conecte-se conosco


Saúde

Câncer semelhante ao de Bruno Covas costuma ser assintomático e atingir idosos

Publicado


source
Prefeito licenciado da cidade de São Paulo Bruno Covas (PSDB)
André Bueno/Câmara Municipal da São Paulo

Prefeito licenciado da cidade de São Paulo Bruno Covas (PSDB)

O tumor que levou o prefeito de São Paulo , Bruno Covas (PSDB), a ser internado em unidade de terapia intensiva (UTI) e intubado, na manhã desta segunda-feira (3), após ter um sangramento no estômago , é mais comum em idosos e costuma ser silencioso. Por serem, na maioria das vezes, assintomáticos, acabam sendo descobertos em exames feitos por outros motivos ou em investigações associadas a refluxo gástrico, esofagite ou a sintomas provocados por metástase em outros órgãos do corpo.

“São tumores que demoram a dar sinais e o tratamento depende do estágio da doença, do quão avançada ela está. Se houver metástase, ele é sistêmico e tem que tratar a doença não apenas nos pontos visíveis, mas o organismo como um todo”, explica Fernanda Capareli, do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, que não integra a equipe que cuida de Bruno Covas.

Especialista em tumores gastrointestinais, Fernanda diz que cirurgia só é indicada em casos muito iniciais da doença. Os protocolos de tratamento são combinações de substâncias quimioterápicas, radioterapia, anticorpos monoclonais e combinações de quimioterapia com imunoterapia.

“Quanto a doença está localizada o tratamento todo é curativo. Quando há metástase falamos em controle da doença. Não temos nenhum tratamento que consiga falar em cura e o objetivo é cronificar (tornar crônica) a doença”, explica a médica.

Fernanda afirma que as estatísticas publicadas em estudos direcionam os tratamentos, mas que cada doença é única e de comportamento biológico distinto.

“Em medicina não tem zero nem 100%. O sucesso do tratamento depende do estádio da doença, do quanto ela é responsiva ao tratamento e se o paciente terá acesso aos tratamentos aprovados. Ao prognosticar um indivíduo, sabemos que tende a se comportar como a maioria dos casos estudados, mas a doença é única, de comportamento biológico distinto. O paciente pode responder mais ao tratamento ou ter uma evolução muito pior”, diz ela.

Você viu?

Segundo ela, em menos de 10% dos tumores se consegue identificar predisposição genética. Na maioria dos casos, o principal é a mutação celular do próprio corpo associada a fatores de risco, como tabagismo, refluxo, obesidade e a presença da bactéria H. pylori, causadora de úlceras e gastrite.

A oncologista Renata D’Alpino, do Grupo Oncoclínica, que também não faz parte da equipe que trata Covas, afirma que o tipo de tumor do prefeito licenciado não está entre os cinco com maior número de ocorrências no Brasil, mas não é um tipo raro.

“O tratamento com quimioterapia prejudica a replicação das células cancerígenas e a imunoterapia acelera o sistema imune do paciente, mas nem todo tumor responde”, afirma.

Segundo ela, os tumores do aparelho digestivo não respondem muito bem à imunoterapia, um dos tratamentos mais modernos disponíveis aos pacientes.

“É um tratamento caro e que não está disponível na rede pública de saúde. Além disso, a imunoterapia não dá os efeitos colaterais da quimioterapia, mas não é isento de problemas. Em alguns casos, o sistema imune pode desenvolver inflamações”, explica Renata.

Segundo ela, a imunoterapia é feita, em geral, a cada duas semanas e o custo de cada sessão gira em torno de R$ 40 mil. Nos planos de saúde há cobertura para tratamento de tipos específicos de câncer, onde já há estudos mais aprofundados, como melanomas e tumores de pulmão e rim.

Renata afirma que alguns tumores são refratários aos tratamentos e torna mais difícil as chances de sucesso.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Pela 1ª vez desde março, SP possui menos de 10 mil internados na UTI

Publicado


source
 Covid-19: SP registra menos de 10 mil internados na UTI pela 1ª vez desde março
Reprodução

Covid-19: SP registra menos de 10 mil internados na UTI pela 1ª vez desde março

O estado de São Paulo registrou neste domingo, pela primeira vez desde março, um número de internados em UTIs com Covid-19 abaixo de 10 mil . Atualmente, segundo a Secretaria de Estado da Saúde, são 9.944 pessoas em unidades de terapia intensiva, além de outras 11.354 em leitos de enfermaria, com casos menos graves da doença.

O patamar de 10 mil ou mais internações simultâneas em UTIs foi atingido em 14 de março e, desde então, embora a tendência tenha sido de queda nas últimas semanas, ainda se mantinha no sistema de saúde paulista.

Em comparação, em 14 de março, na primeira vez que o estado de São Paulo registrou mais de 10 mil pessoas internadas em UTI com coronavírus desde o começo da pandemia, a crise sanitária estava em ampla expansão. De acordo com comunicado da secretaria de saúde à época, naquele dia havia 10.244 internados em UTIs e 13.382 em enfermaria. As taxas de ocupação dos leitos de UTI eram de 90% na Grande São Paulo e de 88,4% no estado como um todo.

Neste domingo, as taxas estão em 78,6% no estado e em 76,7% na Grande São Paulo, com uma margem maior devida à abertura de diversas vagas em hospitais de campanha e em unidades tradicionais.

Você viu?

Desde então o estado passou pela fase mais crítica da pandemia. Em 14 de março, eram 2,202 milhões de casos e 64.123 mortes. Hoje, em contraste, são 3,003 milhões de casos e 100.799 óbitos (a marca de 100 mil casos foi superada neste sábado).


Ou seja, em oito semanas o total de casos subiu em mais de 800 mil, ou 36%. Já o número de mortos pela doença registrou um incremento de 36.676, ou alta de 57,2% nessas oito semanas.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Covid-19: Pelo 46º dia, média móvel de mortes segue acima dos 2.000 óbitos

Publicado


source
Covid-19: Média móvel de mortes segue acima dos 2.000 óbitos pelo 46º dia consecutivo
Fusion Medical Animation/Unsplash

Covid-19: Média móvel de mortes segue acima dos 2.000 óbitos pelo 46º dia consecutivo

O Brasil registrou, nas últimas 24 horas, 1.024 mortes em decorrência do novo coronavírus. É o 46º dia consecutivo com a média móvel de óbitos acima dos 2 mil diários e o 101º acima das mil vítimas. Após os dados deste domingo (09), a média móvel dos últimos 7 dias chegou a 2.100 óbitos. No total, o país possui 422.340 mortes acumuladas desde março do ano passado.

Foram contabilizados 38.911 casos de novas contaminações no mesmo período. Desde o início da pandemia, 15.184.790 brasileiros possuem ou já foram diagnosticados com covid-19. Em relação a média móvel de infecções, o número subiu e registra 61.411 novas transmissões diárias.

Os dados fornecidos pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) confirma que, neste sábado (08), o Brasil atingiu o centésimo dia com a média móvel de mortes diárias acima de mil óbitos e o 45º acima de 2 mil mortos.

Desde o início de junho do ano passado, os dados são fornecidos pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) Conass. A iniciativa teve início após uma confusão com os números divulgados pelo Ministério da Saúde.


Segundo informações da Universidade Johns Hopkins, quase 160 milhões de pessoas têm ou já tiveram covid-19. O Brasil ocupa a terceira colocação no ranking mundial de infecções e a segunda posição na lista de vítimas do novo coronavírus.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana