conecte-se conosco


Agro News

ARROZ/RETRO 2018: 2018 é marcado por consumo enfraquecido e pressão sobre as cotações

Publicado

Clique aqui e confira o release completo em word.

 

Cepea, 11/01/2019 – A cadeia produtiva de arroz voltou a sentir a pressão sobre as cotações em 2018, resultado especialmente das dificuldades de alavancar o consumo interno, segundo informações do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Os preços em queda no primeiro semestre, devido ao período de colheita e da maior negociação do cereal, pressionaram a média anual, que fechou em R$ 39,79/sc de 50 kg, em termos nominais, baixa de 2% frente à média de 2017 (R$ 40,60/sc de 50 kg).  

 

As cotações de arroz tiveram quedas mais expressivas no primeiro trimestre do ano, diante da expectativa da maior disponibilidade da safra 2017/18. Com isso, indústrias reduziram suas ofertas e os pedidos dos setores atacadista e varejista dos grandes centros se voltaram apenas para pequenas reposições.

 

De março a maio, com o avanço lento da colheita, as negociações foram intensificadas, devido à necessidade de repor estoques, e compradores elevaram suas ofertas – esse cenário foi reforçado com a paralisação dos caminheiros, visto o desabastecimento dos grandes centros consumidores. Além disso, foram registrados novos contratos de exportação para meados do ano, dando nova sustentação aos preços. A desvalorização do Real frente ao dólar favoreceu os embarques, com aumento de 17,1% de 28 de dezembro/17 a 28 de dezembro/18. 

 

No segundo semestre, os preços do casca seguiram firmes, pois algumas indústrias ainda apresentavam necessidade de repor seus estoques. Orizicultores, por sua vez, atentos aos embarques externos e diante do aumento dos gastos com insumos para o semeio da nova lavoura (safra 2018/19) se retraíram. Entretanto, a partir de outubro até dezembro, indústrias aumentaram seus estoques e se afastaram do mercado, fazendo com que produtores com necessidade de “fazer caixa” aceitassem efetivar negócios a valores menores – a liquidez do produto em casca e do beneficiado foi baixa nesse período. 

 

De 28 de dezembro/17 a 28 de dezembro/18, o Indicador ESALQ/SENAR-RS, 58% de grãos inteiros, teve alta de 7,47%, fechando a R$ 40,16/sc de 50 kg, no último dia 28. A média mensal de dez/18 ficou em R$ 40,15/sc, queda de 0,1% frente a dez/17, em termos reais.

 

LEILÕES – Para tentar amenizar a situação do setor produtivo e dar maior liquidez ao mercado, de fevereiro até o início de maio de 2018, a Conab realizou seis leilões de PEP (Prêmio de Escoamento de Produto) e sete de Pepro (Prêmio Pago ao Produtor Rural ou sua Cooperativa). Para o Rio Grande do Sul, de fevereiro a abril, os leilões de PEP ofertaram 460 mil toneladas, com venda de 71,96% do total. No Pepro, a oferta foi de 335 mil toneladas entre fevereiro e maio, com venda de 31,6% do total. 

 

PRODUÇÃO – Relatório do Irga (Instituto Rio Grandense do Arroz) de Beneficiamento e Saída de arroz (base casca) do Rio Grande do Sul aponta que em novembro/18 houve recuo de 6,47% no volume beneficiado em relação a outubro/18, para 586,4 mil toneladas. No acumulado do ano (jan-nov/18), o beneficiamento de 2018 está 7,2% superior ao do mesmo período de 2017 – vale ressaltar que parte deste produto pode ter sido exportado. Na mesma linha, dados do IBGE apontam que a produção industrial de beneficiamento de arroz e fabricação de produtos do arroz brasileira subiu 1,29% em out/2018 em relação a out/2017. 

 

A produção da temporada 2017/18 foi estimada em 12,064 milhões de toneladas, 2,1% menor que a da safra anterior, segundo dados da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). Somado aos estoques iniciais em fev/18, de 711,8 mil toneladas, e às importações de um milhão de toneladas entre março/18 e fevereiro/19, a disponibilidade interna ficaria em 13,9 milhões de toneladas. Desse total, a previsão é que 11,8 milhões sejam consumidos internamente e 1,2 mil toneladas, exportados. Assim, o estoque final seria de 775,8 mil toneladas em fev/19, levemente superior ao de fev/18. Entretanto, em dez meses (fev-nov), as exportações brasileiras somam 1,34 milhão de toneladas, já superando as estimativas da Conab.  

 

Dados de safra da Conab apontam que a área semeada na safra 2017/18 foi de 1.447,3 mil hectares, 0,41% menor frente à safra 2016/17. Já a produtividade média atingiu 6.119 kg/ha, 1,7% menor que a da temporada anterior. No Rio Grande do Sul, a colheita atingiu 8,5 milhões de toneladas, redução de 3,1% frente à safra 2016/17. A área semeada foi inferior em 2,1%; enquanto a produtividade média do estado caiu 1%.  

 

De janeiro a dezembro, as exportações ficaram 108% maiores que as do mesmo período de 2017, somando 1,8 milhão de toneladas em eq. casca. O arroz em casca, n/parboilizado foi o mais vendido, com 39,5% do volume total de 2018; seguido pelo arroz quebrado (33,4%). No mesmo período, para a importação, o volume está em 832,5 mil toneladas em eq. casca, 26% menor que o do mesmo período de 2017. O arroz semibranqueado, n/parboilizado e polido foi o mais comprado (62,4% do total brasileiro), com o arroz descascado, n/parboilizado na sequência (23,4% do total). A balança comercial brasileira voltou a ser superavitária, com volume de 976,2 mil toneladas, frente ao déficit de 255 mil toneladas verificado de janeiro a dezembro de 2017.

 

No cenário internacional, o Índice da FAO (composto por 16 preços de referência de exportação) recuou 2,73% de dez/17 a nov/18 – o movimento de queda foi observado desde julho/18. Esse cenário se deve às fortes retrações de 5,1% no japônica e de 4,2% no arroz aromático. Já o arroz Indica de alta e de baixa qualidade tiveram leve alta de 1% (cada) no mesmo período. 

 

Dos 14 preços de exportação divulgados separadamente pela FAO, apenas quatro registraram alta de dezembro/17 a novembro/18: no Vietnã, o arroz de 25% de grãos inteiros (+6,3%) e o 5% de grãos inteiros (+5,2%), diante das exportações às Filipinas. Ainda, alta de 12,5% no arroz tailandês aromático e de 5,3% no A1 Super (arroz quebrado). Entretanto, na Tailândia, o arroz 100% branco caiu 2,1% e o 100% parboilizado, 5,5%. O Tai 5% de grãos quebrados recuou 1,2% e para o 25% a queda foi de apenas 0,26%. No Paquistão, o arroz de 25% de grãos inteiros teve retração de 4,7%. Nos Estados Unidos, o arroz de grãos médio registrou queda de 3,7% e grão longo, ligeiro 1,74%.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações podem ser obtidas por meio da Comunicação do Cepea: (19) 3429 8836 / 8837 e [email protected]

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Agro News

ETANOL/CEPEA: Preços caem mais de 8% em junho

Publicado

Cepea, 05/07/2022 – Os preços médios dos etanóis hidratado e anidro caíram em junho com certa força. Levantamento realizado pelo Cepea no estado de São Paulo mostra que, considerando-se as semanas cheias de junho, a média mensal do Indicador CEPEA/ESALQ foi de R$ 3,0419/litro, recuo de 8,34% frente à de maio. No caso do anidro (considerando-se somente o mercado spot), a média das semanas cheias de junho do Indicador CEPEA/ESALQ foi de R$ 3,5630/litro, queda de 8% em relação à do mês anterior. Segundo pesquisadores do Cepea, a pressão veio sobretudo do baixo volume de negócios ao longo do mês. Distribuidoras se mostraram cautelosas em fechar novas compras, tendo em vista as vendas desaquecidas de combustíveis e também do cenário que se desenhava com a possibilidade de mudança tributária do etanol e da gasolina. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Continue lendo

Agro News

AÇÚCAR/CEPEA: Indicador reage no encerramento do mês

Publicado

Cepea, 05/07/2022 – Depois de registrarem quedas contínuas ao longo de junho, os preços do açúcar cristal reagiram na última semana do mês no mercado spot do estado de São Paulo. Segundo pesquisadores do Cepea, a liquidez foi mais baixa em relação ao período anterior, sobretudo devido à fraca procura, mas agentes das usinas não cederam nos preços pedidos, em especial para o cristal tipo Icumsa 150, que vem apresentando oferta restrita nesta safra 2022/23. Somente em casos pontuais e envolvendo o Icumsa 180 que algumas unidades produtoras negociaram a preços inferiores. Ainda assim, no balanço de junho, o Indicador CEPEA/ESALQ, cor Icumsa de 130 a 180, recuou quase 3%, encerrando o mês a R$ 127,06/saca de 50 kg no dia 30. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana