conecte-se conosco


Nacional

Atentados no Sri Lanka tiveram provável inspiração no EI, diz Mike Pompeo

Publicado


Mike Pompeo
Agencia Brasil/reprodução

Secretário de Estado norte-americano afirmou que terrorista dos atentados no Sri Lanka devem ter se inspirado no EI

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, declarou que os atentados terroristas do fim de semana no Sri Lanka foram realizados provavelmente por inspiração de militantes do grupo Estado Islâmico . A afirmação foi feita em entrevista à CBS News nessa quarta-feira.

Leia também: Após atentados, igrejas no Sri Lanka ficarão fechadas “até novo aviso”

Até agora, chega a 359 o total de mortos nos ataques suicidas a bomba, realizados simultaneamente domingo (21) em Colombo, a capital do Sri Lanka , em uma localidade da região leste.

A polícia deteve 60 indivíduos — entre eles integrantes do grupo muçulmano local National Towheeth Jamaath. As autoridades investigam uma possível conexão com militantes do Estado Islâmico e de outros grupos.

Na entrevista à rede CBS, o chanceler americano afirmou: “todos os indícios levam à conclusão de que os atentados foram, no mínimo, inspirados no Estado Islâmico”. Apesar da afirmação,  Pompeo não chegou a declarar que os terroristas tenham conexões diretas com militantes do EI.

Leia Também:  Após decisão de Toffoli, julgamento de HC de Flávio Bolsonaro sai da pauta

Leia também: Terroristas tinham boa educação e vinham da classe média ou alta, diz ministro

Há americanos entre os mortos. Os Estados Unidos enviaram investigadores ao Sri Lanka com o fim de colaborar com as autoridades locais e tentar descobrir mais informações sobre as motivações dos atentados.

*Com informações da NHK (emissora pública de televisão do Japão)

Fonte: IG Nacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Nacional

Cientista brasileiro lança 100 “minicérebros” ao espaço

Publicado

Planeta

Alysson Muotri Minicérebros arrow-options
Reprodução/Twitter

O cientista brasileiro Alysson Muotri enviou 100 minicérebros ao espaço para ver como os órgãos se desenvolvem fora da Terra.

Uma equipe de cientistas da Universidade da Califórnia (UC), nos Estados Unidos, liderada pelo cientista brasileiro Alysson Muotr i, lançou uma caixa com “minicérebros” humanos para a a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) neste domingo (21).

Leia também: Menino encontra fóssil de 8 milhões de anos no Acre

O objetivo da pesquisa é estudar o cérebro humano em ambiente com pouca ou nenhuma gravidade, e tentar responder a algumas questões fundamentais da biologia: um embrião humano pode crescer naturalmente fora da Terra? O cérebro se formou normalmente? Como a falta de peso altera as regras básicas, definidas pela gravidade, do desenvolvimento humano?

Os “ minicérebros ”, também chamados de organoides, são versões reduzidas do órgão mais complexo do nosso organismo.

Esses minicérebros serão estudados na ISS, a 400 km de distância da Terra , onde pesquisadores vão documentar como essas massas de células se organizam para formar os primórdios de um cérebro funcional.[

Leia Também:  Ambulância é flagrada sendo usada para fazer mudança em São Paulo

Leia também: Verme descoberto no Japão é capaz de deixar humanos surdos com sons muito altos

“Nós seremos capazes de observar continuamente a formação do tubo neural, incluindo migração celular, interação entre células, divisão celular e morte celular. Essa será a primeira de uma série de viagens espaciais para nos ajudar a entender os meandros do desenvolvimento celular, tanto em um ambiente sem gravidade quanto na Terra”, diz Muotri.

O cientista brasileiro ainda destaca que esse tipo de experimento nunca foi feito para nenhum tipo de organóides derivado de células-tronco, e que a engenharia de manter essas estruturas em 3D vivas, em um ambiente de microgravidade, é um grande desafio.

Segundo Erik Viirre, professor de neurociências e diretor do Centro para a Imaginação Humana Arthur C. Clarke, da UC, os resultados deste estudo terão enormes implicações para a colonização espacial e a saúde humana.

Estação Espacial Internacional arrow-options
Nasa

Os minicérebros serão enviados ao espaço e ficarão na Estação Espacial Internacional.

Os minicérebros permanecerão por quatro semanas na ISS, e então serão enviados de volta à Terra para análise e comparações com estruturas semelhantes que ficaram na Terra, que são o grupo controle. Serão avaliadas a epigenética, expressão genética e morfologia dos organoides.

Leia Também:  Força-tarefa da Lava Jato se diz preocupada com decisão de Toffoli

Leia também: Elon Musk mostra avanços em aparelho que pode ler a mente

Em viagens futuras, os pesquisadores pretendem incorporar análises mais sofisticadas, como gravações eletrofisiológicas, que medem atividade elétrica e sinais entre as células.

Além de avaliar os efeitos da microgravidade no desenvolvimento cerebral, esse tipo de pesquisa pode ter implicações para a saúde humana aqui na Terra. “Essa e outras viagens nos ajudaram a criar modelos organoides que acelerem o entendimento de uma gama de doenças neurológicas”, diz Muotri. “Em última instância, nossas descobertas podem ajudar a moldar tecnologias futuras e modelos cerebrais para ajudar cientistas e médicos a criar cérebros mais resilientes”, completa o cientista.

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Polícia canadense faz transmissão ao vivo e esquece filtro de gatinho ligado

Publicado

IstoÉ

polícia arrow-options
Reprodução/Twitter

Polícia canadense esqueceu filtro ligado durante transmissão ao vivo

Um descuido da Real Polícia Montada do Canadá durante uma entrevista coletiva para a imprensa acabou viralizando nas redes sociais. Durante a transmissão ao vivo no Facebook, policiais esqueceram acidentalmente o filtro de gato ligado enquanto informações de um homicídio eram passadas.

Leia também: Acidente bizarro: homem morre após ter pescoço quebrado por onda nos EUA

A polícia canadense passava informações sobre o assassinato da americana Chynna Deese e do namorado australiano Lucas Fowler. Os dois foram mortos no estado da Columbia Britânica após levarem tiros perto de uma estrada no dia 15 de julho deste ano.

Janelle Shoihet, sargento que passava as informações sobre o crime, disse que o filtro de gato foi um problema e citou dificuldades técnicas na transmissão. A transmissão foi regravada, na sequência, sem o filtro de gato no rosto dela.

A polícia afirma que o filtro de gatinho, popular em algumas redes sociais, estava nas configurações automáticas e se desculpou pelo erro.

Leia Também:  Grande quantia de dinheiro é encontrada na casa de ex-ditador do Sudão

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana