conecte-se conosco


Nacional

Após violência na USP, Weintraub diz ter nojo de nazistas: “Gritem heil Lula!”

Publicado

Ministro da Educação Abraham Weintraub arrow-options
Arquivo/Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ministro da Educação Abraham Weintraub

Um homem e uma mulher disseram ter sido agredidos após sair de um debate sobre o Escola Sem Partido na faculdade de direito da USP, em São Paulo, na noite desta segunda-feira (14). O ministro da Educação, Abraham Weintraub, comentou o ocorrido nesta manhã e disse ter “nojo de nazistas”. 

“Tenho NOJO de nazistas! A USP é de TODOS, sendo paga com o ICMS dos Paulistas! Esse episódio me lembra a lista que fizeram para marcar os calouros judeus, evangélicos e liberais! Dado que a bandeira deles já é vermelha, coloquem logo uma suástica e gritem: SIEG HEIL! HEIL LULA!”, escreveu Weintraub ao compartilhar uma publicação sobre o caso em sua conta do Twitter, nesta terça-feira (15). 



André Almeida e uma mulher que não foi identificada, integrandes do movimento conservador, afirmam ter saído da universidade durante o debate do  Escola Sem Partido  para ir a uma lanchonete, quando um grupo de 4 ou 5 pessoas começou a agredi-los com socos e chutes. 

Para falar a favor do Escola Sem Partido, estavam presentes Miguel Nagib, criador do projeto, e o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP). Para falar contra, Gustavo Bambini e Nina Ranieri, ambos professores da USP. 

Leia também: Enem na boca dos governantes: o que Bolsonaro e ministros disseram sobre a prova

André diz acreditar que um dos suspeitos seja estudante da universidade. “Eu vi aqui. Reconheço ele se eu vir”, afirmou à Folha de S.Paulo . No entanto, os agressores ainda não foram identificados.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Pazuello culpa governadores por ‘mudança de logística’ e atraso das vacinas

Publicado


source
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello
Euzivaldo Queiroz/ Ministério da Saúde

Pazuello disse que vacinas atrasaram por conta de “pedido de governadores”

Horas depois de dizer que a vacinação contraria começaria, “em princípio”, às 17h desta segunda-feira em todo o país, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, creditou  o atraso na chegada de doses da CoronaVac aos Estados à “mudança da logística” necessária para atender ao pedidos de governadores.

— Nós tínhamos uma previsão de fazer toda a logística hoje [segunda], e os Estados fazerem a logística amanhã [terça] para os municípios e, a partir daí iniciar a campanha na quarta-feira. Os governadores, em comum acordo, me solicitaram que acelerasse ao máximo a distribuição para que eles começar ainda hoje. Então aquilo que era planejado até hoje às 8h da manhã para acontecer durante o dia está sendo encurtado para poder atender o pedido dos governadores — explicou Pazuello, em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, no fim da tarde.

Você viu?

O ministro continuou destacando que o Brasil é um país continental e que foi necessário contratar novas aeronaves e traças novos planos de voo durante o dia.

— Isso você imagina a mudança da logística para 26 estados em um país continental como o Brasil. Então aeronaves, planos de voo, novas aeronaves contratadas. E, em alguns casos, uma aeronave pequena não pode levar numa perna só, tem que que fazer dois voos. A aeronave grande, que faria um voo só, ia chegar de noite. Então, você fraciona. Entrega a primeira parte para iniciar e na sequência chega a segunda parte — declarou.

As declarações foram feitas ao lado do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), em entrevista coletiva convocada às pressas após reunião com o presidente Jair Bolsonaro, da qual também participaram os ministros Fábio Faria (Comunicações), Paulo Guedes (Economia), Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).

Continue lendo

Nacional

Comissão da Câmara cobra Inep para reaplicar Enem a estudantes impedidos

Publicado


source
.
Reprodução: iG Minas Gerais

Candidatos do Enem

A Comissão Externa de Acompanhamento do Ministério da Educação na Câmara (Comex-MEC) enviou, nesta segunda-feira (18), um ofício ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) cobrando que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) reaplicado para estudantes impedidos de fazer a prova devido à lotação de salas .

“A distribuição dos candidatos por sala é de responsabilidade do INEP, que havia se comprometido a assegurar espaço suficiente para que todos os 5,7 milhões de inscritos fazerem a prova com segurança “, diz o documento enviado pela Câmara que pede resposta imediata do órgão.

Além da cobrança , o ofício pede informações ao órgão sobre o número de estudantes impedidos de fazer a prova por esse motivo e as cidades onde moram; quantos solicitaram reaplicação; como o Inep garante que o problema não voltará a ocorrer no próximo domingo, entre outros pontos.

Você viu?

No último domingo, estudantes em todo país relataram ter sido impedidos de fazer a prova sob o argumento de que sua sala já estaria lotada. O limite de lotação teria sido imposto para garantir o distanciamento social para diminuir os riscos de contágio pela Covid-19 durante a prova.

“Alguns candidatos foram orientados a ligar para o Inep e solicitar a remarcação do exame, porém não receberam nenhum documento que assegurasse a reaplicação e explicasse o procedimento, o que gerou bastante insegurança nos estudantes”, cita o documento.

O Enem registrou uma abstenção recorde de 51,5% no último domingo. Em coletiva de imprensa, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, afirmou que os relatos de estudantes impedidos de fazer a prova estão sendo apurados.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana