conecte-se conosco


Economia

BNDES reestrutura áreas-chave para enfrentar desafios da economia

Publicado

Com o objetivo de dar uma resposta mais rápida aos novos desafios do desenvolvimento econômico e social do Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta terça-feira (11) a aprovação da reestruturação de algumas de suas áreas-chave. As mudanças preveem a simplificação de processos, inclusive no âmbito da carteira de subsidiária BNDES Participações (BNDESPAR), além de “facilitar a atuação do banco no apoio aos governos federal, estaduais e municipais, especialmente na área de infraestrutura”, informou a assessoria de imprensa da instituição.

A reestruturação implica também em agilizar o financiamento ao setor empresarial, com destaque para as empresas de pequeno e médio porte, “promovendo a inovação, melhora de gestão e aumento da produtividade da economia brasileira”.

Com essa meta, a atual diretoria de Investimento será reformulada e dividida em duas. Uma ficará responsável pelas áreas de privatização e estruturação de projetos, relacionamento institucional e internacional do banco, atendendo demandas do governo. Está incluída nessa nova diretoria a participação do BNDES na estruturação da venda de ações da União em empresas privadas, bem como a venda de outros ativos ou empresas, de acordo com demanda do Ministério da Economia e do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

Leia Também:  STF veta trecho da reforma trabalhista que permite grávida em condição insalubre

A segunda diretoria cuidará do alinhamento da carteira da BNDESPAR às necessidades do banco. Essa diretoria responderá pela venda de participações do BNDES em empresas listadas e não listadas. O fomento do mercado de capitais seguirá como um dos objetivos do banco.

Também a área industrial, ligada à diretoria de Empresas, será dividida em duas superintendências, que oferecerão aos clientes todas as linhas de crédito do BNDES. A área de Comércio Exterior teve a dimensão reduzida, passando a ser um departamento de produtos voltados à exportação, esclareceu a assessoria.

De acordo com o banco, as alterações promovidas não representarão aumento de gastos, uma vez que os custos adicionais foram compensados com a redução de cargos e departamentos. Com a reformulação, a participação feminina subiu de quatro para sete nos 20 cargos de chefia de áreas existentes, ampliando a representatividade das mulheres na alta administração do BNDES.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Caixa levanta R$ 7,3 bilhões com venda de ações da Petrobras

Publicado

presidente da caixa
Valter Campanato/Agência Brasil – 7.1.19

Decisão de se desfazer de papéis da Petrobras reflete a estratégia da Caixa de reduzir sua dependência do Tesouro Nacional

A Caixa Econômica Federal levantou R$ 7,3 bilhões com a venda de 241,3 milhões de ações ordinárias da Petrobras , afirmaram nesta terça-feira (25) duas fontes com conhecimento no assunto. Os papéis foram precificados a R$ 30,25, com desconto de 1,5% sobre o preço de fechamento no pregão de hoje, de R$ 30,70. 

A decisão de se desfazer de papéis da estatal reflete tanto a estratégia da Caixa de reduzir sua dependência de recursos do Tesouro Nacional como uma pressão, por parte do Ministério da Economia, para que os bancos públicos comecem a devolver os aportes recebidos — só no caso da Caixa, são R$ 40 bilhões. Parte dos recursos obtidos com a venda dos papéis da Petrobras teria essa finalidade.

Entre 2009 e 2013, o Tesouro fez seis aportes na Caixa na forma de Instrumento Híbrido de Capital de Dívida (IHCD), um tipo de empréstimo que não tem prazo para pagamento, totalizando R$ 40 bilhões. Como há limites para os bancos efetuarem os desembolsos, os valores precisam ser pagos em parcelas. Esses pagamentos não impactam o resultado primário do governo federal, mas têm efeito sobre a redução da dívida bruta.

Leia Também:  Projeto abaterá IPVA de cidadão que exigir nota fiscal em Mato Grosso

Leia também: Presidente da Caixa garante que obras do Minha Casa Minha Vida continuam

A Caixa pretende vender pelo menos 15% das ações de suas subsidiárias. A estimativa é que isso poderia gerar uma receita extra de R$ 15 bilhões. De acordo com o cronograma, os primeiros IPOs (Oferta Pública Inicial de ações, na sigla em inglês) serão da Caixa Seguridade e da empresa de cartão de crédito e estão previstos para acontecer até o fim deste ano. A oferta de ações da gestora de ativos e loterias ficará para o primeiro semestre de 2020.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

CPI ouve Joaquim Levy sobre caixa-preta do BNDES nos governos do PT

Publicado

Joaquim Levy e Dilma Rousseff
Antonio Cruz/Agência Brasil

CPI ouve Joaquim Levy nesta quarta-feira sobre caixa-preta do BNDES nos governos petistas

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ouve nesta quarta-feira (26) Joaquim Levy, ex-presidente do banco de fomento e ex-ministro da Fazenda do governo de Dilma Rousseff (PT), sobre a suposta caixa-preta do banco durante os governos petistas, entre 2003 e 2015.

Leia também: BNDES divulga lista de principais empréstimos e clientes

Além de integrante do governo Dilma, Levy foi presidente do BNDES no governo de Jair Bolsonaro (PSL), mas pediu demissão neste mês após  ataques públicos feitos pelo presidente da República, exigindo demissão de um servidor que também havia participado do quadro do banco durante governos petistas. Convocado para a CPI, ele é obrigado a comparecer.

A CPI do BNDES investiga supostas irregularidades cometidas pelo Banco Nacional do Desenvolvimento no período de janeiro de 2003 a 2015, que abrange os governos Lula e Dilma e é conhecida como ‘caixa-preta’ do BNDES .

Leia Também:  Sistema de capitalização deve ter contribuição patronal, diz secretário

“O ex-ministro ocupou a pasta da Fazenda entre 1º de janeiro e 18 de dezembro de 2015 e, nesse período, formulou e executou políticas econômicas que tinham total correlação com as atividades do BNDES”, argumentou o deputado Elias Vaz (PSB-GO) ao defender o comparecimento de Levy. “Vários dos investimentos realizados em empresas brasileiras que se internacionalizaram foram feitos sob a gestão de Levy, o que o coloca como testemunha privilegiada das operações”, justificou.

Leia também: ‘Playboy’, baladeiro e amigo dos Bolsonaro: conheça o novo presidente do BNDES

O deputado lembra ainda que, de acordo com o Estatuto do BNDES , o banco tem a obrigação de submeter à prévia anuência do Ministro da Fazenda “a assinatura de acordos de acionistas ou renúncia de direitos neles previstos, ou, ainda, assunção e quaisquer compromissos de natureza societária”.

Marcada para esta quarta-feira, a CPI deve ter inicio às 14h30, no plenário 7 da Câmara dos Deputados, em Brasília.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana