conecte-se conosco


Política MT

Com previsão de investimentos de R$ 600 milhões, Estado deve fazer concessão de quatro rodovias no Médio-Norte

Publicado

Empresa que vencer licitação vai administrar as MTs 246, 343, 358 e 480, beneficiando de forma direta 12 municípios de MT

A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), em parceria com a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), realizou audiência pública para debater a concessão de 233 quilômetros de quatro rodovias estaduais na região de Tangará da Serra e municípios do Médio-Norte. Participaram do evento deputados estaduais, prefeitos, vereadores, munícipes e empresários da região. A sessão aconteceu na sexta-feira (19).

O edital de chamamento para consulta pública contendo as regras para participação da concessão está disponível no site da Sinfra até 5 de agosto. Pelo edital, a empresa que estiver habilitada tecnicamente para a administração dos trechos e que garantir o menor preço, arcando com os serviços necessários à manutenção das rodovias, terá o prazo de 30 anos para a execução do serviço. A previsão de investimento ao longo das três décadas é de R$ 638,2 milhões.

“Fizemos essa nova modelagem de concessão de rodovias pois sabemos o tamanho do Estado, que tem 141 cidades e as dificuldades que temos de arcar com toda esta infraestrutura, então desde já agradecemos o apoio dos municípios do Médio-Norte que aqui se colocam como parceiros para que tenhamos estradas de boa qualidade nesta importante região que engloba 12 cidades”, comentou o secretário-adjunto de Logística e Concessões da Sinfra, Huggo Waterson dos Santos.

Leia Também:  Juiz manda bloquear R$ 440 mil de prefeito, secretária e empresários

Segundo o superintendente de Gestão de Concessões da Sinfra, Jossy Soares, esse é um projeto de Estado para garantir serviços de infraestrutura que administração pública moderna sozinha não tem condições de prestar à população. “Por isso temos que ter a parceria e a presença do capital privado, para que tenhamos um serviço público de qualidade para o cidadão”.

O deputado Dr. João José, que é da região Médio-Norte, afirmou que a pauta trata-se de uma iniciativa nova e importante. “É uma das fórmulas que existem para resolver os problemas das estradas. Não adianta o serviço de tapa-buracos. Se a região conseguir uma concessão com preço justo no pedágio, os produtores terão condições de escoar a produção com maior tranquilidade”.

O prefeito de Arenápolis, José Mauro, participou da audiência e pontuou que a região tem sido vítima da dificuldade financeira do Estado e municípios e a união entre o setor público e privado é a melhor solução para resolver estes problemas que afetam o dia-a-dia dos munícipes que utilizam as rodovias do Médio-Norte.

Leia Também:  Herdeiros de ex-presidente da Câmara terão que devolver R$ 11 mil aos cofres públicos

Concessão

De acordo com o edital de concessão, a empresa vencedora será responsável pela conservação, recuperação, manutenção, implantação de melhorias dos trechos das rodovias MT-246, MT-343, MT-358 e MT-480.

Conforme o edital, após a transferência oficial do trecho licitado a empresa vencedora terá um ano para realizar os trabalhos iniciais, nos quais estão inclusos a limpeza da pista e acostamento; recuperação preliminar de pavimento; tratamento do canteiro central; restauração preliminar de artes especiais; complementação de dispositivo de proteção e segurança; recuperação de sinalização vertical e revitalização da horizontal; recuperação de passivos ambientais; limpeza e recuperação do sistema de drenagem e recuperação dos sistemas elétricos e iluminação.

Somente depois da conclusão desta listagem, a empresa estará autorizada a instituir a cobrança de pedágio, que segundo estudo técnico, serão quatro e terão valor mínimo de R$ 5,90.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Incentivos fiscais: novos tempos!

Publicado

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

Mato Grosso manteve os mecanismos para fomentar as diversas atividades econômicas já em funcionamento e continuar disputando novos empreendimentos para o Estado. Essa é a conclusão que se deve ter em mente ao avaliarmos a reinstituição dos incentivos fiscais, aprovada pela Assembleia Legislativa em obediência à Lei Complementar Federal n° 160 e ao Convênio ICMS 190 do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), ambos de 2017.

A lei e o convênio permitiram a reinstituição de benefícios e incentivos fiscais concedidos pelos Estados por meio de atos normativos que foram criados sem a autorização do Confaz. 

A segurança jurídica é um dos pontos a ser destacado como grande ganho obtido com a convalidação desses atos normativos, hoje regularizados.  Precisamos lembrar que sem passar pelo crivo do Confaz muitos incentivos concedidos foram alvos de discussões judiciais entre os Estados, o que acirrou mais ainda a guerra fiscal.

Outro ponto a ser destacado é o cumprimento do prazo para que todos os incentivos concedidos aos empreendimentos não caíssem por terra. Mato Grosso ficaria sem atrativos e correria o risco de presenciar uma debandada de empresas para outros Estados.

Depois de passar por trâmites e procedimentos internos o governo do Estado, enfim, encaminhou o projeto de lei à Assembleia Legislativa. Mas o envio foi feito em cima da hora. A mensagem chegou no dia 27 de junho e o projeto dois dias depois.

Leia Também:  Ministro garante assinatura de contrato de ferrovia neste ano

 O dia 31 de julho de 2019 foi o prazo final dado, na LC nº 160, para que os atos normativos fossem convalidados.

Por envolver uma estrutura complexa contendo anos de atos normativos implantados, a pedido de 24 estados o Confaz estendeu o prazo de entrega das reinstituições para 31 de agosto.

Em Mato Grosso como não houve solicitação de adiamento por parte do Governo, os parlamentares precisaram correr contra o tempo para que os empreendimentos mato-grossenses não ficassem sem os incentivos ao desenvolvimento.

O prazo foi curto e eu critiquei a demora do Executivo Estadual em enviar o projeto de lei para o Legislativo, na prorrogação do jogo.

Diante do projeto apresentado pelo Governo, um substitutivo integral foi assinado por mim e mais quatro deputados visando discutir a reinstituição dos incentivos dentro do prazo estipulado e deixando a reforma fiscal para o segundo semestre, o que foi rejeitado pela Comissão Especial da Assembleia Legislativa.

Então demos início às conversas com as federações do Comércio, da Indústria, da Agropecuária e associações e sindicatos de diversos segmentos. Realizamos audiências públicas e reuniões para entender e ajustar a mensagem enviada pelo governo do Estado, que causou surpresa e perplexidade ao inserir uma reforma fiscal no projeto das reinstituições dos incentivos fiscais.

Leia Também:  Deputado diz que grupo que comanda faculdade em Cuiabá foi favorecido por meio de esquema com recursos do Fies

O Parlamento coeso conseguiu avançar em muitos pontos. Um exemplo disso é o incentivo dado à geração de energia solar, que obteve 22 votos a favor para a isenção do ICMS até 2027.

Avançamos muito em outros pontos corrigindo as distorções. Não foi o ideal, mas certamente foi o melhor em favor da geração de emprego e renda e do desenvolvimento econômico do Estado.

Nosso entendimento sempre foi o de que as negociações são o melhor caminho para alcançarmos o objetivo maior, que é continuar oferendo as condições necessárias ao crescimento e desenvolvimento socioeconômico de Mato Grosso.

Depois de finalizarmos mais essa missão recebemos de entidades representativas dos setores econômicos várias manifestações de agradecimento quanto ao trabalho desempenhado pelo Parlamento.

Tais manifestações nos dão a certeza de que o caminho traçado foi o correto e a firmeza para seguirmos adiante trabalhando juntos em prol de Mato Grosso, com empresas de portas abertas gerando trabalho e renda para a população mato-grossense.

Ainda na esteira desse caminho, a preocupação com o setor do Comércio me levou a solicitar a criação da Frente Parlamentar em Defesa do Comércio, Serviço e Empreendedorismo. Vamos trabalhar para diminuir os efeitos causados ao setor, que foi o mais impactado com as novas regras vigentes.

Carlos Avallone é deputado estadual pelo PSDB

Fonte: ALMT
Continue lendo

Política MT

Deputados promovem debate sobre o projeto ‘Cota Zero’ em Barão de Melgaço

Publicado

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

Com o objetivo de debater o Projeto de Lei (PL) nº 668/2019, que prevê mudanças na Política Estadual de Desenvolvimento Sustentável da Pesca, os deputados estaduais João Batista (Pros) e Elizeu Nascimento (DC) promovem uma audiência pública, nesta segunda-feira (26), no município de Barão de Melgaço (110 km de Cuiabá).

De acordo com João Batista, o evento tem por finalidade, discutir com a população, principalmente com os pescadores, os assuntos que regulamentam as atividades pesqueiras no estado. “Convidamos todos os pescadores profissionais, amadores e amantes da pesca para esta audiência pública e juntos debatermos o conteúdo do PL, especificamente o que trata o Art. 18, que proíbe por cinco anos o transporte, armazenamento e comercialização do pescado oriundo dos rios mato-grossenses. É o que determina a chamada legislação da Cota Zero”, explicou o parlamentar.

A presidente da Associação de Lojistas da Caça e da Pesca em Mato Grosso, Nilma Silva, confirmou presença na audiência e ressaltou que se o projeto for aprovado, Mato Grosso terá cerca de cem mil pais de família desempregados. “O governo não tem um plano socioeconômico para amparar essas famílias, nem plano sustentável para o repovoamento dos rios, muito menos um estudo populacional de dinâmica dos peixes. O que prova que esse projeto é embasado em ‘achismo’. Um achismo que vai provocar desemprego e fere a dignidade da pessoa humana. O peixe é um bem plural, pertence a população  e é um direito constitucional como consta no artigo 225”, explanou Nilma, com tom de indignação e revolta.

Leia Também:  Fávero quer campanhas permanentes sobre vacinação

O deputado Elizeu Nascimento, explica que os pescadores não são responsáveis pela depredação dos rios e que Mato Grosso já possui uma legislação severa no controle da pesca.  “O que o governo precisa de fato fazer, é oferecer melhores condições de trabalho para os profissionais. Não defendemos a pesca predatória, inclusive, nós apresentamos um substitutivo na ALMT, do que realmente precisa ser feito, queremos ampliar a fiscalização pelos órgãos responsáveis e realizar um recadastramento dos pescadores legítimos”, afirmou Elizeu.

Na avaliação de Domingos Capim, presidente há 17 anos da colônia de pescadores ‘Z5’ de Barão de Melgaço, a atual composição da lei da pesca é prejudicial àqueles que sobrevivem do pescado.

"Estou à frente de um grupo composto por mil e duzentas pessoas, trabalhadores de origem simples que vivem apenas da pesca. Um trabalhador que vive somente disso e precisa transportar o peixe até a população, será totalmente prejudicado com esse projeto. Queremos saber qual amparo que o governo vai propor aos trabalhadores, tendo em vista, que esse pessoal não tem outra formação a não ser a atividade pesqueira. Por isso, contamos com o apoio de todos os deputados para que esta matéria, não seja aprovada pela Casa de Leis”, concluiu Capim.

Leia Também:  Deputado diz que grupo que comanda faculdade em Cuiabá foi favorecido por meio de esquema com recursos do Fies

Fonte: ALMT
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana