conecte-se conosco


Nacional

Brasil rejeita ajuda financeira do G7 para Amazônia

Publicado

Onyx Lorenzoni arrow-options
Alan Santos/PR

Ministro da Casa-Civil, Onyx Lorenzoni anunciou recusa

O governo brasileiro disse que rejeitará a ajuda financeira de US$ 20 milhões oferecida pelos países do G7 para conter as queimadas na Amazônia. A informação foi dada pelo ministro da Casa-Civil Onyx Lorenzoni ao blog do Gerson Camarotti e, mais tarde, confirmada pelo Palácio do Planalto. O aporte tinha sido anunciado ontem (26), no último dia da cúpula do G7, em Biarritz, pelo anfitrião do evento, o presidente Emmanuel Macron, com quem Jair Bolsonaro tem trocado farpas em público.

Leia também: Bolsonaro diz que não ofendeu primeira-dama Brigitte Macron

“Agradecemos, mas talvez esses recursos sejam mais relevantes para reflorestar a Europa. O Macron não consegue sequer evitar um previsível incêndio em uma igreja que é um patrimônio da humanidade e quer ensinar o quê para nosso país? Ele tem muito o que cuidar em casa e nas colônias francesas”, disse Onyx sobre a ajuda à Amazônia ao blog do G1 .

Lorenzoni disse ainda que “o Brasil é uma nação democrática, livre, e nunca teve práticas colonialistas e imperialistas como talvez seja o objetivo do francês Macron. Aliás, coincidentemente, com altas taxas internas de rejeição”. Ele acrescentou afirmando que o Brasil pode ensinar “a qualquer nação” como proteger matas nativas..

A maior parte da verba oferecida pelo G7, grupo que reúne os sete países mais industrializados do mundo, serviria para enviar aviões para combater os focos de incêndio. Fontes de dentro do governo Bolsonaro disseram que a oferta foi considerada uma tentativa de Macron de se capitalizar politicamente em cima do tema. Apesar da questão do meio ambiente e dos incêndios na Amazônia ter sido um dos principais assuntos do G7 , a declaração final do encontro foi enxuta e não abordou o tema.

Leia também: Itamaraty volta a atacar França e cobra países ricos pelo Acordo de Paris

O governo brasileiro acredita que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, descrente em relação ao aquecimento global e aliado de Bolsonaro, foi fundamental para evitar que Macron conseguisse aprovar uma declaração mais incisiva sobre a Amazônia. Macron adotou desde a semana passada uma postura forte contra as queimadas florestais. O presidente francês chegou a publicar uma mensagem no Twitter na qual dizia que “nossa casa” estava em chamas. A postagem desagradou ao governo brasileiro, principalmente a cúpula militar, que alegou um risco de violação de soberania.

Além disso, como Macron ameaçou se opor ao acordo de livre-comércio entre União Europeia (UE) e Mercosul, o governo Bolsonaro acusou o francês de oportunismo político.
Nos últimos dias, Bolsonaro e Macron trocaram acusações e críticas em público, elevando a tensão diplomática entre Brasil e França.

Leia também: Macron afirma que “status internacional” da Amazônia pode ser discutido

No mês passado, o presidente brasileiro também cancelou uma reunião com o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian.

Apesar da recusa à oferta do G7, Bolsonaro aceitou apoio de Israel para conter as chamas na Amazônia .

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Nacional

Adolescente de 15 anos é o primeiro Ianomami a morrer de Covid-19

Publicado


source
adolescente arrow-options
Reprodução

Alvanei Xirixana foi o primeiro Ianomami a morrer de Covid-19

O adolescente Ianomami de 15 anos que contraiu novo coronavírus (Sars-Cov-2) , Alvanei Xirixana, morreu na noite desta quinta-feira (9). A morte foi confirma nesta sexta-feira (10) pelo Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) Ianomami . Ele estava internado no Hospital Geral de Roraima e de acordo com o atestado de óbito, o jovem morreu vítima de Síndrome Respiratória Aguda Grave.

Leia também: Coronavírus: Brasil é o país que menos testa entre mais atingidos pela Covid-19

Segundo o Instituto Socioambiental (ISA), os outros dois indígenas morreram de Covid-19 , sendo um homem do povo Mura, em Manaus, e uma idosa do povo Borari, em Alter do Chão (PA). No entanto, por não morarem em terras indígenas, não foram atendidos e nem contabilizados pela Sesai. 

Além desses casos, a Sesai contabilizou outros quatro, todos da etnia kokama, em Santo Antônio do Içá (AM).

Continue lendo

Nacional

Coronavírus: Brasil tem 18.176 infectados e 958 mortes

Publicado


source

As secretarias estaduais de Saúde atualizaram o número de infectados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil para 18.176 nesta sexta-feira (10), com 958 mortes. Na tarde de quinta-feira (09) o balanço trazia 17.857 casos confirmados em tdo o país, além de 941 mortes.

Leia também: Coronavírus: Brasil é o país que menos testa entre mais atingidos pela Covid-19

brasil arrow-options
Divulgação

Brasil tem 958 mortes por Covid-19


São Paulo segue com a maioria dos casos confirmados e de mortes. São 7.480 infectados e 496 óbitos. Na sequência vem o Rio de Janeiro, que totaliza 2.216 casoos e 122 mortes.

Leia também: Espanha tem 600 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

Além de São Paulo e Rio, a situação do Ceará também é crítica. São 1.445 infectados pelo coronavírus e 57 mortes.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana