conecte-se conosco


Política MT

Após pedido de deputados, Ipem vai aferir medidores de energia para a CPI da Energisa

Publicado


O pedido foi feito durante visita técnica dos parlamentares à sede do Ipem, em Cuiabá [F-Fablício Rodrigues]

O Instituto de Pesos e Medidas de Mato Grosso (IPEM MT) fará a aferição dos medidores de energia elétrica atendendo solicitação dos deputados estaduais que compõem a CPI da Energisa na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). O pedido foi feito nesta segunda-feira (2) em visita técnica dos parlamentares realizada à sede do IPEM MT, em Cuiabá.

O relator da CPI, deputado Carlos Avallone (PSDB), explicou que em um estado vizinho, onde a concessionária de energia também está sendo investigada em uma comissão, houve denúncias de distorções que chegam a 40% nas contas de energia elétrica.

A Comissão solicitará à Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) um profissional estatístico e o IPEM fará a medição de dez medidores por dia. “Antes do Natal traremos um número significativo para a população. Estamos fazendo um trabalho técnico e, se tiver problemas, vamos identificar, cobrar os responsáveis e encaminhar para que sejam punidos”, afirmou.

Ele ainda destacou a importância do IPEM MT para os trabalhos de verificação de pesos e medidas no estado. “O instituto tem uma equipe reduzida, mas muito competente, e precisa de melhores condições de trabalho para atender as novas demandas. Nesta visita, nós percebemos a necessidade do Ipem ampliar seus laboratórios de avaliação de medidores, um investimento estimado em aproximadamente R$ 800 mil”, disse Avallone.

O deputado Dr. Eugenio (PSB) reforçou a metodologia do IPEM MT para fazer a verificação destes medidores. “Eu não conhecia este trabalho e pude verificar que é sério e transparente para a sociedade mato-grossense. É uma responsabilidade muito grande de mostrar a realidade”, frisou.

Os medidores serão retirados e lacrados pela Energisa, com apoio da Polícia Militar, de acordo com o deputado Elizeu Nascimento (DC). “Trabalharemos com as denúncias feitas ao Procon e também aquelas que coletamos durante audiências púbicas realizadas nas Câmaras Municipais”, explicou.

Em 2019, até o dia 27 de novembro, o IPEM MT havia realizado 9.701 verificações em medidores de energia elétrica. Destes, 6.176 foram reprovados e em apenas 10 o consumidor foi lesado. “Na imensa maioria dos medidores reprovados houve lesão à concessionária de energia elétrica, como furto de energia”, informou Bento Bezerra, presidente do IPEM MT.

Os ensaios das unidades medidos serão realizados no Laboratório de Verificação Metrológica de Medidos de Energia Elétrica, conforme regulamento técnico metrológico e as portarias do Inmetro 285/2008 e 587/2012.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

Presidente adia votação da PEC da Reforma da Previdência

Publicado


.

Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), retirou de pauta da sessão extraordinária desta segunda-feira (29), a Proposta de Emenda à Constituição – PEC nº 06/2020 da Reforma da Previdência dos servidores públicos estaduais e o Projeto de Lei Complementar – PLC nº 06/2020, que trata do Regime de Previdência Complementar dos servidores do Estado.

As duas matérias serão votadas na sessão extraordinária que acontece nesta terça-feira (30), às 10 horas, no Plenário das Deliberações Deputado Renê Barbour. O Presidente Botelho atendeu o apelo da maioria dos deputados que pediu a retirada da PEC para estudar com mais detalhes as emendas apresentadas ao texto original.

Na Comissão de Constituição e Justiça e Redação (CCJR), das 36 emendas apresentadas pelos parlamentares e lideranças partidárias, apenas três foram acatadas. De acordo com a deputada Janaina Riva (MDB), há várias dúvidas sobre o encaminhamento das emendas. “Nós que estamos trabalhando com o Fórum Sindical estamos cheios de dúvidas. Vamos nos organizar hoje à noite para analisar os acordos feitos em relações às emendas”, disse a deputada.

O deputado Paulo Araújo (PP) afirmou que governo Mauro Mendes (DEM) quer mudar as regras do jogo no último minuto do segundo tempo. Segundo ele, o governo está quebrando um contrato assinado entre o Estado e os servidores.

“Estamos buscando um acordo político para incluir o maior número de servidores dentro da regra de transição, que seja justa e solidária. A Assembleia Legislativa tem que ser o juiz do bem, fazendo um acordo que seja político, republicano, legítimo e justo. Não sou contra a reforma da previdência. Sou contra algumas situações que colocam impõem aos servidores, como a regra de transição”, explicou Araújo.

Na mesma linha de entendimento, o deputado João Batista (Pros) afirmou que defende uma proposta justa às regras de transição para a aposentadoria dos servidores de todos os segmentos do Estado. “Que encontremos uma solução menos ruim para os servidores. Que elas não sejam tão prejudicial quanto o projeto original”, disse Batista.

Já o deputado Wilson Santos (PSDB) voltou a afirmar que votará a favor da reforma da previdência dos servidores e das emendas sugeridas pelos deputados e pelo Fórum Sindical. Entre as emendas citadas por ele, está o que define os 80% no cálculo final do salário da aposentadoria dos servidores.

“A minha posição é clara, não deixo dúvidas. Sou favorável à reforma da previdência. O Brasil precisa e até para o servidor será bom. No futuro, ele não vai sofrer com o colapso do sistema e com o atraso de salário”, disse Santos.

O deputado Elizeu Nascimento disse que vem trabalhando para que a reforma previdenciária seja menos sangrenta aos servidores mato-grossenses. “Para mim, será sempre lembrada como a PEC da escravidão. Infelizmente, algumas classes de servidores vão padecer, porque não terão o mesmo direito”, afirmou.

Fonte: ALMT

Continue lendo

Política MT

Governo anuncia recuo em projeto que ameaça terras indígenas em Mato Grosso

Publicado


.

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

A bancada governista anunciou que vai recuar e retirar do Projeto de Lei Complementar 17/2020 os artigos que permitem a regularização ambiental de fazendas que estão dentro de terras indígenas em Mato Grosso. As mudanças prometidas pelo governo são nos mesmos moldes da emenda proposta pelo deputado estadual Lúdio Cabral (PT) na semana passada. O anúncio do recuo foi feito pelo deputado Carlos Avalone (PSDB), durante a reunião da Comissão de Meio Ambiente, nesta segunda-feira (29).

“A base do governo informou que vai acatar o conteúdo da emenda que apresentamos para retirar os trechos que legitimavam apropriação ilegal de terras indígenas por grileiros e invasores profissionais. Esse recuo do governo é resultado de toda a mobilização que a sociedade civil e os povos indígenas fizeram contra esse projeto”, afirmou Lúdio. 

 

O PLC 17 foi duramente criticado pelo Ministério Público Federal (MPF) e por entidades indigenistas, ambientalistas e de direitos humanos. Além disso, a Justiça Federal derrubou medida semelhante baixada pela Fundação Nacional do Índio (Funai).  

O recuo do governo de Mato Grosso deve ser por meio de um substitutivo que suprime os artigos 1°, 2° e 4° do PLC 17, da mesma forma que a emenda proposta por Lúdio. Esses são os artigos que permitem o registro no Cadastro Ambiental Rural (CAR) de fazendas abertas dentro de territórios indígenas em processo de demarcação, contrariando a Constituição Federal. 

 

“O novo substitutivo ainda precisa ser formalizado e aprovado. Vamos continuar acompanhando, vigilantes, porque eles disseram que pretendem voltar a debater esse tema no futuro. Mas, mesmo que parcial, é uma vitória importante”, afirmou Lúdio.

O deputado citou que o projeto original ameaça 27 territórios indígenas. “Os fazendeiros que grilaram terras em áreas indígenas usarão o CAR para legitimar a invasão. O PLC 17 favorece apenas os grileiros, colocando em risco as populações indígenas, o meio ambiente, e até mesmo o agronegócio, pois Mato Grosso pode sofrer sanções comerciais impostas por países importadores da produção do estado”, alertou o deputado.

 

Fonte: ALMT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana