conecte-se conosco


Política MT

Avallone prioriza trabalho nas CPIs e Comissões Permanentes

Publicado


Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O deputado Carlos Avallone (PSDB) teve atuação destacada no primeiro semestre legislativo, presidindo duas Comissões Permanentes, a de Meio Ambiente e a de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária, além de atuar como vice-presidente da Comissão de Indústria, Comércio e Turismo, como membro da Comissão Especial do Zoneamento Socioeconômico Ecológico e suplente de outras três comissões, as de Constituição e Justiça, Defesa do Consumidor e Trabalho e Administração Pública.

O parlamentar também atua em duas Comissões Parlamentares de Inquérito, como Relator da CPI da Energisa e vice-presidente da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal, onde também é relator para o segmento de combustíveis. Seu relatório foi concluído em dezembro de 2019 e encaminhado em fevereiro de 2020 ao Executivo com várias recomendações.

MEIO AMBIENTE

Desde janeiro, a Comissão de Meio Ambiente promoveu diversas audiências públicas, oitivas com autoridades e outros depoentes convocados, reuniões técnicas para análise dos principais problemas que afetam o setor e visitas in loco a áreas de preservação como o pantanal mato-grossense. 

O foco principal dos trabalhos foi a proposição e cobrança de medidas de prevenção aos incêndios que devastaram o pantanal em 2020, para evitar sua repetição. Na presidência da Comissão, Avallone continua acompanhando in loco as providências adotadas pelo governo para evitar a ocorrência de novos incêndios, que já estão afetando Mato Grosso do Sul. 

No início de julho, Avallone se reuniu em Poconé com o Corpo de Bombeiros, Secretaria de Meio Ambiente, prefeitura, Câmara de Vereadores e a Associação de Defesa do Pantanal (Adepan) para tratar da prevenção aos incêndios. A comissão cobrou do Executivo a abertura de novos acessos à regiões isoladas para facilitar o trabalho dos Bombeiros e comemorou a instalação este ano de duas novas unidades dos Bombeiros em Poconé e Leverger.

Foto: JOÃO RIBEIRO / Gabinete do deputado Carlos Avallone

Fazendo a interlocução com as autoridades, Avallone conseguiu esta semana a cessão de novos equipamentos como uma Patrol e uma Pá-carregadeira para atuar na melhoria das estradas da região. “O trabalho preventivo tem sido intenso desde o início do ano, proporcionando uma redução de 84% nos focos de calor no Pantanal em relação a 2020”, informou Avallone.

As baías de Chacororé e Siá Mariana, afetadas pela pior seca dos últimos anos, também receberam ações e acompanhamentos por parte da Comissão de Meio Ambiente. A comissão propôs a criação de um programa de revitalização das baías, que já começou com o desassoreamento e desobstrução dos corixos que as alimentam. 

ENERGIA SOLAR

A Comissão de Meio Ambiente também trabalhou pela derrubada do veto do Executivo ao projeto que isenta de ICMS a energia solar. O presidente Avalone lembrou que juristas têm posições distintas a respeito da cobrança, mas a Assembleia se posicionou pela isenção não só por ser uma energia limpa, mas também para estimular o crescimento do setor e a geração de novos empregos. 

O parlamentar ressaltou que o próprio Tribunal de Justiça de MT já decidiu em mais de uma ocasião pela manutenção da isenção. “No momento atual de crise hídrica, precisamos unir esforços para que a geração de energia venha de várias fontes e seja facilitada o máximo possível”, comentou. O veto foi derrubado por 19 votos, com apenas dois votos contrários.

FISCALIZAÇÃO

Avallone preside uma das comissões mais importantes da Casa, a Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária. “Orçamento é tudo, é o documento que define onde e em que volume serão feitos os investimentos em saúde, educação, segurança, etc. E a fiscalização de sua execução é fundamental para assegurar o direito dos cidadãos a serviços públicos de qualidade”.

Foto: Marcos Lopes

Por isso, a principal decisão da Comissão este ano foi a elaboração de relatórios mensais da situação fiscal de Mato Grosso. “É uma providência já adotada por várias assembleias estaduais e parlamentos de todo o mundo. A Assembleia terá uma consultoria independente e com isso poderá analisar por si só a situação das contas e a execução dos gastos públicos”, afirma o deputado. 

No primeiro trimestre deste ano a arrecadação de ICMS cresceu 24%, acumulando um superávit de R$ 2 bilhões este ano. “A condição fiscal do Estado é positiva e a Assembleia fez parte desse processo, aprovando todas as leis que tornaram isso possível e fiscalizando a execução orçamentária”, destaca Avallone. 

O deputado foi o relator da tramitação de duas mensagens muito importantes aprovadas no semestre passado, que concedem auxílio emergencial para pessoas carentes (Programa Ser Família) e linhas de crédito para micro-empreendedores e pequenas e médias empresas. Ambas foram aprovadas na Comissão e em plenário.

INDÚSTRIA, COMÉRCIO E TURISMO

Vice-presidente da Comissão de Indústria, Comércio e Turismo, Avallone priorizou os trabalhos para garantir a retomada segura das atividades econômicas e a liberação de recursos para o setor, elaborando um planejamento para 2021/2022. A comissão se concentrou em buscar alternativas para a consolidação da industrialização do estado e no fortalecimento da agricultura familiar e do extrativismo sustentável. “Trabalhamos para dar condições de industrialização também aos pequenos produtores”, afirmou Avallone.

Entre outras ações, o deputado articulou várias reuniões com representantes do Sindicato das Empresas de Eventos e Afins (Sindieventos-MT) com objetivo de fortalecer o segmento que sofre uma grave crise desde o início da pandemia.

CPI ENERGISA

Relator da CPI da Energisa, Carlos Avallone destacou o protagonismo da Assembleia contra o reajuste nas tarifas de energia elétrica. Por iniciativa da CPI, a Mesa Diretora da AL solicitou à Agência Nacional de Energia Elétrica a suspensão do reajuste durante a pandemia. 

A ANEEL reconheceu a validade da argumentação da Assembleia e adiou o aumento, mas depois autorizou um reajuste de 7,29%, bem menor que a previsão inicial de 23%. “Mas mesmo assim o reajuste afeta os consumidores de baixa renda e a CPI continuará trabalhando na análise do contrato com a concessionária e propondo alterações para que a população não seja mais penalizada, especialmente durante a pandemia”, adiantou. 

O plenário da Assembleia também derrubou o veto do Executivo ao Projeto de Lei nº 160/2021, que suspendeu por 90 dias o corte no fornecimento de energia para inadimplentes. Outra norma criada permite o parcelamento dos débitos acumulados no período de três meses, para que os consumidores possam se programar.

CPI RENÚNCIA E SONEGAÇÃO

O tema em destaque na CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal no primeiro semestre foi a mineração. Na condição de vice-presidente, o deputado Avallone vai propor para o relatório final uma parceria entre a Agência Nacional de Mineração a Sema para a fiscalização da exploração mineral, combatendo os garimpos ilegais e a sonegação de impostos. 

Prestes a concluir os trabalhos deste segmento, os membros da CPI já chegaram ao consenso sobre a necessidade de criação de um novo imposto sobre o setor, nos moldes do Fethab. A Comissão também analisou dados da Secretaria de Fazenda sobre a arrecadação, renúncia fiscal e produção de diversos setores da economia do estado, com destaque para o agronegócio, onde a receita gerada para o estado tem aumentado todos os anos.

COVID

Na condição de presidente do Observatório Socioeconômico da ALMT que desde 2020 desenvolve ações de apoio no combate à Covid-19, o deputado Avallone continuou trabalhando pela união de esforços contra a pandemia e no fornecimento da vacina a toda a população. 

A campanha “Oxigênio Solidário”, que reuniu governo do Estado, Assembleia Legislativa e mais de 120 empresários, arrecadou o equivalente a R$ 1,134 milhão em equipamentos e produtos para atender as unidades de saúde. No semestre passado foram entregues 230 cilindros e 720 cargas de oxigênio à secretaria estadual de Saúde.

“A interlocução com o empresariado continua sendo feita pelo Observatório e no primeiro semestre conseguimos milhares de doações de cilindros de oxigênio e medicamentos imprescindíveis para os hospitais municipais”, destacou.

Fundo de Aval

A prioridade ainda é a saúde pública e por isso o Observatório continuou trabalhando não só no combate à pandemia mas também sobre seus efeitos, criando mecanismos de sobrevivência às empresas e a manutenção dos empregos. 

Um dos avanços obtidos no final do primeiro semestre foi a aprovação do projeto que institui o Fundo de Aval Garantidor de Mato Grosso, o MT Garante. “O Fundo vai gerar um crédito significativo para a agricultura familiar e as micro, pequenas e médias empresas, com juros mais baratos, assegurando a manutenção e criação de novos empregos, fundamentais neste momento difícil que afeta a todos”, explicou.

Avallone lembrou que hoje boa parte da arrecadação de impostos vem das micro, pequenas e médias empresas, que também são as que mais geram postos de trabalho. “O governo já fortaleceu a Desenvolve e abriu novas linhas de crédito para as pequenas empresas, mas ainda é preciso mais e estamos trabalhando nestas soluções”, disse.

Capacitação

Uma parceria com o Tribunal de Justiça de Mato Grosso, através do desembargador Orlando Perri, vai possibilitar a instalação de 150 máquinas de costura industriais para capacitação de reeducandos e suas famílias. A intenção é capacitar mais de 2 mil reeducandos em um ano, com o apoio da Associação dos Produtores de Algodão (Ampa), Fiemt e Senai. 

Previdência 

Avallone também participou dos trabalhos da Comissão Especial que estuda as novas regras sobre a contribuição previdenciária para aposentados e pensionistas. A prioridade da comissão é aprovar, logo no retorno dos trabalhos em agosto, a nova legislação de forma a preservar os interesses dos aposentados e pensionistas, que já contribuíram muito com o Estado.

Fonte: ALMT

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Jaime vê polarização em 2022, nega 3ª via e diz que DEM pode caminhar com Bolsonaro

Publicado

O senador Jaime Campos (DEM), vice-presidente nacional do partido,  sobre as eleições de 2022 no cenário nacional, disse que não vê dificuldade de o partido marchar com o presidente Jair Bolsonaro, sem partido. “Eu não vejo nenhuma dificuldade do DEM caminhar com o Bolsonaro. Acho que é o melhor caminho, o ideal”, disse o senador.

Conforme Jaime Campos, a água com óleo não se misturam. “O democratas foi sempre contra o PT e como é que vai? Até porque no Brasil falam em terceira ou quarta via, mas na verdade está polarizado. Queira ou não queira, é Bolsonaro e Lula. Mas só no ano que vem vamos ter uma certeza e eu recomendaria que o DEM vá com Bolsonaro”, argumentou quando questionado.

Sobre a sucessão estadual, Jaime Campos disse que “não vejo porque Bolsonaro não apoiar Mauro e Mauro não apoiar Bolsonaro. Eu sei que o presidente tem muita simpatia pelo Medeiros. Todavia, o que se pode fazer é o Mauro, que é candidato a governador, fazer uma articulação. Se lhe interessar. Mas acima de tudo, o Bolsonaro tem que se preocupar com eleição dele para presidente. Muitas vezes, não pode abrir mão de um apoio, em hipótese alguma, de um governador em detrimento de uma candidatura que ainda vai ser lançada, de um candidato a governador”.

O senador mato-grossense entende que no Brasil “não tem mais ambiente para golpe e nem nada. Talvez o presidente precise fazer uma melhor colocação. Vivemos em um estado democrático de direito em que a liberdade de expressão está garantida e foi uma luta de muitos anos, mas conquistamos. Eu não acredito em retrocesso dentro do processo democrático”, completou.

Continue lendo

Política MT

Jaime defende voto auditável e fim do fundo eleitoral: “tem que fazer campanha com seu dinheiro e sola do sapato”

Publicado

Senador sugeriu ao presidente Bolsonaro para vete fundo eleitoral

O senador Jaime Campos (DEM), em entrevista na rádio Vila Real nesta quinta-feira (29), disse que é favorável ao voto auditável nas próximas eleições e posicionou-se contrário ao fundo eleitoral da forma como foi aprovado. Jaime disse que sugeriu ao presidente para vetar a matéria.

“Voto auditável é um assunto que surgiu e merece uma ampla discussão, através da Câmara e do Senado. Feito isso aí, tudo que for transparente, ético e republicano, eu sou favorável. Não tenho dificuldade nenhuma de afiançar que sou favorável, isso é ter um recibo, é transparência. Mas há um debate, o próprio Tribunal Superior Eleitoral está defendendo a tese de que isso é desconsiderar todas as eleições que foram feitas e causa uma desconfiança infinita em relação ao cidadão que votou”, esclareceu, acrescentando que “da minha parte, não sou eu quem decide, mas sou favorável ao voto auditável. Eu não posso falar sobre a urna eletrônica, defendo a tese de que tudo que for para deixar mais transparente tem o apoio do senador Jaime Campos”, destacou.

“Defendi em audiência com o presidente para ele vetar o fundo eleitoral. Hoje é R$ 2.7 bilhões, com a LDO foi para R$ 5.7 bilhões. Temos que acabar com o fundo eleitoral, temos que acabar com essa abundância de partidos políticos, temos 37 partidos, e muitos são partidos familiares para fazer balcão de negócio”, disse.

Segundo o senador democrata, “é inadmissível que o cidadão brasileiro trabalha 138 dias por ano só para pagar imposto e depois para financiar caixa de campanhas políticas. Não! O cidadão tem que fazer campanha com seu dinheiro ou com a sua proposta, com a saliva, com a sola do sapato. Eu sou contra. Pode pegar minha declaração eleitoral da campanha de senador que eu fiz, não recebi um centavo de real de fundo partidário. Sou contra porque esse dinheiro é fruto do suor do brasileiro. Disse ao presidente que ele tem que vetar urgentemente porque nós temos que acabar com esse escândalo no Brasil. Tudo leva a crer que o fundo deverá ficar na casa de R$ 3 a 4 bilhões”.

 

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana