conecte-se conosco


Saúde

Alzheimer: entenda porque mulheres são mais vulneráveis à doença

Publicado

A descoberta foi publicada na revista Alzheimer’s Disease & Dementia: The Journal of the Alzheimer's Association
Robina Weermeijer / Unsplash

A descoberta foi publicada na revista Alzheimer’s Disease & Dementia: The Journal of the Alzheimer’s Association

Pesquisadores da Universidade de Chicago e da Escola de Medicina da Universidade de Boston, ambas nos Estados Unidos, identificaram um novo gene que parece aumentar o risco de Alzheimer em mulheres.

A descoberta, publicada na revista Alzheimer’s Disease & Dementia: The Journal of the Alzheimer’s Association, fornece uma nova pista sobre por que as mulheres parecem mais mulheres do que homens são diagnosticadas com a doença.

Nos Estados Unidos, 6,2 milhões de pessoas com 65 anos ou mais foram diagnosticadas com a doença, destas quase dois terços são mulheres. Isso significa que a doença de Alzheimer é quase duas vezes mais comum em mulheres do que em homens.

O gene recém-descoberto é chamado O6-Metilguanina-DNA-metiltransferase ou simplesmente MGMT,. Ele desempenha um papel importante na forma como o corpo repara danos ao DNA em homens e mulheres. No entanto, parece aumentar o aumento do risco de Alzheimer, mas apenas em pessoas do sexo feminino.

A descoberta da existência do novo gene foi feita em dois grupos de pessoas completamente diferentes. No primeiro deles, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Chicago estava analisando a composição genética de uma grande família de huteritas, uma população de ascendência da Europa Central que se estabeleceu na região centro-oeste do país.

Como os huteritas são uma população fechada que se casa dentro de suas próprias origens e mantêm extensos registros genealógicos, eles se tornaram uma excelente escolha para pesquisas genéticas. Neste estudo, os indivíduos com Alzheimer eram todos mulheres.

A segunda abordagem, baseada em evidências sugerindo uma ligação entre Alzheimer e câncer de mama, analisou dados genéticos de um grupo nacional de 10.340 mulheres que não tinham APOE ε4, uma variante genética de risco para o Alzheimer.

Em ambos os conjuntos de dados, o MGMT foi significativamente associado ao desenvolvimento de Alzheimer. A equipe de pesquisa comparou os resultados ao tecido cerebral masculino autopsiado e não encontrou associação entre o gene MGMT e a doença em homens.

Em seguida, os pesquisadores analisaram o MGMT via epigenética, que é o que acontece quando um gene é ativado ou desativado por comportamentos e fatores ambientais, os pesquisadores descobriram que o gene, que ajuda na reparação de danos no DNA, está significativamente associado ao desenvolvimento das proteína beta-amiloide e tau, que são características da doença de Alzheimer, especialmente em mulheres.

A descoberta, segundo os pesquisadores, é particularmente robusta porque aconteceu independentemente em duas populações distintas, usando abordagens diferentes.

“Esta é uma das poucas e talvez a mais forte associação de um fator de risco genético para a doença de Alzheimer que é específico para as mulheres”, disse Lindsay Farrer, chefe de genética biomédica da Universidade de Boston e autora sênior do estudo, em comunicado.

O gene APOE ε4 é considerado o fator de risco mais forte para o desenvolvimento futuro da doença de Alzheimer em pessoas com mais de 65 anos. No entanto, muitas mulheres com essa variante não desenvolvem a doença, enquanto mulheres sem o gene ainda podem desenvolvê-la. O MGMT pode ser uma das explicações por trás disso.

Segundo os pesquisadores, este estudo demonstra a importância da busca por fatores de risco genéticos para Alzheimer, que podem ser específicos de um gênero. Mais estudos são necessários para entender por que o MGMT influencia o risco de da doença mais em mulheres do que em homens.

Fonte: IG SAÚDE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Saúde

Rio vai paralisar imunização de crianças de 3 e 4 anos contra covid-19

Publicado

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro informou hoje (8) que, a partir desta terça-feira (9), a vacinação de crianças de 3 a 4 anos com a primeira dose (D1) contra a covid-19 será paralisada. A interrupção ocorre devido ao Ministério da Saúde não ter enviado doses de CoronaVac solicitadas desde o mês passado pela prefeitura do Rio. Já a aplicação da segunda dose (D2) para este público, prevista para iniciar em 13 de agosto, está garantida com a vacina reservada especificamente para esse fim.

De 15 de julho a 8 de agosto, as unidades da secretaria vacinaram 39.319 crianças de 3 e 4 anos com a primeira dose (D1) da CoronaVac, único imunizante autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso neste público. Quando a imunização desta faixa etária foi aprovada pela agência federal, o município do Rio tinha doses da vacina em estoque, o que permitiu o início imediato da aplicação. Apesar das solicitações de novas doses, neste momento, não há previsão de quando nova remessa será enviada pelo Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que está em tratativas para aquisição do imunizante com maior celeridade, de acordo com a disponibilidade de entrega das doses pelos fornecedores.

Para o estado do Rio de Janeiro, “foram entregues mais de 44,9 milhões de doses de vacina para a campanha contra a covid-19. Destas, mais de 10 milhões de doses são CoronaVac. A pasta reitera a disponibilidade de outras vacinas para o público acima de 5 anos e reforça a necessidade de estados e municípios cumprirem as orientações pactuadas para garantir a imunização da população brasileira”, esclareceu o ministério.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil registra 170 óbitos e 17,4 mil casos em 24 horas

Publicado

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 17.409 novos casos de covid-19 em 24 horas e confirmaram 170 mortes por complicações associadas à doença em todo o país. Os dados estão na atualização divulgada nesta segunda-feira (8) pelo Ministério da Saúde. Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia já soma 34.035.780.

O número de casos de covid-19 em acompanhamento está em 565.320. A expressão em acompanhamento é usada para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não resultaram em alta, nem evoluíram para óbito.

Com os números de hoje, o total de óbitos chegou a 680.166 desde o início da pandemia. Ainda há 3.246 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação sobre a causa do óbito ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 32.790.294 pessoas se recuperaram da covid-19 no Brasil. O número corresponde a 96% dos infectados desde o início da pandemia.

Aos sábados e domingos e nas segundas-feiras, o número diário de casos e mortes registrado tende a ser menor pela dificuldade de alimentação dos bancos de dados pelas secretarias municipais e estaduais de Saúde. Às terças-feiras, o quantitativo, em geral, é maior pela atualização dos casos acumulados nos fins de semana.

Boletim epidemiológico da covid-19 Boletim epidemiológico da covid-19

Boletim epidemiológico da covid-19 – Ministério da Saúde

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, o estado que registra mais mortes por covid-19, até o momento, é São Paulo, com 173.346 óbitos. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com 75.013; Minas Gerais, com 63.137; Paraná, com 44.645; e Rio Grande do Sul, com 40.549.

O estado com menor número de mortes em consequência da doença é o Acre, que registra 2.021 óbitos, seguido pelo Amapá, com 2.153; por Roraima, com 2.161; pelo Tocantins, com 4.189; e por Sergipe, com 6.419.

Vacinação

Até esta segunda-feira, o vacinômetro do Ministério da Saúde indicava que 469.551.995 doses de vacinas contra covid-19 tinham sido aplicadas no país, desde o início da campanha de imunização.
Destas, 178,5 milhões como primeira dose, 159,6 milhões como segunda e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em mais de 103,5 milhões de pessoas e a segunda dose extra, ou quarta dose, em 18 milhões.

O painel registra ainda 4,7 milhões de doses como “adicionais”, que são aquelas aplicadas em quem tinha recebido o imunizante da Janssen, de do

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana