conecte-se conosco


Policial

Após perícia, mãe levanta suspeita sobre versão de que disparo que matou Isabela tenha sido acidental

Publicado

Patrícia Hellen cobra punição às pessoas envolvidas na morte da filha

UOL – Após perícia, imagens de circuito interno e depoimento da adolescente que fez o disparo, a mãe da adolescente Isabele, Patrícia Hellen Guimarães Barros, levantou suspeitas sobre a versão de disparo acidental como a causa da morte da filha, ocorrida na noite de 12 de julho, em um condomínio de luxo em Cuiabá. “As pessoas envolvidas nesse homicídio, elas têm que pagar pelo que elas fizeram”, afirmou a mãe da vítima.

As novidades do caso foram reveladas em reportagem do programa Fantástico, da TV Globo, que mostrou várias contradições entre a versão apresentada, as conclusões da perícia e os depoimentos e circunstâncias envolvendo o fato.

Mãe questiona versão de disparo acidental

Segundo a versão da adolescente autora do disparo, o tiro foi acidental. Ela segurava numa mão a arma e com a outra abaixou-se em direção ao chão para pegar um tênis, momento em que ocorreu o tiro, que acertou a cabeça da adolescente.

“Como ela disparou no rosto da minha filha, a uma curta distância, em linha reta, com todo esse discurso no depoimento dela de que ela teria se desequilibrado?”, questiona a mãe da vítima.

Primeira chamada ao Samu diz que houve queda em banheiro 

Outro fato que chama a atenção é que houve duas chamadas para o Samu feitas por pessoas ligadas a autora do tiro, que também tem 14 anos, uma do pai e outra da irmã mais velha dela.

O pai disse que Isabele havia caído num dos banheiros da casa e havia perdido muito sangue. A irmã mais velha disse que havia ocorrido um disparo acidental. “Como uma pessoa com tal gabarito não consegue ouvir e distinguir que foi tiro ou não?”, questiona a mãe de Isabele.

Pais de autora do disparo colecionam armas

O pai e a mãe da jovem autora do disparo têm autorização para ter armas em casa pois são CAC´s, sigla para colecionadores, atiradores e caçadores. O namorado da autora do disparo, de 16 anos, foi quem levou a arma para a casa da adolescente. Ele disse que não havia projétil no tambor da pistola usada no incidente.

Esse depoimento é questionado pelo advogado da família de Isabele, Hélio Nishiyama. “Se ele não alimentou a arma, a única que pode ter feito isso é a jovem que efetuou o disparo”, disse.

Advogado da autora do tiro diz que foi acidente

O advogado da família da jovem autora do disparo nega que exista outra versão para o caso e que o disparo e a morte de Isabele foram acidentais.

Segundo Ulisses Rabaneda, advogado da família da adolescente autora do tiro, não houve intenção do pai em ocultar os fatos da polícia. De acordo com o defensor, se houvesse essa intenção, ele teria procurado o restante da família para armar uma versão.

Sobre a questão da arma estar ou não carregada, o advogado acredita que o namorado da jovem que efetuou o disparo se enganou. “O que tem de incontroverso é que a arma chega carregada e quando ele saiu, ela estava carregada”, disse.

Segundo a reportagem, mais de 20 pessoas já prestaram depoimento à polícia. Os celulares da autora do disparo e do namorado estão sendo periciados.

Jovem trocou de roupa após atirar

Outro fato que chamou a atenção da mãe de Isabele foi o fato de que a autora do disparo trocou de roupa após o disparo. “Como duas adolescentes tiveram ideia de tomar banho e trocar de roupa? Eu cheguei na casa dela de roupão. Eu estava chocada. Aquilo pareceu um teatro, uma encenação”, disse.

Em depoimento, a autora do disparo diz que não lembra o que fez logo após o tiro e nega ter tido qualquer discussão com a vítima.

Também chama a atenção o depoimento do enfermeiro do Samu que viu a mãe da autora do disparo mexendo em uma arma na mesa da sala e a alertou para que não fizesse aquilo, pois ali fazia parte da cena do crime. “Houve grave falha no isolamento do local do crime”, diz o advogado da família de Isabele.

 

publicidade
1 comentário

1 comentário

  1. ANDRE M DAFFARA disse:

    Duas coisas que eu gostaria de citar, que talvez a perícia não tenha levantado, são:
    1 – uma pessoa que faz estande de tiro sabe que ao manusear uma arma diante de outra pessoa, não se deve colocar o dedo no gatilho, para evitar disparos acidentais, e
    2 – geralmente quando se esta carregando um case com objetos dentro e cai algo, a tendência é abaixar e ainda abaixado arrumar o objeto que caiu no chão dentro do case e nunca levantar com uma mão no case e outra com o objeto, para arrumar de pé. Então, a menina que efetuou o disparo esconde algo, pois como ela deixa cair a arma e levanta com a arma apontada para a colega?!?

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Policial

Durante abordagem policial, PRF em Rondonópolis encontra líderes de organização criminosa foragidos da justiça

Publicado


No dia de ontem (25), por volta das 16 horas, uma equipe da PRF, durante fiscalização de combate ao crime, no km 211 da BR 364, município de Rondonópolis-MT, abordou uma caminhonete Hilux de cor preta, ocupada por quatro indivíduos.

Foi solicitada a documentação de todas as pessoas do veículo, sendo apresentadas duas CNHs e duas carteiras de identidade. Durante checagem aos sistemas, a equipe observou que ambos RGs apresentados continham indícios de falsificação, sendo realizada uma busca mais detalhas nesses dois indivíduos. Em conversa com um deles, o mesmo relatou que era foragido da justiça, e disse seu verdadeiro nome, tendo apresentado o RG falso porque foi avisado por sua advogada de que havia um mandado de prisão em aberto em seu nome.

Após novas pesquisas nos sistemas e fontes policiais, o verdadeiro nome do indivíduo foi confirmado com mandado de prisão pendente de cumprimento. Já o outro homem que apresentou documento falso, também possuía mandado de prisão em aberto com validade até 16 de abril de 2033.

Os policiais ainda conseguiram descobrir, posteriormente, que um terceiro homem, dos que estavam dentro da caminhonete, embora não apresentar documentos falsos, também tinha um mandado de prisão em seu desfavor.

O último integrante do veículo, apesar de expor histórias conflitantes sobre o motivo da viagem, alegou não saber que os outros três indivíduos eram foragidos da justiça. Ele não tinha nenhuma pendência com a lei e não estava na flagrância de crime.

Antes do final da ocorrência, após contato com a Polícia Federal e Polícia Civil do estado do Amapá, a equipe da PRF teve conhecimento de que os envolvidos na situação tratavam-se de lideranças criminosas do estado do Amapá, e que eram intensamente procurados pela polícia daquela região.

Foi mais um importante trabalho da PRF no estado de Mato Grosso, garantindo a promoção da justiça e maior efetividade na segurança pública, trabalhando com integração e parceria com as demais forças policiais de nosso país.

                                                      ___________________________________________________________________

 Durante o final de semana, a PRF localizou mais dois indivíduos com mandados de prisão em aberto. Um novamente no município de Rondonópolis e outro em Cuiabá. Os mandados eram pela prática dos crimes de associação criminosa, falsificação de documento pública e crime ambiental.

Fonte: PRF MT

Continue lendo

Policial

Polícia Comunitária prestigia aniversário de quatro anos de menina que sonha em ser policial civil

Publicado


Assessoria/Polícia Civil-MT

Apaixonada pela Polícia Civil e com o sonho de se tornar policial um dia, a pequena Maria Laura Carvalho teve uma surpresa especial preparada pela equipe da Polícia Comunitária no dia do seu aniversário de quatro anos, comemorado na última sexta-feira (23.07).

Inspirada pela tia e madrinha, Dayane Carvalho, que é investigadora de polícia, Maria Laura pediu como decoração de sua festa o tema Polícia Civil. E ela também pediu para estar uniformizada como policial civil durante toda comemoração. 

 

Porém, a surpresa principal aconteceu no meio da festa, quando duas viaturas da Polícia Civil com sirenes e giroflexs ligados chegaram na frente da residência da aniversariante e os policiais da equipe da Polícia Comunitária da Polícia Civil chamaram por Maria Laura. 

“Nós ficamos sabendo que você quer ser policial civil e ficamos muitos felizes pela sua escolha. Queremos desejar a você toda a felicidade do mundo e que Deus abençoe todos os seus planos de vida”, disse o policial Amilton, que foi o primeiro a cumprimentar a aniversariante.

A partir de então, foram vários momentos de alegria como cantar parabéns em frente às viaturas, entrega de presente e as fotografias ao lado dos policiais. 

Segundo os pais da menina, Thiago de Souza e Jacqueline Carvalho de Souza, não só Maria Laura, mas também sua irmã Cecília amam a Polícia Civil e quando veem uma viatura fazem a maior festa. “Sempre ensinamos que a polícia nos protege dos bandidos, são do bem e os bandidos do mal. Ela ficou extremamente feliz e temos certeza de que essa boa experiência será única e marcante para ela”, disseram. 

Para investigadora Dayane Carvalho, a presença da equipe da Polícia Comunitária trouxe mais alegria à festa e realizou um sonho da sobrinha. “Ela estava tão ansiosa pelo dia do seu aniversário e com a presença dos policiais, a comemoração não poderia ter sido melhor”, destacou. 

Para comemorar os quatro anos de Maria Laura participaram da festinha a equipe da Polícia Comunitária os policiais Amilton Machado, Laura Lea, Nilton Cardoso, Pedro Portilho, Edson Valin e Luis Seixas.

Fonte: PJC MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana