conecte-se conosco


Internacional

Comissão de Direitos Humanos registra mais mortes na Bolívia

Publicado

Quatro pessoas morreram nesse sábado (16) em manifestações na Bolívia, elevando para pelo menos 23 o número mortos desde o final de outubro, início da crise social e política, anunciou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

A CIDH, órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA), também registrou pelo menos 122 feridos desde sexta-feira (15).

Também no sábado, o governo de transição da Bolívia garantiu que o decreto que isenta polícias e militares da responsabilidade criminal, quando agem em situações de necessidade e sob legítima defesa, não é uma “licença para matar” e está enquadrado na Constituição e nas leis do país.

Em entrevista no Palácio do Governo de La Paz, o ministro interino da Presidência, Xerxes Justiniano, disse que a medida divulgada na sexta-feira (15) “não contribui para nenhum estado de maior violência”, mas é um instrumento para “contribuir para a paz social”.

A resposta governamental surge na sequência de uma acusação feita pela CIDH, de que essa regra assinada pela presidente interina, Jeanine Áñez, “ignora os padrões internacionais” de direitos humanos e “estimula a repressão violenta”.

Leia Também:  Ministra Damares fala contra aborto no Parlamento argentino

O ex-presidente boliviano Evo Morales afirmou, em entrevista divulgada sexta-feira pela agência de notícias Associated Press, que quer a ONU mediando a crise política no país e admitiu pedir a intervenção da Igreja Católica e do papa Francisco.

Morales afirmou ter sido deposto do cargo por um golpe de Estado que o forçou a exilar-se no México.

A renúncia de Morales surgiu após protestos em todo o país por suspeita de fraude na eleição de 20 de outubro, na qual o governante anunciou ter conquistado um quarto mandato.

Uma auditoria da Organização dos Estados Americanos constatou irregularidades generalizadas na eleição.

Grande parte da oposição a Morales foi desencadeada pela recusa do então chefe de Estado boliviano em aceitar um referendo que o poderia proibir de concorrer a novo mandato.

*Emissora pública de televisão de Portugal

Edição:

Fonte: EBC Internacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Internacional

China recusa-se a participar de negociações nucleares com EUA e Rússia

Publicado

A China rejeitou a ideia de participar de um esquema para a discussão do controle de armas nucleares com os Estados Unidos  e a Rússia.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse ontem (11) a jornalistas.

Hua Chunying comentou declarações feitas pelo secretário americano de Estado, Mike Pompeo, após o encontro de terça-feira (10) em Washington com o chanceler da Rússia, Sergey Lavrov.

Pompeo e Lavrov discutiram o tratado bilateral de redução de arsenais nucleares New Start, a expirar em fevereiro de 2021. O secretário americano disse haver convicção pelos Estados Unidos da necessidade de incluir outras partes, como a China, em uma discussão mais ampla sobre controle de armamentos.

A porta-voz chinesa afirmou que a posição do seu país é clara. Declarou que a China reitera não ter intenção alguma de participar trilateralmente de negociações sobre controle de armamentos com os Estados Unidos e a Rússia.

Segundo Hua Chunying, quando o assunto é desarmamento nuclear, Washington tenta constantemente se esquivar de responsabilidade ou transferi-la para Pequim.

Edição: Valéria Aguiar

Leia Também:  Chile defende importância dos oceanos na COP25
Continue lendo

Internacional

Venezuela: mais de 1.200 presos protestam por falta de alimentos

Publicado

A organização não governamental (ONG) Observatório Venezuelano de Prisões (OVP) denunciou hoje (12) que mais de 1.200 detidos no centro penintenciário da região capital Rodeo III, a leste de Caracas, iniciaram protesto devido à falta de alimentos.

Os presos estão “há dias bebendo água com sabor de feijão”, e enviaram “vídeos e fotografias para provar” que tipo de alimento recebem e “as condições em que se encontram”, informou a ONG em mensagem no Twitter.

“A má alimentação que os presos de Rodeo III recebem causou uma considerável perda de peso e deixou muitos subnutridos”, acrescentou.

O OVP denunciou ainda que um grupo de presos decidiu reclamar o direito à alimentação e foi agredido por funcionários do Grupo de Resposta Imediata e Custódia (GRIC), do Ministério do Serviço Penitenciário venezuelano.

“Alguns detidos foram feridos com balas de borracha, mas mesmo assim decidiram não ficar calados e durante a noite começaram uma greve de fome de protesto”, afirmou a ONG.

O OVP acrescentou que as tentativas dos presos de falar com a direção da prisão ficaram sem resposta.

Leia Também:  Ministra Damares fala contra aborto no Parlamento argentino

Em um dos vídeos divulgados, um detido, com o corpo coberto por temer represálias, explicou que a direção da prisão não quer que a situação seja mostrada. “Estão nos matando de fome”, alertou.

Os presos exigem das autoridades penitenciárias que autorizem familiares a levar alimentos, garantam cuidados médicos e resolvam a situação de alguns detidos que “já cumpriram a sentença, mas continuam na prisão”, de acordo com o OVP.

*Emissora pública de televisão de Portugal

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Internacional
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana