conecte-se conosco


Política Nacional

Audiência debate Sínodo da Amazônia e relevância da Zona Franca de Manaus

Publicado

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados realiza hoje audiência pública sobre o Sínodo da Amazônia e a relevância da Zona Franca de Manaus.

O Sínodo da Amazônia é um encontro entre bispos dos países da região Amazônica com o papa Francisco que ocorrerá entre 6 e 27 de outubro deste ano, no Vaticano.

“O Sínodo abordará o atual contexto da Amazônia, a condição de seus povos e a perspectiva de um desenvolvimento econômico que preserve a nossa biodiversidade. Portanto, acredito que o Parlamento pode se aproximar dessa iniciativa que trará visibilidade global aos desafios que enfrentamos”, explica o presidente da comissão, deputado Bosco Saraiva (Solidariedade-AM), que solicitou a audiência.

Na mesma reunião, a comissão vai debater os impactos da Zona Franca de Manaus no desenvolvimento sustentável da Amazônia. “Em um cenário em que a preservação da Amazônia preocupa a comunidade internacional, a Zona Franca precisa ser reconhecida como a principal estratégia para a geração de empregos e renda associada à manutenção da floresta em pé. E, nesse contexto, garantir o bem-estar das populações locais”, disse Bosco Saraiva.

Leia Também:  Senadores debatem ambiente de negócios durante sabatina de ministro do TST

Convidados Foram convidados para a audiência:
– o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, Josué Cláudio de Souza Neto;
– o presidente da Câmara Municipal de Manaus, Joelson Sales Silva;
– o presidente da Rede Eclesial Pan-Amazônica, cardeal Cláudio Hummes;
– o arcebispo da Arquidiocese de Manaus, dom Sérgio Eduardo Castriani;
– o reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Sylvio Mário Puga Ferreira;
– o professor do Departamento de Economia da Ufam Alexandre Almir Ferreira Rivas;
– o reitor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Cleinaldo de Almeida da Costa;
– o professor da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), Márcio Holland.

A audiência está marcada para as 11 horas, no plenário 5.

Assista ao vivo

Fonte: Agência Câmara Notícias
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Por ordem de Bolsonaro, PSL abandona base do governo Witzel

Publicado

source
Wilson Witzel e Jair Bolsonaro arrow-options
Marcos Corrêa/PR

Wilson Witzel, governador do Rio, em encontro com o presidente Jair Bolsonaro

Por ordem de Jair Bolsonaro , o PSL, partido com mais deputados na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), decidiu deixar a base do governador Wilson Witzel (PSC). A decisão foi
comunicada oficialmente nesta segunda-feira (16), por meio de nota. A ruptura ocorreu após Bolsonaro condenar entrevistas de Witzel à revista Época e à GloboNews nas quais o
governador fez críticas à gestão do presidente e manifestou intenção de se lançar candidato à Presidência. Por meio do Twitter, o presidente negou a informação: “Não determinei
nada. Fakenews!”

Leia também: Já em Brasília, Bolsonaro diz que reassume Presidência na terça

Todos os 12 deputados estaduais do PSL terão que entregar os cargos que mantêm no governo, inclusive a deputada federal Major Fabiana, nomeada no mês passado por Witzel para a Secretaria de Vitimização, pasta que dá assistência a policiais e vítimas de bala perdida. Vice-líder do governo Witzel na Alerj, Alexandre Knoploch (PSL) também deixará a
função.

Leia Também:  Agenda da semana

Leia também: Frota pede desculpas a Ciro Gomes e diz que ele “tinha razão sobre Bolsonaro”

Deputados do partido aguardam orientação de Flávio Bolsonaro , presidente do PSL-RJ, para saber qual será o nível de oposição ao governo Witzel – o senador está em viagem à
China. Uma preocupação é a mudança brusca de discurso, já que dez parlamentares do PSL são próximos de Witzel. Indagado sobre a possibilidade de reaproximação, Dr. Serginho,
líder do PSL na Alerj, respondeu:

“Nenhum dos deputados presentes na reunião manifestou qualquer discordância quanto a sair da base do governo Witzel. Todos aceitaram a orientação que foi enviada”, disse.

Leia também: Indicado à PGR por Bolsonaro, Aras promete portas abertas à oposição

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada por Dr. Serginho. Apesar de a ordem ter partido de Jair Bolsonaro, a decisão é atribuída ao filho Flávio.

“A bancada do PSL na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), por orientação do senador Flávio Bolsonaro, presidente estadual do PSL-RJ, não está na base do
governo na Alerj a partir desta segunda-feira (16/09), por discordar de posicionamentos políticos do governador. Os 12 deputados do partido reiteram o compromisso com o Estado
do Rio de Janeiro.”

Leia Também:  Especialistas criticam caráter punitivo de pacote anticrime

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Já em Brasília, Bolsonaro diz que reassume Presidência na terça

Publicado

source
Bolsonaro arrow-options
Alan Santos/PR – 7.9.19

Já em Brasília, Bolsonaro diz que reassume Presidência nesta terça

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) retornou nesta segunda-feira (16) a Brasília, após passar nove dias em São Paulo para realizar uma cirurgia, e afirmou que reassumirá a Presidência na terça-feira. A Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto havia informado que Bolsonaro reassumiria somente na quarta-feira, e que o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) continuaria como interino até lá.

Leia também: Frota pede desculpas a Ciro Gomes e diz que ele “tinha razão sobre Bolsonaro”

Ao chegar no Palácio da Alvorada, Bolsonaro desceu do carro com a ajuda de um segurança e disse que só estará “100%” depois da sua viagem aos Estados Unidos, na próxima semana, para participar da Assembleia-Geral da ONU. Ele afirmou ainda que irá sancionar na terça um projeto que estende a posse de arma para toda a propriedade rural.

“Tudo bem, graças a Deus. Tudo bem. Volto à atividade 100% depois dos Estados Unidos. Vou para a ONU”, disse Bolsonaro. “Amanhã eu reassumo. Amanhã eu reassumo a Presidência e sanciono a lei do porte estendido para o pessoal do campo”, acrescentou.

Leia Também:  Especialistas criticam caráter punitivo de pacote anticrime

Leia também: Indicado à PGR por Bolsonaro, Aras promete portas abertas à oposição

Apesar de Bolsonaro ter utilizado a palavra “porte”, que se refere ao direito de andar com uma arma, o projeto em questão trata da posse, o direito de ter uma arma em casa. A proposta amplia o conceito de residência na área rural , permitindo, por exemplo, a um fazendeiro ou produtor rural andar com uma arma em toda a sua fazenda, e não apenas na sua casa.

Leia também: “Prega um imbecil coletivo bolsonarista”, diz Janaina sobre Olavo de Carvalho

O prazo para sanção termina nesta terça. Bolsonaro não adiantou se irá sancionar integralmente a proposta, por ainda não ter lido, mas disse que não irá tolher “ninguém de bem” a ter uma arma.

“Não vi o projeto. Vou ver amanhã. Não vou tolher mais ninguém de bem a ter seu posse ou porte de arma de fogo”, afirmou Bolsonaro .

Fonte: IG Política
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana