conecte-se conosco


Opinião

BRENO MIRANDA – Recuperação Judicial ou Extrajudicial é remédio legal e eficiente para superação da crise financeira

Publicado

O mundo vem passando por diversas complicações desde a eclosão da pandemia, causada pelo Coronavírus, tais como: o colapso da rede de saúde, a crise política e a econômica, que, por sua vez, impôs o fechamento de milhares de empresas, causando o aumento da taxa de desemprego, da violência, dentre outras graves consequências sociais.
Em relação ao aspecto econômico, é bem verdade que muitas empresas já se encontravam em instabilidade financeira há algum tempo, por razões diversas e particularidades de alguns setores da economia, todavia, é inegável que a situação agravou muito após o surgimento da peste.
A legislação brasileira, especificamente a Lei n. 11.101/05, prevê institutos jurídicos de alta relevância para o soerguimento das empresas, com a finalidade social de garantir a manutenção dos empregos, a geração de impostos e a circulação de riquezas, sendo eles, a recuperação extrajudicial e a judicial.
Embora muitos acreditavam que, no auge da pandemia, haveria um volume enorme de pedidos de recuperação (extrajudicial ou judicial), o atual cenário revela que o instituto, em que pese a sua eficácia para o enfrentamento da crise, não foi a primeira opção jurídica para as sociedades empresárias.
Segundo os indicadores econômicos e dados fornecidos pelo Serasa Experian, nos primeiros 06 (seis) meses de 2021, houve uma queda considerável nos pedidos de recuperação e de falência em relação ao mesmo período do ano de 2020 .
Em se tratando exclusivamente de pedidos de recuperação judicial, apenas em relação ao mês de julho de 2021, os pedidos diminuíram exatamente 42,2% em comparação a julho de 2020.
Em relação aos pedidos de falência, o resultado não foi tão diferente, haja vista que os dados indicam uma queda de 13% (treze por cento) no mês de julho de 2021.
Percebem-se, ainda, dos dados do Serasa, que as micros e pequenas empresas (ME e EPP), como sempre, foram as que mais sentiram os efeitos ruins da crise, enquanto que no total, os setores de serviço e do comércio foram os que mais requereram a recuperação judicial.
O economista Luiz Rabi, em recente matéria divulgada na imprensa nacional, entende que “a retomada da economia deve se manter no segundo semestre do ano, à medida que o cenário de saúde no Brasil demonstrar melhoras”.
ortanto, consoante aos dados do Serasa Experian, de janeiro a setembro de 2020 foram protocolados 955 (novecentos e cinquenta e cinco) pedidos de recuperação judicial no Brasil, enquanto que, no mesmo período de 2021, foram ajuizados 696 (seiscentos e noventa e seis) pedidos recuperacionais, isto é, o primeiro semestre desse ano fechou com uma queda de 27,12% dos pedidos de recuperação judicial no país.
Tais informações não nos levam a concluir que as empresas teriam superado a crise, mas certamente de que muitas encerraram diretamente as atividades, simplesmente, fechando as portas, como também que outras ainda buscaram superar os efeitos negativos da crise, não sendo possível afirmar, dessa forma, se haverá um pico nos pedidos de recuperação judicial ou, pelo menos, atribuir exclusivamente a razão do pedido de recuperação aos efeitos causados pela pandemia.
O lado positivo do cenário de acentuada recessão econômica, provavelmente um dos poucos, foi a celeridade do legislador em relação à reforma do sistema de insolvência brasileira, que acabou ocorrendo com o advento da Lei nº 14.112/2020, que alterou pontos significativos da Lei de Recuperação Judicial e Falência de Empresas (Lei nº 11.101/2005).
É inegável que o projeto de lei, ou melhor, os vários projetos que tramitavam no Congresso Nacional e que visavam alterar a Lei nº 11.101/2005, só tiveram a atenção devida dos parlamentares por conta do caos econômico causado pelo avanço da pandemia, em todo o mundo.
O sistema de insolvência no Brasil possui grande influência da legislação americana, especialmente no Capítulo 11 (chapter 11), do Código de Falência dos Estados Unidos, sendo considerada, conforme afirma o doutrinador Daniel Carnio Costa, sobretudo após a recente reforma, como uma das leis mais modernas do mundo sobre a insolvência empresarial.
Em síntese, a necessária e recente reforma buscou dar uma maior celeridade aos processos de insolvência, atribuiu novas funções ao Administrador Judicial, como auxiliar do Juízo, positivou regras sobre a falência transacional ou transfronteiriça, estimulou uma maior participação dos credores, inclusive com a possibilidade de apresentar o Plano de Recuperação Judicial, positivou o que a jurisprudência já admitia, em relação à prorrogação do stayperiod, alterou na classificação dos créditos submetidos aos efeitos da falência, regulamentou a possibilidade do Fisco requerer a convolação da recuperação judicial em falência, dentre outras significativas alterações.
Portanto, diante do quadro de crise econômico-financeira da sociedade empresária, o instituto da recuperação, seja ela extrajudicial ou judicial, poderá (deverá) ser a opção legal para buscar o soerguimento da atividade empresarial, criando-se um melhor ambiente para a negociação das dívidas, com a finalidade de manter a função social da empresa. Como dizem popularmente: pode até ser amargo, mas é o remédio legal e eficiente para a solução da crise das empresas.

Breno Augusto Pinto de Miranda, Advogado e Administrador Judicial. Atualmente exerce o cargo de Diretor do Instituto Brasileiro da Insolvência – IBAJUD e Presidência da Comissão de Estudos da Lei de Falência e Recuperação de Empresas da OAB/MT.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opinião

ANDERSON NOGUEIRA – Tecnologia como aliada dos pets

Publicado

Um tema que comumente aparece nas redes sociais e nos aplicativos de mensagem como pedido de ajuda é quanto ao desaparecimento de animais domésticos. Os pets se perdem por inúmeros fatores, incluindo incidente na hora do tutor sair de casa, falta de dispositivos de segurança adequados ou até mesmo em um ato de violência, a exemplo roubo ou furto.

Quem já teve um animal desaparecido conhece o tamanho do desespero. Isso porque, não importa o tamanho do engajamento para localizar o pet, há casos em que não há solução.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam que o Brasil tem mais de 30 milhões de animais nas ruas, sendo aproximadamente 20 milhões de cães e 10 milhões de gatos. Dentro desta estatística somam-se os que nasceram nas ruas e, boa parte deles, foi abandonada ou se perdeu e nunca mais foi encontrada pelos tutores.

Uma das maneiras de evitar o sumiço do animal é colocar a identificação na coleira do pet. E para isso, a tecnologia é uma aliada. Em Cuiabá, já tem disponível esta ferramenta, por meio da Tag QR Code, que serve como localizador do animal.

Por meio desta ferramenta é possível inserir dados do pet (nome e informações vacinais) e do dono (contato telefônico). A coleira especial serve para cães e gatos e o encaixe da coleira é seguro e não sai com facilidade.

De posse do registro do tutor e do pet, a coleira está apta para marcar a geolocalização do animal (informações geográficas) e, em caso de desaparecimento, o proprietário é notificado se alguém acessou informações contidas na ferramenta. Todo o histórico da saúde do animal, consultas, vacina, cirurgia, dentre outras informações, ficam registrados na ferramenta.

A leitura da Tag de QR Code pode ser feita por qualquer dispositivo apto para esta tecnologia. E o melhor de tudo, essa ferramenta é acessível e proporciona mais segurança para os animais e os tutores.

Anderson Nogueira é médico veterinário há mais de 15 anos e atende na Clínica Veterinária Mato Grosso. 

 

 

Continue lendo

Opinião

VANESSA MORAES – O que favorece minha saúde auditiva?

Publicado

Alguns hábitos que envolvem a saúde auditiva são mais simples do que podemos imaginar. Porém, eles devem ser diários!

Seguem alguns para já colocarmos em prática desde já:

– Monitore os volumes dos sons da TV, da música, nunca deixando as pessoas ao seu redor escutar o som de seus fones. Limite o tempo de uso, quanto maior o volume, menor deverá ser  tempo de exposição;

-Faça a limpeza correta de seus ouvidos: com o dedo e uma toalha. O uso de cotonete é indicado para limpeza do nariz;

– Utilize protetor de som quando tiver que se expor a ambientes com ruídos excessivos. Isso até pode ser considerado um exagero, mas até mesmo uma exposição esporádica pode matar a célula auditiva;

-Faça os tratamentos adequadamente para infecções, otites, gripes até o final. Quando mal curadas podem levar a perda auditiva e também a outras complicações;

-Evite ficar muito tempo ao telefone, não somente pela intensidade do som, como também pelas ondas eletromagnéticas emitidas pelo aparelho que causam risco à saúde;

-Realize consultas periódicas com um otorrinolaringologista. Desconforto como zumbido e diminuição da audição merecem uma avaliação mais precisa.

-Alimente-se de forma saudável de 4 a 6 vezes por dia e evite o excesso de cafeína e alimentos muito doces ou muito salgados. Tome bastante água e pratique atividade física regularmente. As vitaminas B12, B9, A, C e E encontradas em alimentos saudáveis são essenciais para a manutenção da acuidade auditiva;

-Rejeite medicamentos sem prescrição. Alguns são prejudiciais e seu uso indiscriminado pode levar a perda auditiva irreversível como também ser nocivo à saúde do corpo em geral;

-Tenha momentos de silêncio. Possibilite descanso aos seus ouvidos. O ideal é que esses “repousos sonoros” sejam feitos de 1 a 2 vezes por dia.

As lesões auditivas ocorrem de maneira lenta e gradual e muitas vezes podem ser irreversíveis. Por isso, ao menor sintoma, faça um exame de audição.

Vanessa Moraes é audiologista – @fonovanessamoraes

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana