conecte-se conosco


Saúde

Além da depressão: outras doenças que podem levar ao suicídio

Publicado

Embora quase sempre associada aos casos de suicídio , a depressão não é o único motivo que pode influenciá-lo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS, a doença não é sequer a principal causa. Entre os outros fatores estão alterações de humor, personalidade, doenças psiquiátricas e condições como abuso e dependência do ácool. 

homem deitado arrow-options
Thinkstock/Getty Images

Os borderlines sentem uma dependência emocional profunda em relação a outra pessoa


Leia mais: Dia mundial de prevenção do suicídio: saiba como reconhecer sinais e ajudar

É importante destacar que “os transtornos psicológicos são o foco das campanhas de prevenção porque, em sua maioria, exageram ou distorcem a realidade do paciente, conduzindo a uma falsa ideia de que o suicídio seria a última saída”, explica o psicólogo Gutemberg Santos.

Saiba quais são os principais fatores de risco que podem levar ao suicídio :

Transtorno Afetivo Bipolar

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o transtorno afetivo bipolar é o principal fator de risco para o suicídio . Caracterizada pela mudança brusca entre episódios depressivos e momentos de enorme euforia – chamados hipomania ou mania – a bipolaridade afeta cerca de seis milhões de brasileiros, dos quais 15% chegam a tentar se matar. 

Assim como os demais diagnósticos psiquiátricos, o transtorno bipolar não possui um exame laboratorial que determine sua presença. O teste é feito por observação de comportamento e exclusão de fatores, o que depende de critérios subjetivos e pode levar anos. 

Leia Também:  Anvisa recolhe remédios para pressão alta com princípio da ‘sartanas’

Independente do diagnóstico, porém, existem tratamentos psicoterapêuticos e psiquiátricos que podem ajudar a pessoa bipolar a lidar com os sintomas e reduzir riscos. 

Esquizofrenia

As crises esquizofrênicas se manifestam através de de delírios, alucinações, ideias de perseguição e os chamados sintomas negativos: diminuição da vontade, incapacidade de sentir prazer e necessidade de isolamento. Por isso, o paciente diagnosticado e em crise pode oferecer sérios riscos a si mesmo e aos outros. 

De acordo com o psicólogo Ronaldo Coelho, a doença pode se manifestar em qualquer fase da vida, mas os tratamentos são eficazes e podem proporcionar uma vida tranquila, dentro dos cuidados corretos. “independente do diagnóstico a prioridade deve ser a diminuição do sofrimento desse paciente”, diz. 

Leia mais: Preconceito sobre a depressão ainda impede que muitos busquem ajuda

Transtornos de personalidade

Tendo como principal representante o transtorno de personalidade borderline (ou limítrofe, como também é chamado) esse distúrbio é caracterizado pela quebra brusca nos padrões de comportamento

Reações muito exageradas ou violentas com mudanças repentinas de humor, medo exagerado do abandono, automutilações e desprendimento da realidade estão entre os sintomas.

Apesar de afetar quase 6% da população brasileira, o transtorno borderline ainda é pouco conhecido pela maioria das pessoas, o que reforça olhares preconceituosos sobre a doença. Também é importante destacar a diferença entre borderline e bipolaridade, que é um transtorno de humor e possui episódios que chegam a durar meses em cada extremo. 

Leia Também:  Secretaria de Saúde do Rio confirma surto de sarampo em Paraty

Abuso de álcool e drogas 

Entre os fatores de risco para o suicídio , também está o abuso de drogas lícitas ou ilícitas. Entre as de venda legalizada, destaca-se o álcool, relacionado a cerca de 35% dos suicídios no país, de acordo com pesquisadores na Universidade de São Paulo. 

Segundo o neurologista comportamental Fábio Porto, os perigo está nas mudanças que as drogas podem provocar na forma como o cérebro lida com a impulsividade e os instintos vitais, de uma maneira geral. 

“Existem as drogas estimulantes e depressoras. Ambas oferecem riscos. Enquanto as estimulantes, como a cocaína, incentivam o comportamento impulsivo, as depressoras – como o álcool – podem confundir os instintos vitais”, afirma o profissional.

Leiam mais: Sintomas de bipolaridade podem começar na adolescência

Como ajudar alguém que pensa em suicídio? 

Independente da causa que pode estar por trás do pensamento suicida, porém, a consumação do ato pode ser evitada. Atenção de amigos e familiares e um suporte social são fundamentais, além do acompanhamento psicológico que deve ser levado em consideração independente de crises ou diagnósticos. 

Em São Paulo, existem redes especializadas e clínicas que oferecem psicoterapia e plantões psiquiátricos gratuitamente. Confira no infográfico abaixo informações para agendar uma consulta. 


Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Médico retira barata ainda viva de ouvido de paciente e filma procedimento; veja

Publicado

Uma  barata no ouvido causou muitos problemas para uma paciente que mora no Vietnã, cuja identidade não foi revelada. Após sentir dores insuportáveis, ela foi atrás de ajuda médica e teve de aguentar um procedimento de dois minutos para conseguir retirar o inseto, ainda vivo, de dentro de sua orelha.

Barata entalada no ouvido da mulher arrow-options
Reprodução/Daily Mail/Newsflare

A barata no ouvido estava causando dores agonizantes na paciente, que precisou de atendimento médico

Segundo o tabloide britânico Daily Mail , a mulher já suspeitava que tinha um bicho dentro da orelha quando acordou à noite com dor de ouvido, mas não suspeitava que fosse encontrar uma barata lá.

O médico que a atendeu no Hospital Can Tho, Dr. Trinh, capturou todo o procedimento de retirada da barata no ouvido em vídeo. Segundo ele, o inseto havia entrado no canal auditivo da mulher para abrigar-se do clima úmido. Os danos causados à  orelha interna da paciente podem levar vários dias para cicatrizarem.

Confira abaixo um trecho do vídeo da retirada do inseto:

Leia Também:  Mais de 16 milhões de doses da tríplice viral foram distribuídas pelo Ministério

Leia também: Barata é retirada de ouvido de americana após ficar dez dias presa no local

Por que foi encontrada uma barata no ouvido da paciente?

Médico usando equipamento para retirar a barata no ouvido arrow-options
Reprodução/Daily Mail/Newsflare

O procedimento para retirar a barata no ouvido da paciente demorou dois minutos e foi gravado do início ao fim

Em entrevista ao  Daily Mail , o presidente da Sociedade Britânica de Otologia, Philip Robinson, constatou que casos de insetos na orelha interna como o da mulher são muito raros.

Segundo ele, acredite-se que os pelos e cera de ouvido sirvam como uma barreira contra insetos e dejetos. “O canal auditivo tem seu próprio sistema de limpeza [e] normalmente transportaria qualquer poeira ou dejeto para fora do ouvido em uma ou duas semanas”, explicou.

Leia também: Excesso de cera de ouvido pode causar diminuição da audição

No entanto, alguns insetos vivos podem ficar presos dentro do canal e não encontrarem uma maneira de sair, como no caso da barata no ouvido da paciente, causando complicações como as dores de ouvido que ela relatou a seu médico.

Leia Também:  Secretaria de Saúde do Rio confirma surto de sarampo em Paraty

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Saúde

Será que é diabetes? Confira 8 sinais sutis de que você pode estar com a doença

Publicado

Women's Health

Preparado para uma estatística assustadora? Mais de 30 milhões de pessoas nos EUA têm diabetes, de acordo com os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) . E pior: 25% nem imagina isso.

Leia também: Problemas de coração estão mais perto do diabetes do que você pode imaginar

Médica segurando quadro negro escrito arrow-options
shutterstock

O diabetes apresenta sinais bem mais sutis que os mais conhecidos que podem ajudar no diagnóstico da doença

E não acaba por aqui, não: 84 milhões de americanos têm pré- diabetes (quase diabetes, quando os níveis de açúcar no sangue são altos, mas não altos o suficiente para diabetes) e 90% dessas pessoas não sabem que têm também, segundo o CDC.

Me lembre o que é diabetes novamente

Diabetes não é apenas uma doença. Na verdade, existem três tipos de diabetes : tipo 1, tipo 2 e diabetes gestacional. A maioria das pessoas possui diabetes do tipo 2, que acontece quando o corpo não usa bem a insulina e não consegue manter seu nível de açúcar no sangue estável, de acordo com o CDC.

O diabetes tipo 1 é muito menos comum – apenas cerca de 5% dos diabéticos têm. Ele é essencialmente uma doença auto-imune em que o corpo deixa de produzir insulina (e, como tal, não consegue regular o açúcar no sangue).

E diabetes gestacional ocorre em mulheres grávidas. Ela geralmente vai embora depois que você dá à luz, mas pode aumentar a probabilidade de desenvolver o tipo 2 mais tarde, de acordo com o National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases (NIDDK).

Todos os três tipos de diabetes podem ser facilmente detectados através de um exame de sangue . O teste, essencialmente, verifica se a glicose no sangue (também conhecida como açúcar no sangue) está muito alta. Mas esteja avisado: você não pode diagnosticar a si mesmo – nem mesmo com um medidor de glicose no sangue OTC, de acordo com o NIDDK.

“Infelizmente, muitas pessoas estão andando com diabetes ou pré-diabetes não diagnosticados. Isso porque os sintomas são super-sutis”, diz Poorani Goundan, endocrinologista do Boston Medical Center (EUA).

Esses sintomas sorrateiros de diabetes listados abaixo podem indicar que é hora de ir ao consultório do seu médico para um teste.

Leia também: Veja como a obesidade pode levar a diabetes do tipo 2

8 sinais que podem indicar que você tem diabetes

1. Você tem que fazer xixi o tempo todo

“Quando você tem excesso de açúcar correndo pela corrente sanguínea, seu corpo instintivamente tenta se livrar dele”, explica Mary Vouyiouklis Kellis, endocrinologista da Cleveland Clinic (EUA). “A água segue o açúcar, então você acaba tendo uma grande perda de urina”, completa.

Se você perceber que, de repente, está fazendo muito xixi e com mais frequência, sem nenhum motivo real, é hora de conversar com seu médico.

2. Você não para de beber água

Homem com sede segurando garrafa d'água arrow-options
shutterstock

Sentir uma sede insaciável também pode ser um indicativo de que você está com diabetes

Com tudo isso, a desidratação é uma possibilidade muito real. E, para piorar a situação, “alguns pacientes que não sabem que têm diabetes saciam a sede com bebidas açucaradas como refrigerante ou suco, o que aumenta o açúcar no sangue”, diz Goundan. Os sinais de desidratação incluem urina de cor escura, queda no peso (da água) e sede extrema.

Soa familiar? Converse com seu médico sobre esse possível sintoma de diabetes, especialmente se ocorrer em conjunto com muitos intervalos do banheiro.

3. Você está com mau hálito

Mulher cobrindo a boca arrow-options
shutterstock

O mau hálito causado pela desidratação é outro sinal sutil de diabetes que pode passar batido

A desidratação relacionada ao diabetes contribui para a secura da boca e para o mau hálito que pode acompanhá-lo. “Afinal, com a boca seca, não há cuspe suficiente para lavar as bactérias e equilibrar o pH da boca”, diz Kellis.

Além disso, diabetes não diagnosticada ou descontrolada pode desencadear cetose. Trata-se de um processo no qual o corpo usa gordura, em vez de glicose, como energia. “A cetose libera um subproduto químico chamado cetonas, que pode fazer seu hálito cheirar desagradavelmente doce ou frutado”, ela diz. Às vezes pode até cheirar a acetona, já que é um tipo de cetona.

A menos que você esteja em uma dieta cetogênica (que é projetada para colocá-lo em cetose), vale a pena conversar com seu médico.

4. Sua visão está ficando cada vez mais embaçada

Mulher esfregando os olhos em frente a computador arrow-options
shutterstock

A visão embaçada pode ser causada pelo excesso de açúcar e é um possível sinal de que você tem diabetes

A visão embaçada é um sintoma comum e freqüentemente ignorado em mulheres. O que diabete tem a ver com a sua visão? Kellis explica que um fluido pode se formar na lente do olho quando os níveis de açúcar aumentam. Esse fluido pode borrar a visão, causar miopia e a necessidade de usar óculos ou lentes de contatos. “Felizmente, controlar os níveis de açúcar no sangue pode clarear a visão turva”, acrescenta.

Leia Também:  Precisa dirigir muito? Veja como evitar danos à coluna e problemas de saúde

Leia também: Mãe de criança com diabetes fala sobre impacto da hipoglicemia; veja dados

5. Suas mãos e pés adormecem muito

Mulher segurando a mão adormecida arrow-options
shutterstock

Mãos e pés que adormecem demais são problema comum para quem tem diabetes tipo 2, devido à redução do fluxo sanguíneo

Neuropatia – uma condição caracterizada por dormência ou sensações estranhas, como alfinetes e agulhas em seus braços, pernas, mãos e pés – ocorre em mais da metade das pessoas com diabetes tipo 2, de acordo com uma revisão da Diabetes Care 2017 .

Por que tão comum? “Diabetes reduz o fluxo sanguíneo para suas extremidades e, ao longo do tempo, danifica seus vasos sanguíneos e nervos”, diz Kellis.

6. Seus machucados levam uma eternidade para sarar

Mulher colocando lupa sobre cicatriz arrow-options
shutterstock

A dificuldade em cicatrizar ferimentos é outro sinal de diabetes que não deve ser ignorado

Sensação reduzida em suas extremidades torna você mais propenso a lesões. “É menos provável que você perceba um corte porque não consegue senti-lo. Isso significa que é menos provável que você cuide dele e mais provável que seja infectado”, diz Goundan.

Então, uma vez que você tenha uma lesão, o diabetes não controlado pode dificultar a cura. “Os altos níveis de açúcar no sangue fornecem um bom ambiente para o crescimento das bactérias”, aponta a profissional.

Isso porque o diabetes também é frequentemente acompanhada de pressão alta e colesterol alto, e o acúmulo de placa resultante pode reduzir os vasos sanguíneos, reduzindo o suprimento de sangue e levando a uma cicatrização lenta.

O diabetes também pode enfraquecer as células que compõem o seu sistema imunológico – a defesa do corpo contra infecções. “Quando você tem açúcar elevado no sangue, é como atrasar o exército do seu corpo para ir para a ferida para curá-lo”, diz Kellis.

7. Você está perdendo peso sem razão

Mulher decepcionada sentada no chão ao lado de balança arrow-options
shutterstock

Outro sinal de diabetes é a perda de peso sem explicação aparente, causada pela resistência à insulina

Perda de peso inexplicável pode acontecer por muitas razões, e diabetes é um deles. Goundan explica que a insulina ajuda seu corpo a mover o açúcar do sangue para as células. Com isso, quando você tem uma resistência à insulina, não obtém energia suficiente nas células, apesar de todo o açúcar que flui pelo seu corpo. “Como você não consegue obter energia suficiente a partir do açúcar, seu corpo queima sua própria gordura e músculo para obter energia”, diz Kellis. “A perda de peso pode ser bastante significativa.”

Geralmente, os médicos recomendam a visita ao médico se você perder involuntariamente entre 5 a 10 por cento do seu peso corporal ao longo de seis meses.

Leia também: Qual insulina causa menos hipoglicemia em quem tem diabetes tipo 2?

8. Você dorme o suficiente, mas ainda está cansado

Homem e mulher cansados dormindo com a cabeça apoiada na mão arrow-options
shutterstock

A sensação de cansaço mesmo após uma boa noite de sono é outro sinal de diabetes que não deve ser ignorado

“Os carboidratos são a principal fonte de energia do seu corpo. Mas seu corpo não pode efetivamente usar essa fonte de energia quando você tem a doença”, explica Goundan. Além disso, a desidratação relacionada ao diabetes também pode causar fadiga.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana