conecte-se conosco


Várzea Grande

Cinco escolas municipais participam da edição 2021 do projeto MPT na Escola

Publicado


A Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Smecel) aderiu ao Prêmio “MPT na Escola 2021”, promovida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), e vai contar com a participação de cinco escolas da rede municipal, envolvendo 731 alunos do 4º ao 7º ano. O Prêmio consiste na seleção e premiação dos melhores trabalhos literários, artísticos e culturais produzidos por alunos de escolas públicas.

O MPT na Escola tem por objetivo fomentar a participação de crianças e adolescentes nas ações de mobilização, conscientização e prevenção do trabalho infantil e da proteção do adolescente trabalhador, além de reconhecer a dedicação dos educadores envolvidos nas ações de prevenção à violação dos direitos de crianças e adolescentes.

Na rede municipal de Várzea Grande, participam as Emebs Abdala José de Almeida, Benedita Bernardino Curvo, Joaquim da Cruz Coelho, Maria Joana da Silva Almeida e Antônio Gomes da Cruz.

Conforme explica a coordenadora municipal do projeto, Ana Paula Duarte, o MPT na Escola está dividido em quatro categorias: Conto, Poesia, Música e Desenho. Está dividido também em dois grupos: Grupo 1 – para alunos de 4º e 5º ano, cujo tema é “Erradicação do Trabalho Infantil”, e Grupo 2 – para estudantes de 6º e 7º ano com o tema “Aprendizagem Profissional”. Este ano, por conta da pandemia da Covid-19, houve a necessidade de adequação das regras do Prêmio, como, por exemplo, a categoria Teatro que foi retirada do concurso.

Os trabalhos selecionados nas escolas deverão ser entregues à Comissão Julgadora da Superintendência Pedagógica até o dia 09 de julho. Esses trabalhos vão concorrer na etapa municipal. Os trabalhos selecionados na Etapa Municipal deverão ser inscritos na etapa estadual, que, posteriormente, serão selecionados para participarem da etapa Nacional. 

“Os estudantes e professores dos melhores trabalhos produzidos por categoria e grupo na etapa municipal serão premiados com um aparelho celular cada. A premiação, bem como a divulgação dos trabalhos vencedores, será realizada no segundo semestre de 2021”, informa a superintendente Pedagógica Luz Marina Coelho.

Segundo secretário Silvio Fidelis, o concurso é de extrema importância, pois trabalha com toda a comunidade escolar ações de sensibilização e conscientização sobre o trabalho infantil. “Essas ações fortalecem a efetivação dos direitos da criança e do adolescente, como, por exemplo, o de frequentar uma escola e a garantia à educação”, observa o secretário.

Formação

A Superintendência Pedagógica realizou formação para os coordenadores e professores das escolas participantes do Prêmio MPT na Escola para prepará-los para o trabalho com os alunos. A formação foi ministrada, de forma remota, pelas professoras Tânia, de Língua Portuguesa, e Jaqueline, de Artes. Com carga horária de 4 horas, a formação teve como foco a construção de contos, poesias, desenhos e música, que são as categorias do concurso. 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Várzea Grande

Ex gari de Várzea Grande que se graduou em Direito passa a compor a Comissão de Direitos Humanos da OAB-MT

Publicado


Se para muitas pessoas 2021 é um ano para se esquecer, para Ketlly Cristina da Silva – a ex gari que com muito esforço conseguiu colar grau no curso de Direito – será marcado por conquistas e mudança de vida. Depois de ter a sua historia de superação conhecida nacionalmente, ela começa colher os frutos da boa semeadura.

A convite do prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat, a bacharel em direito, assumiu uma função na Procuradoria Geral do município, onde está podendo vivenciar na prática as teorias vivenciadas na formação acadêmica. Já na última sexta-feira (24) a Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, seccional de Mato Grosso, formalizou o ingresso de Ketlly Cristina na Comissão dos Direitos Humanos da OAB-MT. A Resolução com a nomeação foi entregue na abertura da 8ª Sessão Ordinária das Turmas do Conselho da OAB-MT e 3ª Sessão Extraordinária do Conselho Pleno da OAB-MT.

“Eu mudei de ambiente de um dia para outro e hoje estou ocupando uma função que esta me dando a oportunidade de conhecer o direito de forma mais ampla. Essa nova fase da vida está sendo importante para que eu possa de fato aplicar na prática todos os ensinamentos obtidos em sala de aula. Só tenho a agradecer essa oportunidade que me foi dada pelo prefeito Kalil Baracat e pelo vice vice-prefeito José Hazama com quem tive o prazer em trabalhar”, comemorou.

Quanto ao convite para assumir a Comissão dos Direitos Humanos da OAB, Ketlly Cristina disse que há principio não esperava que fosse ocupar a função ainda neste ano, uma vez que se prepara para as provas da Ordem, que neste momento tem sido a sua maior prioridade. “Estou aproveitando todo o momento que tenho para estudar porque sem a carteira da OAB não poderei avançar na minha profissão, porém o presidente da Comissão dos Direitos Humanos da OAB me fez o convite e disse que, em função da pandemia do Covid-19, os trabalhos estão sendo feitos de forma remota, e que não iria interferir na minha função na Procuradoria do município”. 

O Presidente da Comissão dos Direitos Humanos da OAB-MT, Flávio Ferreira, que fez o convite para Ketlly, entende que com a experiência de vida dela pode colaborar e muito com os serviços prestados pela OAB-MT à sociedade.

Já o Presidente da OAB-MT, Leonardo Campos, disse que Ketlly tem uma história linda de vida e que nos inspira. “Hoje é bacharel de Direito e logo estará aqui ladeando as nossas fileiras de advogados. Para nós é uma honra tê-la trabalhando conosco e nos ajudando a construir uma sociedade melhor e uma instituição mais forte. Tenho certeza que sua contribuição será imensa e relevante”.

Continue lendo

Várzea Grande

Projeto de iniciação musical a jovens de baixa renda é apresentado ao prefeito Kalil Baracat

Publicado


Utilizar a música como instrumento de transformação social e atender crianças e adolescentes de baixa renda. Esse é o principal objetivo do Instituto Ciranda Música e Cidadania que além de oferecer iniciação musical forma mandas e orquestras nas cidades onde atua. 

O projeto e o Instituto foram apresentados ao prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat, pelo vereador de Cuiabá, Diego Guimarães. “Em uma ocasião anterior o prefeito conheceu as ações do Instituto Ciranda e me pediu para que fosse apresentado um projeto para ser executado no município. Nós fomos muito bem recebidos pelo gestor que analisará agora a viabilidade técnica e financeira da proposta. Esperamos que dê certo”, disse Diego Guimarães. 

“Temos aqui no município algumas ações como a Banda Municipal, iniciativas de escolas municipais que não perde para nenhuma banda ou corais do Brasil afora. Vejo como se suma importância a formação cultural e artística para nossos jovens e o trabalho do Instituto Ciranda é de superação, revelação de talentos. Gostaríamos de ter mais essa experiência aqui em Várzea Grande para beneficiar jovens e crianças carentes”, pontuou o prefeito Kalil Baracat. 

De acordo com o presidente e maestro do Instituto Ciranda, Murilo Alves, que já foi integrante da Banda Municipal de Várzea Grande, o projeto existe há 18 anos e atua em quatro municípios de Mato Grosso, inclusive Cuiabá. “Promovemos a iniciação musical para crianças de baixa renda e também a formação de bandas e orquestras para os municípios. Além de formação cívica e moral desse público”, informou.  

No projeto, o Instituto Ciranda Música e Cidadania oferece os instrutores e instrumentos, despesas de aulas que devem ser arcadas pela parceria com a Prefeitura Municipal. O estudo da viabilidade do projeto ficou sob a responsabilidade das secretarias municipais de Governo e de Educação, Cultura, Esportes e Lazer. 

Se aprovado o projeto as crianças, adolescentes e jovens do Instituto Ciranda irão dispor gratuitamente de condições para que possam se desenvolver com aulas de violino, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta transversal, clarineta, oboé, fagote, trompa, trompete, trombone, bombardino, tuba, percussão, coral e musicalização infantil. Além do acesso às aulas práticas, o Ciranda oferece aulas de disciplinas teóricas auxiliares, métodos e partituras, e o instrumento musical.  

Instituto Ciranda, Música e Cidadania – é uma associação civil sem fins lucrativos, reconhecida como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) pelo Ministério da Justiça, criada para desenvolver ações nas áreas da educação e cultura, utilizando a música como ferramenta de cidadania. 

“O Instituto Ciranda atende atualmente, cerca de 800 crianças, adolescentes e jovens oriundos de diversas classes sociais e de diversas cidades mato-grossenses. O principal requisito para participar é que cada aluno deve estar frequentando a escola regularmente e que tenha disponibilidade de tempo para se dedicar a música”, acrescenta o presidente da instituição. 

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana