conecte-se conosco


Política Nacional

Collor desviou recursos da Petrobras e da Caixa entre 2010 e 2016, diz PF

Publicado


source
Collor
Marcos Oliveira/Agência Senado

Senador Fernando Collor (Pros-AL)

Ex-presidente e senador desde 2007, Fernando Collor de Mello (PROS-AL) desviou recursos da Petrobras e da Caixa entre 2010 e 2016, de acordo com um relatório da Polícia Federal (PF) divulgado nesta segunda-feira (3) pelo jornal Folha de S. Paulo .

A Polícia Federal suspeita que Collor tenha cometido crimes de lavagem de dinheiro e de peculato – desvio de recursos por agente público. Na época, Collor era filiado ao PTB, então partido de apoio aos governos petistas.

A PF investiga contratos de R$ 2,55 milhões entre as estatais e o  Instituto Arnon de Mello de Liberdade Econômica com inexigilbilidade de licitação – contratação que ocorre sem processo de licitação, devido à inviabilidade ou desnecessidade. 

Os contratos se referem ao desenvolvimento de projetos culturais entre 2010 a 2016. Do dinheiro, R$ 2,3 milhões teria vindo da Petrobras , entre 2010 e 2015, e R$ 250 mil da Caixa , em 2013.

O instituto, que seria uma entidade sem fins lucrativos, leva o nome do pai de Collor e faz parte da Organização Arnon de Mello – que também integra um grupo de comunicação que tem Collor como seu sócio.

O relatório da PF aponta que o dinheiro foi levado para empresas privadas do senador, como o jornal e a TV Gazeta de Alagoas, e para pessoas físicas próximas dele, como um de seus ex-assessores.

O documento mostra que o recurso era “a mando e no interesse” do senador. Depois do valor ser recebido, havia movimentações bancárias sucessivas e fracionadas, em que este era transferido para empresas de Collor e ao ex-assessor. Dessa forma, “desvinculados do objeto dos contratos culturais de patrocínio”.

Collor e o instituto negam. Eles afirmam que os valores eram transferidos para reembolsar as empresas do senador por gastos com os projetos culturas.

“Como se sabe, no poder público só se paga ao fornecedor do bem ou do serviço quando se executa [o projeto]. Os projetos culturais foram desenvolvidos e executados com recursos das empresas do grupo. Posteriormente à entrega das obras culturais, o instituto foi indenizado. Portanto era por demais justo que as empresas fossem reembolsadas com os recursos oriundos dos patrocínios”, alega a defesa de Collor .

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Aras quer investigar Joice Hasselmann por criar perfis falsos de bolsonaristas

Publicado


source
Joice
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Deputada e candidata à prefeita de São Paulo Joice Hasselmann


O procurador-geral da República, Augusto Aras , quer a abertura de um inquérito para investigar a deputada federal e candidata a prefeita de São Paulo, Joice Hasselmann (PSL), sobre  o uso de funcionários do seu gabinete na Câmara para criar perfis falsos para atacar bolsonaristas, núcleo do que ela fazia parte.


Aras quer que os assessores Marcelo Marinho de Farias e Jean Hernani Guimarães Vilela do gabinete de Joice sejam ouvidos. O procurador-geral encaminhou ofício, no final de agosto, ao ministro Luís Roberto Barro do Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a investigação do caso.

“Os fatos noticiados são relativos ao exercício do cargo público, dado que, em tese, foram praticados pela Deputada Federal Joice Hasselmann e por servidores de seu Gabinete, sob seu comando, num contexto de disputa com adversários políticos. De outro lado, os fatos potencialmente criminosos foram cometidos no curso do mandato”, disse Aras no ofício.

Continue lendo

Política Nacional

Número de militares candidatos a prefeito é o maior em 16 anos

Publicado


source
urna
Coluna Esplanada

Número de militares e policiais candidatos a prefeito é o maior em 16 anos

Na primeira eleição após a chegada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao Palácio do Planalto, o número de militares e policiais que concorrem ao cargo de prefeito nas eleições municipais deste ano atingiu um recorde. O patamar atingido foi o maior em 16 anos.

Dados do Tribunal Superior Eleitoral mostram que, neste ano, 371 bombeiros militares, policiais militares e civis e militares reformados tentam uma vaga para prefeituras ao redor do país. Em 2004, porém, eram 143, o que significa um aumento de 61%. Já há quatro anos, em 2016, o número era de 178 candidatos militares ou policiais.

Deste número de 371 que irão disputar as eleições municipais deste ano, quase metade do grupo, ou seja, 193 candidatos, são policiais militares.  Os militares reformados, como Jair Bolsonaro, são o segundo maior bloco do conjunto, com 99 representantes.

O partido que mais abarcou candidatos militares neste ano foi o PSL, com 54 candidatos. Na sequência, aparecem o Patriota, com 25, PL, com 23, e o Podemos e PP, ambos com 22.

A maioria dos postulantes ao posto de prefeitos está na região sudeste, mais precisamente no estado de São Paulo, com 59 militares. Na sequência, aparece o estado de Minas Gerais, com 49.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana