conecte-se conosco


Nacional

Após violência na USP, Weintraub diz ter nojo de nazistas: “Gritem heil Lula!”

Publicado

source
Ministro da Educação Abraham Weintraub arrow-options
Arquivo/Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ministro da Educação Abraham Weintraub

Um homem e uma mulher disseram ter sido agredidos após sair de um debate sobre o Escola Sem Partido na faculdade de direito da USP, em São Paulo, na noite desta segunda-feira (14). O ministro da Educação, Abraham Weintraub, comentou o ocorrido nesta manhã e disse ter “nojo de nazistas”. 

“Tenho NOJO de nazistas! A USP é de TODOS, sendo paga com o ICMS dos Paulistas! Esse episódio me lembra a lista que fizeram para marcar os calouros judeus, evangélicos e liberais! Dado que a bandeira deles já é vermelha, coloquem logo uma suástica e gritem: SIEG HEIL! HEIL LULA!”, escreveu Weintraub ao compartilhar uma publicação sobre o caso em sua conta do Twitter, nesta terça-feira (15). 

Leia Também:  Papai Noel suspeito de mostrar vídeo pornográfico para meninas é liberado



André Almeida e uma mulher que não foi identificada, integrandes do movimento conservador, afirmam ter saído da universidade durante o debate do  Escola Sem Partido  para ir a uma lanchonete, quando um grupo de 4 ou 5 pessoas começou a agredi-los com socos e chutes. 

Para falar a favor do Escola Sem Partido, estavam presentes Miguel Nagib, criador do projeto, e o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP). Para falar contra, Gustavo Bambini e Nina Ranieri, ambos professores da USP. 

Leia também: Enem na boca dos governantes: o que Bolsonaro e ministros disseram sobre a prova

André diz acreditar que um dos suspeitos seja estudante da universidade. “Eu vi aqui. Reconheço ele se eu vir”, afirmou à Folha de S.Paulo . No entanto, os agressores ainda não foram identificados.

Fonte: IG Nacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Nacional

MP pede mais investigações sobre incêndios em Alter do Chão

Publicado

source

Agência Brasil

Queimada em Alter do Chão arrow-options
Exército / Divulgação

Região de Alter do Chão sofre com incêndios que destroem mata nativa

O Ministério Público do Pará (MP-PA) pediu à Justiça estadual que determine à Polícia Civil o aprofundamento das investigações sobre as causas e os eventuais responsáveis pelos incêndios que destruíram parte de uma área de proteção ambiental em Alter do Chão , perto de Santarém, em meados de setembro do ano passado.

Leia também: Chuvas no Espírito Santo já deixaram mais de 2 mil pessoas desalojadas

Ao devolver ao juiz titular da 1ª Vara Criminal de Santarém, Alexandre Rizzi, os autos do inquérito policial relacionados ao incêndio , os cinco promotores de Justiça que atuam no caso apontaram a necessidade de o delegado responsável pelo processo apresentar mais detalhes sobre as investigações, como laudos periciais. Os promotores também querem que as testemunhas anteriormente indicadas pela defesa sejam ouvidas.

Em nota, o MP lembra que o inquérito policial foi concluído em dezembro de 2019 e que, antes mesmo de apresentar as conclusões à Promotoria de Justiça de Santarém, a Polícia Civil indiciou cinco brigadistas apontados como causadores do incêndio.

Leia Também:  Ministro Ricardo Salles é vaiado em evento sobre clima

Em 20 de dezembro, Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Marcelo Aron Cwerner, Gustavo de Almeida Fernandes e Ronnis Repolho Blair foram indiciados por associação criminosa e danos à Área de Proteção Ambiental (APA) Alter do Chão. O MP diz que só recebeu os autos em janeiro.

Leia também: Responsável por matar produtor no trânsito segue solto 3 meses após o crime

Na ocasião, os advogados dos brigadistas consideraram tendenciosa a investigação da Polícia Civil. “O indiciamento é fruto de ilegalidades e, infelizmente, indica direcionamento da investigação. Encerraram-se as investigações de maneira atropelada, sem a realização de perícia técnica, atualmente em curso na Polícia Federal, para apurar em que circunstâncias efetivamente ocorreu o incêndio”, disseram os advogados, reclamando que o delegado responsável ignorou o pedido para que as testemunhas de defesa por eles indicadas fossem ouvidas. “Esta precipitação atenta contra a apuração correta dos fatos. O indiciamento foi baseado em ilações extraídas de depoimentos meramente especulativos, sem nenhuma prova.”

O indiciamento também foi anunciado antes de a Justiça estadual se manifestar sobre o pedido do Ministério Público Federal no Pará , que solicitou a transferência do processo para a esfera federal por entender que, como a APA Alter do Chão é uma área da União, a investigação e o julgamento têm que ocorrer em nível federal. Outro inquérito, a cargo da Polícia Federal, não encontrou indícios de que os brigadistas são culpados pelos incêndios na unidade florestal. Segundo o Ministério Público Federal, além disso, a investigação federal indicou que o incêndio pode ter sido provocado por grileiros, e não por brigadistas voluntários.

Leia Também:  Polícia divulga vídeo que mostra encapuzado atirando em jornalista em Maricá

Leia também: Witzel diz que situação da água da Cedae deve ser resolvida em uma semana

Em nota divulgada hoje (22), os advogados Augusto de Arruda Botelho e Fernando da Nóbrega Cunha afirmam que o pedido de mais investigações feito pelo MP-PA “reabre caminho para o esclarecimento da verdade dos fatos em relação ao alegado envolvimento dos brigadistas voluntários nos incêndios em Alter do Chão ”.

Procurada pela reportagem, a Polícia Civil ainda não se manifestou sobre o assunto.

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Número de ciclistas mortos por atropelamento em São Paulo aumentou 64% em 2019

Publicado

source
ciclista avenida paulista arrow-options
Marcelo Camargo/ABr

Ao todo, 36 pessoas morreram em 2019.

Segundo o Infosiga, sistema do governo do estado de São Paulo, o número de mortes envolvendo ciclistas na capital paulista aumentou em 2019: foram 36 casos no ano passado contra 22 em 2018. A diferença representa um crescimento de 64%. A quantidade de mortes envolvendo bicicletas também cresceu no restante do Estado: 404 mortes, 2,52% a mais do que no ano anterior.

Leia também: Acusados de crimes na ditadura recebem até hoje pensão paga com dinheiro público

As mortes por atropelamento  em São Paulo também aumentaram em 2019. Ao todo, foram registradas 394 mortes nessa modalidade, o que representa um aumento de 3,95% em relação a 2018. O sistema também mostra que os casos os inclusos nas faixas etárias entre 45 e 80 anos cresceram.

Apesar dos dados acima, o número geral de mortes em acidentes de trânsito diminuiu em 2019. Enquanto foram registradas 888 mortes em 2018, ocorreu uma queda de 1,52% no ano passado: 874 óbitos. 

Leia Também:  Ministro Ricardo Salles é vaiado em evento sobre clima

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana