conecte-se conosco


Economia

Black Friday: Diferença entre preços de lojas online e físicas chega a 32%

Publicado


source
promoção black friday
Fernando Frazão/Agência Brasil

Diferença entre preços de lojas online e físicas chega a 32% na Black Friday deste ano

Comprar pela internet sai, em média, 16,14% mais barato do que em lojas físicas. É o que aponta pesquisa feita pelo JáCotei, com nove categorias de produtos e os modelos mais procurados em cada uma delas pelos consumidores na internet.

Nas nove categorias sai mais barato comprar na internet , sendo que a maior diferença de preço encontrada entre lojas físicas e online foi em climatizadores de ar, 32,03%: de R$ 631,33 para R$ 429,15. Nas lavadoras de roupas, comprar em sites pode significar uma economia de quase 19%. No caso dos fogões, pela internet fica 18,27% mais barato. Nas geladeiras, o valor cai de R$ 3.338, 29 para R$ 3.552,90.

Segundo Antonio Coelho, CEO do JáCotei, é natural que os preços nas lojas físicas sejam mais altos, devido a custos com o espaço, como água, luz, IPTU, estoque local, que as lojas virtuais não têm. Ele lembra que apesar do crescimento das vendas no e-commerce , a maior parte dos brasileiros ainda fazem compras no comércio tradicional e alerta, nesta Black Friday , os estoque estão reduzidos:

“Nesta edição não teremos grande estoque como vimos em promoção passada. Para ter uma ideia, nem conseguimos incluir os notebooks na comparação de preço, pois muitas lojas físicas não tinham o produto disponível”.

Um ponto que o consumidor deve ficar atento é que pode haver diferença de preço entre o site e a loja física da mesma rede de varejo, e isso não representa nenhuma irregularidade, afirma Cássio Coelho, presidente do Procon-RJ:

“Os preços não precisam ser iguais, mas é fundamental que na loja física o valor do produto, à vista e parcelado, esteja claro para o consumidor para que ele possa comparar e fazer a melhor escolha”, destaca.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Com cobrança retroativa de reajustes de 2020, planos de saúde disparam; confira

Publicado


source
Planos de Saúde disparam com cobrança retroativa de reajustes de 2020
Agência Brasil

Planos de Saúde disparam com cobrança retroativa de reajustes de 2020

Mais de 20 milhões de usuários de plano de saúde  começaram o ano com uma conta mais salgada a pagar. Em alguns casos, o preço disparou, com a  mensalidade reajustada somada à cobrança retroativa dos aumentos anual e por faixa etária suspensos em 2020 por causa da pandemia.

Diante dos relatos, o Procon-SP estuda forma de recorrer judicialmente contra aumentos abusivos pelas empresas do setor, nos quais o valor final do boleto pode subir mais de 30% ou quase dobrar.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) suspendeu, no ano passado, o reajuste anual de planos individuais, coletivos por adesão e empresariais.

Não foram beneficiados os contratos coletivos com mais de 30 vidas que tinham sido reajustados até 31 de agosto ou aqueles que optaram por não ter a suspensão. A cobrança retroativa começou neste mês, dividida em 12 parcelas iguais.

Para o empresário paulista Márcio Lucas de Carvalho, de 53 anos, o valor final do plano de saúde ficou cerca de 25% maior, o que o levou a procurar um advogado para avaliar a possibilidade de ir à Justiça brigar por uma redução:

“Procurei a Qualicorp , administradora que cuida do plano da minha empresa, e eles se limitaram a me mandar uma tabela de outras opções com os preços. Nos últimos anos, já tenho feito a portabilidade de forma recorrente para reduzir o custo, mas, desta vez, se fizer a troca por um mais barato, o serviço não atenderá às minhas necessidades”.

Ele acrescenta que o aumento o deixa inseguro sobre os benefícios de seus funcionários: “Pago integralmente o plano dos meus cinco funcionários, mas não sei se, com esse aumento, eles terão como continuar arcando com o custo de seus dependentes”.

Impacto no orçamento

A Qualicorp explica que o índice de correção é determinado pela operadora e que, como administradora do benefício, negocia para obter o menor reajuste.

Com um filho de 3 meses, o advogado Raphael de Abreu Alves Castro, de 39 anos, já pensa em procurar alternativas mais baratas para seu plano empresarial da Amil.

A mensalidade, reajustada em agosto de R$ 1.159 para R$ 1.315, subiu para R$ 1.466 com a inclusão do novo membro da família em outubro.

Você viu?

Agora, com a cobrança retroativa do aumento, o valor mensal é de R$ 1.726, o que está pesando no orçamento, afirma Castro:

“Eu não esperava essa alta. Isso vai impactar no meu orçamento, mas plano de saúde é muito importante, ainda mais quando se tem um filho pequeno, que todo mês precisa ir ao pediatra fazer consultas, pode precisar de atendimento de emergência. Vou pesquisar outros planos para ver se consigo um mais em conta”.

A Amil informa que o reajuste foi realizado conforme índice de 13,98% aprovado pela ANS para empresas do mesmo porte.

A operadora reforça que não houve reajuste durante o período de suspensão de setembro a dezembro de 2020, tendo em janeiro incidido somente o índice aprovado, sem cobrança retroativa relativa a esses meses, que começará a ser cobrado em 11 parcelas, a partir de fevereiro.

Limite para o percentual

Para Fernando Capez , diretor executivo do Procon-SP, a pandemia causou um desequilíbrio nos contratos de planos de saúde que precisa ser resolvido. Para tanto, o departamento jurídico da entidade estuda qual o percentual considerado limite para os reajustes.

A partir dessa análise e das reclamações dos consumidores, o Procon-SP planeja entrar com ações civis públicas contra as empresas para barrar qualquer aumento acima desse percentual.

“Tivemos relatos de casos em que o valor final do boleto chegou a dobrar, outros subiram 37% e por aí vai. O objetivo da ação é recompor o equilíbrio do contrato, nesse momento excepcional. Os atuais reajustes causaram uma desproporção entre empresas e consumidores. Consultas, exames, cirurgias deixaram de ser feitas, com efeito positivo para o caixa das empresas”, pontua Capez.

A advogada Mônica Hesketh, especialista em direito do consumidor do escritório Guimarães, Hesketh e Lemos Advogados, diz que a primeira providência a ser tomada pelo consumidor é tentar uma negociação com a operadora:

“É possível tentar diminuir o reajuste ou conseguir um desconto para o pagamento à vista da recomposição, que a princípio é parcelada em 12 vezes. Se não conseguir uma negociação, a orientação é reclamar no Procon. É importante que muita gente reclame para que as entidades de defesa do consumidor possam agir”.

A Federação Nacional da Saúde Suplementar (FenaSaúde), que representa as maiores empresas do setor, destaca que “a recomposição dos valores que deixaram de ser cobrados dos beneficiários ao longo de 2020 foi definida pelo órgão regulador, em 12 vezes, o que permite diluir o impacto no orçamento dos contratantes, sejam empresas ou famílias”.

Continue lendo

Economia

Brasil ignora cúpula em que China oferece US$ 1 bilhão em crédito para vacina

Publicado


source

Brasil Econômico

Brasil ignora cúpula em que China oferece R$ 1 bilhão em crédito para vacina
Rovena Rosa/Agência Brasil

Brasil ignora cúpula em que China oferece R$ 1 bilhão em crédito para vacina

O governo brasileiro faltou a um encontro entre chanceleres latino-americanos e a China, em julho do ano passado, em que foi discutido uma linha de crédito de US$ 1 bilhão para países latino-americanos tivessem acesso aos imunizantes. A informação é do jornalista Jamil Chade, do portal Uol.

Naquele momento, segundo o jornalista, a ausência do Brasil causou incômodo no meio científico. No Instituto Butantan, a opção do país foi alvo de críticas. Segundo a coluna, ainda, o governo chinês recebeu a notícia como uma falta de interesse do Brasil no acesso aos imunizantes.

Você viu?

A reunião contou com os chanceleres da Argentina, Colômbia, Peru, Chile, Uruguai, Barbados, Costa Rica, Cuba, República Dominicana, Equador, Panamá e Trinidad e Tobago.

O governo do Equador confirmou que na época o encontro serviu para que Pequim acenasse com dinheiro para vacinas.

“China expressou seu desejo de contribuir de maneira direta com os países da América Latina, para os quais informou que entregará US$ 1 bilhão em créditos que irão ao acesso de vacinas e medicamentos”, explicou o Ministério de Relações Exteriores de Quito.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana