conecte-se conosco


Economia

Bolsonaro fracassou 12 vezes ao tentar reduzir preço dos combustíveis

Publicado

source
Bolsonaro fracassou 12 vezes ao tentar reduzir preço dos combustíveis
Reprodução Telegram

Bolsonaro fracassou 12 vezes ao tentar reduzir preço dos combustíveis

Em uma das reuniões no Palácio do Planalto para discutir o preço dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro questionou a seus auxiliares porquê seus adversários Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Ciro Gomes (PDT) podem prometer baixar o valor da gasolina e do óleo diesel e o seu governo não consegue. “Se eles dizem que vão colocar o preço em real, por que eu não posso?” Esse é um questionamento recorrente de Bolsonaro a seus auxiliares, de acordo com relatos de assessores presentes nas reuniões.

O preço dos combustíveis se tornou uma das maiores dores de cabeça do governo Bolsonaro, e levou a inflação para a casa de dois dígitos. Os articuladores da campanha do presidente à reeleição creditam ao valor dos produtos a impopularidade de Bolsonaro. Há meses, o governo tenta uma solução para a crise, mas até agora as medidas surtiram pouco efeito.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Com a proximidade das eleições, a criação de um subsídio ao menos para o óleo diesel já é dada como certa pelo governo. A questão agora gira em torno de como viabilizar esse mecanismo. Enquanto a ala política e aliados do Congresso cobram uma solução urgente (é preciso que a população sinta os efeitos das medidas o quanto antes, argumentam), a equipe econômica ainda tenta uma saída menos custosa.

Nos últimos meses, foram uma série de iniciativas para tentar baixar o preço. Até agora, o efeito foi praticamente nulo. De acordo com a pesquisa da Agência Nacional de Petróleo (ANP), o preço do óleo diesel comum saiu de R$ 5,814 em março para R$ 6,918 na última semana. A gasolina, subiu de R$ 6,683 para 7,252 em média no país. 

Veja a seguir as ações do governo para tentar baixar o preço do diesel

Projeto que trata do ICMS aprovado, mas estados dão rasteira (10 de março)

O governo conseguiu aprovar no Congresso Nacional um projeto mudando a fórmula de cálculo do ICMS dos combustíveis, segundo o qual o imposto seria cobrado sobre o litro, e não mais um percentual sobre o preço. O texto também zerou os impostos federais sobre o diesel, com a promessa de um impacto de R$ 0,33, tentava reduzir em mais R$ 0,27 o ICMS do óleo em todos os estados. Apesar da vitória do governo no Congresso, os estados fizeram uma manobra que, na prática, impediu qualquer mudança no ICMS. O governo protestou.

Saída de Silva e Luna (28 de março)

Em busca de uma solução para frear os reajustes nos preços dos combustíveis e tentando reduzir o preço da gasolina e do diesel, o presidente Jair Bolsonaro decidiu demitir o general Joaquim Silva e Luna cerca de um ano depois dele ser nomeado para o cargo. Foi mais uma troca na Petrobras motivada pela política de preços da empresa, que estabelece reajustes periódicos de acordo com valor do petróleo no mercado internacional e a cotação do dólar.

Confusão na escolha de novo nome para a Petrobras (4 de abril)

Indicado para substituir Silva e Juna, Adriano Pires desistiu do cargo para evitar conflito de interesses diante da sua atuação como consultor do mercado de óleo e gás. O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, também desistiu de assumir o Conselho de Administração da empresa. A nomeação dos dois foi uma tentativa do governo de segurar o preço dos combustíveis. No lugar de Silva e Luna, o governo nomeou José Mauro Coelho.

Troca de ministro de Minas e Energia (11 de maio)

Sem qualquer solução para o preço dos combustíveis, Bolsonaro demitiu o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. No seu lugar, nomeou Adolfo Sachida, assessor próximo de Paulo Guedes, ministro de Minas e Energia. Ele chega com a missão de segurar o preço dos combustíveis.

Novo cálculo do frete (11 de maio)

Uma das bandeiras de Sachida, que ainda não foi efetivada, é a troca na forma de cálculo do preço do petróleo. Hoje a Petrobras trabalha com um preço conhecido como CIF, que inclui todos os custos envolvidos para importar o petróleo, inclusive seguro e frete. Esse preço é usado mesmo nos casos em que o petróleo é nacional. A ideia é que a Petrobras use o FOB (do inglês, free on board, que é o valor puro da mercadoria, sem levar em conta os custos envolvidos na importação). O governo avalia que isso poderia reduzir de 10% a 15% o preço do combustível. Essa proposta, que tornaria mais difícil o mercado importador de combustíveis, já era vista com bons olhos por Sachsida desde a época em que ele era assessor de Paulo Guedes.

Decisão do STF contra estados (13 de maio)

A pedido do governo, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça (ex-ministro de Bolsonaro) suspendeu a decisão dos estados que manteve o ICMS do óleo diesel inalterado. Agora, os estados, a União e o Congresso negociam junto ao STF uma saída para esse impasse.

Nova troca na presidência da Petrobras (24 de maio)

Com a mudança no Ministério de Minas e Energia, Bolsonaro demitiu também o presidente José Mauro Coelho, recém empossado. Para o seu lugar, indicou Caio Paes de Andrade, também assessor de Paulo Guedes.

Autorização para troca em toda a Petrobras (24 de maio)

Junto com a nomeação de Paes de Andrade, o governo deu carta branca para ele escolher e trocar toda a diretoria da Petrobras e os nomes do Conselho de Administração indicados pelo Executivo.

Teto do ICMS (25 de maio)

Com o foco mais uma vez sobre os estados, a Câmara dos Deputados aprovou um teto de 17% para o ICMS cobrado sobre energia elétrica, combustíveis e comunicações. Com forte oposição dos estados, o projeto foi encaminhado ao Senado Federal.

Decreto de calamidade (2 junho)

Com pressa para encontrar uma solução para o preço dos combustíveis, a área política do governo passou a considerar a possibilidade de pedir ao Congresso para decretar o chamado estado de calamidade pública. Ele permite ao governo gastar sem qualquer restrição, abrindo espaço para criar subsídios e programas sociais em ano de eleição.

Impasse sobre subsídio (3 de junho)

A criação de um subsídio para o óleo diesel já é dada como certa no governo, que busca alternativa para reduzir o preço do produto. Essa pressão se acentuou num cenário de escassez global do produto, que lançou dúvidas sobre a garantia do suprimento de diesel no Brasil. Sem qualquer espaço no Orçamento regular, o governo busca uma maneira de gastar fora do teto de gastos (a regra que trava as despesas federais). Para isso, é necessário criar uma argumento jurídico que aponte para uma imprevisibilidade ou um risco causado pela alta do diesel.

Convocação de reunião extraordinária (16 de junho)

A pedido do governo, o Conselho de Administração da Petrobras fez no último dia 15 uma reunião extraordinária para avaliar um possível adiamento dos reajustes nos combustíveis até que fossem aprovadas no Congresso as medidas de desoneração propostas para conter a alta dos preços nas bombas. Mas o presidente Jair Bolsonaro colheu um revés. Os conselheiros concluíram que cabe aos diretores da estatal essa decisão e não ao colegiado. Com esse sinal verde, a empresa anunciou nesta sexta-feira um novo reajuste de gasolina e diesel.

Bolsonaro disse nesta sexta-feira (17) que a estatal pode “mergulhar o Brasil num caos” com o reajuste no preço dos combustíveis. Em seguida, diversos ministros do governo centraram fogo contra a estatal. O primeiro foi o chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, nas redes sociais, ainda na quinta-feira. Fábio Faria, ministro das Comunicações, disse nesta sexta que empresa está tendo um lucro seis vezes maior que as petrolíferas estrangeiras em plena guerra. O ministro da Secretaria-Geral, Luiz Eduardo Ramos, também criticou a empresa.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Países do G7 anunciam que vão proibir importação de ouro russo

Publicado

source
Países do G7 anunciam que vão proibir importação de ouro russo
Pixabay

Países do G7 anunciam que vão proibir importação de ouro russo

Os líderes do G7, grupo que reúne os sete países mais ricos do mundo, anunciaram neste domingo (26) que vão banir a importação de ouro proveniente da Rússia.

A medida foi divulgada na abertura da cúpula do G7 nesta manhã, na Alemanha, e faz parte de uma série de sanções do grupo contra Moscou na tentativa de isolar ainda mais o regime de Vladimir Putin após a invasão à Ucrânia.

“Os Estados Unidos impuseram custos sem precedentes a Putin para negar a ele os recursos necessários para financiar sua guerra contra a Ucrânia. Unido, o G7 anunciará a proibição da compra de ouro russo, uma exportação significativa que arrecada dezenas de bilhões de dólares para a Rússia”, escreveu o presidente dos EUA, Joe Biden, no Twitter.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

De acordo com o premiê do Reino Unido, Boris Johnson, a proibição do ouro da Rússia “atingirá diretamente os oligarcas russos e o coração da máquina de guerra de Putin”.

“Putin está desperdiçando seus escassos recursos nesta guerra sem sentido e bárbara. Ele está bancando seu ego às custas dos povos ucraniano e russo. Precisamos privar o regime de Putin de seu financiamento”, afirmou.

Apesar da confirmação, fontes oficiais ouvidas pela ANSA informaram que as negociações sobre a proibição do ouro russo ainda não foram encerradas.

O norte-americano e os outros líderes do G7, incluindo o primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, estão reunidos para debater principalmente formas de garantir o fornecimento de energia e combater a inflação, embora ainda haja divergências sobre os temas.

“Devemos ficar juntos. Putin espera que alguém do G7 e da Otan se separe, mas isso não aconteceu e não acontecerá”, enfatizou Biden ao chanceler alemão, Olaf Scholz. “Estamos unidos, estamos juntos”.

Washington teria interesse em discutir um teto para o preço do petróleo, mas a questão converge com a do limite no valor do gás, explicou uma fonte do governo norte-americano.

Segundo os relatos, ainda “não houve uma discussão muito ampla sobre o teto de preço ao valor do petróleo”. Além disso, o presidente do conselho da UE, Michel, explicou que os países da UE devem ser impedidos de se tornarem vítimas colaterais das sanções e pediu um acordo para a saída do grão dos portos do Mar Negro.

Antes do início da sessão da tarde da cúpula, os líderes do G7 passearam pelos jardins do Castelo de Elmau e tiraram fotos. Ao longo do caminho, Draghi passou muito tempo conversando com o presidente francês, Emmanuel Macron.

Continue lendo

Economia

Correntistas do BB podem mudar limite de cartão adicional por WhatsApp

Publicado

Os clientes do Banco do Brasil (BB) podem consultar e alterar o limite dos cartões de crédito adicionais por meio do WhatsApp. A ferramenta foi lançada nesta semana e já está disponível aos correntistas.

A personalização dos limites dos cartões adicionais só podia ser feita, até agora, pelo site da instituição financeira. Os ajustes no cartão principal estão disponíveis há alguns meses no aplicativo de mensagens.

Para verificar o limite, o correntista deve enviar uma mensagem para o número (61) 4004-0001 e enviar mensagem pedindo a consulta. A partir daí, o sistema de inteligência artificial apresenta opções, bastando selecionar consulta para o adicional e indicar o cartão que deseja consultar. O bot (robô) informa o valor total do limite e o disponível para uso.

Para alterar o limite, é necessário enviar a mensagem pedindo para ajustar o limite do cartão, escolher “Adicional” e indicar o cartão que deseja modificar. Depois, é só informar o novo valor.

Com as novidades, subiu para 21 o número de transações disponíveis para cartões de crédito e de débito do BB via WhatsApp. Entre os serviços que podem ser feitos pelo aplicativo, estão o pedido de segunda via do cartão, a contestação de compras, o envio da fatura por meio de arquivo PDF e a habilitação ou desabilitação do NFC (pagamento por aproximação).

 

Edição: Claudia Felczak

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana