conecte-se conosco


Saúde

Campanha Agosto Dourado incentiva a amamentação

Publicado

A Sociedade de Pediatria de São Paulo promove este mês a Campanha Agosto Dourado – Juntos pela Amamentação, para incentivar o aleitamento materno. O nome foi escolhido porque a Organização Mundial de Saúde (OMS) considera o leite materno como o “alimento de ouro” para a saúde dos bebês. Para a mulher, também há benefícios, como a redução das chances de câncer de mama e ovário, prevenção de anemia, aumento da segurança acerca da maternidade e o favorecimento do emagrecimento.

O coordenador de campanhas da entidade, Claudio Barsanti, destaca as vantagens da amamentação, não somente na primeira fase da vida, mas também para a saúde da criança.

“Hoje sabemos que muitas doenças crônicas, alergias ou alterações orgânicas podem ser evitadas ou terem os riscos reduzidos graças ao ato de amamentar”, ressalta Barsanti.

“Embora exista a possibilidade de uma alimentação que não seja o leite materno, esta escolha deve ser sempre exceção. A regra é a amamentação que, entre outras vantagens, cria um elo de amor entre a mãe e o bebê”, acrescenta o coordenador.

A OMS recomenda que os bebês sejam alimentados exclusivamente com leite materno até os 6 meses. A organização traçou como meta, para 2025, aumentar em pelo menos 50% a taxa de aleitamento materno exclusivo até os 6 meses.

A campanha irá abordar ainda o respeito ao trabalho da mulher e a equidade de gênero considerando melhores condições salariais, de modo que as mulheres possam contribuir de forma mais dinâmica na vida financeira da família e que o pai possa participar de forma mais efetiva nos cuidados da criança e da casa.

De acordo com a instituição, o intuito da campanha é abranger tanto profissionais da saúde quanto a sociedade. “Para o primeiro público faremos encontros, reuniões e jornadas específicas sobre o tema, discutindo aspectos fisiológicos, naturais e legais relacionados à amamentação. Para a população em geral, faremos divulgações através da imprensa e outras atividades que estão sendo planejadas, inclusive com participação dos médicos para orientação e esclarecimento”, adianta Claudio Barsanti.

Leia Também:  Acidentes com escorpião aumentam 30% em SP no primeiro semestre

Aleitamento em público

Em julho deste ano, uma passageira que amamentava sua filha de 1 ano em um voo da companhia KLM, entre San Francisco (EUA) e Amsterdã (Holanda), foi abordada pela comissária de bordo com um cobertor para que ela cobrisse os seios e a criança. A mãe se negou a cobrir a filha e postou um relato sobre o episódio em sua página do Facebook, dizendo ter se sentido constrangida pela situação.

As redes sociais da empresa receberam milhares de comentários e reclamações sobre a conduta. Em sua conta no Twitter, a KLM explicou ser permitido amamentar nos voos, mas que seria necessário, às vezes, pedir às mães que se cobrissem. A empresa se justificou dizendo ser uma política oficial da companhia aérea e “que os passageiros precisavam respeitar pessoas de outras culturas”.

Na opinião do presidente do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo, o pediatra Moises Chencinski, nenhuma mãe é obrigada a cobrir os seios ou a criança ao amamentar em público. Esse é um direito da mãe e da criança que deve ser respeitado.

“Não precisa de uma lei para que uma mulher possa, no carnaval, sair fantasiada com muito menos roupa do que a que é utilizado pela mãe que amamenta, não precisa de uma lei quando uma mulher quer ir de fio dental na praia, isso é aceito culturalmente, o que não é aceito é que um bebê mame em qualquer lugar sem que a mãe esteja com o seio coberto, e na verdade quem observar essa mãe amamentando vê muito menos seio”, observa o pediatra.

Leia Também:  Número de cirurgias bariátricas aumenta 84,73% em sete anos

“No Brasil, temos leis municipais e estaduais (ainda não temos uma lei federal) que punem quem constranger uma mãe que amamenta em público. Amamentação vai além da questão nutricional e imunológica. Amamentar é vínculo, é olho no olho, é pele a pele”, conclui o pediatra.

Risco de obesidade

Além dos benefícios imediatos para a saúde da criança, como a prevenção de infecções e alergias, a amamentação traz vantagens a longo prazo. A alimentação com leite da mãe reduz em 13% o risco de obesidade na criança, conforme estudo publicado pela Fundação Acta Paediatrica, da Suíça, e divulgado pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) em 2018.

Presente no alimento materno, o hormônio leptina inibe o apetite, fazendo com que a criança desenvolva o sistema de saciedade. “Com isso, ela mama apenas o necessário para sua nutrição, sem excessos, o que ocasiona na autorregulação do apetite”, explica o pediatra Rafael Canedo. “Dependendo do tempo que a pessoa foi amamentada, este sistema pode durar a vida toda, evitando a obesidade”, completa.

Segundo o médico, para combater a obesidade desde a infância, as pessoas também devem ser incentivadas à vida ativa desde cedo. “Mesmo antes de o bebê engatinhar, é possível ajudá-lo em movimentos de agarrar, puxar e empurrar, além de auxiliá-lo a mexer a cabeça, o tronco e os membros durante brincadeiras supervisionadas no chão”, orienta.

Até os 6 anos, esses estímulos também contribuem para o desenvolvimento psicossocial, dado que contribuem na formação da conexão entre neurônios e no desenvolvimento do cérebro de modo geral.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Mioma, cisto e endometriose: entenda os problemas ginecológicos mais comuns

Publicado

Se você sofre com dores frequentes na região pélvica ou qualquer anormalidade no ciclo menstrual, deve ficar atenta aos sintomas dos miomas uterinos, cistos ovarianos e da endometriose, as doenças mais frequentes no sistema reprodutor feminino, segundo a Organização Mundial de Saúde. 

útero arrow-options
shutterstock/Reprodução

Problemas ginecológicos são comuns

Embora, em geral, as doenças não representem danos graves, o grande problema é que o diagnóstico desses problemas ginecológicos pode demorar anos, o que afeta a qualidade de vida da mulher e causa complicações, como a infertilidade.

O que são cistos de ovário?

De acordo com o médico ginecologista e obstetra Wallace Viana, “muita gente acha que um cisto é uma doença e, na grande maioria das vezes, não é”. O profissional explica que cada ovulação nasce de um pequeno cisto que, por volta do 13º dia do ciclo menstrual, será liberado pelo ovário para fecundação. 

Leia mais: Medo de ginecologista pode afetar sua saúde e vida sexual

O problema surge quando existe alguma falha nessa liberação, fazendo com que o cisto permaneça no ovário e cause desconforto e riscos para a mulher, além de atrapalhar a ovulação . O principal sintoma, nesse caso, é a irregularidade menstrual. 

 “A dor só aparece caso eles aumentem muito de tamanho ou ocorra algum sangramento em função do rompimento desses pequenos cistos”, indica o médico. 

Com funciona o diagnóstico e o tratamento dos cistos?

Apesar de não apresentarem grande risco, “existem cistos que inspiram cuidados e precisam ser observados”, ressalta Wallace. Nesse caso, é preciso fazer o acompanhamento periódico com o ginecologista, com exame físico e ecográfico. 

Leia Também:  Número de cirurgias bariátricas aumenta 84,73% em sete anos

Na maioria dos casos, os cistos simples de ovário tendem a se dissolver sozinhos, mas há a possibilidade de se fazer um tratamento clínico com anticoncepcionais, dependendo do caso. 

O que é um mioma uterino? 

Também conhecidos como fibromas, miomas são nódulos que se formam nas paredes do útero, atingindo também a parte muscular do órgão. De acordo com a OMS, cerca de 40% das mulheres desenvolvem o problema em algum momento da vida mas, assim como no caso dos cistos, os miomas não são necessariamente perigosos. 

O principal sintoma desse tumor benigno é o sangramento excessivo durante a menstruação, com coágulos. Caso não tratado, o mioma pode fazer com que a mulher permaneça mais dias menstruada do que sem o sangramento durante o mês.

Além disso a doença causa cólicas, dor pélvica e no momento da relação sexual, e – em casos extremos –  pode levar a um quadro de anemia pelo alto volume de sangue perdido. 

Com funciona o diagnóstico e o tratamento dos miomas?

ginecologista arrow-options
shutterstock

Acompanhamento é fundamental para diagnóstico

O mioma não possui formas de prevenção e, justamente por isso, o acompanhamento de rotina com o ginecologista é altamente recomendado. O diagnóstico definitivo é feito com o exame ultrassom.

“A retirada ou do mioma ou do útero é o tratamento definitivo, mas não é indicado para todas as pacientes. Vai depender da idade, da resposta aos tratamentos clínicos e do desejo de ter filhos”, explica Wallace. 

Leia Também:  Pesquisa sobre saúde alimentar das crianças inicia hoje mais uma fase

O que é endometriose? 

A endometriose se caracteriza pela presença de focos de células menstruais fora do útero. “Ao invés do sangue descer para o absorvente, ocorre um refluxo, o que faz o sangue voltar pelas trompas e se depositar nos ovários , nas próprias trompas e até mesmo nas paredes intestinais ou na bexiga”, explica o ginecologista. 

Leia mais: Conheça os exames que toda mulher deve fazer em diferentes idades

Entre os sintomas da doença que atinge cerca de 10% da população mundial estão cólicas menstruais muito fortes. Entretanto, é importante destacar que existem outros sinais importantes, como dor ao evacuar, dor durante a relação sexual e, em alguns casos, infertilidade. 

Como funciona o diagnóstico e o tratamento da endometriose?

Uma das maiores dificuldades de diagnóstico da endometriose é que ela leva, em média, 10 anos para ser identificada. “Muitas vezes a doença é silenciosa, mas existem casos em que a reclamação da paciente não é ouvida ou é menosprezada”, explica o médico obstetra Rafael Pazzelo. O profissional reforça a importância de buscar um médico que analise os sintomas associados.

Após o diagnóstico, o tratamento é cirúrgico, feito por videolaparoscopia, e consiste na completa retirada dos focos de endometriose que estão danificando tecidos de outros órgãos como os ovários e a bexiga, por exemplo.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Saúde

Família de brasileiros está internada nas Filipinas por suspeita de coronavírus

Publicado

RIO — Uma família de brasileiros que viajou a Wuhan, cidade chinesa onde surgiu o surto do coronavírus , está internada nas Filipinas sob suspeita de terem contraído a nova doença.

Leia mais: Coronavírus é como uma pandemia termonuclear, diz epidemologista

virus arrow-options
shutterstock

A doença respiratória causada pelo coronavírus já atinge 13 países

Os pacientes seriam um casal e uma criança de 10 anos, que apresentou febre e dificuldade para respirar na madrugada na madrugada de sábado. As informações foram divulgadas pela rede filipina ABS-CBN News.

Os pais também foram isolados por precaução, mas não apresentam os mesmos sintomas — o pai manifestou apenas dor de garganta. Os três estão internados em um hospital na cidade de Palawan.

Segundo o jornal Estado de S. Paulo, o Ministério das Relações Exteriores tenta contatar a família via embaixada brasileira em Manila , a capital do país asiático, para acompanhar a situação. Procurado pelo GLOBO, o Itamaraty não respondeu se obteve êxito até a publicação desta matéria.

Leia Também:  Em SP, ação da campanha Junho Lilás reforça o teste do pezinho

Leia mais: Veja os detalhes do coronavírus que se alastra pela China

No Brasil, cinco casos suspeitos foram apurados e descartados pelo Ministério da Saúde. Na última quinta-feira, a pasta anunciou a instalação um Centro de Operações de Emergência (COE) para tratar do surto. O comitê trabalha, por enquanto, no nível mais baixo de emergências. Até o momento, nenhum cidadão brasileiro está entre os mais de 2 mil casos confirmados de infecção pelo coronavírus ao redor do mundo.

Em entrevista ao GLOBO, o pesquisador da Fiocruz Rivaldo Venâncio disse considerar provável a chegada do vírus ao Brasil. Na última sexta-feira, a instituição anunciou a criação de uma “sala de situação” para monitorar o caso.

Leia mais: França, Austrália e Malásia confirmam novos casos de coronavírus

— Considerando a grande circulação de pessoas entre os continentes, é bastante provável que esse vírus chegue ao Brasil. Mas é importante que a população saiba que a identificação do novo coronavírus no país não deverá ser motivo para alarde ou pânico — afirmou Venâncio.

Leia Também:  Cristo é iluminado para marcar campanha de vacinação contra a gripe

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana