conecte-se conosco


Geral

Aumento de IPTU desagrada parte da sociedade e mercado imobiliário em Rondonópolis

Publicado

Uma comissão já foi formada para discutir possíveis alterações na proposta do executivo para que o projeto siga para aprovação na Câmara

Uma equipe de corretores de imóveis participou de reunião na Câmara Municipal de Rondonópolis na terça-feira (21) para discutir o aumento do IPTU encaminhado pelo prefeito para aprovação dos vereadores, por considerar que o aumento do IPTU está sendo feito de maneira injusta e parcial, transformando em “facções” de privilegiados e não privilegiados. Ou seja, de maneira desproporcional entre os moradores, afetando significantemente os que moram em locais mais valorizados de Rondonópolis.

Por conta desse descontentamento, o presidente da Câmara, vereador Roni Magnani, solicitou que uma comissão fosse formada com representantes do Creci, vereadora Kalynka Meirelles e demais vereadores presentes para discutir o fato. Ficou acertado que algumas alterações serão avaliadas para depois o projeto seguir para aprovação.

Segundo o presidente do Creci-MT, Claudecir Contreira, que na reunião foi representado pelo conselheiro federal Narciso Vites, “o prefeito de Rondonópolis e a Câmara Municipal (vereadores) estão de forma injusta e parcial transformando a correção do IPTU em “facções ” de privilegiados e não privilegiados. Não pode os entes públicos isentar o munícipe que possui uma propriedade mais humilde e taxar apenas os que em tese possuem mais”.

Contreira cita como exemplo os imóveis tidos como valorizados que tem a mão do empreendedor imobiliário e do proprietário/investidor, que contribui muito mais com a arrecadação pública e usa muito pouco dos recursos públicos no dia a dia. Considera que os imóveis que estão em condomínio, o próprio condomínio é quem arca com manutenções de iluminação pública e asfalto e também facilita a coleta de lixo, deixando tudo organizado em um único espaço para coleta.

“Não podem os moradores e corretores de imóveis, imobiliárias, construtoras e o setor produtivo aceitar goela abaixo essa segregação. A câmara municipal e Prefeitura não podem querer transformar um município capitalista ao modo comunista de gerir e mandar de forma desmedida sobre a propriedade privada castigando o capital e lembrando apenas de uma classe específica da população. Todos sem exceção, humildes e abastados contribuem e se completam na difícil tarefa de geração de emprego, renda, riqueza e força de trabalho”, pontuou Claudecir Contreira..

No término da reunião ficou acertado que os vereadores da cidade vão avaliar algumas alterações apresentadas pela comissão  e consideradas necessárias para aprovação do projeto. O advogado da Acir  Leonardo Rezende auxiliou no posicionamento dos participantes.

O empresário Neles Faria, do setor de materiais de construção também esteve presente representando a CDL. Além dos corretores Benisme Almeida, Emidio Luciano, Jean Michel, Narciso Vites, Rafaely Piva, Salmen Abou Dehn, Toni Bernardo, Victor Cabrera, Wagner Bolonhesi, Vereadora e corretora Kalynka Meirelles, Centro Oeste, Adriano Peterson representante do Sindimóveis.

Destes conselheiros, Emidio Luciano, Jean Michel, Narciso Vites, Wagner Bolonhesi integram a comissão juntamente com a vereadora Kalynka Meirelles o representante do Sindimóveis, Adriano Peterson.

 

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Geral

Festa de São Pedro terá procissão e concurso de maior comedor de peixe nesta quarta-feira em VG

Publicado

Tradicional festa acontece a partir das 8hs no distrito de Bonsucesso [Foto –Secom-VG]

Depois de três anos de espera devido à pandemia de covid-19, a tradicional Festa de São Pedro, no Distrito de Bonsucesso, será retomada nesta quarta-feira (29), em sua 41ª edição. A festa de santo começará às 8 horas com a procissão partindo da residência do Rei da Festa, seguida de café da manhã, missa na Igreja Divino Espírito Santo. No salão paroquial, ocorrerá o café da manhã e o almoço gratuito com mais de duas toneladas de peixe, apresentações culturais e feira de artesanato regional, como as redes de Limpo Grande. A expectativa é de que, em média, 10 mil pessoas prestigiem as comemorações em honra ao santo padroeiro dos pescadores.

As duas toneladas de peixes foram obtidas graças à parceria da comissão organizadora junto à Prefeitura de Várzea Grande, empresários, pescadores, entre outros. No local da peixada, haverá premiação de R$ 500 para a pessoa que comer a maior quantidade de peixe. Haverá ainda concurso de lambadão, com prêmio de R$ 300. A festa será animada com as apresentações do Corpo Musical da Polícia Militar, Sandrinho dos Teclados e bandas Signus, BigSom, Novo Som e ScortSom. A entrada é franca e, no dia do evento, haverá linhas especiais de ônibus partindo do Terminal de Integração André Maggi.

Programação

8h – Procissão saindo da residência do Rei da Festa, na Rua Joaquim leite de Magalhães, s/n, Bonsucesso

9h – Café da manhã no salão paroquial

10h – Missa na Igreja Divino Espírito Santo

12h às 14h – Almoço e apresentações culturais no salão paroquial

 

Continue lendo

Geral

Cuiabá é a 2ª capital com menor índice de mortes violentas, afirma Anuário de Segurança

Publicado

Estado destinou mais de R$ 274 milhões em obras e ações para reforçar a segurança na capital mato-grossense [Foto – Christiano Antonucci]

Cuiabá é a segunda capital do Brasil com o menor índice de mortes violentas, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta terça-feira (28) pelo portal G1. Nos últimos três anos, o Governo de Mato Grosso fez investimentos de R$ 274 milhões em segurança pública no município.

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública define como morte violenta aquelas que resultaram de homicídios, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes cometidas pela polícia. Cuiabá possui uma taxa de 10,6 mortes a cada 100 mil habitantes, ficando atrás apenas de São Paulo, que tem um índice de 7,7.

A posição da capital no ranking é reflexo de R$ 274 milhões em investimentos realizados no setor da segurança pública em Cuiabá nos últimos três anos. Desse montante, R$ 92 milhões são em obras e ações concluídas ou em andamento. Entre esses R$ 92 milhões, R$ 88 milhões é referente apenas a obras e ações concluídas.

O secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, afirma que nunca houve tantos investimentos na história da segurança pública de Mato Grosso. O Estado investiu mais de R$ 621 milhões em recursos ao longo da atual gestão.

“Tudo é planejado e executado seguindo as determinações do governador Mauro Mendes com um único objetivo: dar segurança a toda população mato-grossense”, afirmou o responsável pela pasta.

Outro investimento que se destaca é a construção dos raios 3 e 4 da Penitenciária Central do Estado (PCE), além do raio de segurança máxima que será entregue pelo governador Mauro Mendes nesta quarta-feira (29). As novas instalações dispõem de 54 celas, sendo 46 individuais e 8 duplas, totalizando 62 vagas, além de celas especiais para receber presos com curso superior.

Confira a reportagem do G1 na íntegra:

Macapá tem maior taxa de mortes violentas, e São Paulo, a menor; veja ranking das capitais, segundo Anuário

Capitais das regiões Norte e Nordeste lideram o ranking baseado na taxa de mortes. 21 das 27 cidades tiveram queda no número de casos entre 2020 e 2021. Levantamento do Anuário considera homicídios, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes cometidas pela polícia.

Por Clara Velasco, g1

Das 27 capitais do país, 21 tiveram queda no número de mortes violentas entre 2021 e 2020. É o que mostram dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgados nesta terça-feira (28).

De forma geral, o país teve uma queda de 6% no número de mortes violentas, que incluem homicídios, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes cometidas pela polícia.

Entre as capitais, apenas seis tiveram alta: Manaus (48,9%), Macapá (31,2%), Boa Vista (9,9%), Porto Velho (8,6%), Teresina (9,5%) e Salvador (3,4%). Chama a atenção que, das seis, quatro estão no Norte, única região do país que teve aumento na violência no ano passado (9%).

Como o Monitor da Violência já havia antecipado em fevereiro, alguns fatores estão por trás dos altos índices da região Norte:

Associação do narcotráfico com crimes ambientais, como grilagem, garimpo ilegal e desmatamento
Falta de integração das autoridades estaduais e federais no combate aos crimes na Amazônia Legal
Disputa de territórios entre facções criminosas

A intensificação dos conflitos entre grupos criminosos tem causado o aumento dos casos de violência na região amazônica, como o recente assassinato do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips.

Mesmo com a diminuição generalizada, a maioria das capitais registrou taxas de mortes violentas mais elevadas que a média nacional, considerando todos os municípios: de 22,3 mortes a cada 100 mil habitantes.

A menor taxa entre as capitais foi registrada por São Paulo: 7,7 mortes por 100 mil habitantes. É a única entre as 27 a ter menos de 10 mortes violentas por 100 mil habitantes.

Na outra ponta está Macapá, com uma taxa oito vezes maior: 63,2 mortes por 100 mil habitantes.

Veja abaixo o ranking das capitais do país pela taxa (mortes por 100 mil habitantes):

  1. Macapá – 63,2
  2. Salvador – 55,6
  3. Manaus – 52,5
  4. Teresina – 37,0
  5. Boa Vista – 34,8
  6. Fortaleza – 34,3
  7. Recife – 33,1
  8. Porto Velho – 32,4
  9. Maceió – 29,8
  10. Aracaju – 29,4
  11. João Pessoa – 28,1
  12. Natal – 24,0
  13. Rio Branco – 23,1
  14. São Luís – 22,8
  15. Palmas – 22,3
  16. Belém – 22,3
  17. Vitória – 21,1
  18. Porto Alegre – 20,0
  19. Rio de Janeiro – 19,2
  20. Curitiba – 16,7
  21. Goiânia – 16,6
  22. Campo Grande – 15,3
  23. Distrito Federal – 11,2
  24. Florianópolis – 10,8
  25. Belo Horizonte – 10,8
  26. Cuiabá – 10,6
  27. São Paulo – 7,7
Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana