conecte-se conosco


Esportes

Com Bernardinho de técnico, vôlei do Flamengo firma parceria com Sesc

Publicado


.

O Flamengo disputará a edição 2020/2021 da Superliga Feminina de vôlei em parceria com o Sesc Rio de Janeiro, maior campeão nacional da modalidade. A equipe será dirigida por Bernardinho, bicampeão olímpico pela seleção masculina (2004 e 2016) e técnico mais vezes campeão do torneio.

A parceria foi anunciada em nota divulgada pelo Rubro-Negro nesta quarta (15). Ela será apresentada na próxima sexta (17), em entrevista coletiva com o técnico e os presidentes do Flamengo, Rodolfo Landim, e do Conselho Regional do Sesc, Antonio Florencio de Queiroz Júnior.

Até a temporada 2019/2020, o Sesc manteve times competindo nas Superligas Masculina e Feminina. O projeto entre os homens, porém, teve o encerramento anunciado em fevereiro pelo Serviço Social do Comércio (Sesc), antes mesmo de o novo coronavírus (covid-19) chegar ao país. A queda nas receitas da entidade, acentuada com a pandemia, fez Bernardinho abrir mão do próprio salário para minimizar o corte nos rendimentos das atletas, segundo o técnico revelou em live do canal Seu Esporte, em maio.

Fundado em 2003, e oficializado em 2004, o Rio de Janeiro Vôlei Clube é considerado pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) – apesar do CNPJ diferente – um herdeiro do Paraná Vôlei Clube, bicampeão da Superliga. À ocasião, a então patrocinadora (Unilever) levou a equipe de Curitiba para a capital fluminense. No Rio, vieram outros 10 títulos nacionais, sendo o último em 2017, já com a parceria do Sesc. Para a CBV, o time carioca é ao todo 12 vezes campeão, sempre com Bernardinho no comando.

O Flamengo, por sua vez, venceu a Superliga em 2001. A temporada passada, que não terminou devido à pandemia, marcou a volta do Rubro-Negro à elite do torneio após 13 anos. A equipe terminou a competição em 10º lugar, escapando da queda à Superliga B na última rodada da primeira fase. O Sesc-RJ ficou em segundo, atrás somente do Dentil Praia Clube, e enfrentaria o Fluminense nas quartas de final se o campeonato não fosse cancelado.

Edição: Fábio Lisboa

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Rafael Nadal desiste do US Open de Tênis por causa da pandemia

Publicado


.

O número dois do mundo, o espanhol RAfael Nadal, não disputar o US Open, em NOva York (Estados Unidos) este ano, programado para começar no dia 31 de agosto. Preocupado com o descontrole da pandemia do novo coronavírus (covid-19), o atual campeão do torneio preferiu abrir mão da disputa. Nadal justificou a desistência com uma sequência de mensagens no Twitter, na noite de ontem (4). Além de Nadal, o US Open também não contará com o multicampeão Roger Federer, que o último dia 10 de junho, anunciou que ficará fora das quadras este ano, devido à recuperação de uma cirurgia no joelho direito. 

“Depois de muitas reflexões, decidi não jogar o US Open deste ano. A situação é muito complicada em todo o mundo, os casos do COVID-19 estão aumentando, parece que ainda não temos controle sobre isso”, sustentou Nadal. Mas adiante, o espanhol admitiu: “Esta é uma decisão que eu nunca quis tomar, mas decidi seguir meu coração desta vez e, por enquanto, prefiro não viajar”.

 

Devido à pandemia, o circuito mundial de tênis foi paralisado em março. A retomada está prevista para o próximo dia 14 de agosto, com o ATP 500 Citi Open, em Washington (EUA). O US Open seria o primeiro Grand Slam após o retorno.

“Sabemos que o calendário de tênis reduzido é bárbaro este ano, depois de 4 meses parado sem jogar, eu entendo e agradeço pelos esforços que estão envidando para que isso aconteça. Acabamos de ver o anúncio de Madri não sendo disputado este ano”, disse Nadal a respeito do reinício do circuito.

Esta é a primeira vez, nos últimos 21 anos, que um Grand Slam não contará com dois expoentes do esporte, No último domingo (3), o australiano Nick Kyrgios também adiantou que não participaria do torneio norte-americano. Entre as tenistas, a única desistência já confirmada é a da australiana Ashleigh Barty.  O número 1 do mundo, o sérvio NovaK Djokovic, ainda não confirmou presença do US Open deste ano.  

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Continue lendo

Esportes

Lançamento de disco: falta de competições preocupa Fernanda Borges

Publicado


.

A brasileira Fernanda Borges, líder do ranking nacional de lançamento de disco, vive um momento diferente em sua carreira, enquanto enfrenta limitações para manter a rotina de treinos no decorrer da pandemia do novo coronavírus (covid-19) ela acompanha a participação, no exterior, de algumas de suas adversárias na busca do índice para os Jogos de Tóquio.

Fernanda participou de sua última competição oficial em março, o Campeonato Paulista de Atletismo. Logo depois veio a pandemia do novo coronavírus, e desde então a atleta gaúcha se divide entre treinos de musculação na sua casa em São Paulo e a parte prática em São Bernardo do Campo, região metropolitana da capital paulista.

“Ela faz musculação em casa. Tem todos os aparelhos, usamos muito os pesos livres. E fazemos lançamentos no Riacho Grande em São Bernardo três vezes por semana. O campo é grande, tem 90 metros de comprimento. Mas é claro que não é a mesma coisa”, diz o técnico João Paulo da Cunha à Agência Brasil.

Enquanto a brasileira busca o melhor ritmo durante a pandemia, fora do Brasil a situação é diferente. No último sábado (1), a norte-americana Valerie Allman, de 25 anos, não só competiu como quebrou o recorde nacional dos Estados Unidos. Lançou o disco a 70,15 metros e tornou-se a primeira americana a superar a marca dos 70 metros (em toda a história da prova, apenas 25 atletas conseguiram superar os 70 metros).

“Vimos o lançamento da americana. Ela tinha 67 metros como melhor marca. Evoluiu bastante. Abrir a temporada com 70 metros é bem competitivo. Claro que essa falta de ritmo de competição da Fernanda, enquanto outras atletas bem fortes já estão em um nível alto, preocupa”, diz o técnico.

A janela para a classificação para os Jogos de Tóquio reabre em dezembro, mas a brasileira e a comissão técnica já planejam uma ida à Europa para acelerar a preparação. O índice olímpico é de 63,50 metros. “Mês que vem, ela vai entrar na Missão Europa do Comitê Olímpico do Brasil (COB), em Portugal. A ideia é que ela treine e participe de alguns eventos”, diz o técnico.

A atleta de 32 anos é a primeira colocada na temporada brasileira, com a marca de 62,37 metros. O recorde da lançadora é de 64,66 metros, alcançado em outubro de 2018, em Bragança Paulista. Em 2019, na quarta participação dela em um Mundial, a gaúcha de Santa Cruz do Sul finalizou em sexto lugar, com 62,44 metros. João Paulo Alves da Cunha, treinador-chefe da delegação em Doha (Catar), considera o resultado excelente. “Foi uma ótima participação. Primeiro ter ficado entre as 12, e depois, na final, conseguir o sexto lugar foi muito bom. Posição histórica”.

Edição: Fábio Lisboa

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana