conecte-se conosco


Política MT

Bussiki denuncia ‘cabidão’ de R$ 23 milhões para apadrinhados e dispara: “Emanuel fala demais”

Publicado

Vereador afirma que prefeito criou 700 cargos comissionados para abrigar seus apadrinhados políticos

O vereador Marcelo Bussiki (PSB) fez uma grave denúncia pelas redes sociais na noite de quinta-feira (23), contra o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB). Aproveitando a polêmica em torno da Escola Estadual Nilo Póvoas, que será desativada, o parlamentar diz que o prefeito, além de “falar muito”, deveria enviar projetos para o Legislativo para combater a falta de vagas nas creches.

Ao contrário disso, segundo Bussiki, o prefeito enviou um projeto de lei, ao apagar das luzes de 2019, para a implantação de uma Verba Indenizatória (VI) para servidores comissionados que atuam na prefeitura, que “vai dar um impacto anual nas contas do município de R$ 23 milhões”.

Bussiki inicia o áudio enviado nas redes sociais dizendo “eis que agora surge Emanuel Pinheiro, prefeito de Cuiabá, falando muito em relação à Escola Nilo Póvoas. Acontece que o Governo do Estado já anunciou que vai investir cerca de R$ 3 milhões para fazer daquela escola um Centro de Referência em educação inclusiva”.

Conforme o parlamentar, “o prefeito de Cuiabá deveria, primeiro, olhar para a educação do município, que tem uma série de escolas que estão em situação totalmente deplorável, como a Escola Dr. Fábio, Augusto Mário, São Sebastião e Maria Ambrósio.

Segundo o vereador, “se o prefeito realmente se preocupa com as escolas do município, com a falta de vaga nas creches, ele deveria encaminhar projetos de lei para criar novas creches e não encaminhar um projeto no qual ele beneficia cerca de 700 cargos comissionados, pessoas que ele indicou por seus apadrinhados políticos, para receber cerca de R$ 23 milhões ao ano de verba indenizatória”.

O vereador faz questão de destacar que com esse recurso, “se o prefeito Emanuel Pinheiro se preocupa com Cuiabá, com a falta de vagas para nossas crianças, daria para construir cerca de dez novas creches. Isso é uma falta de prioridade. O gestor que investe nos apadrinhados políticos e a população acaba perecendo sem vagas nas creches”, diz.

Finalizando o vídeo, onde o parlamentar mostra imagens das escolas citadas e matérias sobre a VI implantada pelo prefeito cuiabano, Bussiki diz que “é isso que ocorre em Cuiabá, um prefeito que fala muito e tem trabalhado pouco pela Capital e praticado uma má gestão”.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Judiciário determina medidas mais rígidas de segurança em fóruns de MT a partir desta segunda-feira

Publicado

Para garantir mais segurança para magistrados, servidores, advogados e o público em geral, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso e as comarcas de Entrância Especial contarão com mais dois recursos tecnológicos de segurança. Além do TJ, as comarcas de Cuiabá, Rondonópolis, Várzea Grande e Sinop, contarão com pórticos (portas detectoras de metal) e aparelhos de raio x. As novas medidas de segurança começam a funcionar a partir de segunda feira e estarão localizadas na entrada principal dos prédios.

Assim, todos aqueles que frequentarem essas unidades judiciárias, obrigatoriamente, terão que passar pelos sistemas. A medida está disposta na portaria 291/2019 expedida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que trata da política e do sistema nacional de segunda do Poder Judiciário brasileiro.

Segundo o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, as medidas, além de atender à determinação do Conselho, têm como objetivo primordial garantir a segurança daqueles que frequentam os espaços judiciários. O magistrado ressalta ainda que diariamente são verificadas milhares de pessoas visitando esses locais e, por isso, acredita ser imprescindível o cumprimento da resolução do CNJ.

“O Poder Judiciário preza pela segurança das pessoas que frequentam os fóruns e o TJ. Quando as pessoas visitam um local público, elas querem ter a certeza que ali a vida, que é o bem maior, e os objetos estão seguros. Por isso, os novos equipamentos vão garantir a segurança das pessoas que frequentam os espaços judiciários, como a população em geral, advogados, magistrados e servidores.”

O tenente-coronel Murilo Franco de Miranda, integrante da Coordenadoria Militar do TJMT, ressalta que para garantir essa segurança faz-se necessário, durante a inspeção, reter os objetos que na prática representem uma ameaça para a atividade do Poder Judiciário como armas ou objetos pontiagudos que em uma audiência, atendimento ou reunião possam causar algum tipo de lesão.

“As medidas de segurança que estamos adotando respeitam, acima de tudo, a dignidade da pessoa humana, os direitos fundamentais do cidadão. Claro que quando for constatada a presença de algum material suspeito, a gente vai convidar para que a pessoa mostre o objeto tendo em vista que esse produto já foi visualizado no equipamento de raio x. O agente de segurança, dentro do conhecimento e experiência que detém, já vai entender que aquilo é algo suspeito. A pessoa terá a oportunidade de mostrar e explicar porque está portando aquele volume. Acreditamos que os convidados tranquilamente farão essa exposição.”

Ele explica ainda que os equipamentos são de alta tecnologia e utilizados em grandes empresas e em outra unidades do Judiciário brasileiro. A máquina de raio x, por exemplo, por ser portátil, pode ser transferida de um local para outro e não precisa de grande adequações na estrutura física. Ela também é eficiente ao mostrar os objetos dentro das bolsas com muita clareza. Já os pórticos detectores de metais têm alta sensibilidade, mostrando, inclusive, a região do corpo em que o metal se encontra.

Outras ações – Além do pórtico eletrônico e da máquina de raio x, desde o início da gestão 2019/2020, capitaneada pelo desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, foram implantadas, gradativamente, medidas de segurança. Dentre elas, o tenente-coronel Murilo Franco de Miranda ressalta as mudanças na estrutura de recepção das comarcas, para evitar o excesso de pessoas transitando.

“No Fórum Desembargador José Vidal, em Cuiabá, por exemplo, havia um excesso de pessoas circulando desnecessariamente, de modo que vimos a essencialidade da mudança do layout físico do local. Lá, nós estabelecemos novos parâmetros de acesso e reduzimos a circulação e o acesso desnecessários de pessoas em quase 400 pessoas por dia. Então, isso significa mais tranquilidade para o jurisdicionado e para as pessoas que trabalham no local.”

Além disso, o militar aponta ações como recolhimento sistemático de armas de fogo apreendidas nos processos e o envio para destruição pelo exército, bem como a instalação de câmeras de seguranças nas comarcas.

Continue lendo

Política MT

Justiça Eleitoral de MT estende horário de atendimento para regularização de títulos durante esta semana

Publicado


Mudança vai facilitar que o eleitor faça a revisão biométrica. Unidades irão funcionar das 9h às 18h

A Justiça Eleitoral de Mato Grosso estendeu o horário de atendimento nas centrais e nos cartórios eleitorais. Atualmente, o período é entre 7h30 e 13h30, mas desta segunda-feira (17) até sexta-feira (21), as unidades irão funcionar das 8h à 18h.

Porém, a mudança de horário não vale para os postos eleitorais instalados nas unidades do Ganha Tempo ou em outra instituição parceira. Nestes locais o expediente segue o horário normal.

Até dezembro de 2019, quase 600 mil eleitores estavam com o título cancelado no estado, por não fazerem a revisão biométrica. Em Cuiabá são 145.509 cancelamentos e em Várzea Grande, na região metropolitana, 65.380.

A inscrição cancelada pertence ao eleitor que não atendeu a convocação da Justiça Eleitoral para fazer a revisão de dados com cadastro biométrico ou não votou em três eleições consecutivas, as quais não tiveram a ausência devidamente justificada.

O eleitor é obrigado a comparecer na revisão com cadastro biométrico. Quem não atendeu a convocação teve o título cancelado e tem até o dia 5 de maio deste ano para regularizar. Caso não faça a biometria, o eleitor não poderá votar.

Até dezembro, dos 2,1 milhões de eleitores aptos em Mato Grosso, haviam 503.718 eleitores com os títulos cancelados e 25.564 suspensos.

 

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana