conecte-se conosco


Política Nacional

Bolsonaro endossa Mourão e nega racismo: “Sou daltônico, todos têm a mesma cor”

Publicado


source
jair bolsonaro
ImagoImages

Presidente Jair Bolsonaro ignorou Dia da Consciência Negra e morte de negro em Carrefour em texto nas redes sociais

No Dia Da Consciência Negra e após espancamento até a morte de um homem negro motivar uma onda de protestos pelo Brasil , o presidente Jair Bolsonaro publicou texto em suas redes sociais minimizando o racismo no Brasil. “Como homem e como Presidente, sou daltônico: todos têm a mesma cor. Não existe uma cor de pele melhor do que as outras”, defendeu Bolsonaro, endossando o vice-presidente Hamilton Mourão, que também nesta sexta-feira (20) afirmou que “não há racismo no Brasil” .

Em sua publicação, Bolsonaro ignorou o Dia da Consciência Negra e também a morte de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, espancado até  morrer por asfixia por um policial militar e um segurança da unidade do bairro Passo D’Areia, em Porto Alegre, do supermercado Carrefour.

“O Brasil tem uma cultura diversa, única entre as nações. Somos um povo miscigenado . Brancos, negros, pardos e índios compõem o corpo e o espírito de um povo rico e maravilhoso. Em uma única família brasileira podemos contemplar uma diversidade maior do que países inteiros. Foi a essência desse povo que conquistou a simpatia do mundo. Contudo, há quem queira destruí-la, e colocar em seu lugar o conflito, o ressentimento, o ódio e a divisão entre classes, sempre mascarados de “luta por igualdade” ou “justiça social”, tudo em busca de poder”, publicou Bolsonaro.

Segundo o presidente, o Brasil tem problemas, mas segundo ele são “muito mais complexos” do que questões raciais. “Estamos longe de ser perfeitos. Temos, sim, os nossos problemas, problemas esses muito mais complexos e que vão além de questões raciais. O grande mal do país continua sendo a corrupção moral, política e econômica. Os que negam este fato ajudam a perpetuá-lo”, defendeu.

“Não adianta dividir o sofrimento do povo brasileiro em grupos. Problemas como o da violência são vivenciados por todos, de todas as formas, seja um pai ou uma mãe que perde o filho, seja um caso de violência doméstica, seja um morador de uma área dominada pelo crime organizado. Existem diversos interesses para que se criem tensões entre nosso próprio povo. Um povo unido é um povo soberano, um povo dividido é um povo vulnerável. Um povo vulnerável é mais fácil de ser controlado. E há quem se beneficie politicamente com a perda de nossa soberania “, citou.

Bolsonaro citou a suposta manipulação feita por grupos políticos, que não foram citados, na luta contra o racismo. “Não nos deixemos ser manipulados por grupos políticos. Como homem e como Presidente, sou daltônico : todos têm a mesma cor. Não existe uma cor de pele melhor do que as outras. Existem homens bons e homens maus. São nossas escolhas e valores que fazem a diferença”, pregou.

“Aqueles que instigam o povo à discórdia, fabricando e promovendo conflitos, atentam não somente contra a nação, mas contra nossa própria história. Quem prega isso, está no lugar errado. Seu lugar é no lixo!”, finalizou Bolsonaro.

Números põem em xeque visão do presidente

Enquanto Bolsonaro fala em igualdade diz que são as escolhas e valores que fazem a diferença, a desigualdade brasileira e números de diferentes áreas levantam suspeita sobre essa realidade livre do racismo. Para além da violência e a injúria, o racismo é estrutural.

Nos últimos oito anos, de acordo com dados do DataSUS consultados pelo UOL, as mortes de negros causadas por violência física aumentaram 59% no Brasil, incidência 45 vezes maior do que a taxa medida em relação à população branca neste mesmo período. O número anual de vítimas negras no país saltou de 694, em 2011, a 1.104, em 2018. A média é de uma morte a cada 7 horas.

De acordo com dados da Pnad, pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os pretos e pardos têm mais dificuldade de acesso à moradia : 7 a cada 10 que moram em casas com inadequação são negros.

No mercado de trabalho , segundo estudo divulgado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), feito em parceria com a Rede de Observatórios da Dívida Social na América Latina (RedODSAL), trabalhadores negros recebem, em média, 17% menos do que trabalhadores brancos que têm a mesma origem social.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Senado aprova aumento de penas para fraudes eletrônicas

Publicado


O Senado aprovou hoje (25) projeto de lei (PL) que aumenta penas para quem comete fraudes eletrônicas. O código penal prevê o crime de furto como passível de pena de um a quatro anos. De acordo com o texto, as penas podem ir de três a seis anos de reclusão para quem cometer crimes de furto usando meios eletrônicos ou informáticos. O projeto segue para a Câmara dos Deputados.

O projeto é de autoria de Izalci Lucas (PSDB-DF). Segundo Izalci, a pandemia da covid-19 fez crescer a incidência desse tipo de crime no país e atingiu, inclusive, os beneficiários do auxílio emergencial. Izalci havia proposto uma previsão de pena maior, de quatro a oito anos, mas foram reduzidas no relatório aprovado em plenário.

O texto ainda acrescenta hipótese de agravamento da pena de crime contra a honra quando cometido usando a internet. O PL tipifica o crime de “invasão de dispositivo informático” como a conduta de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização do usuário do dispositivo ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita.

Edição: Fábio Massalli

Continue lendo

Política Nacional

Projeto responsabiliza empresas por crimes de racismo cometidos por funcionários

Publicado


Najara Araujo/Câmara dos Deputados
Deliberação de Vetos e Projetos de Lei. Dep. Fernanda Melchionna(PSOL - RS)
Fernanda Melchionna: “Queremos pressionar as empresas para que previnam e combatam de maneira mais eficaz esses atos discriminatórios”

O Projeto de Lei 5232/20 estabelece que as empresas cujos empregados ou prestadores de serviços praticarem atos discriminatórios serão responsabilizadas civilmente pelos danos materiais e morais decorrentes desses atos, independentemente de culpa.

Além disso, segundo a proposta, os administradores e proprietários dessas empresas poderão responder criminalmente pelos resultados dos atos discriminatórios quando conscientemente falharem em promover
ações efetivas para sua prevenção e mitigação.

A autora do projeto, deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS), afirma que a medida é uma resposta ao caso de racismo que culminou na morte de João Alberto Silveira Freitas, homem negro agredido por seguranças de um supermercado da rede Carrefour em Porto Alegre, na última quinta-feira (19).

“Essa foi uma ideia que tive com Márcio Chagas, ativista antirracista, ex-árbitro e que foi candidato a vice-prefeito pelo Psol em Porto Alegre. Nós sabemos que as empresas acabam saindo de episódios assim com pouca ou nenhuma responsabilidade pelos danos causados”, diz a deputada.

“Nossa proposta pretende corrigir isso, para chamar à responsabilidade também as empresas, seus proprietários e gestores. Queremos pressionar as empresas para que previnam e combatam de maneira mais eficaz esses atos discriminatórios. Se nossa lei estivesse em vigor hoje, não apenas os seguranças responderiam pelo que aconteceu com João Alberto, mas os gestores do Carrefour também responderiam pelos seus atos, já que não é a primeira vez que isso acontece e eles claramente estão falhando em evitar que essas tragédias se repitam”, afirma a parlamentar.

A proposta altera a Lei 7.716/89, que define os crimes resultantes de preconceito racial. O projeto também é assinado por outros cinco deputados do Psol.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Da Redação
Edição – Pierre Triboli
Com informações da assessoria da deputada Fernanda Melchionna

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana