conecte-se conosco


Saúde

Anvisa autoriza mudanças em teste da “vacina de Oxford”

Publicado


.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou mudanças no protocolo do teste com a chamada “vacina de Oxford”, objeto de um dos ensaios clínicos em curso no Brasil e apontada por pesquisadores e pelo governo federal como uma das alternativas mais promissoras de prevenção da covid-19.

A alteração é a aplicação de uma dose de reforço, totalizando duas doses em vez de uma, como originalmente havia sido proposto. Essa parcela adicional de vacina será ministrada tanto para os que já haviam recebido a substância quanto para os voluntários que ainda receberão a vacina. No primeiro caso, o intervalo entre uma e outra será de quatro semanas.

A medida foi tomada a pedido dos responsáveis pela pesquisa. A mudança se deve ao fato de alguns estudos indicarem que a aplicação de duas doses pode produzir resultados mais efetivos na imunização.

Outra atualização foi a ampliação da faixa etária do grupo participante da pesquisa. Originalmente eram admitidas pessoas de 18 a 55 anos. A idade limite foi estendida para até 69 anos, incluindo uma faixas de idosos, o segmento que mais morre em função da covid-19.

A “vacina de Oxford” passou a ser conhecida popularmente por este apelido por se tratar de uma pesquisa capitaneada pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com o laboratório Astrazeneca.

O governo brasileiro celebrou um acordo com os agentes responsáveis para que o Brasil tenha preferência na aquisição de insumos e da transferência de tecnologia. O acerto inclui a pré-compra de insumos para 30 milhões de doses em dezembro e o repasse de tecnologia para a fabricação no país de mais 70 milhões de doses ao longo do ano de 2021.

A produção ficará a cargo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), órgão vinculado ao Ministério da Saúde.

Na semana passada, o governo federal editou Medida Provisória alocando R$ 1,99 bilhão em recursos para o custeio da aquisição dos insumos e transferência de tecnologia da vacina.

A vacina

Desenvolvida pela Universidade de Oxford, a vacina foi elaborada através da plataforma tecnológica de vírus não replicante (a partir do adenovírus de chimpanzé, obtém-se um adenovírus geneticamente modificado, por meio da inserção do gene que codifica a proteína S do vírus SARS-COV-2, do novo coronavírus). De acordo com o governo, embora seja baseada em uma nova tecnologia, esta plataforma já foi testada anteriormente para outras doenças, como, por exemplo, nos surtos de ebola e Mers (síndrome respiratória do Oriente Médio causada por outro tipo de coronavírus) e é semelhante a outras plataformas da Bio-Manguinhos/Fiocruz, o que facilita a sua implantação em tempo reduzido. A vacina está na Fase 3 dos ensaios clínicos, que é a última etapa de testes em seres humanos para determinar a segurança e eficácia.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Coronavírus: as ‘senhoras banqueiras’ que organizam socorro financeiro a latinos durante pandemia nos EUA

Publicado


source

BBC News Brasil

undefined
Angelica Casas

Hilda Robles em sua casa em San Antonio
Alejandra Sol Casas
Hilda Robles comprou seu primeiro carro nos EUA com a ajuda de uma tanda

Quando Hilda Robles lembra dos seus primeiros anos nos Estados Unidos , lágrimas brotam de seus olhos.

Quando ela chegou a San Antonio, no Texas, há cerca de 20 anos, até mesmo tarefas diárias simples como ir ao trabalho ou ao médico eram desafios, porque ela não tinha carro, não sabia inglês e não tinha quase ninguém a quem pedir ajuda.

Abrir uma conta no banco parecia impossível. “Quando entrei em um banco pela primeira vez, disseram que não poderia abrir uma conta porque não tinha número de seguro social”, diz ela, em referência ao registro que todo cidadão do país tem junto ao governo americano.

“Alguém me falou sobre um banco onde eu poderia abrir uma conta sem número do seguro social, mas a barreira do idioma me impediu.”

Foi então que Robles começou um tanda, um clube de poupança informal popular na América Latina, com contribuições de seus parentes.

Cada membro do clube contribui com uma quantia fixa para um fundo de forma regular e periódica. A soma total vai para um membro a cada rodada, até que todos recebam o pagamento.

Isso significa que os membros recebem de volta o que colocaram no fundo ao longo do plano, mas, ao obtê-lo na forma de uma quantia fixa, o dinheiro pode ser usado para compras, investimentos ou pagamentos de dívidas que de outra forma não poderiam arcar.

Os membros que pegam a quantia mais cedo estão efetivamente recebendo um empréstimo sem juros, enquanto aqueles que o recebem mais tarde no ciclo estão essencialmente sacando parte do dinheiro “economizado”.

Com os US$ 5 mil que recebeu de sua tanda, Robles comprou seu primeiro carro. Seus parentes e amigos do clube de poupança conseguiram fazer o pagamento de casas, pagar as mensalidades da universidade e, agora, em meio à pandemia de covid-19, usam esse dinheiro para sobreviver, porque ficaram desempregados ou doentes.

Gráfico mostra como funciona uma tanda

BBC

Desde aquele primeiro clube de poupança, há 14 anos, Robles, que hoje tem 49 anos, os administra continuamente, com apenas alguns meses de intervalo entre um e outro.

“Fico muito feliz em ver as pessoas alcançando seus objetivos por causa das tandas, sem ter que se afogar em dívidas de empréstimos. É a prova de que, entre nós, hispânicos, podemos progredir aqui.”

Clubes dão acesso a crédito a imigrantes durante a pandemia

Esse antigo mecanismo de poupança tem paralelos em todo o mundo. É geralmente conhecido como poupança rotativa ou associação de crédito.

No México, são popularmente chamados de tandas, mas também são conhecidos por outros nomes em várias partes do mundo. Comunidades de imigrantes continuam essa prática nos Estados Unidos.

À medida que as dificuldades econômicas acompanham a crise de saúde pública causada pela covid-19, para algumas famílias, os métodos tradicionais de poupança fora do sistema bancário se tornaram uma tábua de salvação, especialmente para as comunidades de imigrantes duramente atingidas com pouco acesso às principais fontes de crédito.

Isso tornou-se um assunto cada vez mais urgente em 2020. Mesmo antes da pandemia, os Estados Unidos estavam atrás de outros países ricos no que diz respeito a acesso a crédito.

Cerca de 7% dos americanos com mais de 15 anos não tinham nenhum tipo de conta bancária em 2017, em comparação com menos de 1% dos canadenses e menos de 4% dos britânicos, de acordo com o Banco Mundial.

Um quarto dos adultos americanos, ou seja, mais de 80 milhões de pessoas, eram “desbancarizadas”, o que significa que não tinham contas ou que precisavam recorrer a serviços alternativos aos bancos tradicionais para conseguir dinheiro suficiente para cumprir suas obrigações e alcançar suas metas.

Notas de cem dólares

Getty Images
As tandas permitem que seus membros economizem dinheiro e recebam isso de volta como um montante fixo

As famílias com maior probabilidade de se enquadrarem nas duas categorias eram de negros ou hispânicos, sem qualificações universitárias e pobres. Para ter acesso a empréstimos, eles às vezes precisam recorrer a opções de empréstimo não bancárias, como credores informais ou agiotas.

Essas opções podem ser arriscadas, cobrar juros altos e trazer consequências terríveis. Uma tanda pode fornecer uma alternativa mais segura e confiável.

“Esses sistemas são realmente úteis quando temos sistemas bancários com possibilidades finitas”, diz Caroline Hossein, professora de negócios e estudos sociais da York University, que estuda estes sistemas em comunidades no Canadá.

“Os bancos têm apenas uma certa quantia de dinheiro, e se você tiver apenas uma certa quantia, você só vai dá-lo para aqueles que são menos arriscados. Portanto, faz todo o sentido que as pessoas se envolvam nesses tipos de ajuda mútua ou sistemas de concentração de dinheiro.”

As ‘senhoras banqueiras’

Frequentemente, eles são dirigidos por mulheres, a quem Hossein chama de “senhoras banqueiras” da comunidade.

“A banqueira pode ser quem está organizando. Você pode entrar em contato com ela a qualquer hora do dia, pode ser alguém que more na sua vizinhança, então, é fácil chegar até ela. A papelada não é tão traiçoeira quanto seria em um banco formal, e existe uma espécie de ligação, porque são pessoas que se gostam e se conhecem.”

Embora tendam a ser “mais uma boia de salvação para pessoas que têm dificuldade de acesso aos bancos, especialmente para obter empréstimos”, esses esquemas de poupança também são usados ​​por membros mais estabelecidos de comunidades.

Além do acesso a um fundo de dinheiro, “um benefício principal é a construção de ‘laços de confiança mútua’ em uma rede de pessoas confiáveis”, diz Lee Martin, da Universidade da Califórnia. Tandas são benéficas principalmente para pessoas sem acesso às principais formas de crédito, afirma.

Mas, como eles são usados ​​por comunidades marginalizadas, estudar sua prevalência tem sido difícil, diz Hossein, que participa de uma tanda, conhecida como su-su em sua comunidade afro-caribenha, como parte de sua pesquisa.

“Muitas delas, principalmente em lugares como Canadá, Estados Unidos ou Europa, tendem a ser clandestinas”, diz ela.

Muitos temem que o empreendimento seja visto como uma forma de financiamento não respeitável ou até mesmo ilícita. Obviamente, ao contrário de uma conta poupança, eles não geram juros.

No entanto, os economistas acreditam que provavelmente são bastante comuns no Ocidente. Uma pesquisa com proprietários de empresas de vestuário coreano-americanas em Los Angeles, em 2004, descobriu que 77% das famílias participaram de uma versão deste sistema.

Sistema tem benefícios inesperados e riscos

O autocrédito dentro das comunidades pode ter benefícios inesperados. Um sistema semelhante ao de uma tanda entre os imigrantes chineses na Espanha, por exemplo, ajudou os empresários expatriados a superar a crise do euro no final dos anos 2000 e 2010.

A comunidade empresarial chinesa estava “amplamente isolada pelos caprichos do vacilante sistema bancário de varejo do país”, informou o Financial Times em 2014.

Robles gerindo sua tanda com anotações em um caderno

BBC
Robles diz que já teve que tirar do próprio bolso para pagar a parte de quem não pagou, mas afirma que isso é raro

Na crise de covid-19 de 2020, as famílias que participaram da tanda que Robles está administrando conseguiram pagar suas contas quando seus membros ficaram desempregados ou doentes.

Para a maioria, era a única fonte de dinheiro, diz Robles. Apenas uma das famílias recebeu o benefício do governo, porque não tinham os documentos para pagar o seguro-desemprego.

Como qualquer esquema de investimento, porém, as tandas não são isentas de riscos. Um participante pode deixar de pagar ou pegar sua parte e fugir. Robles diz que isso ocorreu raramente e que teve de completar a diferença do seu próprio bolso.

Como operam com base na confiança, geralmente dentro de uma comunidade profundamente conectada, as consequências sociais das más ações dissuadem casos assim.

Mas, como são administrados de forma privada, há poucos recursos legais contra quem trapaceia. E, ao contrário de colocar dinheiro em uma conta de poupança bancária, não há pagamento de juros.

Esquema enfrenta obstáculos para se popularizar

Será que as tandas podem se popularizar ainda mais?

Uma tentativa do Yahoo Finance de popularizar um aplicativode tanda em 2018 não teve sucesso. O esquema foi encerrado depois de apenas alguns meses devido, ao que parece, à falta de participação.

Existem dois grandes obstáculos, na opinião de Hossein: o estigma associado a uma ferramenta financeira não tradicional usada por minorias étnicas; e a barreira na confiança que deve ser superada para colocar a fé em outras pessoas para lidar com dinheiro.

Mas, com a pandemia de covid-19, a participação nas tandas de uma geração mais jovem de americanos com interesse em compartilhar recursos e tecnologia de forma eficiente, podem tornar o esquema em um método de economia mais comum.

Para Mayra Martinez, de 30 anos, que trabalha com administração universitária em Dallas, no Texas, estar em tandas a ajudou a aprender sobre confiança e a fomentar um senso de obrigação de economizar, o que pode ser difícil para jovens, diz ela.

“Não é como um compromisso consigo mesmo, onde você pode facilmente dizer ‘não vou fazer isso este mês porque simplesmente não quero’.”

É uma camada adicional de segurança econômica em um mundo que tem sido imprevisível para jovens profissionais, como atesta a experiência de Martinez. Sua irmã e seu cunhado recentemente testaram positivo para covid-19 e não puderam trabalhar. “Ela acabou de receber sua tanda esta semana”, disse Martinez.

A tanda em que Martinez está envolvida agora consiste em membros da família de todas as gerações e é administrada por sua mãe.

Ela criaria e administraria uma para ela e seus irmãos e primos quando as gerações mais velhas não mais participassem?

“Eu não me importaria…”, diz ela, acrescentando com uma risada: “Mas depende de quais primos”.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil registra 863 óbitos e 32.058 novos casos em 24h

Publicado


O boletim diário do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça-feira (29), revela que o Brasil registrou 4.777.522 casos confirmados do novo coronavírus desde o início da pandemia.

Desse total, 2,9% dos casos resultaram em morte (142.921); 10,5% dos pacientes estão em tratamento (499.513); e 86,6% dos brasileiros que contraíram covid-19 estão recuperados (4.134.088).

Nas últimas 24 horas, foram registrados 863 óbitos e 32.058 novos casos confirmados. Os casos são menores aos domingos e segundas-feiras pelas limitações de alimentação da base de dados pelas equipes das secretarias de saúde. Já às terças-feiras, o número tem sido maior pelo envio dos dados acumulados do fim de semana.

As autoridades de saúde ainda investigam se outras 2.501 mortes foram provocadas por coronavírus.  

SP tem melhor terça-feira desde maio

Nas últimas 24 horas, o estado de São Paulo contabilizou 266 mortes e 6.377 casos do novo coronavírus. Com isso, o estado soma, até este momento, 35.391 mortes e 979.519 casos confirmados, desde o início da pandemia.

Às terças-feiras, por causa de um represamento de dados que ocorre nos finais de semana, o balanço de casos e de mortes costuma ser sempre maior, batendo até recordes. Mas hoje (29) o balanço de mortes foi o menor já registrado para uma terça-feira desde o dia 26 de maio, quando foram registradas 203 mortes. Isso só foi interrompido no dia 8 de setembro, que se seguiu ao feriado prolongado de 7 de setembro, quando o registro foi de 53 mortes. Mas o balanço do dia 8 de setembro pode ter sido prejudicado com o represamento de dados ocorrido por causa do feriado. O dia que o estado de São Paulo mais registrou mortes em um único dia aconteceu em 13 de agosto, quando foram notificados 455 óbitos.

Do total de casos diagnosticados, 847.418 pessoas estão recuperadas, sendo 107.415 após internação.

Há 9.076 pacientes internados em casos suspeitos ou confirmados do novo coronavírus, sendo que 3.954 deles estão em estado grave. A taxa de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) é de 44,4% em todo o estado e de 42,9% na Grande São Paulo.

Onde há mais casos de covid-19 no Brasil

*Casos acumulados desde o início da pandemia

São Paulo = 979.519

Bahia = 308.252

Minas Gerais = 292.291

Rio de Janeiro = 263.699

Ceará = 239.497

Onde há mais mortes por covid-19 no Brasil 

São Paulo = 35.391

Rio de Janeiro = 18.388

Ceará = 8.950

Pernambuco = 8.222

Minas Gerais = 7.259

Boletim epidemiológico covid-19Boletim epidemiológico covid-19

Boletim epidemiológico covid-19 – Ministério da Saúde

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana