conecte-se conosco


Internacional

Central nuclear ucraniana é bombardeada neste sábado

Publicado

A maior central nuclear da Europa, localizada na cidade de Zaporizhzhia, na Ucrânia, voltou a ser atacada neste sábado (6). A empresa controlada pelo Estado ucraniano, que opera a central nuclear, alerta para o “risco de fuga de hidrogénio e pulverização radioativa”. Há um incêndio no local.
 
Os governos ucraniano e russo trocam acusações e culpas pelo incidente. A Rússia diz que terroristas ucranianos decidiram colocar toda a Europa à beira de uma catástrofe nuclear.

Por outro lado, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, acusa os russos de serem responsáveis por “um crime descarado e um ato de terrorismo”. Para Zelensky, há risco de uma tragédia maior do que o que aconteceu em Chernobyl, em 1986.

União Europeia

A União Europeia condenou o que considerou ser uma “violação irresponsável” das regras da segurança nuclear por parte da Rússia, face às ações militares no complexo da central ucraniana de Zaporizhzhia.

“A UE condena as atividades miliares da Rússia em torno da central nuclear de Zaporizhzhia. Trata-se de uma violação grave e irresponsável das regras de segurança nuclear e de um novo exemplo do desprezo da Rússia por normas internacionais”, reagiu no Twitter Josep Borrell, alto representante da União para os Assuntos Externos e a Política de Segurança.

Com informações da RTP

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Internacional

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Internacional

Guerra na Ucrânia: bombardeios russos em Kharkiv deixam 21 mortos

Publicado

Kharkiv depois da guerra
Reprodução/Getty 8.4.2022

Kharkiv depois da guerra

Pelo menos 21 pessoas morreram em Kharkiv, na Ucrânia, depois que mísseis russos atingiram um prédio e um dormitório em uma área residencial da região.

“16 mortes já foram registradas em um prédio do distrito de Saltivskyi, enquanto em Slobidskyi, as operações de busca e resgate terminaram e o número final foi de cinco falecimentos”, explicou Dmytro Chubenko, porta-voz do Procurador Regional de Kharkiv, citado pela agência “Ukrinform”.

Na última quarta-feira (17), um míssil russo Iskander atingiu um prédio residencial de três andares no distrito de Saltivskyi, em Kharkiv, tendo destruído completamente a estrutura e causado um grande incêndio. Já ontem (18), as forças de Moscou lançaram um ataque em Slobidskyi e dois mísseis S-300 acertaram um depósito de bonde, danificando uma oficina e um dormitório.

A cidade de Krasnohrad também foi alvo de um ataque de mísseis russos e pelo menos dois indivíduos morreram. No geral, os bombardeios destruíram diversas residências particulares e danificaram cerca de 10 edifícios.

As autoridades de Kharkiv anunciaram hoje (19) um dia de luto em memória das vítimas dos ataques efetuados pela Rússia.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Internacional

Vice-chanceler russo garante que não haverá “cenário Chernobyl”

Publicado

O vice-ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov, afirmou hoje (19) que a presença militar russa na usina nuclear de Zaporizhia, no Sul da Ucrânia, é garantia contra o que chamou de “cenário Chernobyl”, referindo-se à catástrofe nuclear de 1986.

Ontem, o porta-voz da chancelaria russa, Ivan Nechaev disse que uma proposta da Organização das Nações Unidas (ONU) para desmilitarizar a área ao redor da usina nuclear é “inaceitável”.

A usina nuclear de Zaporizhzhia, a maior da Europa, foi ocupada pela Rússia em março. Ela permanece perto da linha de frente, e tem estado repetidamente sob fogo nas últimas semanas, levantando o receio de um desastre nuclear. Rússia e Ucrânia trocam acusações sobre bombardeio da instalação. 

O local onde se situa Chernobyl, 150 quilômetros ao norte de Kiev, foi ocupado pelos militares russos em 24 de fevereiro, o primeiro dia da invasão da Ucrânia, e teve então uma parada na rede de energia e comunicações. Os soldados retiraram-se em 31 de março.

Em abril deste ano, completaram-se 36 anos do pior desastre nuclear da história, ocorrido em 1986. Um reator de Chernobyl explodiu nesse ano, contaminando grande parte da Europa, especialmente a Ucrânia, a Rússia e a Bielorrússia, que integravam a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Denominada zona de exclusão, o território, em raio de 30 quilômetros em volta da central, ainda está fortemente contaminado e é proibido viver lá.

* Com informações da Reuters.

Fonte: EBC Internacional

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana