conecte-se conosco


Política MT

Com empresas, avião e automóveis de luxo, candidato ao Senado declara patrimônio milionário de R$ 158 milhões

Publicado

O empresário Reinaldo Morais (PSC) aparece como o mais rico postulante ao Senado

O candidato ao Senado, empresário Reinaldo Morais (PSC), conhecido como “Rei do Porco”, declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ser dono de um patrimônio de R$ 158,2 milhões. Ao todo, o candidato, que tem como companheiros de chapa o agropecuarista Gilberto Moacir Cattani e o empresário Neles Walter Ferreira de Farias, na primeira e segunda suplências, respectivamente, apresentou um lista com 43 itens como veículos de luxo, empresas e uma aeronave.

Reinaldo declarou ser dono de um automóvel Porsche (R$ 349 mil), uma lancha Fluvimar (16 pés) de R$ 20 mil e uma morto Harley Davidson avaliada em R$ 41,8 mil, além de uma aeronave prefixo PR GRM Piper aircraft (R$ 124 mil).

Também fazem parte do patrimônio ações em várias empresas, como Capital Social Empresa LCZSPE empreendimentos e Participações, no valor de R$ 77.129 milhões,  Suinobras Ltda (R$ 22 milhões), Frango Natura Indústria, Comércio e Exportação de Carnes e Derivados Ltda (R$ 14.225 milhões)e  AFAC – KCP – Empreendimentos Inc.E Const Ltda (R$ 8.412 milhões).

Já o agropecuarista Gilberto Moacir Cattani (1º suplente) declarou um patrimônio de  R$ 1 milhão, e o 2º suplente, Neles Walter Ferreira de Farias, informou à Justiça Eleitoral possuir R$ 2,1 milhões.

Outros candidatos ao Senado e suplentes

O advogado Euclides Ribeiro, que disputa o Senado pelo Avante, declarou á Justiça Eleitoral R$ 22,3 milhões em patrimônio, entre eles, ações da empresa Lar Participações S/A no valor R$ 5.099 milhões e uma casa no condomínio de luxo Florais, em Cuiabá,  no valor R$ 2.8 milhões. Seus suplentes, a professora de Rondonópolis, Francileide Fontinelle Passos (PSB) declarou R$ 430 mil, e o empresário de Porto Alegre do Norte, Ernando Cardoso (PDT), R$ 10, 1 milhão.

A tenente-coronel PM Rúbia Fernanda (Patriota) declarou à Justiça Eleitoral ter R$ 1,6 milhão em bens, referentes a uma residência no condomínio de luxo Alphaville, em Cuiabá, no valor de R$ 1.5 milhão e dois carros, além de depósito bancário.

Nilson Leitão (PSDB) declarou R$ 863,8 mil em bens. Seu primeiro suplente, o ex-governador Júlio Campos (DEM), R$ 18,7 milhões e terceiro suplente  Márcio Guedes, que é funcionário público, R$ 1,3 milhão. O ex-governador Pedro Taques (Solidariedade) declarou R$ 359.4 mil, referente a  53% do valor de um apartamento. O deputado estadual Elizeu Nascimento (DC) declarou ter R$ 421 mil, Feliciano Azuaga (Novo) com R$ 170 mil e o procurador Mauro (Psol) R$ 221 mil.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

CPI da Energisa prorroga prazo para entrega do relatório final

Publicado


Foto: Ronaldo Mazza

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), que investiga irregularidades na empresa de energia elétrica Energisa retornou às atividades nesta quinta-feira (16), após os trabalhos terem sido paralisados desde o mês de abri,l em razão da pandemia da Covid-19.

De imediato o presidente da CPI, deputado Elizeu Nascimento (PSL) apresentou requerimento prorrogando o prazo para o dia 15 de dezembro deste ano para entrega do relatório final. Esse requerimento ainda vai ser encaminhado para votação em Plenário. Também foi apresentado um novo cronograma de convidados para as próximas reuniões.

“Devido a pandemia da Covid-19, precisamos alterar o calendário e propor um novo agendamento de convidados. Paralelamente à CPI, está acontecendo a operação “Tudo às Claras”, que trata-se de uma investigação entre as polícias Civil, Militar, Federal e outros órgãos, por isso estendemos a convocação dos membros que participam desta operação para falar à CPI tudo o que foi coletado até o momento e mostrar para a sociedade”, revelou Nascimento.

Conforme o presidente da Comissão, estão sendo apuradas investigações sigilosas envolvendo, desde a questão de abuso na cobrança de faturas de energia, à má prestação de serviço, além de baixo efetivo de servidores da empresa e também abusos referente aos medidores de consumo. Tudo isso será incluído no relatório da CPI.

“Essa CPI é oriunda da vontade popular para que os deputados pudessem cobrar da Energisa melhores condições de fornecimento de energia e soluções para as constantes reclamações contra a empresa, como o mau atendimento e os valores exorbitantes cobrados na taxa de energia”, disse o vice–presidente da CPI, deputado Thiago Silva (MDB).

Veja o cronograma com os próximos convidados, em datas a serem definidas pela CPI:

a) Investigação sobre fios elétricos e medidores de energia. Convidado: secretário adjunto de proteção em defesa dos direitos dos consumidores do Procon, Edmundo Taques, para mostrar os trabalhos finais desempenhado pelo grupo de fiscalização que atuou na operação “Tudo às Claras”.

b) Convocar o presidente do Instituto de Pesos e Medidas de Mato Grosso (IPEM-MT), Pedro Bezerra, para tratar do relatório final dos trabalhos desenvolvidos pelo grupo de fiscalização na operação “Tudo as Claras”.

c) Convidar o presidente da Ager-MT, Luis Alberto Nespolo, para mostrar resultados dos trabalhos realizados na operação “Tudo as Claras”.

d) Convidar o delegado da Delegacia do Consumidor (Decon), Rogério Ferreira, falar dos trabalhos desenvolvidos na operação “Tudo as Claras”.

e) Ouvir o engenheiro eletricista, José Antonio de Mesquita, que participou da operação.

f) Proposição em Plenário do Requerimento para prorrogar até o dia 15 de dezembro de 2021, a duração da CPI da Energisa, por conta da pandemia.

Fonte: ALMT

Continue lendo

Política MT

CPI da Energisa prorroga prazo para entrega do relatório final e quer ouvir presidente da Ager e delegado

Publicado

Requerimento pede que trabalho sejam estendidos até o dia 15 de dezembro [Foto – Ronaldo Mazza]

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), que investiga irregularidades na empresa de energia elétrica Energisa retornou às atividades nesta quinta-feira (16), após os trabalhos terem sido paralisados desde o mês de abril em razão da pandemia da Covid-19.

De imediato o presidente da CPI, deputado Elizeu Nascimento (PSL) apresentou requerimento prorrogando o prazo para o dia 15 de dezembro deste ano para entrega do relatório final. Esse requerimento ainda vai ser encaminhado para votação em Plenário. Também foi apresentado um novo cronograma de convidados para as próximas reuniões.

“Devido a pandemia da Covid-19, precisamos alterar o calendário e propor um novo agendamento de convidados. Paralelamente à CPI, está acontecendo a operação “Tudo às Claras”, que trata-se de uma investigação entre as polícias Civil, Militar, Federal e outros órgãos, por isso estendemos a convocação dos membros que participam desta operação para falar à CPI tudo o que foi coletado até o momento e mostrar para a sociedade”, revelou Nascimento.

Conforme o presidente da Comissão, estão sendo apuradas investigações sigilosas envolvendo, desde a questão de abuso na cobrança de faturas de energia, à má prestação de serviço, além de baixo efetivo de servidores da empresa e também abusos referente aos medidores de consumo. Tudo isso será incluído no relatório da CPI.

“Essa CPI é oriunda da vontade popular para que os deputados pudessem cobrar da Energisa melhores condições de fornecimento de energia e soluções para as constantes reclamações contra a empresa, como o mau atendimento e os valores exorbitantes cobrados na taxa de energia”, disse o vice–presidente da CPI, deputado Thiago Silva (MDB).

Veja o cronograma com os próximos convidados, em datas a serem definidas pela CPI:

a) Investigação sobre fios elétricos e medidores de energia. Convidado: secretário adjunto de proteção em defesa dos direitos dos consumidores do Procon, Edmundo Taques, para mostrar os trabalhos finais desempenhado pelo grupo de fiscalização que atuou na operação “Tudo às Claras”.

b) Convocar o presidente do Instituto de Pesos e Medidas de Mato Grosso (IPEM-MT), Pedro Bezerra, para tratar do relatório final dos trabalhos desenvolvidos pelo grupo de fiscalização na operação “Tudo as Claras”.

c) Convidar o presidente da Ager-MT, Luis Alberto Nespolo, para mostrar resultados dos trabalhos realizados na operação “Tudo as Claras”.

d) Convidar o delegado da Delegacia do Consumidor (Decon), Rogério Ferreira, falar dos trabalhos desenvolvidos na operação “Tudo as Claras”.

e) Ouvir o engenheiro eletricista, José Antonio de Mesquita, que participou da operação.

f) Proposição em Plenário do Requerimento para prorrogar até o dia 15 de dezembro de 2021, a duração da CPI da Energisa, por conta da pandemia.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana