conecte-se conosco


Nacional

Advogada de indigenista é impedida de acompanhar operação, diz Univaja

Publicado

source
Grupo faz ato em Copacabana e pede respostas em investigação
Domingos Peixoto/RJ – 12.06.2022

Grupo faz ato em Copacabana e pede respostas em investigação

O assessor jurídico da Unijava, Eliésio Marubo, afirmou na tarde desta segunda-feira (13) que a advogada da família do indigenista Bruno Pereira, desparecido junto com o jornalista inglês Dom Phillips , tem sido impedida de acompanhar a investigação do caso pelas autoridades policiais.

“Queria fazer uma convocatória para a OAB porque a advogada da família, a doutora Carolina Santana, tem sido impedida na realização do seu trabalho. A sua prerrogativa tem sido cassada por parte da autoridade policial, sobretudo da Polícia Federal, que não tem concedido em favor da família do nosso amigo Bruno o acesso à toda a informação que tem sido coletada”, disse o advogado representante da ONG.

O representante da Univaja afirmou ainda que não foram encontradas vísceras, mas um material genético que, a pedido das autoridades policiais, ele não poderia revelar exatamente o que era. Esse material foi coletado e enviado para Brasília para ser periciado.

“Acredito que é possível encontrá-los com vivo. Bruno Pereira já caminhou no mato conosco durante muito tempo. Só vamos desacreditar quando encontrarmos indícios disso”, afirmou Marubo, que acredita estar perto do fim das buscas.”

“Nosso efetivo tem aumentado com mais indígenas se voluntariando. Conhecemos muito bem a região e estamos reduzindo a área cada vez mais.”

A Polícia federal informou na noite desta segunda-feira que não encontrou qualquer novo indício sobre o desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, desaparecidos na região do Vale do Javari há oito dias. No domingo, o Corpo de Bombeiros do Amazonas havia encontrado uma mochila e um par de sandálias na área de busca.

Segundo a nota, sobre “o material orgânico aparentemente humano e as amostras de sangue anteriormente coletados”, a entidade informou que “a perícia está sendo realizada e o resultado deverá sair no decorrer dessa semana”. 


Ainda na nota, a entidade informou que, “além dos esforços concentrados no referido local, as buscas continuaram em outras áreas do Rio Itaquaí”.

O desaparecimento da dupla foi alertado pela Univaja na segunda-feira, dia 6. O Vale do Javari é a região com a maior concentração de povos indígenas isolados do mundo. 

Uma testemunha-chave afirmou ter visto Amarildo da Costa Oliveira, o Pelado, suspeito de envolvimento no desaparecimento da dupla, carregar uma espingarda e fazer um cinto de munições pouco depois que o indigenista Bruno Pereira e o jornalista inglês Dom Phillips deixaram a comunidade de São Rafael com destino à Atalaia do Norte, na manhã do domingo, dia 5, data em que foram vistos pela última vez.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nacional

MS: hospital confirma morte de indígena em ação da Polícia Militar

Publicado

source
Entidade afirma que tropa de choque da PM do MS faz ação contra indígenas
Instagram Apib

Entidade afirma que tropa de choque da PM do MS faz ação contra indígenas


O Hospital de Amambaí, no Mato Grosso do Sul, confirmou na noite desta sexta-feira a morte de um dos indígenas atingidos durante  ação da Policía Militar do estado em uma área reivindicada pelo povo da etnia Guarani Kaiowá. 

O Conselho Indigenista Missionário (CIMI) havia afirmado na tarde desta sexta-feira que seis pessoas ficaram feridas após a operação no local. O Batalhão de Choque teria sido acionado para conter uma ocupação em uma propriedade rural. 

Os militares teriam entrado em confronto com indígenas, e três policiais foram baleados, de acordo com o Batalhão de Choque.

Segundo informações do portal Primeira Página, a vítima teria sido atingido por três disparos. Procurada pelo GLOBO, a PM confirmou a ação, mas não repassou número de feridos ou se houve óbitos. O CIMI informou que duas pessoas tinham sido encaminhadas para Campo Grande.

Além deles, o órgão afirmou que há três indígenas desaparecidos, entre mulheres e crianças, no município de Naviraí, em outra ação, feita por indígenas Kaiowá e Guarani na noite desta quinta-feira, para recuperar parte do território ancestral denominado Kurupi/São Lucas. 

Em comunicado, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) informou que a ação da PM teria ocorrido sem ordem judicial.

Na noite desta quinta-feira, um grupo com cerca de 25 indígenas teriam ocupado a Fazenda Tejui, a cerca de 14 km de Naviraí, na região de Dourados. Segundo a polícia, os nativos teriam feito os moradores da propriedade reféns e os expulsaram da casa, o que teria dado início à ocupação da sede e das estradas de acesso ao local.

“Na noite dessa quinta-feira (23), o clima já era de tensão e a ação da polícia e fazendeiros se premeditava. Diante das informações dos feridos, do contingente populacional local e do histórico de violência na região, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) teme que a situação evolua rapidamente para um novo episódio de massacre contra os Guarani Kaiowá, como o ocorrido em 2016, em Caarapó (MS)”, informou o Cimi em nota.

Ainda segundo a entidade, a reserva de Amambai é a segunda maior do estado de Mato Grosso do Sul em termos de população, com quase 10 mil indígenas. Os Guarani Kaiowá defendem que a região é parte de um “território tradicional que lhes foi roubado”, pertencente à reserva de Amambaí.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Continue lendo

Nacional

Ribeiro encerra ligação após aviso de que estava em ‘celular normal’

Publicado

source
Em ligação, Ribeiro conversava com a filha sobre receio de Bolsonaro ser afetado pela operação da PF
Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil – 17/03/2022

Em ligação, Ribeiro conversava com a filha sobre receio de Bolsonaro ser afetado pela operação da PF

Em uma ligação interceptada pela Polícia Federal no dia 9 de junho, o ex-ministro da Educação  Milton Ribeiro conversava com a filha sobre o receio do presidente Jair Bolsonaro “ser atingido” por meio de uma operação da Polícia Federal deflagrada contra ele, quando foi avisado pela interlocutora que ela estava telefonando de um “celular normal”.

“Não, pai… essa voz não é definitiva, não sei se ele tem alguma informação. Eu estou te ligando do celular normal, viu, pai”, diz ela.

A partir desse momento, Ribeiro muda o tom e tenta encerrar o conversa, o que indica que ele percebeu que poderia estar sendo grampeado pela Polícia Federal.

“Aé, então, depois a gente fala, tá…. (…) Beijos. Mas Deus vai cuidar.”

Na hora de se despedir, Ribeiro faz questão de frisar que o presidente estava falando em “pressentimento” e que os dois haviam se falando quando Bolsonaro estava em viagem aos Estados Unidos.

Antes de ser alertado pela filha, Ribeiro dizia que o presidente achava que poderia ocorrer uma operação de busca e apreensão contra ele.

“Hoje o presidente me ligou… ele está com um pressentimento, novamente, que eles podem querer atingi-lo através de mim, sabe? É que eu tenho mandado versículos pra ele, né? (…) Ele acha que vão fazer uma busca e apreensão… em casa. é muito triste. Bom! Isso pode acontecer, né? Se houver indícios, né?”, diz ele, na ligação.

No final do diálogo, a filha acrescenta que eles “não têm nada a esconder”. “E boa sorte para quem quiser fazer uma busca no 21”, diz ela, dando a entender que o apartamento estava muito bagunçado por causa de uma mudança.


Na última quarta-feira, dia 22, Ribeiro foi alvo da Operação Acesso Pago deflagrada pela Polícia Federal. Ele chegou a ser preso preventivamente, mas foi solto após uma decisão do desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Como Ribeiro havia deixado o comando do MEC, o caso tramitava na primeira instância da Justiça Federal do DF. O Ministério Público Federal, no entanto, apontou que houve indícios de vazamento da ação e possível “interferência ilícita” por parte de Bolsonaro – o que motivou um pedido para que o processo voltasse ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Ribeiro é investigado na Operação Acesso Pago pela suposta prática dos crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. A defesa do ex-ministro nega qualquer irregularidade e diz que a prisão não tinha justificativa, porque ele não exercia mais influência no governo federal e tem bons antecedentes criminais.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana