conecte-se conosco


Internacional

Bolsonaro: "Nossas orações estão com o povo francês"

Publicado

O presidente Jair Bolsonaro lamentou o incêndio de grandes proporções na catedral de Notre-Dame, em Paris, que teve início da tarde desta segunda-feira (15). Bolsonaro usou sua conta pessoal no Twitter para expressar seu pesar pelo ocorrido, que classificou como “terrível”. 

“Em nome dos brasileiros, manifesto profundo pesar pelo terrível incêndio que assola um dos maiores símbolos da cultura e da espiritualidade cristã e ocidental, a catedral de Notre-Dame, em Paris. Neste momento sombrio, as nossas orações estão com o povo francês”, escreveu.   

Imagens do incêndio mostram uma grande coluna de fumaça que erguida em decorrência do fogo. Autoridades francesas tratam o caso oficialmente como um acidente. 

Um incêndio atinge desde o início da tarde de hoje (15) a Catedral de Notre-Dame, no centro de Paris. A fumaça pode ser vista do topo do patrimônio considerado uma referência histórica da capital francesa.

Um incêndio atinge desde o início da tarde de hoje (15) a Catedral de Notre-Dame, no centro de Paris. A fumaça pode ser vista do topo do patrimônio considerado uma referência histórica da capital francesa. – Reuters/Benoit Tessier/Direitos Reservados

Itamaraty

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, lamentou o incêndio.

“O governo brasileiro tomou conhecimento com grande pesar do incêndio que atingiu a Catedral de Nossa Senhora de Paris (Notre-Dame), um dos maiores símbolos da fé cristã e da cultura Ocidental, além de verdadeira obra-prima da arquitetura gótica, admirada mundialmente pela beleza de seus tesouros, que celebraram seus 850 anos de história em 2013.”

Notre-Dame é uma das mais importantes e famosas catedrais de Paris, dedicada a Santa Maria, mãe de Jesus Cristo. Ela foi construída entre 1160 e 1345, em estilo gótico, é considerada Patrimônio Mundial da Humanidade. Ao longo dos anos, a catedral foi palco de cerimônias celtas e romanas, além de ter inspirado o romance conhecido como O Corcunda de Notre-Dame, do escritor francês Victor Hugo, publicado em 1831. Anualmente, ela recebe cerca de 13 milhões de visitantes. 

*Matéria alterada para inclusão de informações. 

Edição: Renata Giraldi

Fonte: EBC
Leia Também:  Esfaqueamento em massa nas proximidades de Tóquio
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Internacional

Mercosul deve assinar acordo para compartilhar consulados pelo mundo

Publicado

Entre os acordos a serem assinados na Cúpula do Mercosul, agendada para amanhã (17) em Santa Fé, na Argentina, um deles deve permitir a brasileiros, argentinos, uruguaios e paraguaios ter assistência consular diplomática em embaixadas de qualquer um dos países que compõem o bloco quando não houver representação de seu país de origem. A informação foi dada hoje (16) pelo porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros.

Na prática, por exemplo, se um cidadão paraguaio estiver em um país que não tenha representação consular do Paraguai, ele poderia ser atendido nas representações de Uruguai, Brasil ou Argentina. Os detalhes sobre que tipo de assistência consular seria oferecido ainda não foram divulgados pelo Itamaraty.

O presidente Jair Bolsonaro embarca nesta quarta-feira, às 8h, para a Argentina, acompanhado pelos ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). Ele retorna no mesmo dia para Brasília, após participar de almoço com os presidentes dos países que integram o bloco. O principal acordo a ser assinado é o que elimina a cobrança de roaming internacional de serviços de telecomunicações entre pessoas que residem no Mercosul. Um outro acordo sobre troca de informações migratórias também está encaminhado, segundo o porta-voz. 

Leia Também:  Papa: os migrantes são o símbolo de todos os descartados da sociedade

“Uma das principais atividades da cúpula será a assinatura do acordo para que os viajantes dos países do bloco não necessitem mais pagar o roaming internacional, ou seja, possam realizar ligações sem cobranças extras das operadoras de telefonia durante a viagem. Outros dois acordos estão encaminhados: um sobre a troca de informações migratórias entre os quatro países e outro sobre a possibilidade de brasileiros, argentinos, uruguaios e paraguaios terem assistência consular de qualquer nação que compõe o bloco quando não houver representação de seu país de origem”, detalhou Rêgo Barros.

Após a cúpula, o Brasil assume a presidência rotativa do Mercosul pelos próximos seis meses. Entre as prioridades da gestão brasileira no próximo período, segundo o porta-voz, está a redução das tarifas de importação do bloco e a flexibilização de regras para a celebração de acordos bilaterais. “Nesse sentido, o Brasil pretende estabelecer um acordo de livre comércio com os Estados Unidos da América”, disse Rêgo Barros, sem dar detalhes.

Edição: Paula Laboissière

Fonte: EBC
Leia Também:  Ação do Estado em negociações leva Uruguai à "lista curta" da OIT
Continue lendo

Internacional

Acordo afasta dúvida sobre sobrevivência do Mercosul, diz especialista

Publicado

Após 20 anos de negociações, o Mercosul e a União Europeia fecharam acordo no último dia 28 de junho. Os efeitos práticos da decisão não são imediatos, avaliam especialistas, mas afastam as dúvidas sobre a sobrevivência do bloco sul-americano. Estão previstas etapas de transição, com abertura de mercados e redução das tarifas, que levarão até dez anos para serem concluídas.

“A perspectiva do acordo dá ao Mercosul uma nova agenda para os próximos anos. O bloco vinha estagnado. Agora, de uma vez por todas, se deixa de lado a discussão sobre a validade do Mercosul. Estamos falando de dois importantes mercados, como são o Mercosul e União Europeia, que finalmente chegaram a um acordo”, disse hoje (15) Antonio Carámbula, diretor-executivo da Uruguay XXI, agência uruguaia de promoção de exportações e investimentos.

Para Carámbula, o acordo com a União Europeia é o mais importante do ponto de vista comercial desde o Tratado de Assunção, que criou o Mercosul há quase 30 anos. “Foram mais de 20 anos de esforço para conseguir esse acordo. Tendo em conta os fenômenos protecionistas que estão acontecendo no mundo, o comércio como ferramenta de desenvolvimento mostra qual deve ser o caminho”, disse à Agência Brasil.

Delegação brasileira em Bruxelas para o fechamento do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia

Delegação brasileira, em Bruxelas, em junho, durante o fechamento do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia – Ministério das Relações Exteriores

O acordo, apesar de atingir alguns setores mais sensíveis, como é o caso dos lácteos e dos vinhos, é visto com bons olhos pelo mercado uruguaio.

“O Uruguai tem estabilidade política, econômica, segurança jurídica, um crescimento contínuo e investimentos em tecnologia. É um país ideal para investir e, daqui, exportar para mercados mais amplos. Somos um importante produtor de alimentos, com 3,5 milhões de habitantes, 12 milhões de cabeça de gado, produzimos alimentos para mais de 30 milhões de pessoas, e podemos chegar a mais de 50 milhões em poucos anos”, disse Carámbula.

Vinhos e carnes

Quanto ao mercado de vinhos, o receio dos uruguaios não é em relação ao mercado interno do país. Está relacionado à entrada de vinhos europeus no mercado brasileiro, por exemplo, a preços mais competitivos. Para Carámbula, essa competição com os países vizinhos pode gerar inconvenientes e desafios, mas ele acredita que o Uruguai não será negativamente impactado.

“O vinho é um produto muito importante para o Uruguai, está associado à nossa marca país, como destino gastronômico, pela qualidade das nossas carnes e nossos vinhos, especialmente o Tannat, que é uma variedade de uva que dá praticamente só aqui no Uruguai. Mas acredito que temos a possibilidade de seguir sendo muito competitivos.”

“Para se ter uma ideia, pagamos de tarifa à União Europeia mais de US$ 100 milhões de dólares ao ano. E praticamente 80% corresponde à carne. O acordo vai permitir ao Uruguai eliminar essas tarifas.”

De acordo com documento divulgado pelo governo uruguaio na semana passada, cálculos primários estimam um benefício entre 40 e 70 milhões de dólares anualmente, no setor das carnes.

Mel

Os empresários do setor da apicultura também estão atentos. Para o uruguaio Fernando Camps, que produz e exporta mel, não há efeitos concretos a curto prazo, mas a notícia do acordo foi boa.

“Somos cautelosos porque esse primeiro acordo é político, não vai ocorrer a curto prazo, mas a longo prazo. Faltam muitas etapas e o processo de ratificação acontece em vários países, aqui e lá [na Europa] e passa pelos parlamentos. Mas a notícia é boa, é melhor que se comece a avançar, faz 20 anos que esperamos um acordo desse tipo”, disse.

Camps disse que Brasil, Argentina e Uruguai são os principais produtores e exportadores de mel da região e produzem muito mais do que consomem. “É o oposto do que ocorre nos países do Norte, principalmente Europa e Estados Unidos. Hoje em dia, o Uruguai exporta mais de 50% do mel produzido para a Europa. Mas o negócio do mel é muito dinâmico, pode mudar e passar a exportar para os Estados Unidos, por exemplo, muito rapidamente”.

Segundo Camps, o acordo, de certa maneira, visa proteger os mercados de futuros desequilíbrios.

“O importante é que estabelece uma cota de 45 mil toneladas de mel, que poderá ser exportado para a Europa sem tarifas, a ser implementada dentro de cinco anos. Não é muito mais do que se vende para a Europa hoje em dia. Então, acreditamos que a cota marca um limite para que não mude tanto a estrutura, que vendamos o mesmo ou um pouquinho mais, mas não muito mais. A ideia é manter certa estabilidade nos volumes, ao menos nos primeiros anos do acordo, e não gerar problemas com outros mercados”, defende Camps.

Apenas no setor de mel, os cálculos primários estimam um benefício de cerca de 5 milhões de dólares anualmente.

Segundo documento elaborado conjuntamente pelo Ministério de Economia e Finanças do Uruguai e o Instituto Uruguay XXI, em 2016, as exportações uruguaias pagam anualmente US$ 270 milhões de tarifas, dos quais 40% (US$ 106 milhões) correspondem a tarifas pagas por exportações para a UE.

Concretização

Para valer, o acordo ainda precisa ser aprovado pelos parlamentos dos países de cada um dos blocos. A expectativa do Ministério da Agricultura do Brasil é que isso ocorra no prazo de um a dois anos. Os países que não ratificarem não terão direito às condições definidas.

Para o governo uruguaio, o Mercosul vem apostando sistematicamente em sua integração ao mundo. O acordo com a União Europeia foi só o primeiro de uma série que conta com o EFTA (área de libre comércio formada pela Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein) e, ainda, com Canadá, Coreia do Sul e Singapura. A abertura para o mercado europeu deve ajudar a modernizar o bloco sul-americano, por meio da adoção de práticas mais transparentes e inovadoras.

O Ministério das Relações Exteriores do Uruguai definiu o acordo como “amplo e equilibrado” e que compreende um processo de integração com um comércio recíproco total de aproximadamente US$ 90 bilhões.

A UE é o segundo destino comercial do Mercosul, assim como o segundo destino das exportações uruguaias, ficando atrás da China. Cerca de 20% das exportações uruguaias vão para a Europa, com destaques para a carne bovina, celulose, madeira, arroz, couros, cítricos e mel.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC
Leia Também:  Reino Unido avança em leis para se tornar neutro em emissões de CO²
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana