conecte-se conosco


Nacional

Atingido por bala perdida, estudante morre a caminho da escola no Rio

Publicado

Agência Brasil

Um estudante de 18 anos morreu vítima de uma bala perdida na manhã desta sexta-feira (9), na Tijuca. Gabriel Ferreira Alves aguardava o transporte para o Colégio Estadual Herbert de Souza em um ponto de ônibus na Rua Conde de Bonfim quando foi atingido. Uma troca de tiros próxima dali, no Morro do Borel , foi registrada por volta das 7h20 pelo aplicativo Onde Tem Tiroteio, que mapeia ocorrências na capital fluminense.

Leia também: Atropelada na Rua Augusta aos 65 anos, diarista Audenilce não queria descansar

De acordo com nota divulgada pela Polícia Civil, o estudante foi socorrido e levado para um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos causados pela bala perdida . “Testemunhas estão sendo ouvidas. Equipes da [Delegacia] Especializada realizam diligências para apurar circunstâncias da morte”, acrescenta o texto.

Neste momento, moradores da Tijuca e parentes do estudante protestam nas ruas do bairro. A deputada estadual Mônica Francisco (PSOL), ex-moradora do Morro do Borel, acompanha a manifestação. Ela também se pronunciou nas redes sociais. “Mais um jovem morto no Borel. Impedido de ir à escola. Foi atingido enquanto esperava o ônibus. Quantos mais?”, escreveu a parlamentar. Segundo Mônica, ações policiais nas comunidades devem evitar o horário em que as pessoas saem para trabalhar e para estudar.

Mais cedo, por volta das 10h10, o aplicativo Onde Tem Tiroteio já havia registrado outra manifestação na Tijuca próximo ao local onde Gabriel foi atingido. “Relatos de quebra-quebra, corrreria, bombas. Situação tensa e complicada na ruas Conde de Bonfim e São Miguel”, informava a postagem.

Leia também: Conhecido como ‘PT’, suspeito de ser um dos chefes do Comando Vermelho é preso

Policial morto

Na noite de ontem (8), o sargento Glaucio Misael da Costa, de 39 anos, tornou-se o 32º policial militar morto neste ano em ações violentas. Ele foi baleado no município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

A Secretaria de Estado de Polícia Militar divulgou nota lamentando a morte do policial. De acordo com a secretaria, ele integrava uma equipe que patrulhava o bairro Parque Duque, em Duque de Caxias, quando acessaram a Rodovia Washington Luiz, quando o grupo deparou com um carro em alta velocidade. Ao iniciar o cerco e preparar a abordagem, os ocupantes do veículo atiraram nos policiais e fugiram.

Leia também: PF prende pelo menos 34 pessoas em operação contra ‘tesouraria’ de PCC

Glaucio tinha 39 anos e era policial militar desde 2002. Ele deixou esposa e dois filhos. Dois policiais ficaram feridos no episódio, mas estão em estado estável e em observação no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Quase 80% das prisões de inocentes do país foram feitas no Rio

Publicado


source
Alberto Santa Anna Júnior comemora com a família a saída da prisão
Reprodução

Alberto Santa Anna Júnior comemora com a família a saída da prisão

O caso do encarregado Alberto Meyrelles Santa Anna Júnior, de 39 anos, solto nesta segunda-feira após 20 dias preso acusado de ter participado de um assalto em 2019, após ter sido reconhecido em uma foto 3×4 , exemplifica o que os números comprovam. Relatórios da Defensoria Pública do Rio e do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condege) apontam a existência de falhas no reconhecimento fotográfico em delegacias do país. De 2012 a 2020, foram realizadas ao menos 90 prisões injustas baseadas no método. Dessas, 73 no Rio. Quase 80% dos casos.

“O reconhecimento, seja ele pessoal ou fotográfico, não pode ser a única prova. É preciso de mais comprovações. Quando ele acontece, as autoridades que buscam a punição criminal de alguém já se satisfazem e não dão continuidade às investigações. É o que percebo”, afirma o defensor público Maurício Saporito, da Bahia, que coordenou a Comissão Criminal Permanente do Condege na época de realização da pesquisa.

Durante o levantamento de casos, que durou cerca de um mês, Saporito lembra as várias incongruências em reconhecimentos e cita alguns deles.

“Encontramos casos onde o acusado estava preso na época do crime. Em outro, o suspeito era monitorado com tornozeleira eletrônica que mostrava uma localização completamente diferente. Houve ainda um episódio onde o suspeito estava no exterior e foi reconhecido como criminoso. Sabe-se que esses casos se limitam a um recorte racial e socioeconômico. São provas que demonstram a falibilidade do sistema”, detalha ele.

Do total de casos, 79 contam com informações conclusivas sobre a cor de pele dos acusados, sendo 81% deles pessoas negras. Para o defensor, os estudos revelam não só um racismo estrutural como também a necessidade de um olhar mais cuidadoso para os processos dentro desse contexto.

“Sabemos onde a polícia busca quem perseguir. Ainda mais em crimes de rua, que mais afetam o senso de segurança pública. É na população mais carente. É como se fosse uma retroalimentação. Quem vai ser reconhecido é aquele que passou pelo sistema jurídico penal, seja uma simples abordagem policial. E será assim, infelizmente, enquanto não pararem de perseguir sempre os mesmos. Afinal, é a carne mais barata do mercado.”

Leia Também

Entre os 90 casos levantados pela pesquisa, a maioria das acusações foram por prática de roubo. Porém há quatro casos de homicídio e um furto. Com relação à prisão preventiva, há registro de 69 casos em que houve sua decretação, o que corresponde a aproximadamente 77% do total. A pesquisa também levantou o tempo médio em que o acusado permanece preso preventivamente de forma injusta: 268 dias, cerca de nove meses.

Alberto Meyrelles Santa Anna Júnior, que estava na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, garante que é vítima e não acusado. No dia do roubo do qual é suspeito, ele também teria sido assaltado e tido os documentos levados pelos criminosos. No último domingo, a desembargadora Kátia Maria Amaral Jangutta, da 2ª Câmara Criminal do Rio, determinou a soltura dele, após um pedido de habeas corpus feito pela defensoria.

Santa Anna Júnior foi acusado de ter participado de um assalto no dia 13 de abril de 2019, em Bangu, na Zona Oeste do Rio. A prisão ocorreu depois do reconhecimento de uma foto 3×4 por uma vítima. Ele diz que foi um erro na investigação e sua família tenta provar sua inocência.

“Apesar de afirmarem que são casos isolados, não são. É sempre a mesma história. É um absurdo submeter alguém a um processo penal, mesmo que não haja prisão, por reconhecimento de foto e deixar essa pessoa por 20 dias dentro de um cárcere no Rio de Janeiro”, lamenta Saporito.

Em fevereiro, o “Fantástico”, da TV Globo, foi o vencedor do Prêmio Latinoamericano de Jornalismo Investigativo (Ipys) com uma reportagem especial sobre o catálogo de suspeitos que mostrou histórias de pessoas que tiveram suas fotos colocadas de forma errada em catálogos de suspeitos em delegacias. Depois da reportagem, o Senado aprovou um projeto de lei que muda as regras no reconhecimento de suspeitos tornando obrigatória a identificação presencial, com pelo menos outras duas pessoas com características parecidas, e também impede condenações baseadas apenas no reconhecimento por foto. O projeto está na Câmara de Deputados e, se aprovado, precisa ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Continue lendo

Nacional

SP: PMs que usaram sirene para comprar sorvete são investigados

Publicado


source
PM usou sirene de viatura para comprar sorvete em Barueri (SP)
Reprodução/redes sociais

PM usou sirene de viatura para comprar sorvete em Barueri (SP)

A Polícia Militar de São Paulo instaurou um procedimento administrativo para investigar a conduta de uma oficial que teria ligado a sirene da viatura para abrir caminho no trânsito do município de Barueri, na Grande São Paulo, para comprar sorvete. O caso repercutiu após a própria oficial Ligia Lima publicar um vídeo da ação em suas redes sociais. Após o episódio viralizar, o vídeo foi apagado.

No final do vídeo, a PM está acompanhada de outro policial, que não foi identificado. Ela abre a porta traseira da viatura e coloca os saquinhos de supermercado sobre o banco do carro e ironiza: “Parabéns para vocês que acompanharam o ‘stories’ até aqui, mas não era nada, não (…) Achei que não ia dar tempo de comprar meu sorvete. Achei que ia fechar”, diz, sorrindo.

Após a repercussão negativa do caso, a PM desativou suas redes sociais e publicou uma mensagem irônica. “Os caras comem traveco e ninguém enche o saco. Eu como sorvete e tenho que ouvir. Kkk”, escreveu.

Em nota enviada ao iG,  a Polícia Militar informa que instaurou um procedimento administrativo pela Corregedoria em desfavor da equipe exibida nas imagens.

“Os policiais foram ouvidos e a Corregedoria trabalha no esclarecimento dos fatos e responsabilização dos envolvidos. A Polícia Militar não compactua com desvios de conduta e as responsabilidades em todas as esferas de direito estarão discorridas na conclusão da apuração.”

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana