conecte-se conosco


Saúde

Após dor intensa, jovem é diagnosticada com câncer e tem perna direita amputada

Publicado

Aos 22 anos, Bernadette Hagans, que vive em Belfast, capital da Irlanda do Norte, começou a sentir uma pontada na perna direita, mas achou que tinha acabado de batê-la em uma caixa enquanto se mudava para seu novo apartamento. No entanto, meses depois, a dor piorou e, enquanto esfregava a perna, notou um pequeno caroço do tamanho de uma ervilha.

Leia também: Mulher cria perfil no Instagram para esqueleto de seu pé amputado

Mulher que teve perna amputada arrow-options
Reprodução/Instagram/bernadettehagans

Bernadette foi diagnosticada com um câncer raro e, para continuar vivendo, precisou que a perna direita fosse amputada

Diante da situação, a jovem agendou uma consulta médica em janeiro de 2018, mas foi diagnosticada com um nódulo de gordura inofensivo. Quando a dor na perna ficou cada vez pior, ela foi encaminhada para o hospital para realizar exames. Assim que os resultados chegaram, ela foi informada que estava com sarcoma, um raro e agressivo tipo de câncer. 

Por conta da doença, ela precisaria amputar sua perna direita a partir da região do joelho para impedir sua disseminação ou poderia morrer. De acordo com o The Sun, os primeiros sintomas começaram a aparecer em agosto de 2017. “Alguns dias, pareceria que eu estava sendo esfaqueada na perna”, diz. “Eu sentia como se meu osso fosse estalar”, completa. 

Em maio de 2018, Bernadette foi encaminhada ao Musgrave Park Hospital, onde passou por diversos exames ao longo dos meses. Foi então que, em agosto do ano passado, ela foi chamada para uma consulta urgente. “A enfermeira pegou minha mão e perguntou se tinha alguém comigo. Foi quando eu soube que deveria ser ruim”, destaca. 

Leia também: Paisagista britânico é obrigado a amputar a perna após ser picado por uma aranha

“Os médicos e ela perguntaram se poderiam ligar para meus pais, mas pedi que me contassem o que estava acontecendo. Eles explicaram que eu tinha sarcoma sinovial. Normalmente, eles tentam cortar o tumor, mas ele está enrolado em volta dos meus vasos sanguíneos e nervos. A única opção era amputar minha perna”, diz.

Leia Também:  A cada 3 horas e 40 minutos uma pessoa morre por acidente de trabalho

“Eu pareço louca, mas sempre fui uma pessoa positiva”

A jovem lembra que os profissionais olharam para ela esperando sua reação, que foi apenas sorrir e fazer uma piada. “Eles não conseguiam acreditar que eu tinha aceitado. Acharam que eu ficaria em choque”, aponta Bernadette, que logo foi apresentada para um especialista em prótese, que lhe disse que iria criar uma para ela logo após a cirurgia. 

“Eu pareço louca, mas sempre fui uma pessoa positiva. Eu realmente não fiquei tão chateada. Há tantas pessoas lá fora piores que eu. Até crianças com câncer . Eu já tinha 22 bons anos. Se fosse minha perna ou minha vida, então eles poderiam pegar a minha perna. A enfermeira ainda estava preocupada e me fazendo prometer ir direto para casa contar aos meus pais”, relata.

Amputação da perna

Mulher tem perna amputada arrow-options
Reprodução/Instagram/bernadettehagans

Jovem dá detalhes da amputação da perna e conta que, após o procedimento cirúrgico, fez algumas brincadeiras

Em outubro do ano passado, época de Dia das Bruxas, ela passou pela cirurgia para a remoção do membro. “Seis horas depois, acordei e olhei para baixo da cama. Em vez de dois pés de meias listradas, havia apenas um”, conta. “Traga-me um pouco de sangue falso e eu tenho a fantasia perfeita de Halloween”, brincou ao falar com a mãe. 

Depois de passar alguns meses na cadeira de rodas, Bernadette recebeu uma perna protética e surpreendeu seus fisioterapeutas ao aprender a andar novamente em apenas 10 dias. Exames mostraram que ela está livre do câncer, então a jovem decidiu não fazer mais nenhum tratamento.

“Quimioterapia por precaução significaria meses de mais visitas hospitalares. Eu só queria continuar com a minha vida”, relembra. “Eu decidi que não fazia sentido esconder minha deficiência, então logo voltei a usar vestidos e deixar a prótese em exposição. Eu carreguei uma bengala. Não queria ser derrubada em um bar movimentado”, destaca.

Leia Também:  Pela primeira vez, paciente recebe órgão transportado por drone

Inspiração para outras pessoas

Em fevereiro deste ano, a jovem viu uma publicação no Facebook de uma agência de modelos chamada Zebedee que pedia para pessoas com deficiência entrassem em contato. “Eu nunca pensei em mim como modelo. Na verdade, sou bastante tímida. Além disso, tenho apenas 1,53 cm de altura, nada bom para a passarela”, destaca.

“Mas agora que eu perdi minha perna, minha altura não importa mais”, completa. “Deixei uma mensagem para a agência: ‘Se eu puder ajudar outros amputados, valeria a pena’. Eu não esperava receber resposta, mas no dia seguinte recebi um telefonema convidando-me a viajar para Londres para uma sessão de fotos”, ressalta. 

Agora, Bernadette assinou um contrato com a Zebedee. “Eu quero inspirar outros amputados”, afirma. “Os médicos me disseram que era minha perna ou minha vida, então foi simples”, finaliza.

O que é sarcoma sinovial, câncer que afetou a jovem?

Segundo informações do site Sarcoma UK , o sarcoma sinovial é uma forma de câncer que se desenvolve nas células em torno de articulações e tendões e tende a afetar jovens adultos. Ele pode ocorrer em qualquer parte do corpo, mas geralmente perto do joelho.

Os sintomas podem variar dependendo do tamanho e localização do tumor, mas a doença tende a ser um nódulo ou inchaço nos tecidos moles do corpo sob a pele, especialmente no braço, perna ou tronco. Pode aumentar de tamanho, tornar-se maior que cinco cm e e, em geral, é doloroso.

Leia também: Pai descobre que dor no ombro é câncer raro e faz livro de memórias para filha

Quanto mais cedo o sarcoma for diagnosticado, melhores serão as chances de sucesso do tratamento. Para diagnosticar a doença, o médico fazer um exame físico ou de imagens. Uma biópsia também pode ser necessária. Ao identificar o estágio do câncer, o médico irá verificar qual o melhor tratamento para cada paciente. 

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

É normal ficar suada na região da vagina? Especialista responde

Publicado

Women's Health

Você se lembra quando começou a suar na virilha? Talvez você tenha treinado demais ou passado um longo dia caminhando no calor. Então, quando chegou ao banheiro e olhou no espelho, notou sua roupa íntima suada.

Leia também: Suar em excesso pode ser sinal de hiperidrose; saiba como controlar a condição

mulher arrow-options
shutterstock

vagina

Quer dizer, todo mundo sabe que as pessoas transpiram nas axilas, testa e, às vezes, costas ou mãos. Mas suar ao lado da vagina ?! Isso não é algo legal, vamos ser honestas. Aqui está o que você precisa saber sobre esse tipo de transpiração.

Primeiro: suar na virilha é totalmente normal

Isso acontece com todo mundo. “Isso porque nós suamos sempre que há glândulas sudoríparas na região”, explica Chris Adigun, dermatologista na Carolina do Norte, Estados Unidos. E há glândulas sudoríparas em toda a sua vulva, que é a área externa ao redor da vagina.

Lembre-se: sua vagina é interna – é o que você sente quando coloca o dedo dentro do buraco na direção da parte inferior da vulva. “E não há glândulas sudoríparas lá em cima”, observa Adigun. Então, não é sua vagina que está suando , só para ficar mais claro.

No entanto, existem glândulas sudoríparas nas partes ao redor da vagina. Especificamente, onde existe pelos – nos grandes lábios (os grandes lábios externos), o mons pubis (a corcova acima da sua vagina) e a virilha (onde suas pernas encontram sua pélvis). “Sua virilha não é tão diferente da sua axila”, completa Adigun.

Assim como a axila, a virilha é uma junção entre um membro e seu tronco. É por isso que faz mais sentido chamar a transpiração lá em baixo de suor da virilha e não suor da vagina.

Leia Também:  Alto risco de surto de febre amarela no Sul do país faz vacinação ser antecipada

É possível ter muito suor na virilha?

“Na maioria das vezes, um pouco de suor na área de vulva não é nada para se preocupar”, diz o Adigun. Todos nós transpiramos e às vezes isso também acontece por lá. “Se você está suando durante o treino ou quando está realmente quente, isso não é incomum”, ela afirma.

Então, ao invés de se sentir estranha quando tiver uma mancha de suor na calça de yoga, considere levá-la como um sinal de um treino hardcore.

Naturalmente, algumas pessoas suam mais do que o que os médicos considerariam normal, e o excesso de suor na virilha pode interferir na sua vida cotidiana. Esse tipo de transpiração excessiva é chamado de hiperidrose.

Enquanto as pessoas que sofrem de hiperidrose suam mais do que as outras na cabeça, axilas, mãos e pés, de acordo com a American Academy of Dermatology, às vezes podem ter sudorese extra-intensa na zona genital.

Em um estudo, uma menina saudável de 17 anos foi ao médico porque frequentemente sofria com esse problema. Ela suava tanto que usava absorventes grossos todos os dias para tentar manter as calças secas.

Leia também: Quer treinar sem suar demais? É simples: escolha os exercícios corretos

Isso é certamente uma quantidade anormal de suor lá embaixo. Mas você não precisa fazer muito esforço para marcar uma consulta com seu dermatologista. “Como suor anormal em qualquer parte do corpo, se você está molhando a roupa quando não está calor, isso não é normal”, explica Adigun.

Leia Também:  Tratamento via oral para diabetes tipo 2 pode ser mais eficaz, revela pesquisa

Vale a pena marcar uma consulta quando o suor estiver te deixando desconfortável ou inibindo sua vida de alguma forma. Adigun vê pacientes o tempo todo preocupados com o suor entre as pernas, porque eles se sentem constrangidos com manchas nas calças muitas vezes.

O que você pode fazer para não suar na virilha?

Há várias opções, segundo Adigun. Primeiro, ela sugere que as pessoas tentem antiperspirantes tópicos. Não são desodorantes típicos. Enquanto os desodorantes mascaram o odor do suor, os antitranspirantes ligam temporariamente as glândulas sudoríparas para que você sinta menos suor fisicamente.

Outra alternativa é fazer injeções de botox na região da virilha. Isso pode parecer assustador, mas geralmente é seguro e super eficaz. Enquanto a maioria de nós sabe sobre o botox por sua capacidade de suavizar rugas, a injeção também é usada para parar transpiração excessiva.

Ele suprime suas glândulas sudoríparas para que não suem tanto, e dura muito tempo. Normalmente, você terá que refazer as aplicações duas vezes por ano, ou seja, seis meses inteiros de supressão do suor.Existem algumas outras correções temporárias, especialmente se seu suor não é tão chato.

Leia também: Suar emagrece? E corrida, emagrece mais do que pedalada? Tire suas dúvidas

Se você não tem hiperidrose, mas ainda está um pouco irritada com essa transpiração, pode tentar absorver o suor com um produto em pó de talco (aplicado na pele da vulva, não na abertura da vagina ). Mas lembre-se que você não vai parar de suar – apenas absorverá a umidade. Mas isso pode ajudar se, em um dia quente, você se preocupar com esse problema.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Saúde

Urologistas debatem em Curitiba aspectos da infertilidade masculina

Publicado

Enquanto a mulher esgota seu potencial reprodutivo com a menopausa, o homem não passa por isso, diz o médico Marcelo Vieira, coordenador da Área de Infertilidade Masculina da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). A infertilidade masculina é um dos temas em debate no 37º Congresso Brasileiro de Urologia, que começa neste sábado (24), em Curitiba. O evento é promovido pela SBU e vai até terça-feira (27).

“O homem vai produzir espermatozoides até o último dia de vida”, destaca Marcelo Vieira, em entrevista à Agência Brasil. Segundo o médico, permanece a visão que se tinha antigamente de que a mulher tem uma melhor época para ser mãe e o homem pode ser pai a qualquer momento. “Isso continua verdadeiro, porém, existem algumas considerações”, ressalta Vieira.

O médico cita estudos recentes segundo os quais, clinicamente, homens acima de 40 anos demoram maior tempo para conseguir engravidar a parceira. “O que vemos nessa faixa etária é que a qualidade do sêmen piora e aumenta a fragmentação do DNA”.

E isso explicaria por que homens nessa faixa de idade demoram mais a ser pais. “Isso acontece por um processo natural de envelhecimento. As células que produzem espermatozoides, apesar de continuarem renovadas a cada divisão celular, sofrem o efeito do estresse oxidativo, que é o efeito básico do envelhecimento celular”, diz o urologista.

Associação

Marcelo Vieira lembra que estudos populacionais constatam uma associação entre o aumento da idade masculina, a piora da qualidade seminal e a demora para levar uma mulher à concepção em homens com mais de 45 anos. No entanto, alerta Vieira, esse tipo de estudo não consegue comprovar causa e efeito para isso. De acordo com o médico, outros estudos epidemiológicos de análise populacional comprovam a existência maior de autismo em pais com mais idade.

Leia Também:  Anvisa ordena recolhimento de 200 lotes de remédio contra a pressão alta

Além do tema de envelhecimento e fertilidade, o congresso da SBU vai debater ética em reprodução humana, ou seja, até onde a medicina pode chegar. Marcelo Vieira lembra que, antes de 1992, quando foi publicada a técnica de ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoide), era considerado antiético o tratamento de fator masculino grave nos homens que têm poucos ou quase nenhum espermatozoide. “Não se podia violar o óvulo com uma agulha para introduzir o espermatozoide. Dizem que, acidentalmente, isso aconteceu e foi desenvolvido um método”.

Hoje, as pesquisas são no sentido do desenvolvimento de gameta artificial a partir de célula-tronco, mas o especialista considera que ainda vai demorar algum tempo para isso se tornar efetivo.

A programação destaca, na segunda-feira (26), a mesa A Idade do Homem e Fertilidade: Existe Relação, com participação do urologista norte- americano Paul Turek, ex-professor titular da University of California San Francisco. O debate está previsto para as 8h10  na plenária do congresso.

Aspectos clínicos

Segundo Marcelo Vieira, outros temas de plenárias e cursos do congresso são voltados mais para aspectos clínicos da infertilidade conjugal. “Vamos discutir os temas [em] que nós, especialistas, temos dúvida no tratamento da infertilidade conjugal”. Por exemplo, se existe uma melhor técnica cirúrgica para recuperar espermatozoide dentro dos testículos, para homens que não têm espermatozoide na ejaculação.

Leia Também:  Alto risco de surto de febre amarela no Sul do país faz vacinação ser antecipada

Outro tema importante é a varicocele, ou varizes nos testículos, doença comum que causa infertilidade masculina. Vieira ressalta que a varicocele é tratável e admite correção cirúrgica, levando à melhora da qualidade seminal e à gravidez em casa após a correção do problema. O congresso discutirá a melhor forma de diagnóstico e situações de exceção no tratamento. “Se vale a pena tratar, ou não”, diz o especialista.

De acordo com o urologista, a varicocele é responsável por cerca de 40% das causas de infertilidade masculina, mas é corrigível. O homem pode operar e melhorar a qualidade seminal e engravidar a parceira naturalmente em casa ou ter seu espermatozoide melhor preparado para depois fazer um bebê de proveta. Marcelo Vieira esclarece que o resultado do tratamento com técnicas de reprodução assistida é melhor em homens operados de varicocele em comparação com os que não se submeteram à cirurgia.

Congressistas

Mais de 3 mil urologistas são esperados no congresso, que é considerado o maior evento da especialidade na América Latina e o terceiro no mundo em número de participantes. Estarão presentes nomes de destaque da urologia do Brasil e do exterior.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana