conecte-se conosco


Economia

Ativos atrelados à inflação rendem mais que pré e pós-fixados no ano

Publicado

source
Vai investir em renda fixa? Ativos indexados à inflação rendem mais que pré e pós-fixados no ano
Ivonete Dainese

Vai investir em renda fixa? Ativos indexados à inflação rendem mais que pré e pós-fixados no ano

Os investimentos em renda fixa passaram a ficar mais atraentes após o início do ciclo de altas da Selic. Neste ano, a rentabilidade daqueles indexados à inflação é maior se considerarmos o comportamento dos índices de renda fixa que servem como balizador de retornos para esse mercado.

É o que mostra relatório da XP Investimentos repassado previamente ao GLOBO. Mas dentro desse universo, os investidores precisam estar atentos a fatores como horizonte, tributação e riscos de investimentos para aproveitarem as melhores oportunidades.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

A atenção deve ser redobrada, pois a renda fixa não é tão fixa assim. As taxas e preços dos títulos variam diariamente até a data de vencimento pelos mais diversos motivos, que vão desde a divulgação de dados econômicos até as incertezas políticas.

Dessa forma, aqueles que estejam interessados em resgatar o ativo investido antes do prazo final precisam estar atentos a esses ganhos ou perdas, pois é possível que a curva de juros do mercado em um determinado momento seja diferente da taxa de cupom da época da aquisição do ativo.

“A renda fixa só e é fixa se carregarmos o título até o vencimento. Quando compramos um título muito longo, estamos sujeitos a riscos de mercados. Estamos em um cenário de aumento de juros e podemos ter novos aumentos de taxas, o que pode nos levar perder o dinheiro na marcação ao mercado”, destaca o assessor de investimentos da Ável, Fabrício Dihl.

Atenção aos prazos

Atualmente, a curva de juros de curto prazo está invertida, pois os vencimentos mais curtos estão remunerando mais do que os mais longos. Esse movimento ocorre pelo aperto monetário forte, mas transitório que vem sendo feito pelo Banco Central (BC). 

Essa situação pode confundir os investidores, que podem optar por escolher títulos de prazos mais curtos sem levar em conta outras variáveis.

Segundo relatório da XP, a performance das três formas de remuneração da renda fixa (pós-fixados, prefixados e indexados à inflação) tendem a ser melhores do que nos últimos dois anos. 

Quando observado os índices de renda fixa, percebe-se que os títulos prefixados apresentam maior volatilidade e, justamente por terem mais risco devido ao risco de oscilação nos preços antes do prazo de vencimento, maior retorno.

Os índices IRF-M e IMA-B levam em consideração uma carteira de títulos em renda fixa e como o preço deles está caminhando ao longo do período.

Como destaca o especialista da XP e um dos autores do relatório, Pietro Consolaro, os ativos pós-fixados, que acompanham os movimentos de elevação das taxas de juros, são mais indicados para aqueles investidores mais conservadores.

Nesses produtos, há maior estabilidade nos preços em resgates antes dos vencimentos e, portanto, pouco efeito da marcação a mercado.

“Quando você tem mais propensão ao risco, acho que você pode fazer aplicações em fundos de créditos atrelados ao IPCA, comprar debêntures incentivadas mais longas. Para aqueles com menor propensão ao risco, o indicado são ativos atrelados ao CDI”, afirma o sócio-diretor de renda fixa da Empírica, Renato Lazaro Ramos. 

Os analistas da XP também destacam que a alíquota de imposto de renda é maior quanto mais curto o prazo do investimento e isso pode reduzir a rentabilidade esperada. Com isso, é importante evitar a concentração apenas em títulos curtos, diversificando a carteira em termos de prazos.

Para os ativos pós, o movimento é favorável nos próximos meses. Mas não é esperado que eles continuem a remunerar de forma tão elevada quando as pressões inflacionárias se dissiparem e, com isso, os juros passarem a cair.

Equilibrar de acordo com o perfil

Por isso, segundo os analistas da XP, deve-se evitar um excesso de alocação em pós-fixados, principalmente naqueles com liquidez diária e que tenham prêmios de riscos menores.

“Aquele investidor que é mais conservador vai ter uma proporção de pós-fixados que domina a carteira. Já aqueles que são moderados ou mais agressivos devem ter uma parcela de pós-fixados, mas vão começar a buscar títulos que podem entregar mais, como os prefixados e indexados à inflação”, disse Consolaro.

Cuidados ao prefixar

No caso dos prefixados, a atenção aos prazos deve ser redobrada. Os juros desses títulos estão altos devido à expectativa de que a Selic aumente. Mas sempre há o risco de o investidor se fixar em uma taxa, a Selic ser elevada ainda mais do que o previsto e a pessoa ficar presa em um juro que paga relativamente pouco. 

“Como ainda estamos no ciclo de alta, qualquer surpresa para cima prejudica os prefixados. Um investidor que compra um prazo fixado hoje, se o mercado é surpreendido com um ciclo mais alto, ele pode resgatar esse título até com prejuízo”, destaca o analista da XP.

Para Dihl, da Ável, caso o investidor deseje aportar em ativos prefixados no momento, o mais recomendado é a escolha por prazos de um ou dois anos no máximo, devido ao momento de incertezas no mercado.

Nessas ocasiões, é importante alinha objetivos financeiros aos prazos de vencimentos dos títulos prefixados. Se o investidor quiser evitar o risco de deságio, deve manter o título até o vencimento.

No caso dos prefixados e indexados à inflação, é possível ter performance negativa em caso de elevações não esperadas das taxas negociadas como ocorreu em 2021, segundo o relatório.

“Tiveram revisões altistas do mercado sobre juros e inflação e toda essa reprecificação acima das taxas faz com que os preços caíam”, destaca Consolaro.

Os títulos indexados à inflação, que pagam uma taxa de juros mais a inflação acumulada no período, garantem proteção contra surpresas inflacionárias. Eles oferecem retornos acima do ritmo de elevação dos preços, quando levados até o vencimento.

Diversificação

Como ressalta Consolaro, a diversificação entre as três classes de ativos protege os investidores nas diferentes partes do ciclo de aperto monetário.

“Quando você está no pós-fixado, se os juros subir mais do que esperávamos, ele está capturando essa alta. No prefixado, se os juros não subir tanto quanto a gente imaginava ou se cair mais rápido do que o esperado, ele vai se beneficiar. E se a inflação surpreender para cima, o indexado à inflação protege o investidor, caso ele leve o papel até o fim.” 

E ainda outras classes de ativos fora dos títulos públicos que se apresentam como boas opções para o atual momento.

Entre elas, estão os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) e as debêntures incentivadas. Vale lembrar que os CRIs e CRAs são isentos de imposto de renda.

A dica nesses casos é prestar atenção na qualidade e histórico do emissor dos papéis.

“Podemos tranquilamente ir para títulos bancários. E há aqueles isentos de impostos, como as LCIs (Letra de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letra de Crédito do Agronegócio), CRIs e CRAs e debêntures incentivadas”, destaca Dihl.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Estado credencia instituições financeiras ao fundo de aval MT Garante; investimento é de R$ 100 milhões

Publicado

O ato de credenciamento será realizado na Sala Garcia Neto, no Palácio Paiaguás, às 15 horas, nesta segunda-feira

O Governo de Mato Grosso credencia, nesta segunda-feira (27), as cinco instituições financeiras interessadas em operacionalizar linhas de crédito, por meio do Fundo de Aval Garantidor de Mato Grosso, o MT Garante. O investimento do governo no fundo é de R$ 100 milhões, beneficiando diretamente microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas, pequenos e médios produtores rurais, cooperativas e economia solidária.

O ato de credenciamento será realizado na Sala Garcia Neto, no Palácio Paiaguás, às 15 horas, com o governador Mauro Mendes, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, e presidente da Desenvolve MT, Jair Marques, e as instituições financeiras Sicred, Sicoob, AL5, Unicred e Desenvolve MT.

MT Garante

O fundo de aval é vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec) garantindo crédito às operações de financiamento contratadas por meio da Desenvolve MT, cooperativas e demais instituições financeiras públicas e privadas. A expectativa é de que o afiançamento pelo governo possibilite R$ 1 bilhão em linhas de crédito, que vão beneficiar Microempresas Individuais (MEIs); Microempresas (ME); Empresas de Pequeno Porte (EPP); Pequenos e Médios Produtores.

Com a formalização do investimento, o Governo viabiliza e reduz uma das maiores dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, microempreendedores e produtores rurais, que buscam suporte financeiro para manter o próprio negócio, como exigências de garantias, taxas de juros elevadas e prazos curtos de pagamento, dentre outros empecilhos burocráticos.

 

Continue lendo

Economia

Aneel realizá leilão que prevê até R$ 15,3 bilhões em investimentos

Publicado

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai leiloar na próxima quinta-feira (30) 13 lotes de linhas de transmissão de energia. As empresas que obtiverem a concessão ficarão responsáveis por construir, operar e manter as linhas, que somam um total de 5.425 quilômetros e uma capacidade de 6.180 mega-volt-ampères (MVA).

O leilão vai ocorrer às 10h, na sede da B3, em São Paulo. Os contratos de concessão estão previstos para ser assinados em 30 de setembro, e as empresas vencedoras terão prazos de 42 a 60 meses para iniciar a operação comercial das linhas de transmissão. A Aneel prevê que os contratos de concessão gerem R$ 15,3 bilhões em investimentos, gerando de 31.697 empregos diretos.

Os lotes dos empreendimentos estão localizados em 13 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

O lote de maior extensão e que deve gerar mais empregos é o de número 2, que corta os estados de Minas Gerais e São Paulo em um percurso de 1,7 mil quilômetros. O lote tem finalidade de expandir a capacidade de transmissão da região Norte de Minas Gerais e, se concretizado, deve empregar 9,8 mil pessoas.

A disputa dos lances se dará pelo valor de Receita Anual Permitida (RAP). Quando houver mais de uma proposta pelo mesmo lote, vencerá a que propuser o menor valor anual de receita.

Os proponentes deverão depositar para a Aneel uma garantia de proposta no valor de 1% do investimento estimado, com prazo de validade igual ou superior a 120 dias após o leilão e renovável por mais 60 dias.

Para a assinatura do contrato de concessão, o proponente vencedor deverá substituir a garantia anterior por uma correspondente a 5%, 7,5% ou 10% do valor do investimento previsto, a depender do deságio oferecido no leilão.

Edição: Nádia Franco

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana