conecte-se conosco


Agro News

Aprosoja-MT debate atraso ou cancelamento de pedidos de defensivos e fertilizantes

Publicado


Política Agrícola e Logística

Aprosoja-MT debate atraso ou cancelamento de pedidos de defensivos e fertilizantes

Reunião com associados acontece nesta sexta-feira (15), por videoconferência

14/10/2021

Com o objetivo de ouvir relatos de produtores rurais de todas as regiões do estado em relação aos atrasos e cancelamentos de pedidos de defensivos e fertilizantes, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), promove nesta sexta-feira (15), às 18h, um debate, por meio de videoconferência, sobre a escassez dos insumos para a safra 21/22.

A entidade mantém contato diariamente com representantes de cada uma dessas cadeias de insumos para avaliar os cenários presentes e futuros, mas sabe que na prática algumas ações precisam ser tomadas pelos produtores individualmente para se respaldarem frente a eventuais prejuízos causados pela não entrega dos produtos, ou mesmo, pela chegada na fazenda fora do período ideal de aplicação.

De acordo com a Aprosoja-MT, a recomendação é para que o produtor notifique o fornecedor do descumprimento do prazo de entrega que fora pactuado em contrato ou no pedido de compra.

O vice-presidente da Aprosoja-MT, Lucas Costa Beber faz um alerta aos produtores rurais. “É importante que essa comunicação seja formal, por e-mail ou notificação extrajudicial, e que traga em seu contexto um prazo para que o acordo comercial seja cumprido, elencando os prejuízos decorrentes da inobservância, como risco de performance da lavoura ou ainda a inviabilização do plantio da safra. Caso o produtor não tenha êxito na ação, o deve buscar rapidamente assessoria jurídica para que outras medidas sejam avaliadas de acordo com o caso concreto”.

Na reunião, o Superintendente do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), Cleiton Gauer, vai apresentar dados do acompanhamento de preços que o instituto promove periodicamente.

Aprosoja reconhece o cenário provocado pelas paralisações nas fábricas de matérias primas em virtude das medidas de distanciamento para enfrentamento da pandemia adotadas por cada país, além de questões de ordem comercial internacional, contudo não há de se desprezar a intenção de alguns fornecedores no sentido de corrigirem o valor dos pedidos sob a alegação de variação abrupta de custos.

“Nesse sentido, precisamos lembrar que recentemente os produtores rurais viveram algo semelhante, venderam sua produção a preços bem inferiores àqueles que eram praticados no momento da entrega, todavia a imensa maioria cumpriu com os contratos, então o que se espera agora das empresas é que tenham um comportamento íntegro e preservem a confiabilidade dos acordos comerciais. Esse é o momento em que o mercado precisa mostrar reciprocidade, e a Aprosoja estará acompanhando de perto a conduta das empresas”, afirmou o coordenador da Comissão de Política e Logística da Aprosoja-MT, Tiago Stefanello.

Fonte: Ascom

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agro News

LEITE/CEPEA: Preço do leite pago em outubro recua 2,2%

Publicado


Clique aqui e baixe o release completo em word.

Cepea, 28/10/2021 – O preço do leite captado em setembro e pago aos produtores em outubro registou queda de 2,2%, chegando a R$ 2,3305/litro na “Média Brasil” líquida do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Esse valor é 1,2% menor do que o observado no mesmo período do ano passado, em termos reais (dados deflacionados pelo IPCA de setembro de 2021). Esta é a primeira desvalorização do leite no campo em seis meses e evidencia o início da safra da produção leiteira.

Vale lembrar que é típico que se observe queda de preços no campo a partir de setembro, devido ao incremento na oferta, tendo em vista que a produção é favorecida pelo retorno das chuvas da primavera e pela consequente melhoria da qualidade das pastagens. De fato, de agosto para setembro, o Índice de Captação Leiteira (ICAP-L) do Cepea aumentou 2,2% na “Média Brasil”, favorecido pelo clima e pela melhor relação de troca do leite frente ao milho, insumo básico da atividade.

De acordo com dados do Cepea, em setembro, foram precisos 38,8 litros de leite (média Brasil) para se adquirir uma saca de milho 60 kg (Indicador ESALQ/BM&FBovespa Campinas-SP), melhora de 7,2% no poder de compra do pecuarista frente ao observado em agosto. Ainda assim, em 2021, o incremento na oferta tem ocorrido de forma mais lenta do que no ano passado, tendo em vista justamente os elevados custos de produção. Vale lembrar que, em setembro de 2020, o ICAP-L registou alta de 3,1% e foram necessários 28,2 litros para a compra de uma saca de milho.

Além do início da safra, é importante destacar que a retração da demanda também desempenhou papel relevante para a retração de preços no campo em outubro. A crescente perda no poder de compra do consumidor tem desacelerado as vendas de derivados desde meados de agosto. Com demanda enfraquecida e pressão dos canais de distribuição, os estoques se elevaram, forçando as indústrias a reduzirem os preços dos lácteos ao longo de setembro. As negociações do leite spot em Minas Gerais também perderam força em setembro, e os preços caíram de R$ 2,58/litro na primeira quinzena, para R$ 2,50/litro na segunda, recuo de 3%.

A expectativa do setor é de que o preço do leite captado em outubro e pago ao produtor em novembro registre nova queda, tendo como fundamentos o retorno das chuvas, o consequente crescimento da oferta e a continuidade do movimento de desvalorização dos derivados lácteos e do leite spot em outubro.

Gráfico 1. Série de preços médios recebidos pelo produtor (líquido), em temos reais (os valores foram deflacionados pelo IPCA de setembro/2021)

Fonte: Cepea-Esalq/USP.

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o mercado lácteo aqui, por meio da Comunicação do Cepea e com a pesquisadora Natália Grigol: [email protected]

Fonte: CEPEA

Continue lendo

Agro News

BOI/CEPEA: Relação de troca é a pior da história para recriador

Publicado


Cepea, 28/10/2021 – Dados do Cepea mostram que a atual relação de troca de arrobas de boi gordo por animais de reposição atingiu o momento mais desfavorável ao pecuarista recriador, considerando-se toda a série histórica do Cepea, iniciada em 2000, no caso do bezerro. Quando consideradas as médias mensais deflacionadas pelo IGP-DI (base setembro/21), o pecuarista de São Paulo precisa, na parcial de outubro (até o dia 26), de 10,17 arrobas de boi gordo para a compra de um animal de reposição no mercado sul-mato-grossense, sendo 8,4% a mais que no mês anterior, 16,8% acima do necessário em outubro de 2020, além de ser a maior quantidade já registrada pelo Cepea. Como comparação, a média da relação de troca do Cepea é de 7,69 arrobas de boi gordo paulista para um animal de reposição de Mato Grosso do Sul. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário está atrelado às recentes fortes quedas nos preços da arroba bovina, diante da continuidade da suspensão dos envios de carne à China e da entrada de animais de confinamento no spot nacional. Além disso, os valores dos animais de reposição seguem relativamente firmes em muitas praças acompanhadas pelo Cepea, reforçando a piora na relação de troca do recriador.  Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana