conecte-se conosco


Tribunal de Justiça MT

Comissão avalia mais 17 candidatos em prova oral para magistratura

Publicado


A Comissão Especial Examinadora do Concurso Público de Provas e Títulos para o Ingresso na Magistratura de Mato Grosso avaliou 17 candidatos nesta segunda-feira (26 de julho), durante o nono dia de prova oral.
 
O reforço com a contratação de magistrados para as comarcas do interior é uma das prioridades desta gestão do Judiciário, como forma de aprimorar os trabalhos e principalmente o atendimento da população, um ganho para a sociedade, para a Justiça estadual e advocacia. O edital prevê nove vagas, mas a presidente do Tribunal, desembargadora Maria Helena Póvoas, anunciou a intenção de chamar 25 juízes para o primeiro grau de jurisdição.
 
O resultado do concurso será divulgado no dia 30 de setembro e a homologação ocorrerá no dia 7 de outubro, o que aumenta a expectativa dos candidatos habilitados para esta quarta fase, a penúltima do certame. É o que conta o mato-grossense, nascido na cidade de Nobres, Alex Valandro de Oliveira, ao comparar a trajetória no concurso com a subida em uma montanha.
 
“Chegar até esta fase do concurso é um sonho para mim e estava refletindo sobre isso. A sensação que qualquer concurseiro tem é de estar subindo uma montanha e vivenciando aquele desafio que é o crescimento intelectual e humanístico, necessário nessa bagagem para ser juiz. A expectativa é muito grande, mas admito que, fazendo a analogia da montanha, é muito mais bonita a caminhada durante a subida, o aprendizado que você tem. Interessante perceber o quanto crescemos como ser humano e profissional do Direito, aprofundando as matérias e aprendendo os diversos aspectos que envolvem a atividade judicial”, relata.
 
O candidato fala da condução do certame, pelo Tribunal de Justiça. “Estou feliz por estar aqui hoje. É muito nervosismo, são diversas circunstâncias que pesam, sobretudo o contexto da pandemia. Quero agradecer e enaltecer o trabalho do Tribunal de Justiça no sentido de assegurar a realização desse certame, mesmo levando em conta esse contexto tomando todas as precauções necessárias para que os atos aconteçam e as arguições ocorram na mais absoluta normalidade”, acrescenta.
 
Com as arguições de hoje completa-se nove dias de prova oral, atividade intensa, tanto para candidatos quanto para os integrantes da Comissão Examinadora do Concurso. O advogado Ulisses Rabaneda integra a Comissão Examinadora e fala sobre os trabalhos a avaliação dos participantes habilitados.
 
“É uma atividade intensa pois realizamos as arguições, buscando conhecê-los saber das qualidades e conhecimento jurídico de cada um, o uso correto do vernáculo, a capacidade de raciocínio jurídico, a desenvoltura do candidato. São vários requisitos avaliados, todos eles descritos em edital.
 
De acordo com o advogado serão mais três dias de provas orais finalizando, no dia 13 de agosto, a quarta etapa. “Uma média de 18 candidatos por dia de arguição. Cerca de 200 candidatos que chegaram à prova oral, o que torna o concurso para nós, que estamos examinando, cada vez mais desafiador. Isso porque temos muitos candidatos preparados e selecionar os melhores dentre um número tão grande resultará em bons quadros para a magistratura mato-grossense.”
 
As rodadas da prova oral ocorrem sempre às segundas e sextas-feiras, a partir das 9h e são transmitidas pelo canal oficial do TJMT no Youtube (acesse AQUI).
 
A Comissão Especial Examinadora do Concurso Público de Provas e Títulos para o Ingresso na Magistratura de Mato Grosso é composta pelos desembargadores Carlos Alberto Alves da Rocha (presidente), Guiomar Teodoro Borges e Gilberto Giraldelli.
 
Sorteio de pontos – O sorteio dos pontos do conteúdo programático para a prova oral ocorre sempre 24 horas antes das arguições. Neste domingo (25 de julho) a Comissão e os candidatos participaram do sorteio, também transmitido ao vivo pelo canal do TJMT no Youtube (confira AQUI). 
 
Provas – As rodadas de arguições tiveram início no dia 28 e seguem até 13 de agosto de 2021. São arguidos 20 candidatos por dia, com exceção do último dia, quando serão arguidos oito candidatos (sobra do número de candidatos aptos dividido por grupos de 20 pessoas).
 
Conforme o cronograma, a próxima arguição será realizada no dia 6 de agosto (sexta-feira), às 9h, com transmissão ao vivo pelo canal oficial do TJMT no Youtube. Não será permitida a presença de público para assistir a prova oral em razão da pandemia do coronavirus. Na quinta-feira (5/08) será realizado o sorteio dos pontos para a prova oral de segunda-feira.
 
Calendário – O resultado da prova oral será publicado no dia 19 de agosto de 2021. A avaliação dos candidatos inscritos nas vagas reservadas aos candidatos negros que se autodeclararam pretos ou pardos ocorrerá no dia 30 de agosto. O prazo para recurso quanto ao resultado da avaliação/autodeclarações será nos dias 2 e 3 de setembro.
 
Medidas de segurança e prevenção – Em razão das medidas sanitárias, necessárias e temporárias de prevenção da pandemia da Covid-19, são obrigatórios o uso correto e permanente de máscara facial pelo candidato, higienização adequada das mãos, uso de álcool 70%, evitar cumprimentos com aperto de mãos ou beijos, distanciamento social de no mínimo 1,5 metro, proibição de aglomeração e se possível evitar uso de adornos como brincos e pulseiras. Também não será permitida a presença de público para assistir a realização da Prova Oral, contudo, o evento será transmitido pelo canal oficial do TJMT no YouTube.
 
Informativos – Todos os normativos sobre o certame estão disponíveis nos editais N. 01/2021/CMAG e Anexos I e II; N. 02/2021/CMAG e Anexos e N. 03/2021/CMAG, publicados no Diário da Justiça Eletrônico (DJE) 10996, do dia 10 de junho de 2021 (confira AQUI). 
 
Leia mais sobre o assunto:
 
 
 
 
 
 

Dani Cunha
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tribunal de Justiça MT

Poder Judiciário de Mato Grosso

Publicado


De acordo com dados da Secretaria Adjunta de Administração Penitenciária (SAAP) de Mato Grosso, no ano passado 830 licenças para tratamento de saúde foram solicitadas por policiais penais do Estado. Deste total 1/3 dos afastamentos foram pedidos por transtornos mentais e de comportamento. Em 2021, já são 106 afastamentos de profissionais para tratamento de saúde.
 
Os números revelam que o ambiente inóspito das unidades prisionais afeta a saúde mental dos profissionais e com a chegada da pandemia o adoecimento dos policiais penais tem se agravado. E para mudar este cenário, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso, por meio do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário de Mato Grosso (GMF-MT) e Núcleo Gestor da Justiça Restaurativa (NUGJUR), criou o projeto “Setembro da paz – Policiais Penais: Impactos da pandemia nas relações de trabalho no Sistema Penitenciário”, que conta com a parceria da SAAP e do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado de Mato Grosso (Sindspen/MT) e tem o intuito de cuidar daqueles que cuidam dos reeducandos.
 
O projeto, em alusão ao Setembro Amarelo (campanha de prevenção ao suicídio), promoverá 10 Círculos de Construção da paz neste mês com os policias penais. Para isto, os profissionais devem se inscreverem pelo formulário deste link https://forms.gle/M6JDuAr8MRfqh9LA6. Os encontros virtuais são fechados, via plataforma Teams, com duração de aproximadamente 2 horas.
 
A cerimônia de lançamento do “Setembro da paz” ocorreu na manhã de sexta-feira (24), por videoconferência e foi transmitida pelo canal oficial do TJMT no Youtube.
 
“Sempre tive a preocupação de levar para o Judiciário uma forma diferenciada de tratamento, mais humanizado de todos aqueles que fazem parte do Sistema Judiciário. A começar daqueles que estão cuidado da vida dos que estão em penas privativas de liberdade. Hoje estamos lançando a pedra fundamental para as futuras gerações começarem a despertar para a realidade da cultura de tomar para si a responsabilidade das consequências das suas ações”, declarou a presidente do NUGJUR, desembargadora Clarice Claudino da Silva na abertura do evento.
 
O supervisor do GMF-MT, desembargador Orlando de Almeida Perri, destacou que não existe ambiente mais hostil, a não ser o de campo de batalha, do que o do sistema penitenciário. “É um trabalho extremamente estressante, de alto risco, o número de afastamento por causa de doenças emocionais é elevadíssimo, casos de depressão e até suicídio. Uma situação preocupante”, afirmou. “Acredito que a Justiça Restaurativa é a justiça do futuro e estamos levando estratégias dela para responder a pergunta: Como podemos humanizar esse ambiente hostil entre presos e policias penais?”
 
O secretário adjunto da SAAP, Jean Carlos Gonçalves, admitiu viver um misto de sentimentos. “Fico triste pelas perdas que tivemos e pelos números de doentes que a categoria vem apresentando. Porém, sinto muito alegria em participar deste momento em que um projeto volta os olhos para meus pares, buscando melhorar a qualidade de vida dos policiais penais”, declarou. “Esse projeto é de extrema importância, deixamos de ser invisíveis para a sociedade, estamos sendo acalentados pela primeira vez”.
 
O presidente do Sindspen/MT, Amauri Benedito Paixão, contou que tem 29 anos de profissão, já foi feito duas vezes de refém em rebeliões de presos, sofreu de depressão e precisou se afastar para tratar da sua saúde. “É uma profissão de risco, mas é encarada com muita responsabilidade. O fato de termos tantos afastamentos significa que essas pessoas se doaram para essa profissão”, aponta. “Hoje o policial penal é qualificado para dentro do cárcere preservar a integridade do preso e no final da pena dele devolver um cidadão melhor para a sociedade. Mas como fazer isso com tatos conflitos? Eu penso que esse projeto é o caminho. Ficamos felizes porque as autoridades estão olhando para a gente”, declara.
 
Ainda participaram do evento a juíza-coordenadora do Nupemec, Cristiane Padim da Silva; o juiz -coordenador do GMF-MT, Geraldo Fernandes Fidelis; o juiz-coordenador do NugJur, Túlio Duailibi Alves Souza; a coordenadora do Núcleo de Educação nas Prisões da Secretaria de Segurança Pública, Fabiana Magalhães; o deputado estadual João Batista; a promotora de Justiça do Núcleo de Execução Penal, Josane Fátima de Carvalho Guariente; o defensor público José Carlos Evangelista; facilitadores do NUGJUR; e policiais penais.
 
 
Assista a cerimonia de lançamento AQUI.
 
Veja AQUI o vídeo desta matéria.
 
Alcione dos Anjos
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

Continue lendo

Tribunal de Justiça MT

Policiais que atuam na Coordenadoria Militar do TJMT são capacitados para operar drones

Publicado


Policiais que atuam na Coordenadoria Militar do Tribunal de Justiça de Mato Grosso participam esta semana do Curso de Operação com Aeronaves Remotamente Controladas–drones. O curso visa à qualificação e o aprimoramento da atuação dos Policiais que operam no Tribunal de Justiça e com isso melhorar os serviços prestados junto à segurança da instituição.
 
Com aulas teóricas e praticas e duração de 24 horas divididas em três dias, 23 a 25 de setembro, a capacitação está sendo desenvolvida em parceria com o SENAR-MT (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) que tem habilitação para ministrar este tipo de curso. Os participantes receberão certificação.
 
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) estabelece regras para a utilização dos drones e exige capacitação, licença e certificação para a operação. Dentre os diversos temas abordados no curso estão o conceito de drone, definição, origem e evolução tecnológica do equipamento e boas práticas de voo, além de das Regras Anac e a legislação vigente.
 
O instrutor do Senar-MT, Paulo Roberto de Oliveira Filho aponta que a atenção é um dos principais requisitos para a boa condução do equipamento. “É preciso ter muita atenção aos detalhes capturados pelo equipamento. Além disso, a capacitação é necessária para garantir a durabilidade do aparelho, evitar erros operacionais e quedas do equipamento”.
 
“É um aprendizado muito importante para nossa atuação. Um curso completo, onde estudamos desde a legislação até a operação em si, com aulas no simulador e as aulas práticas, que se mostraram bem mais fáceis do que parecia”, destacou a 2ª Tenente da Polícia Militar Silvania Pena de Menezes.
 
O uso de drones é necessário em diferentes operações, como eventos especiais com a presença de autoridades civis e militares, missões especiais, simulações e perícias, entre outros.
 
Angela Jordão
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana