conecte-se conosco


Nacional

Ações de FHC, Lula e Dilma foram “chave” no combate à fome no Brasil, diz ONU

Publicado

bolsonaro arrow-options
Marcos Corrêa/PR – 19.7.19

Presidente Jair Bolsonaro disse que fome no Brasil “é uma grande mentira”

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta sexta-feira (19), em café da manhã com correspondentes de jornais estrangeiros, que “passar fome no Brasil é uma grande mentira” , explicando que “não se vê gente pelas ruas com físico esquelético”  O capitão também atacou os antecessores no Planalto Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (PT), desejando que, “se Deus quiser”, “não teremos mais pessoas” como os três ex-presidentes  na política.

As declarações de Bolsonaro surgem na mesma semana em que a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um relatório anual sobre a fome no mundo. O documento reserva duas páginas para analisar a evolução do Brasil nos últimos 20 anos, destacando o papel de programas de combate à fome, redução da pobreza e da desigualdade social lançados justamente por iniciativa de FHC, Lula e Dilma.

“A persistente desigualdade e dificuldade no acesso a serviços básicos como educação e saúde são bem conhecidas no Brasil. De todo modo, nos anos 2000, a desigualdade caiu substancialmente, enquanto a economia do país cresceu 3,2% entre 1999 e 2014”, reportou a ONU . “O crescimento da renda familiar, combinado com sólidas e coordenadas políticas social, educacional, e para a saúde foram a chave para a redução da pobreza e da desigualdade no Brasil entre 2002 e 2014”, continua o documento.

Leia também: “Não tô vendo nenhum magro”, diz Bolsonaro a jornalistas após fala sobre fome

O relatório, desenvolvido pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), menciona três programas que ilustram o que seriam essas “sólidas e coordenadas políticas social, educacional, e para a saúde”: Fome Zero , Brasil sem Miséria e Bolsa Família.

O Fome Zero foi o primeiro programa criado por Lula em seu primeiro mandato, em 2003, e previa desde ajuda financeira a famílias pobres até a construção de restaurantes populares. Já o Brasil sem Miséria foi lançado em 2011, já no governo Dilma Rousseff. O Bolsa Família , embora tenha recebido esse nome já durante o governo Lula, em 2004, nasceu de medida provisória editada pelo antecessor do petista na Presidência, Fernando Henrique Cardoso.

“Fome Zero representou uma iniciativa chave do novo governo brasileiro em 2003. Ele transformou a segurança alimentar e nutricional em um assunto crucial para a estratégia social e econômica, e também introduziu a erradicação da fome à agenda política do País”, disse a FAO. 

“O Fome Zero e seu sucessor, Brasil sem Miséria , coordenaram vários programas em diversos setores: transferência de renda, merenda escolar, acesso à saúde, agricultura familiar, inclusão produtiva, acesso à água e saneamento básico, entre outras. Um desses programas é o Bolsa Família, o emblemático programa brasileiro de transferência de renda”, continua o relatório.

“É estimado que a transferência de renda promovida pelo Bolsa Família seja responsável por 25% da redução da extrema pobreza e por 15% da redução da pobreza desde 2004”, finaliza o texto das Nações Unidas. 

Leia também: Além da Previdência: as principais propostas aprovadas na Câmara no 1º semestre

Horas após a declaração de Bolsonaro a respeito da suposta inexistência da fome no Brasil, o presidente recuou e reconheceu que “uma pequena parte dos brasileiros” passa fome. E voltou a criticar gestões anteriores: “Temos problemas alimentares no Brasil? Temos. Não é culpa minha. Vem de trás”.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Nacional

Após relaxar quarentena, governador do Ceará volta atrás e mantém isolamento

Publicado


source
Camilo Santana arrow-options
Reprodução

Governador Ceará

Durou poucas horas o relaxamento da quarentena no estado do Ceará. Depois de anunciar, na noite deste domingo (5) que iria liberar as atividades de parte da indústria, comércios da área de limpeza, higiene e material de construção, e feiras populares, o governador Camilo Santana voltou atrás e manteve o isolamento até o próximo dia 20.

Leia também: Datafolha: 76% consideram importante ficar em casa para combater a covid-19

“Diante da argumentação feita pelo nosso Comitê de Saúde, demonstrando preocupação com as flexibilizações de funcionamento colocadas pelo Governo do Estado nesse último decreto que entraria em vigor nesta segunda-feira (6), decidi revogar imediatamente o mesmo, e publicar um novo decreto, mantendo todas as proibições dos decretos anteriores, e com o mesmo prazo de validade de 15 dias. Se houve um erro nessa proposta de flexibilização, que seja imediatamente corrigido”, informou a nota divulgada pelo governador nas redes sociais.

Com isso, o decreto estadual, publicado no dia 19 de março e que tinha sido prorrogado até este último domingo, passa a valer por mais 15 dias e mantém as atividades paralisadas no Ceará . O descumprimento da medida prevê multa diária de até R$ 50 mil.

Leia também: Com 104 anos, sobrevivente da gripe espanhola é mais velha a vencer Covid-19


Continue lendo

Nacional

Itália usará satélites europeus para monitorar aglomerações

Publicado


source
pessoa segurado máscara arrow-options
Reprodução

País é um dos mais afetados pela pandemia do novo coronavírus

A Defesa Civil da Itália ativou os satélites do programa europeu Copernicus para mapear estruturas sanitárias e monitorar possíveis zonas de aglomerações de pessoas por conta da pandemia do novo coronavírus.

O anúncio foi feito no Twitter pelo comissário da União Europeia para Gestão de Crises, o esloveno Janez Lenarcic. “O objetivo é ter um claro entendimento do território para o subsequente monitoramento das atividades e espaços públicos durante a emergência da Covid-19 [doença provocada pelo novo coronavírus]”, disse.

Leia também: Coronavírus: sinais de celulares ajudam a localizar aglomerações de pessoas

A Itália já tem usado drones para inibir concentrações de pessoas nas ruas e eventuais violações das medidas de confinamento impostas pelo governo. Apenas no último fim de semana, o Ministério do Interior registrou mais de 20 mil denúncias por desrespeito da quarentena. Desde 11 de março, já são quase 190 mil denunciados.

Até o momento, o novo coronavírus contaminou cerca de 130 mil pessoas na Itália e deixou aproximadamente 16 mil mortos. As medidas de isolamento no país ficam em vigor pelo menos até 13 de abril.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana