auxiliar as pessoas com diabetes a entender as medidas adequadas e a cuidar cada vez mais da saúde.

Para o médico, informação é essencial para a mudança no estilo de vida de quem quer evitar o diabetes e de quem precisa conviver com doença. “É mudança de estilo de vida. E é preciso ter conhecimento, informação, educação para atingir a transformação.”

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil tem 38,7 mil novos casos e 140 óbitos em 24 horas

Publicado

source
Veja os números referentes às doses únicas e as demais
Reprodução: BBC News Brasil

Veja os números referentes às doses únicas e as demais

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde divulgado hoje (25) mostra que o Brasil registrou, em 24 horas, 38,793 novos casos de covid-19. No total, o país contabiliza 32.061.959 registros da doença.

Destes, 806.062 (2,5%) seguem em acompanhamento, ou seja, são casos ativos. As secretarias estaduais de saúde registraram 140 mortes por covid-19 em 24 horas. No total, a pandemia resultou em 670,369 óbitos no país.

O número de recuperados é de 95,4% do total – 30,5 milhões de brasileiros são considerados curados. O informativo mostra ainda que houve 161 óbitos por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) nos últimos 3 dias. Há também 3.283 óbitos por SRAG em investigação, e que ainda necessitam de exames laboratoriais confirmatórios para serem relacionados à covid-19.

Segundo o balanço do Ministério da Saúde , no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (170.600), Rio de Janeiro (74.053), Minas Gerais (62,015), Paraná (43.651) e Rio Grande do Sul (39.966). Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (2.002), Amapá (2.140), Roraima (2.152), Tocantins (4.158) e Sergipe (6.355).

Até este sábado, foram aplicadas 449,3 milhões de doses, sendo 177,9 milhões referentes à 1ª dose e 160,6 milhões relativas à 2ª dose. Outras 92,8 milhões de doses dizem respeito à primeira dose de reforço, enquanto 8,7 milhões são da segunda dose de reforço. O painel registra, ainda, 4,1 milhões de doses adicionais. As vacinas de dose única – protocolo que já não é mais usado – foram 4,9 milhões.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana