conecte-se conosco


Política Nacional

Caso Flordelis: a história e os mistérios do assassinato de Anderson do Carmo

Publicado

Anderson do Carmo e Flordelis
Reprodução

Caso já teve diversas reviravoltas, envolvidos e segue um mistério para a polícia do Rio

A morte de Anderson do Carmo, que aconteceu na noite do último dia 15 de junho, tomou conta do noticiário nacional. O pastor, que era marido de deputada federal Flordelis, foi executado a tiros na entrada de casa, poucos minutos após ele e a parlamentar voltarem de um passeio.

Leia também: Flordelis recebeu profecia da morte de pastor, mas desdenhou: “Profetiza do cão” 

A morte do Anderson ganhou enorme repercussão por conta da parlamentar e a tragédia ficou conhecida como ” caso Flordelis “. O casal era fundador da igreja Ministério Flordelis, no Galo Branco, em São Gonçalo e a pastora foi a sexta deputada federal mais votada no Rio de Janeiro nas últimas eleições. Eles também ganharam fama pelo tamanho da família: eles são pais de 55 filhos, a grande maioria adotados.

A história

Flordelis
Fernando Frazão/Agência Brasil

Em entrevista, deputada afirmou que justiça precisa ser feita

À princípio, o crime era tratado como uma tentativa frustrada de assalto. O principal indício era o depoimento da própria Flordelis, que estava com o marido no momento dos tiros e disse que Anderson morreu “tentando defender a família”.

No entanto, a investigação mudou de rumos rapidamente e começou a apontar que, na verdade, a morte do pastor havia sido premeditada. Ainda no velório de Anderson, Flávio dos Santos, filho biológico de Flordelis, foi detido pela polícia por envolvimento no crime.

Logo após a prisão, a deputada se irritou e defendeu o filho. “Isso é uma grande mentira, uma inverdade. É especulação. Não vou permitir que ninguém acuse nenhum dos meus filhos sem ter provas”, declarou.

Pouco tempo depois, os policiais também prenderam Lucas dos Santos, filho adotivo do casal. Ele foi detido na casa onde Anderson do Carmo foi morto. No mesmo dia do enterro, os dois prestaram depoimento na Delegacia de Homicídios de Niterói. Flordelis, que acompanhou os filhos, voltou a defendê-los. 

“É ridículo. Estão acusando sem provas. Ele [Anderson] morreu defendendo a família, é nisso que eu acredito”, disse.

Flordelis e Anderson do Carmo
Reprodução/Facebook

Dois filhos do casal são os principais suspeitos do assassinato do pastor

Os dois permaneceram detidos e tiveram prisão temporária decretada no dia 20 de junho. Nesse meio tempo, de acordo com a polícia, Flávio confessou que deu seis tiros no padrasto. O depoimento do acusado, no entanto, tinha contradições. Uma das linhas de investigação é que os irmãos teriam se voltando contra Anderson por conta de um suposto caso extraconjulgal do pastor. Flordelis, novamente, negou.

No dia 21, toda a família foi convocada para prestar depoimento e um dos filhos de Flordelis, que não teve a identidade revelada, implicou a própria mãe e três irmãs no crime. O jovem afirmou que não ouviu barulho de carro ou moto em fuga. Flordelis havia dito que viu duas motos seguindo o carro e que, depois de o casal entrar em casa, Anderson voltou para buscar algo no carro. O filho ainda relatou que encontrou Flávio ao lado de Anderson, que estava caído no chão. A parlamentar não se pronunciou sobre a informação.

Dois dias depois, quando o crime completou uma semana,  a deputada foi às redes sociais e, novamente, defendeu os filhos. “Acusam meus meninos, mas eu tenho esperança de os acusadores estarem errados e quero muito confiar na Justiça. É uma dor, às vezes, insuportável”, escreveu

Ver esta publicação no Instagram

Faz uma semana que perdi meu marido. Quem conheceu a minha vida com ele imagina a falta que ele me faz e pode imaginar o quanto estou atordoada. Mas, sou forte. Deus me fortalece. Por isso, não perco a fé. Canto em silêncio uma das músicas que sempre me deu muita força: “Volta por Cima” ”Quem impedirá o agir de Deus?”. Deus tem me dado forças. Vejo isso no olhar dos meus meninos e das minhas meninas, minhas filhas e meus filhos, frutos da minha uma dedicação férrea à vontade de fazê-los felizes. A semana me passou a ideia de que o tempo parou. A dor é enorme, pela perda e pelas calúnias e notícias confusas que a cada minuto, cada minuto mesmo, brotam sabe-se lá de onde. Já falaram ter sido um crime passional, já disseram ser um crime por dinheiro, já incluíram a infidelidade. Acusam meus meninos, mas eu tenho esperança dos acusadores estarem errados e quero muito confiar na Justiça. É uma dor, às vezes, insuportável. O crime aconteceu na nossa casa e isso me faz reviver aquele momento trágico cada minuto em que estou presente. A imprensa não me deixa em paz. Na segunda-feira, serei ouvida pela polícia. O primeiro depoimento como manda a lei. Já fiz isso várias vezes. A primeira, poucas horas após o crime. Sem direito ao luto. Na terça-feira, à tarde, falarei com a imprensa . Um calvário necessário, para ver se consigo aplacar as insinuações, as dúvidas que criam versões desencontradas. Quem sabe, conseguirei? Peço as orações, mesmo daqueles que sem conhecer a história me condenam e condenam meus filhos. A todos os que acreditam em Deus, eu peço as orações para que se faça Justiça. Nossa última sessão de fotos!

Uma publicação partilhada por Flordelis ⚜️ (@flordelismk) a 22 de Jun, 2019 às 7:12 PDT

Já no dia 25, um novo capitulo surgiu na investigação. A defesa de Flávio dos Santos colocou em dúvida a suposta confissão do enteado de Anderson do Carmo. O advogado Anderson Rollemberg, que defende o filho biológico de Flordelis, disse que seu cliente contou não ter confessado o crime.

“Ele falou pra mim que não confessou. Não existe confissão . A autoridade diz que houve confissão, mas [ele] disse pra mim que não confessou [o crime ]”, justificou. Rollemberg também contesta o vídeo que a polícia diz ter gravado com a confissão de Flávio sobre o assassinato. “Vocês viram o vídeo? Eu não vi o vídeo”.

Questionado pela imprensa se poderia pedir a anulação do depoimento, o advogado respondeu: “Não tenha dúvida”.

“Se ela [a confissão] existe, eu estou dizendo desde já que ela não é idônea. Quem nos garante que ele [Flávio] assinou [o depoimento] de livre e espontânea vontade”, questionou. Ele afirma também que Flávio não prestou depoimento formal à polícia.

Um dia depois, Flodelis, pela primeira vez,  admitiu a possibilidade dos filhos estarem envolvidos no crime. “ Se for provado que foram os meus filhos, eu quero que eles sejam punidos, quero justiça. Seja quem for que cometeu tal ato. Quero justiça pelo o que aconteceu ao meu marido”, afirmou. No entanto, ela voltou a dizer que ainda acreditava na inocência dos filhos.

Em uma nova entrevista, dias depois, a parlamentar mudou de opinião e disse que  “não acreditava mais em nada”.

Já nesta sexta-feira (5) , a deputada voltou às redes sociais para desabafar contra as pessoas que a acusavam de participação no crime. “Já me sentenciaram sem que eu tivesse um julgamento. Acusar sem ter certeza é um ato indecente e covarde. Tem aparecido tanta gente pra me julgar, me intimidar, me desejar mal. Deixem eu chorar em paz pela perda do meu marido, meu cúmplice, meu amigo”, escreveu.

Os mistérios

Quase um mês após a morte, diversas pontas permanecem soltas na investigação. Celulares e arma do crime desaparecidos, a real motivação, o número de tiros que atingiram o pastor e até uma explicação para a fogueira encontrada no quintal da casa de Flordelis são alguns dos temas que a polícia ainda precisa entender.

1 – Arma do crime

Arma
Gilvan de Souza / Agência O Dia

Além do laudo da arma, policiais também não receberam resultado do exame toxicológico feito nos cães da família

Até o momento, a  única arma que foi relacionada ao crime é a encontrada no quarto de Flávio dos Santos, filho de Flordelis que está preso. Apesar de ser o principal suspeito, a defesa sustenta que a  arma pode ser sido plantada pelos investigadores.

Além disso, a polícia revelou que ainda  não recebeu o laudo do Instituto de Criminalística sobre o teste realizado na arma, uma pistola 9mm. A corporação pediu agilidade no processo, para que a investigação possa continuar.

2 – Celulares desaparecidos

Ainda não foram encontrados os aparelhos de Anderson do Carmo e de Flávio dos Santos . Porém, a polícia já sabe que o aparelho que pertencia ao pastor foi  utilizado após o crime e mensagens foram enviadas a grupos da família.

Uma testemunha, inclusive, disse ter visto uma neta do casal atirando o aparelho no mar . O homem seria o mototaxista que levou a jovem até uma praia de Niteroi e viu o momento em que ela se livrou do celular.

Em depoimento, Michele do Carmo, irmã do pastor assassinado, disse ter visto o celular do irmão na  casa de Flordelis após o crime. Até o momento, este é o último ponto em que a investigação sabe do paradeiro do aparelho. Porém, nem mesmo esta informação foi confirmada ou desmentida.

3 – Causa da morte e autoria

Inicialmente apontado como principal suspeito, principalmente após confessar o crime , Flávio dos Santos voltou atrás e afirmou ao seu advogado que não matou o pai adotivo. Com isso, a defesa entrou com um pedido de anulação da confissão , afirmando que ela não foi obtida de forma idônea.

Com isso, a polícia ainda não sabe quem é o verdadeiro autor do crime. Seguidas vezes, Flordelis chegou a afirmar que  acreditava na participação dos filhos no caso, mas acabou voltando atrás, preferindo se manter na linha da ‘busca por justiça’ .

Além disso, outro ponto que segue incerto é de como se deu a morte do pastor. Na confissão, Flávio disse ter atirado seis vezes no pai, mas exames apontaram pelo menos 30 disparos. A polícia, no entanto, não sabe precisar quantos orifícios são de entrada ou de saída, nem quantos foram realmente dados na vítima.

4 – Motivação

Família Flordelis
Reprodução

Em depoimento, Flordelis disse que o filho Lucas tinha uma desavença com o pai

No início da investigação, a parlamentar afirmava que a morte tinha acontecido durante uma tentativa de roubo. Porém, conforme os fatos foram surgindo, a possibilidade de um latrocínio, um roubo seguido de morte, acabou caindo por terra.

Na sequência, surgiu a informação de que a morte poderia ter sido motivada por um  caso de adultério de Anderson, o que teria causado a ira dos filhos e da deputada. A hipótese ganhou força pelo fato de o corpo ter sido alvejado diversas vezes na região do órgão sexual. Entretanto, a ideia foi descartada por Flordelis , que ressaltou confiar no marido.

Por fim, um dos filhos do casal revelou à polícia que a  própria Flordelis poderia ter participação no assassinato e que um dos acusados teria recebido uma proposta de R$ 10 mil para matar o pastor. Em depoimento , ela negou que os filhos tenham recebido qualquer quantia, mas revelou que existia uma desavença entre o pastor e o filho Lucas.

5 – Saída após o crime e fogueira

Durante as investigações, policiais descobriram dois pontos que não condizem com a linha do tempo montada até o momento. Em uma primeira visita ao local do crime , dois dias após a morte, os agentes encontraram marcas de uma fogueira feita no quintal da casa. O material foi rechido e passa por perícia.

Outro ponto é a saída de Flávio logo após o crime. Segundo a polícia, câmeras de segurança flagraram o rapaz deixando a residência e voltando cerca de 15 minutos depois. Em depoimento, Flordelis afirmou que o filho foi chamar a polícia, mas os investigadores desconfiam que possa haver um sentido oculto nessa movimentação.

Fonte: IG Política
Leia Também:  Comissão da medida provisória que altera o PPI recebe ministro da Infraestrutura
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Bolsonaro diz não ter problemas com Moro e afirma “ingerência” em ministérios

Publicado

source

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado (24) que não tem “problema nenhum” com o ministro da Justiça, Sergio Moro , após desautorizá-lo em público  na última semana . De acordo com Bolsonaro, houve outras tentativas de criar atritos com ministros, como Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil). 

Sergio Moro participou de transmissão ao vivo com Jair Bolsonaro arrow-options
Carolina Antunes/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou ‘não ter problema’ com o ministro da Justiça Sergio Moro e que possui ‘poder de veto’

“Não tenho problema nenhum com o Moro. Cada hora levantam alguma coisa (contra um ministro). Era Marcelo Alvaro Antonio, era o Onyx também”, afirmou. Questionado se o Moro tinha “carta branca”, Bolsonaro destacou que tem “ingerência” em todos os ministérios. Quando convidou Moro para ser ministro, o presidente havia prometido “liberdade total”.

“Olha, carta branca… Eu tenho poder de veto. Se não, não sou presidente. Todos os ministros têm essa ingerência minha e eu fui eleito para mudar, ponto, mudar”, disse. 

De acordo com informações da Agência O Globo, o abalo da relação entre Bolsonaro e Sergio Moro  atingiu seu ápice com as declarações do presidente de que é ele, e não o ministro, quem manda na Polícia Federal.

Leia Também:  CE aprova título de patrono do cooperativismo brasileiro a Theodor Amstad

A tensão começou crescer depois que Moro pediu ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, uma revisão da decisão em que restringiu o compartilhamento de relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) com os ministérios públicos e a PF. Desde então,  Bolsonaro decidiu inviabilizar a presença do ministro no governo. 

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Marido de Flordelis dispensou carro blindado na madrugada de seu assassinato

Publicado

source
Pastor Anderson e Flordelis arrow-options
Reprodução/Facebook

Marido de Flordelis preferiu sair com carro de seu filho, que não tinha proteção

O pastor Anderson do Carmo de Souza dispensou o seu carro blindado para sair com a mulher, Flordelis dos Santos, na madrugada em que foi assassinado, e pegou o veículo de um de seus filhos, que não tinha a proteção. A atitude do pai causou estranheza em Daniel dos Santos de Souza, filho que trocou de carro com o pai.

Em depoimento à polícia, Daniel contou que havia saído com a namorada em seu Honda Acord, que não é blindado. Por volta das 23h, recebeu uma ligação de seu pai pedindo que ele voltasse para casa, em Pendotiba, Niterói, e trocasse de carro com ele. O pastor Anderson disse ao filho que sairia com Flordelis . Daniel voltou para a casa, por volta de meia noite, com o intuito de fazer a troca. Ele pegou o carro blindado de seu pai, uma Caravan, e deixou o seu veículo com o pastor.

Daniel afirmou à polícia que era comum o pai pedir para fazer a troca de carros, mas isso sempre acontecia com planejamento e nunca naquele horário. Em um de seus depoimentos à polícia, Flordelis afirmou que foi um pedido de Anderson sair no carro de Daniel, que não era blindado.

Ao chegar ao Hospital Niterói D’Or para socorrer Anderson, Flávio dos Santos Rodrgiues, filho biológico de Flordelis que está preso por suspeita da morte do padrasto, frisou que a mãe sempre anda no veículo blindado . “Não sei o que houve, cara. Ela saiu sem carro blindado. Não sei se foi assalto”, afirmou ele no balcão de atendimento do hospital.

Em seu depoimento, Flordelis contou que na madrugada do dia 16 de junho, ela o marido foram até a Praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio. Após comerem petiscos em um bar, eles pararam o carro num local ermo e ficaram namorando. Em seguida, voltaram para casa, em Pendotiba. Eles chegaram ao local por volta das 3h30.

Leia Também:  Proposta autoriza transferência de empregado entre empresas do mesmo grupo

Flordelis entrou em casa e subiu para o quarto de um dos filhos. Anderson, segundo a deputada ficou na garagem. O pastor foi morto a tiros logo em seguida, ao lado do carro do filho. Ele já estava fora do veículo no momento do assassinato .

Logo após o crime, Flordelis afirmava que o marido havia sido vítima de criminosos e chegou a afirmar que ele tinha morrido defendendo a família. Em um de seus depoimentos, a deputada narrou ter percebido que ela e o marido estavam sendo perseguidos por um motoqueiro. Mesmo após a Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo afirmar não acreditar na versão de que Anderson havia sido vítima de um latrocínio (roubo com resultado morte), Flordelis continuou insistindo na versão.

No Hospital Niterói D’Or, Flávio chegou a falar para um dos médicos que o padrasto havia sido vítima de um assalto. Flávio é réu pela morte do pastor junto com o irmão Lucas Cézar dos Santos, filho adotivo de Flordelis e Anderson.

Fonte: IG Política
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana