conecte-se conosco


Mulher

Burnout pode afetar a vida sexual severamente; sintoma é ignorado

Publicado

Dores de cabeça, cansaço muscular, fadiga e enxaquecas causadas pela síndrome de burnout são sintomas físicos que interferem na vida sexual
Cottonbro/Pexels

Dores de cabeça, cansaço muscular, fadiga e enxaquecas causadas pela síndrome de burnout são sintomas físicos que interferem na vida sexual

O estresse crônico causado pelo trabalho, a chamada síndrome de burnout , tem sido uma queixa constante na vida de muitas pessoas que vivem situações de esgotamento extremo. Os sintomas não têm fim quando o horário comercial acaba; faz parte da síndrome que os impactos se estendem para a vida pessoal, comprometendo o sentimento de prazer ao realizar atividades que, antes, eram prazerosas e importantes para o descanso e bem-estar. Entre essa leva de ações que se tornam desprazerosas está o sexo, já que o burnout pode afetar a vida sexual.

A síndrome de burnout é constituída por uma série de sintomas físicos e mentais, como irritabilidade, cansaço excessivo, ansiedade, pensamentos excessivamente negativos, insegurança e desesperança relacionada ao trabalho; além de tonturas, náuseas e dores de cabeça recorrentes, por exemplo.

Todos esses indícios resultam em três pilares principais: falta de realização pessoal, sentimentos de despersonalização (ou seja, uma desconexão do corpo com a mente) e exaustão emocional. Além da possibilidade de culminar em distúrbios psicológicos, como a depressão e ansiedade, esses agentes prejudicam a vida sexual.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

Estudos constatam que as mulheres estão mais vulneráveis o burnout . Em 2021, o levantamento Women in the Workplace, realizado com 65 mil pessoas, constatou que 42% das mulheres estadunidenses e canadenses sofrem com sintomas do burnout; para os homens, a taxa é de 35%. Ou seja, mais de 27 mil mulheres demonstraram exaustão extrema motivada pelo trabalho nessas regiões, o que indica que possa existir uma prevalência grande também em outros países.

Diversas pesquisas apontam que a maior incidência em mulheres têm relação com a desigualdade de gêneros, já que são pressionadas a cumprir com papéis sociais mais exaustivos – por exemplo, encarregando-se de jornadas triplas de trabalho.

O impacto do burnout na vida sexual

Além dos sintomas mentais, dores de cabeça, enxaquecas, fadiga, tensões e cansaço muscular estão entre os impactos físicos da síndrome de burnout. “É claro que todos esses sintomas intensos afetam a vida sexual. A pessoa pode ter falta de libido e de vontade de ter relações. A lubrificação diminui, pode chegar a ser quase nula, há dificuldades de chegar ao orgasmo e dores durante o ato”, explica Bárbara Bastos, terapeuta sexual e sexóloga.

Bastos complementa que o orgasmo é uma sensação que tem início na mente, e não no corpo. Para que a relação sexual seja prazerosa, é preciso que exista relaxamento. Então, momentos de estresse e cansaço excessivo tornam ainda mais difícil se entregar para um estado suscetível a receber prazer.

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

Com isso, o sexo, que nem sempre é visto como prioridade, acaba se tornando cada vez menos importante. “A pessoa acometida pelo burnout está passando por tantas outras questões internamente que a pressão se torna intensa. Relaxar e conseguir alcançar o orgasmo também significa entrega, o que é impossível de se ter quando se está muito estressada”, pontua a sexóloga.

Bastos aponta que esse “desamparo” da vida sexual acontece aos poucos e despercebido. “A sexualidade feminina fica bem abandonada, mesmo sem o distúrbio. Somos ensinadas a não tocar ali ou que o sexo é algo promíscuo, quando na verdade é uma questão de saúde muito negligenciada. A sexualidade também é se olhar com carinho e com cuidado, algo importante para o bem-estar interno”, indica.

Apesar de ser mais relacionado às mulheres que estão em um relacionamento, o impacto sexual também existe no caso de pessoas solteiras, que podem não sentir vontade de transar e ainda deixar de lado a masturbação, por exemplo. Mesmo que existam tentativas para estimular a libido, o ato em si pode ficar mecânico e não gerar excitação – sendo que a masturbação pode ser uma chave importante para o relaxamento.

No caso de quem está em um relacionamento, a falta de uma conversa franca com o par sobre o desgaste pode até gerar crises na relação. “Acho curioso que as pessoas ficam nuas perto da outra, mas não conseguem ter um diálogo aberto e saudável”, questiona Bastos. Enquanto uma pessoa sofre com os efeitos do burnout, a outra começa a criar falsas especulações para explicar a falta de relações sexuais, como a falta de amor ou até uma traição.

O desgaste da vida sexual, resultado desse outro desgaste na vida profissional, pode fazer com que as mulheres sintam culpa por não conseguirem “dar conta” dessas áreas da vida, o que gera medos e inseguranças. “O homem precisa ser sempre viril e a mulher sempre deve estar disponível, se não ‘o homem vai encontrar aquilo em outro lugar’. Essa pressão só agrava a situação para todos os lados”. A ausência do autocuidado também é outro fator presente.

“É preciso entender que nesses ambientes de trabalho, as pessoas estão competindo intensamente por algo a tal ponto que só aquilo é vivido. Elas não conseguem enxergar as outras áreas da vida e se esforçar diante delas, não tem mais de onde tirar forças para fazer sexo, ler um livro ou sair com os amigos porque é preciso ter disposição. O burnout suga muito. A pessoa vive uma versão mais intensa daquilo”, conclui Bastos.

Como trazer a libido de volta?

A sexóloga afirma que não é possível fazer com que a vida sexual fique saudável sem que a mente acompanhe esse processo. Por esse motivo, o burnout em si deve ser tratado primeiro. A tendência é que a melhora da sexualidade acompanhe esse processo.

A busca por profissionais da área de saúde mental, como psiquiatras e psicoterapeutas, deve ser o primeiro passo. “Existem tratamentos que podem ser levados em consideração que podem reduzir esses esgotamentos, permitindo que essa pessoa retome a um ritmo mais tranquilo e volte à normalidade”.

No caso da vida sexual, Bastos indica que a pessoa não se force a fazer o que não quer e não se prenda a “fórmulas mágicas” para trazer o tesão de volta. Além de não existirem, esses passo a passo podem causar ainda mais frustrações e sentimento de impotência. No caso da libido, o sexo e a masturbação devem ser colocados de lado em um primeiro momento. “Não adianta dizer faça isso ou aquilo. É preciso resolver toda questão que está desencadeando essa dor”.

“O prazer sexual não tem a ver só com o prazer na cama, mas com a vida. Nesse momento, o ideal é investir em ações que vão melhorar o bem-estar, como o contato com a natureza, o hábito da leitura e a redução do tempo online, por exemplo”, indica Bastos, reforçando que essas atividades devem ser acompanhadas pelo tratamento médico.

Sexo não deve ser negligenciado

A sexóloga aponta que a negligência com a sexualidade e a vida sexual pode resultar em ainda mais conflitos e sofrimentos para quem sente a libido baixa devido ao burnout. A especialista atribui isso à maneira como o sexo é reduzido à promiscuidade ou se torna “assunto proibido”, resquícios da falta de entendimento sobre educação sexual.

Como consequência, muitos profissionais da área da saúde não estão prontos para ajudar os pacientes com relação à vida sexual. “A faculdade de medicina não aborda a sexualidade. Então, o resultado é ouvir recomendações como beber um vinho e relaxar ou passar um calmante, como se houvesse uma fórmula mágica”.

Ela vê a terapia sexual como uma ferramenta que pode auxiliar no diagnóstico: “Muitas pessoas chegam ao consultório com queixas de dificuldade de chegar ao orgasmo, falta de excitação e de lubrificação e, quando se começa a investigar, a causa está no trabalho”.

Fonte: IG Mulher

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mulher

‘Parece que passei do prazo’, diz Luciana Gimenez sobre etarismo

Publicado

Luciana Gimenez posta fotos de calcinha e adesivo nos seios
Reprodução/Instagram

Luciana Gimenez posta fotos de calcinha e adesivo nos seios

“Eu odeio falar sobre a minha idade”, desabafa Luciana Gimenez. Até poderia ser apenas um número, o 52, no caso dela. Ou algo a ser colocado em perspectiva na carreira da apresentadora que há 20 anos comanda o programa “Superpop”, da RedeTV. Mas o que incomoda mesmo a escorpiana (do dia 3 de novembro) é quando abordam as mulheres nesse quesito como se parecesse que elas possuem data de validade menor que a dos homens.

— Me perguntaram quando fiz 30, depois “e agora aos 40”… Também ouço: “nossa, como você está linda aos 50”. Ué, não posso estar linda? Não somos lindas em qualquer idade? Tenho que embarangar quando? Não perguntam isso para um homem. E machuca porque depois que passei a ouvir várias vezes sobre idade fiquei me questionando. “Meu Deus, estou me preparando para o fim”. Parece que passei do prazo.

E perder tempo não é com ela. Tanto é que a mãe de Lucas, de 23 anos, fruto da relação com Mick Jagger, e de Lorenzo, de 11, com o ex-marido Marcelo de Carvalho, tem buscado sempre novos desafios. Este ano ganhou um game show de namoros, o “Operação cupido”, nos sábados da emissora que a consagrou. A artista também tem ido atrás de streamings sondando novos formatos. E tem reforçado que adoraria exercer mais o seu lado atriz. 

— Eu sou atriz formada. Faz tempo que não atuo, é algo que a gente precisa sempre aprimorar. Mas adoraria fazer cinema, por exemplo — diz Luciana, que já fez “Xuxa e os duendes”, em 2001, e uma participação como ela mesma na série “Samantha!”, da Netflix.

Há algum motivo para querer mudar de ares?

— Não imaginava que ficaria tanto tempo na TV, tanto é que comecei com um contrato de três meses, apenas. Além disso, tem os dois lados, o de ser procurada e o de também ir atrás dos projetos. Na minha vida, sempre corro em busca do que eu quero. Gosto de novos aprendizados. E por que não mostrar a versatilidade artística?

Flutuação de autoestima

Luciana recebeu a equipe da Canal Extra na própria cobertura no bairro Cidade Jardim, na Zona Sul, de São Paulo. O conforto do lar a deixou ainda mais à vontade, tanto na hora de posar para as lentes do fotógrafo, como para se abrir na entrevista, feita dias depois. As lentes transmitem a desenvoltura, a simpatia e a confiança da apresentadora. Mas não é dessa mesma forma que ela costuma se ver sempre. É questão antiga de terapia.

— Sofro minha vida inteira com baixa autoestima. Queria me achar bonita, poderosa, “tudo isso” que as pessoas dizem sobre mim. Já até prometi a mim mesma que ficaria, pelo menos, três dias sem falar mal de mim. Fico sempre me colocando para baixo. É quase como um vício. Se fosse com uma amiga, eu jamais permitiria que ela fizesse isso consigo mesma. Por que aceito comigo então?

A paulistana reflete por mais alguns segundos quando o repórter comenta o relato com surpresa.

— Não sei explicar. Não é que me achei feia. Há momentos em que realmente me acho bonita. Mas acabo sempre encontrando algo que não gosto e fico focada naquilo, sabe? Por exemplo, estou aqui gripada, doente, dias sem malhar. Sei que provavelmente não mudei nada para todo mundo. Mas estou me achando o fim.

O assessor de imprensa de Luciana, que acompanhava a entrevista, creditou essa declaração dela ao fato de ter iniciado a carreira como modelo, aos 13 anos. E lembrou que quando a jovem aspirante desembarcou em Paris, três anos depois, ouviu logo que estava acima do peso. A apresentadora confirmou a história, mas minimizou o impacto.

— É, pode ser um resquício. Mas eu não critico a profissão de modelo. Em mim, bateu de uma forma. Em outra pessoa, foi de outro jeito.

Aos poucos, a apresentadora tem aprendido a ser mais paciente com o próprio corpo.

— Não sei se malho por pressão, porque gosto, ou se viciei. Bom, eu gosto da sensação após os exercícios. E, sem eles, eu fico brava. E aí estou doente. Tudo vai colaborando para momentos não favoráveis. Mas é algo que a gente tem que aprender também, a ouvir o nosso próprio corpo. Estou com sinusite, ok, acontece.

Mãe coruja e a síndrome do ninho vazio

Ficar doente não atrapalha só o humor de Luciana, como também o fluxo da casa. O filho caçula ainda mora com ela e os dois são muito grudados. Momentos antes da entrevista, Lorenzo queria jogar basquete com a mãe.

— Acho que o melhor que faço é ser mãe. Sempre quis, desde pequena colocava travesseiro na barriga para brincar que estava grávida. Os meus dois filhos são frutos de uma mãe calma, que respeita a vontade deles e que leva em consideração o que eles pensam. Eu também sinto culpa por não estar presente em tudo, mas tento ter um equilíbrio até para não deixar de viver também o que é importante para mim. Dizem que é importante para as crianças nos terem por perto. Também acho. Mas eu digo que é importante para nós tê-los por perto. Porque passa rápido, daqui a pouco eles não estão aqui. E eu tento aproveitar ao máximo essa janela. Com Lucas, já fiz muitas coisas. Com o Lorenzo, ainda quero fazer. Sou muito apegada.

A mãe coruja, que estava prestes a viajar 12 dias sem o filho, brincou até que já estava sofrendo por antecipação. Poderia ser um teste da temida síndrome do ninho vazio, que ela garante ter experimentado uma palhinha quando o filho mais velho foi para a faculdade em Nova York, nos Estados Unidos.

— Incentivei muito o Lucas a ir para a faculdade, claro. Mas, no dia em que ele foi de fato, eu chorei de uivar. Aquelas lágrimas que duraram mais de duas horas. Senti uma falta absurda dele. Depois que chorei tudo que tinha para chorar, melhorei (risos). Já vi que, quando o Lorenzo for, vou fazer as malas para ir junto — diverte-se.

O caçula, ela diz, puxou mais seu lado latino, emotivo. Já o mais velho, pegou o ar britânico, reservado. Ao mesmo tempo, em suas aparições na mídia, Lucas sempre chamou a atenção por ter um estilo próprio, não convencional. Fruto da criação.

 — Lucas é muito reservado. Brinco que, como o pai dele e eu somos muito liberais, ele saiu mais conservador que nós dois. Nunca me deu trabalho. Mas ele odeia que eu fale dele (risos).

Por ser fruto de uma relação com Mick Jagger, o vocalista dos Rolling Stones, a primeira gravidez de Luciana ganhou os holofotes da mídia nacional e internacional. Não foi fácil, ela garante. Inicialmente, o cantor não quis assumir a paternidade, mas um teste de DNA comprovou tudo. Mais do que pagar uma pensão, com o passar dos anos, o astro se aproximou do filho e são vistos fazendo programas juntos. No aniversário de 79 anos do roqueiro, no mês passado, os três posaram juntos numa foto.

— É engraçado quando me perguntam “como é falar com o Mick Jagger” (risos). Não é como se falasse com um mito. É o pai do meu filho. Assim como também não perguntam a ele: “como é falar com a Luciana apresentadora?” É a mesma coisa da sua mãe conversando com seu pai. Por ele ser quem é, acham que existe alguma parcimônia. Não tem. Falamos coisa do dia a dia sobre o nosso filho.

A vida depois do divórcio

Separada desde março de 2018, quando pôs um fim ao casamento de 14 anos com Marcelo de Carvalho, de 61 anos, pai de Lorenzo, Luciana sofreu um baque. Principalmente porque continuou vivendo na mesma casa que o ex por um período (mais de um ano) até partir para um recomeço. Hoje, vivem uma relação cordial. No aniversário do apresentador na última semana, ela prestou uma homenagem com direito a lembrança de um apelido carinhoso: gordo.

— O fim de um casamento é difícil porque antes se tem um amparo e depois, com o divórcio, não mais. Mas sou daquelas que tenta olhar o “copo meio cheio”. Tive uma situação difícil, morei com o meu ex por um tempo. Olhando agora, percebo que essa situação me preparou para as mudanças. Saí do meu apartamento em meio à pandemia, toco uma empresa sozinha, tenho dois filhos que dependem de mim… A gente vai se virando, não tenho a vida ganha. Mesmo chateada, limpo as lágrimas e vou trabalhar. E foi importante nesse recomeço me enxergar como uma mulher forte. Aliás, sempre fui, mas mesmo tendo mais maturidade para lidar com as coisas hoje, ter mais paciência, ainda vivo aprendizados diários.

No inicio deste ano, a comandante do “Superpop” assumiu o namoro com o empresário Renato Breia, de 34 anos. E, para ela, foi estranho ver a cobertura midiática de uma nova relação. 

— Eu nunca tinha sido solteira famosa no Brasil, porque me mudei muito cedo. Quando voltei, já estava grávida, depois conheci o Marcelo… Então, foi como se tivesse aberto uma janela do mundo para mim.

O novo casal tem curtido fazer viagens românticas. Não são do tipo que trocam declarações enormes publicamente. Mas, na vida íntima, a coisa muda de figura.

— Eu sou muito carinhosa no relacionamento. Não sei se sou tão romântica. Mas sou daquelas que fica pendurada. Beijo, abraço e agarro mesmo.

É até cedo para perguntar, porém um novo casamento não está entre os planos da apresentadora.

— Não digo nunca, mas já fui casada. Estou conhecendo agora uma outra Luciana, mais focada na minha própria vida, nas minhas coisas. Isso tem feito parte de outro amadurecimento.

Exposição

Ciente da fama que tem, Luciana não vê problema em falar da vida pessoal. Mas reforça que há um limite. Há dois meses, ela se chateou ao ver que informações do inventário do pai foram divulgadas por um colunista, que disse que uma “mulher desconhecida da família” receberia uma quantia maior de dinheiro.

— Eu sou uma pessoa acessível. Respondo a tudo que me perguntam. Não ligo que falem, ou peçam que eu comente algum deslize que cometi ou bobagem que falei. Faz parte do jogo. Ao mesmo tempo, não gosto de lavar roupa suja na internet nem quero fazer render esse assunto, mas não é porque sou famosa que tenho que abrir mão de tudo e toda minha vida se torna domínio público. Achei pura maldade falar de alguém que já morreu.

A apresentadora chegou a gravar um vídeo chorando. Por não ser vista nessa posição com frequência, o relato sensibilizou aos mais próximos.

 — Por muitos anos, eu sofri calada. Nunca fui de responder até mesmo as mentiras ditas sobre mim. O sentimento que tive nesse dia foi o mesmo que experimentei na minha primeira gravidez. Eu chorei todos os dias, sozinha, por nove meses. Espero que isso não aconteça nunca mais. Eu tenho uma estrutura, mas, no dia do vídeo, também estava em um momento ruim. Tinha que fazer um programa ao vivo depois… Sou resiliente, em geral, mas uma pessoa pública também tem sentimentos.

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

Mulher

Paolla Oliveira questiona pressão pela maternidade: Por que me cobram?

Publicado

paolla oliveira
Reprodução/Fe Pinheiro/Divulgação

Paolla Oliveira refuta pressão pela maternidade

Aos 40 anos, Paolla Oliveira garante que acha uma balela a cobrança social pela maternidade. Em entrevista para a colunista Mônica Bergamo, a atriz conta que já ouviu que era menos feminina, menos amorosa e que não representava a família apenas por não incluir filhos entre suas prioridades.

Entre no  canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais! 

“Isso já me deixou bastante chateada. Acho que um bom movimento para reagir a uma crítica é você se procurar. E eu achei tudo isso uma balela, a ponto de não me tocar mais.”

Na entrevista, Paolla toca em outro ponto polêmico. Há cinco anos, no mesmo espaço, ela foi bastante criticada ao declarar que preferia o termo ‘igualdade’ a ‘feminista’. Desta vez, a atriz assumiu um posicionamento mais acertivo. “De lá para cá, eu consigo entender: não somos iguais”. 

Acompanhe também perfil geral do Portal iG no Telegram !

A atriz falou ainda sobre voto, democracia e da estreia de seu novo filme, “Papai É Pop”, de Caíto Ortiz, em que contracena com Lázaro Ramos.

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana