conecte-se conosco


Economia

Caminhoneiros dizem que governo pode suspender tabela de frete

Publicado

caminhões arrow-options
shutterstock

Homem diz que o ministro da Infraestrutura teria informado que a tabela que entrou em vigor no sábado seria suspensa

A informação de que o governo federal pretende cancelar a nova tabela de frete, que entrou em vigor nesse sábado (20), circulou por diversos grupos de caminhoneiros no aplicativo de troca de mensagens WhatsApp.

Leia também: Ministro da Infraestrutura recebe caminhoneiros na semana que vem

Um dos líderes da greve do ano passado, Wanderlei Alvez, conhecido como Dedeco, disse ao GLOBO que ouviu a promessa do próprio ministro da Infraestrutura, Tarcisio Gomes de Freitas, durante uma conversa por telefone neste domingo (21).

“Conversei com o ministro por telefone hoje, assim que ele terminou a reunião com a ANTT (Agência Nacional dos Transportes Terrestres). (Ele disse que) amanhã vão suspender a resolução. E na terça-feira sai no Diário Oficial”, diz.

Na agenda oficial do ministro, disponível no site do ministério da Infraestrutura, não há compromissos oficiais previstos para hoje.

Segundo Dedeco, o ministro disse a ele que pode ter havido erro nas diretrizes para a tabela de frete feitas pela ANTT, com apoio do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-LOG).  “Ele disse que está disposto a conversar com a classe e resolver”, afirmou Dedeco.

Leia Também:  Um freio nos exterminadores de empregos

Outro líder dos caminhoneiros , Ivar Luiz Schmidt, disse que circula áudio entre alguns grupos de caminhoneiros de uma liderança que se identifica como Marcondes, de Recife (PE). O homem diz que o ministro Tarcisio Gomes de Freitas (Infraestrutura) teria informado, após uma reunião, que a tabela que entrou em vigor no sábado seria suspensa.

Leia também: Empreendedorismo feminino passa longe das cidades brasileiras

Na sexta-feira (19), diante da possibilidade de uma nova paralisação dos caminhoneiros, Tarcísio de Freitas informou que vai receber na próxima semana, em Brasília, lideranças da classe dos caminhoneiros. O objetivo é discutir, entre outros pontos, a nova tabela de preços mínimos do frete rodoviário, que causou insatisfação entre os motoristas. 

Ministério diz que não há como confirmar o áudio ainda

Segundo o Ministério, será feita uma reunião na quarta (24) com as lideranças do setor para se chegar a um consenso. Sobre o áudio, o Ministério disse que “o ministro vem falando diretamente com alguns caminhoneiros pelo WhatsApp, mas não há como confirmar esse áudio ainda”.

A movimentação entre os caminhoneiros começou depois que, nesta quinta-feira, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulgou uma resolução com uma nova tabela para o frete.

Leia Também:  Governo federal extingue mais de 13 mil cargos considerados obsoletos

A nova versão foi feita a partir de um estudo da área de logística da Escola de Agronomia da Universidade de São Paulo (USP). O objetivo foi adequar os preços aos diferentes tipos de carga, rotas e veículos. Pela regra, ela entra em vigor a partir deste sábado, dia 20.

Tanto Dedeco quando Schimidt disseram que estaria circulando entre os caminhoneiros também um áudio do próprio ministro.  “Essa tabela foi feita após audiências publicas. Está coberta pela lei. A minha posição é contrária a uma paralisação. O melhor é manter as conversas com o governo”, disse.  

Para Schmidt, desde a paralisação de maio do ano passado, uma grande número de lideranças surgiu entre os caminhoneiros e isso deixou a categoria ainda mais desorganizada.  

Leia também: Uma reforma, muitos projetos: mudanças tributárias atraem diversos interesses

“Sou absolutamente contra a paralisação. Eu defendo a redução da carga horária. Hoje os caminhoneiros trabalham 16 horas por dia. Uma carga horária menor diminuiria o número de caminhões ociosos, que hoje é de 300 mil. Mas uma ignorância impera entre os caminhoneiros que não deixa com que entendam isso”, apontou.

Fonte: IG Economia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Confiança do Consumidor recua 1,2 ponto em janeiro

Publicado

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 1,2 ponto de dezembro de 2019 para janeiro deste ano e atingiu 90,4 pontos, em uma escala de zero a 200. A queda veio depois da alta de 2 pontos na passagem de novembro para dezembro.

O resultado de janeiro foi puxado principalmente pelo Índice de Expectativas, que mede a confiança do consumidor em relação aos próximos meses e que recuou 1,4 ponto. Com isso, o subíndice atingiu 98,9 pontos.

O Índice da Situação Atual, subíndice que mede a confiança dos consumidores no momento presente, caiu 0,9 ponto e chegou a 78,7.

Os componentes que mais influenciaram a queda do ICC foram a intenção de compras de bens duráveis nos próximos meses (menos 5,4 pontos) e a percepção dos consumidores sobre a situação financeira da família no momento (menos 3,2 pontos).

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Economia
Leia Também:  Bolsonaro diz sofrer ataques da esquerda por defender trabalho infantil
Continue lendo

Economia

Caged: país criou 644 mil novas vagas de trabalho em 2019

Publicado

O Brasil registrou a criação de 644 mil novas vagas de emprego formal no ano passado, 21,63% a mais que o registrado em 2018. De acordo com o Ministério da Economia, é o maior saldo de emprego com carteira assinada em números absolutos desde 2013.

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados hoje (24), mostram que o estoque de empregos formais chegou a 39 milhões de vínculos. Em 2018, esse número tinha ficado em 38,4 milhões.

Todos os oitos setores da economia registraram saldo positivo no último ano. O destaque ficou com o setor de serviços, responsável pela geração de 382,5 mil postos. No comércio, foram 145,4 mil novas vagas e na construção civil, 71,1 mil. O menor desempenho foi o da administração pública, com 822 novas vagas.

No recorte geográfico, as cinco regiões fecharam o ano com saldo positivo. O melhor resultado absoluto foi o da Região Sudeste, com a criação de 318,2 mil novas vagas. Na Região Sul, houve abertura de 143,2 mil postos; no Nordeste, 76,5 mil; no Centro-Oeste, 73,4 mil; e no Norte, 32,5 mil. Considerando a variação relativa do estoque de empregos, as regiões com melhores desempenhos foram Centro-Oeste, que cresceu 2,30%; Sul (2,01%); Norte (1,82%); Sudeste (1,59%) e Nordeste (1,21%).

Em 2019, o saldo foi positivo para todas as unidades da federação, com destaque para São Paulo, com a geração de 184,1 mil novos postos, Minas Gerais, com 97,7 mil, e Santa Catarina, com 71,4 mil.

Leia Também:  Mineradora Vale volta a lucrar nove meses após Brumadinho

De acordo com o Caged, também houve aumento real nos salários. No ano, o salário médio de admissão foi de R$ 1.626,06 e o salário médio de desligamento foi de R$ 1.791,97. Em termos reais (considerado o deflacionamento pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor-INPC), registrou-se crescimento de 0,63% para o salário médio de admissão e de 0,7% para o salário de desligamento, na comparação com novembro do ano passado.

Novas regras

Segundo os dados divulgados hoje, em 2019 houve 220,5 mil desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado. Os desligamentos ocorreram principalmente em serviços (108,8 mil), comércio (53,3 mil) e indústria de transformação (35 mil).

Na modalidade de trabalho intermitente, o saldo ficou positivo em 85,7 mil empregos. O melhor desempenho foi do setor de serviços, que fechou 2019 com 39,7 mil novas vagas. No comércio, o saldo ficou em 24,3 mil postos; na indústria da transformação, 10,4 mil; e na construção civil 10 mil. As principais ocupações nessa modalidade foram assistente de vendas, repositor de mercadorias e vigilante.

Já no regime de tempo parcial, o saldo de 2019 chegou a 20,3 mil empregos. Os setores que mais contrataram nessa modalidade foram serviços, 10,6 mil; comércio, 7,7 mil; e indústria de transformação, 1,2 mil. As principais ocupações foram repositor de mercadorias, operador de caixa e faxineiro.

Leia Também:  Bolsonaro diz sofrer ataques da esquerda por defender trabalho infantil

Dados de dezembro

Já no mês de dezembro, o saldo de novos empregos foi negativo. Segundo o Ministério da Economia, o resultado ocorre todos os anos. “Trata-se de uma característica do mês, devido aos desligamentos dos trabalhadores temporários contratados durante o fim de ano, além da sazonalidade naturalmente observada nos setores de serviços, indústria e construção civil”, informou a pasta.

No último mês de 2019, o saldo ficou negativo em 307,3 mil vagas. Em 2018, o saldo de dezembro havia sido de 334,4 mil vagas fechadas. Os maiores desligamentos foram no setor de serviços, com menos 113,8 mil vagas, e na indústria de transformação, com redução de 104,6 mil postos de trabalho. O comércio foi o único a apresentar saldo positivo com 19,1 mil vagas criadas.

Na modalidade de trabalho intermitente, o saldo também foi positivo: 8,8 mil novas vagas em dezembro. Comércio e serviços dominaram as contratações com saldos de 3,7 mil e 3,1 mil novos postos, respectivamente. Já o trabalho parcial teve déficit de 2,2 mil vagas no mês passado.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Economia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana