conecte-se conosco


Política Nacional

Aliados pedem para que programa de governo de Lula seja enxuto

Publicado

source
Aliados sugerem a Lula procurar empresários para ampliar apoio na sociedade
Reprodução Twitter

Aliados sugerem a Lula procurar empresários para ampliar apoio na sociedade

Na primeira reunião para instalação da sua coordenação de campanha nesta segunda-feira, o pré-candidato do PT à Presidência da República,  Luiz Inácio Lula da Silva, ouviu de dirigentes de partidos aliados uma sugestão para que procure empresários com o objetivo de ampliar o arco de apoios na sociedade. 

Ao mesmo tempo, essas lideranças fizeram um pedido para que o programa de governo seja enxuto e focado apenas em temas centrais para evitar polêmicas e facilitar a adesão de novas forças.

Como resposta, Lula afirmou que já conversou com o ex-governador Blairo Maggi, um dos maiores produtores de soja do país. O petista também revelou que pretende procurar diretamente a Fiesp assim que o programa de governo estiver pronto. A entidade empresarial é presidida por Josué Alencar, filho do ex-presidente José Alencar.

“O que eu falei e outros falaram é que precisa falar com todos os setores, especialmente com setor industrial, o agronegócio.A ideia é procurar esses setores”, afirmou o presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP).

Paulinho defende que Lula converse primeiro com os setores específicos, como de produtores de máquinas, químicos e de produção de cana-de-açúcar.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que também participou da reunião realizada em um hotel da Zona Sul de São Paulo, confirmou que Lula mostrou disposição para abrir conversas com o setor produtivo e deve usar o ex-governador Geraldo Alckmin, indicado vice da chapa, nessa missão.

“Assim que o programa estiver pronto, ele (Lula) vai procurar a Fiesp e levar o programa para debater. O próprio presidente falou isso. Quer conversar com empresários. Vai procurar também a CNI (Confederação Nacional da Indústria) e a CNC (Confederação Nacional do Comércio). Convidará o Alckmin para ir junto.”

De acordo com o senador, Alckmin pode ter mais facilidade com alguns setores:

“Tem muita coisa que vai ser tarefa do Alckmin, sobretudo ele conversa com o setor do agronegócio no interior de São Paulo.”

O presidente do PSB, Carlos Siqueira, acredita que o programa de governo “tem que deixar claro para a sociedade a abertura para a ampliação”. O dirigente ressaltou, porém, que as decisões são de Lula e ele apenas emite as suas opiniões.

“Se a gente está falando de frente ampla e essa frente do ponto vista partidário não ocorreu, devemos dar agora uma demonstração com um programa de frente. Assim, podemos agregar setores econômicos, políticos, sociais, que embora não sejam de esquerda, possuam pontos de identidade. A meu ver não tem outra saída para ampliar que não seja por via de um programa.”

Uma parte da reunião foi usada para explicar como o programa de governo será elaborado. Os aliados defenderam que o texto se concentre nos pontos básicos. 

“A nossa ideia é um programa mais enxuto, que seria ainda mais enxuto do que eles (petistas) pensam, que pegasse uma cinco,seis pontos de unidade que traga coesão de forças”, disse Siqueira, citando como exemplos a elaboração de um plano de reindustrialização do país e outro de desenvolvimento econômico da Amazônia.

O presidente do Solidariedade concorda que o programa de governo deve ser simples com cinco  ou pontos centrais. 

“A minha opinião sobre o programa é que só serve para gente apanhar. Se você quiser detalhar, vai ser cobrado”, disse Paulinho.

Apesar de a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ter se recusado a comentar, durante entrevista coletiva, a saída do ex-governador João Doria (PSDB) da corrida presidencial, o assunto domina as conversas. Durante um almoço de Lula e Alckmin com presidentes dos partidos, Paulinho falou sobre a possibilidade de atrair o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, que era o principal assessor econômico do tucano. 

De acordo com o próprio presidente do Solidariedade, o ex-presidente respondeu com um sorriso.

Petistas avaliam que a saída do ex-governador pode ajudar a conquistar eleitores tradicionais do PSDB em São Paulo. Há intenção também de procurar tucanos históricos. Ainda no almoço, Lula, de acordo com os presentes, falou que procuraria o suplente de senador José Aníbal (SP). O ex-ministro e ex-senador Aloysio Nunes já  havia anunciado apoio ao petista mesmo antes da desistência de Doria.


Carlos Siqueira acredita que a saída do tucano é uma oportunidade para Lula ampliar o rol de aliados.

“Mas tem que ter a disposição do PT de procurar”, afirmou o dirigente do PSB, que ainda acrescentou.

“Na medida que ele desiste, e essa terceira via mostra que não tem grandes perspectivas, é uma oportunidade que tem que ser examinada.”

Uma outra parte das conversas desta segunda-feira foi dedicada a tratar de comunicação. Foram exibidos vídeos produzidos pelo marqueteiro Sidônio Palmeira na linha dos preparados para o ato de lançamento da pré-candidatura no último dia 7. As peças focam na comparação entre Lula e Bolsonaro, com o argumento de que um representa o amor e outro o ódio.

De acordo com petistas, ficou acertado que não haverá embates com o bolsonarismo nas redes sociais nas linhas propostas pelo adversário. A avaliação é que se entrar no jogo do atual presidente a derrota é certa. Os aliados de Lula querem trazer a discussão para os temas econômicos do dia-a-dia.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Governo limita reajuste das taxas de foro em terrenos da União

Publicado

Uma medida provisória editada pelo presidente Jair Bolsonaro limita o reajuste das taxas de foro e de ocupação dos terrenos da União a 10,06% no exercício de 2022. O valor corresponde à inflação do ano passado com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A assinatura da MP foi informada na noite desta sexta-feira (24) pela Secretaria-Geral da Presidência da República. O texto deve ser publicado na edição do Diário Oficial da União de segunda-feira (27).

A partir de 2023, o lançamento dos débitos deverá observar o percentual máximo de atualização correspondente a duas vezes a variação acumulada do IPCA do exercício anterior ou os 10,06%, o que for menor. 

Segundo o governo, a medida corrige distorções de legislações anteriores, que obrigavam a Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União (SPU) a realizar reajustes de até cinco vezes o IPCA. As maiores variações ocorriam quando a Planta de Valores Genéricos (PVG), informada pelos municípios – que ficam com 20% da arrecadação da SPU – era atualizada após anos de defasagem. A planta também é a base de valores de imóveis utilizada pelos municípios para a fixação das cobranças do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). 

Paga todos os anos, a taxa do foro incide sobre terrenos cujos titulares se encontravam nas terras antes da demarcação como área da União e equivale a 0,6% do valor atualizado do imóvel. Atualmente, cerca de 300 mil imóveis em todo o país estão sob o regime de foro. Na maioria dos casos, são terrenos na faixa litorânea cuja ocupação é permitida, mas a área pertence parcialmente ao governo para garantir a defesa nacional e o livre acesso ao mar pela população.

“Com a edição da MP, embora a SPU continue obrigada a seguir a PVG informada pelos municípios, fica garantido que o reajuste da cobrança de taxas de foro e de ocupação nunca seja maior que 10,06%. Além disso, vale enfatizar que muitos cidadãos podem não ter aumento algum, ou até mesmo redução na cobrança, em caso de atualizações para menos da PVG pelos municípios”, argumentou a Secretaria-Geral da Presidência. 

Para este ano, a SPU disponibilizará os documentos de arrecadação em sua página na internet [patrimoniodetodos.gov.br], para os quais serão concedidos o parcelamento em até cinco cotas mensais, com o vencimento da primeira parcela ou da cota única para o dia 31 de agosto de 2022, respeitado o valor mínimo de R$ 100 para cada parcela.

Edição: Fábio Massalli

Continue lendo

Política Nacional

Márcio França se encontra com Lula mas mantém candidatura a governador

Publicado

source
Ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB)
reprodução: commons – 13/06/2022

Ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB)

O ex-governador  Márcio França (PSB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniram nesta sexta-feira para tratar da eleição em São Paulo. Aliados acreditam que França aceitará desistir da sua pré-candidatura a governador nos próximos dias, mas o presidente do PSB, Carlos Siqueira, disse que o ex-governador reafirmou ao líder petista a sua intenção de se manter na disputa.

Lula tem se empenhado para reproduzir em São Paulo a aliança firmada com o PSB no plano nacional e que levou Geraldo Alckmin(PSB) a ser indicado para ser o seu vice.

O pré-candidato do PT a governador é o ex-prefeito Fernando Haddad. A saída de França facilitaria o caminho para Lula e Alckmin percorrerem juntos o interior de São Paulo.

“O Márcio me contou que teve uma boa conversa com o Lula, mas disse que mantém a sua candidatura ao governo paulista”, afirmou Siqueira.


A ideia de Lula é que França concorra ao Senado na chapa de Haddad. O GLOBO mostrou nesta sexta-feira que o PSB quer reduzir o número de candidatos a governador do partido para que sobre mais dinheiro para as campanhas de deputados.

Integrantes da direção da legenda acreditam que ter cinco postulantes a executivos estaduais seria o ideal. França não entra nessa conta. O pré-candidato do PSB também não conseguiu até agora partidos aliados, o que dificulta as suas pretensões de concorrer a governador.

Um dos trunfos de França propagados para a eleição de São Paulo é contar com Alckmin como seu cabo eleitoral exclusivo. Mas nesta sexta-feira, o pré-candidato a vice-presidente esteve com Haddad na inauguração de um laticínio do MST, na cidade de Andradina, no interior do estado.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana