conecte-se conosco


Política MT

Após três anos, Novelli e Antônio Joaquim são reintegrados ao cargo de conselheiros do Tribunal de Contas

Publicado

José Novelli, Guilherme Maluf, Antonio Joaquim e Alisson Carvalho: reintegração ao cargo [Foto – Tony Ribeiro]

Em cerimônia restrita realizada na manhã desta segunda-feira (22) no gabinete do presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), conselheiro Guilherme Maluf, os conselheiros José Carlos Novelli e Antônio Joaquim assinaram os termos de reintegração ao cargo.

O termo de cumprimento de decisão judicial referente à reintegração de Novelli foi publicado em edição extraordinária do Diário Oficial de Contas (DOC) de sexta-feira (19) e de Antônio Joaquim em edição extraordinária desta segunda-feira.

Com o retorno dos conselheiros, determinado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), deixam o Pleno os conselheiros substitutos Moises Maciel e Isaías Lopes da Cunha. O procurador-geral de Contas, Alisson Carvalho de Alencar, também participou da cerimônia de reintegração dos conselheiros.

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Com equilíbrio fiscal, Mato Grosso apresenta superávit financeiro histórico e prevê grandes investimentos em 2021

Publicado

Mauro Mendes entregou ao TCE-MT o balanço das contas de 2020 do Executivo Estadual [Fotos – Mayke Toscano]

O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que o bom desempenho econômico das contas do Executivo relativas a 2020 vai permitir a execução de uma série de investimentos previstos no programa Mais MT. O balanço das contas do ano passado foi entregue pelo gestor ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), na tarde desta quarta-feira (3).

Um dos pontos positivos do relatório está na manutenção do superávit financeiro já conquistado em 2019, ou seja, o Estado cortou despesas, aumentou receitas e fechou novamente “no azul”. Até então, há praticamente uma década o Governo de Mato Grosso gastava mais do que arrecadava.

“Nós tivemos em 2020 mais receita do que despesa. Arrecadamos mais do que gastamos. E isso vai significar em 2021 o maior programa de investimento da história do Estado de Mato Grosso. Hospitais serão reconstruídos, estradas recuperadas, estradas construídas, pontes, escolas, recuperação da infraestrutura em todas as áreas, e a própria administração pública vai receber grandes melhorias, que vai traduzir em maior qualidade de vida aos mato-grossenses”, relatou o governador.

Mauro Mendes também destacou que esse equilíbrio fiscal conquistado, e o fato de o Estado ter passado a pagar em dia os servidores, fornecedores, Poderes e municípios, trouxe maior credibilidade ao Executivo e deve resultar na melhoria da nota de Mato Grosso junto ao Tesouro Nacional quanto à Capacidade de Pagamento (CAPAG).

“Esse resultado deve nos colocar com nota máxima, o que poucos estados têm. Isso é fruto de muito trabalho conjunto entre nossa equipe, servidores e o apoio fundamental que recebemos da Assembleia Legislativa, Poder Judiciário, Tribunal de Contas e da sociedade”, registrou.

O presidente do TCE-MT, conselheiro Guilherme Maluf, pontuou que o balanço trouxe “excelentes resultados”. “O Governo está trazendo uma capacidade de investimento para o Estado de Mato Grosso que há muito não se via. Fechava os balanços sempre no negativo, e hoje temos um superávit importante”, opinou.

Para o secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, essa conquista nas finanças do Executivo permite que Mato Grosso faça “investimentos históricos” esse ano, que giram em torno de R$ 3 bilhões. “Só com os investimentos previstos para 2021 e 2022, o Estado vai gerar – por meio das empresas contratadas – 53 mil empregos. Em um momento de pandemia, o Governo de Mato Grosso está fazendo a diferença”, citou.

Também participaram do ato os conselheiros Valter Albano, José Carlos Novelli, Antonio Joaquim, Campos Neto, Luiz Henrique Lima, Luiz Carlos Pereira; o procurador-geral de Contas, Alisson Carvalho; e o controlador-geral do Estado, Emerson Hideki.

 

Continue lendo

Política MT

Mauro critica Emanuel por querer flexibilizar decreto com UTIs lotadas e cobra melhora na atenção básica de saúde

Publicado

Mauro disse que Emanuel deve focar na melhoria das unidades de saúde e abrir novos leitos para pacientes com covid [Foto – Christiano Antonucci]

O governador Mauro Mendes (DEM), fez uma fala dura com jornalistas no final da tarde desta quarta-feira (3), quando da sua saída do Tribunal de Contas do Estado, onde foi entregar o balanço das contas de 2020 do seu governo, sobre o fato de o Estado endurecer nas regras de combate ao coronavírus e o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, flexibilizar nas medidas. Mendes também falou da decisão do Tribunal de Justiça que determinou que Cuiabá siga as medidas estaduais de combate à pandemia.

“Tudo isso é muito lamentável e a gente vai continuar trabalhando com seriedade, porque é assim que se resolve e não com conversa fiada e irresponsabilidade. Eu disse na nota ontem, lá no passado, quando não tinha nem um caso, o que o prefeito fez, lockdown geral em Cuiabá, tem lógica isso?. Isso é uma irresponsabilidade. E agora, quando estamos com as UTIs todas lotadas ele vem, lamentavelmente, querer flexibilizar. Acho que ele deveria, ao invés de ficar gastando energia com isso, fazer a atenção básica dele funcionar”, afirmou.

“Porque a Arena Pantanal está lotada, porque a atenção básica não está funcionando. Andem pela atenção básica de Cuiabá, vai lá para ver se tem teste, se tem médico, se tem remédio. Senhores, é lamentável, ele abriu algum leito de UTI nesses últimos 60 dias?, a Prefeitura de Cuiabá abriu algum leito?. Tivemos que entrar na Justiça, semana passada, para fazer funcionar os leitos que dizia que tinha e não tinha”, apontou Mendes.

Sobre a decisão do desembargador Perri, Mendes disse que “a Justiça decidiu, eu disse ontem né, que quando há uma dúvida de interpretação, quem decide pela Constituição Brasileira é a Justiça. O Ministério Público Estadual, a ele cabe enquanto fiscal da lei, fiscalizar e ele entendeu que deveria representar. O Tribunal decidiu que vale as recomendações”, destacou o governador.

“Nós não tínhamos dúvida disso porque nós conhecemos a legislação brasileira, o que fala em termos de segurança, na área da saúde, na área da vigilância sanitária, que medidas mais restritivas numa pandemia elas prevalecem sobre outras de natureza mais leves”, acrescentou.

Sobre o fato de o Ministério Público Federal ter ameaçado embargar as medidas estaduais, Mendes foi direto, “senhores, hoje eu vi no grupo dos governadores que em vários estados isso aconteceu e eles perderam. Opinião de cidadão, opinião do Ministério Público a gente respeita, mas é aquela história, o mundo inteiro fez isso, o mundo inteiro, vários países mundo afora, e deu certo, os especialistas dizem isso, os cientistas dizem isso”, observou.

“Se for para a justiça, não temos dúvida de que o bom senso vai imperar. Eu não gostaria de fazer isso, também não gostaria de ver as pessoas morrerem nas portas dos hospitais porque a maioria quer levar uma vida normal, transmitindo a doença, porque é um vírus transmitido por pessoas entre as pessoas”, completou o democrata.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana