conecte-se conosco


Agro News

Agricultores indígenas promovem evento em Mato Grosso

Publicado

Fortalecimento Institucional

Agricultores indígenas promovem evento em Mato Grosso


Sindicato de Campo Novo do Parecis

11/02/2019

 

Mato Grosso será sede do 1º Encontro Nacional do Grupo de Agricultores Indígenas nos dias 11, 12 e 13 de fevereiro. O encontro está sendo organizado por agricultores indígenas da Região Oeste do Estado e conta com o apoio da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT). A sede do Encontro será a Unidade 1 da Cooperativa Coopihanama, próximo ao município de Campo Novo do Parecis.

Para o presidente da Aprosoja-MT, Antonio Galvan, a mobilização que os indígenas vêm fazendo merece o apoio e respeito dos produtores rurais de todo o país, além da atenção das autoridades.

"A Aprosoja está aberta a estes produtores rurais e vamos participar do evento por entender que se eles estão em um Estado eminentemente agrícola, têm terras agriculturáveis e querem produzir temos que incentivar. Temos que entender que eles são geradores de emprego e renda e contribuem com a economia como outros produtores rurais. Por outro lado, essa inserção deles no meio produtivo também é uma forma de assegurar mais qualidade de vida, a inclusão social que eles mesmo anseiam”, afirma Galvan.

Nos dois primeiros dias, os produtores indígenas terão uma programação exclusiva para eles, quando debaterão assuntos que provocaram o movimento que vem ganhando força na região. No dia 13 a programação contará com a presença de autoridades, sendo que, a partir das 10h, será realizada visita à área de produção, com colheita da cultura da soja.

Em seguida, haverá a solenidade com a apresentação do projeto de cultivo pelo presidente da Cooperativa Coopihanama, Ronaldo Zokezomaiake Paresi. De acordo com o líder Paresi, Arnaldo Zunizakae Paresi, na programação está prevista a entrega de uma carta de reivindicações às autoridades que estarão no evento no dia 13. O documento será elaborado ao longo dos dias anteriores, quando eles estarão reunidos.      

“Entre as presenças confirmadas estão da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, do ex-senador e ex-ministro Blairo Maggi, do governador do Estado, Mauro Mendes, além de prefeitos, vereadores da região e deputados estaduais e federais”, afirma ele.

O líder aponta que entre os principais temas estão a necessidade de alteração na legislação para permitir parcerias, de qualquer natureza, em terras indígenas. A busca por conseguir acesso a financiamento nos bancos oficiais. Outra busca dos produtores, de acordo com a organização do evento, será a permissão para o plantio de mudas e sementes transgênicas em terras indígenas, já que atualmente é proibido.

“Na pauta também consta o processo de demarcações de terras indígenas e ainda a discussão sobre uma possível reformulação da Fundação Nacional do índio (Funai)”, afirma o responsável pela unidade da Funai na região, Francisco Rocha, que acompanha de perto o trabalho dos agricultores da etnia Paresi.

Segundo os líderes da aldeia, há necessidade de tornar as demandas das aldeias de uma forma mais ágil e a sugestão será a maior descentralização dos assuntos que hoje ficam todos centralizados em Brasília.

 

SERVIÇO:

 

Evento: 1º Encontro Nacional do Grupo de Agricultores Indígenas

Data: 11, 12 e 13 de fevereiro

Local: Unidade 1 da Cooperativa Coopihanama – Aldeia Matsene Kalore, Rovia MT-235, Terra Indígena Utiariti.

Horário: Dia 13 – A partir das 10h

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: [email protected]

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Agro News

FRANGO/CEPEA: Preço da carne cai e eleva competitividade frente à suína

Publicado

Cepea, 1º/7/2022 – Os preços da carne de frango seguiram enfraquecidos em junho, ao passo que os valores da suína subiram. Diante disso, a competitividade da proteína avícola frente à concorrente cresceu pelo segundo mês consecutivo. Em junho (até o dia 29), o frango inteiro resfriado foi comercializado no atacado da Grande São Paulo à média de R$ 7,44/kg, queda de 1,1% sobre a de maio. Segundo colaboradores do Cepea, apesar das vendas externas aquecidas, o baixo consumo interno pressionou as cotações da maioria dos produtos da avicultura de corte. Já para a carne suína, o período de inverno e festas tradicionais têm aquecido as vendas, ao passo que a oferta de animais em peso ideal de abate está menor, contexto que vem resultando em elevação dos preços. Em junho, a carcaça especial suína foi cotada, em média, a R$ 9,35/kg, avanço mensal de 1,1%. Diante disso, a carcaça suína esteve 1,91 Real/kg mais cara que o frango inteiro na parcial de junho, diferença 10,8% maior que a observada em maio, o que reduziu a competitividade da carne de frango frente à substituta. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Continue lendo

Agro News

CITROS/CEPEA: Colheita de tangerina poncã se aproxima do fim em SP

Publicado

Cepea, 1º/7/2022 – A colheita de tangerina poncã se iniciou em fevereiro no estado de São Paulo, mas a intensificação da oferta ocorreu apenas em meados de março. Agora, a comercialização da variedade se aproxima do fim no estado. Segundo colaboradores do Cepea, as últimas frutas paulistas devem ser colhidas até o encerramento de julho, com a oferta local se desacelerando na segunda quinzena do mês. Em agosto, ainda deve haver tangerinas de Minas Gerais no mercado, o que pode restringir valorizações da fruta em SP. Segundo colaboradores do Cepea, tanto em SP quanto em MG, a produção de tangerina poncã foi bem distribuída ao longo dos meses, sem grandes concentrações de produção. Contudo, diante das restrições econômicas do País e da queda das temperaturas em maio e junho, o consumo não foi alavancado neste ano. Assim como para a laranja, produtores se mostram preocupados com o aumento dos custos de produção da tangerina poncã, diante da forte valorização dos insumos. Um alento é que os preços também subiram: em junho, a média de comercialização foi de R$ 33,43/cx de 27 kg, na árvore, alta nominal de 18,3% em comparação com a de junho de 2021. Já frente a maio/22, houve queda de 12,4%. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana